1. Spirit Fanfics >
  2. O cirurgião da morte - Villain Deku >
  3. Capitulo 13 - ...

História O cirurgião da morte - Villain Deku - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - Capitulo 13 - ...


Fanfic / Fanfiction O cirurgião da morte - Villain Deku - Capítulo 13 - Capitulo 13 - ...

Capitulo 13 -....

P.O.V (Point Of Vision) Izuku Midoriya

                Ao ouvir o som da porta de sua casa sendo fechada, o doutor suspirou de forma pesada e andou até a entrada e trancou a porta, esperando o som dos passos dos policias sumirem por completo e para ter certeza que eles haviam ido embora o esverdeado foi até sua janela e puxou levemente a cortina e olhou para a rua, seu olhar continuava atento até ambos entrarem no carro e seguirem seu rumo pela rua.

                Cerrando seus punhos e rangendo os dentes o Doutor começou a andar, impaciente, e batendo o pé no chão em direção a garota, o olhar da mesma continuava de forma pura e inocente, mesmo que tudo tivesse sido planejado por ela, com um bruto movimento ele agarrou a garota e a jogou contra a parede, pressionando seu antebraço sobre o pescoço da mesma que apenas se contorcia e não reagia de forma alguma.

                - Mais que raios você estava pensando falando aquilo?! – Berrou o Doutor, sem nem ao menos tentar ser educado ou conter sua saliva dentro de sua boca.

                - E-eu estava ajudando. – Falou a garota começando a ficar roxa.

                - Ajudando...?! – Falou continuando forçando seu corpo contra o dela.

                - S-sim! – Disse a garota com uma voz fraca, ela levantou suas mãos pela primeira vez e segurou o braço do doutor e o empurrou para longe de seus pescoço, ela não queria morrer.

                Tirando todo o ar dos seus pulmões em um grito o Doutor relaxava seu braço deixando a garota respirar, a mesma caia sentada no chão colocando ambas as suas mãos sobre seu pescoço enquanto tentava e esforçava para recuperar todo o ar que precisava.        

                - Se eu te matar agora seria um suicídio para minha carreira e para mim... E você irá ter um “aborto” natural, até lá tente não fazer mais merda, por que eu não estou nem um pouco afim de levantar suspeitas contra mim... – Falou o garoto ajeitando sua gravata – Mas não se engane, se for necessário eu vou sumir com você no mesmo estante...

                Com essas palavras o garoto se virou de costas e andou até o lado de fora da casa, ele levantou seu rosto para cima e suspiro de forma bem pesada, ergueu sua mão direita até seus cabelos os quais bagunçou e revirou até a raiva passar, por fim, ele mexeu em seu bolso até encontrar a chave do carro no qual havia deixado o herói, sem querer perder mais tempo com tanta palhaçada ele começou a andar de forma calma e tranquila até lá.

                Ao entrar no carro ele olhou para trás, se espantando ao ver que havia movimento vindo das sombras, já sabendo o que seria aquilo ele apertou seu cinto e colocou a chave na ignição a girando algumas vezes até o motor do carro ligar, apertando o volante com suas mãos ele começou a acelerar o veículo até chegar em sua humilde residência, apertando um botão das suas chaves de casa a garagem no subsolo começou a se abrir e em poucos segundos tanto ele quanto o herói entravam lá.

                Ao sair do carro e bater à porta do mesmo o garoto caminhava para dentro de sua casa, andava até seu escritório o qual abria com uma chave em seu bolso direito, ao entrar ele trancava a porta pelo lado de dentro e ia em direção a sua mesa, apoiando suas mãos sobre ela o garoto começou a empurrar para frente por poucos passos, cerca de 10 metros, para poder se ajoelhar bem onde deveria ser sua mesa, apoiando ambas as suas mãos no chão, ele começava a tatear e a tocar toda a região a sua volta, ao escutar um pequeno barulho o Doutor levava ambas as suas mãos para a região do som e empurrava a madeira, que compunha o chão de todo o escritório, para baixo e para a esquerda, abrindo uma pequena passagem, quase como um buraco.

                Enfiando sua mão sobre dentro do buraco ele puxava uma caixa de ferro, com no total três cadeados, usando suas chaves ele destrancou todo os cadeados e abriu a caixa, de dentro dela o garoto coletou uma granada de gás lacrimejante altamente concentrado e trancou e escondeu novamente, fechou a passagem e colocou a mesa no lugar, saiu de seu escritório e o trancou novamente apenas para ir até a garagem.

                Chegando novamente no cômodo da casa, ele pegava alguns pedaços de pano no qual ele enfiava nas brechas que haviam entre a janela e o ferro do carro, não permitindo que o ar passagem por lá, apenas para garantir, ao fazer isso com todas as janelas ele andava até as portas traseiras e sabendo que Lida estava acordado ele abriu rapidamente a porta jogando a granada lá dentro e fechou, ao fechar ele começou a se distanciar do veículo.

                O Garoto sabia que a granada poderia matar o herói, mas mesmo, correndo esse risco ele sempre preferia usar ela para prevenir qualquer contra ataque dele, caso tentassem sair do carro ele apenas iria finalizar o herói com as próprias mãos e caso ficassem lá dentro iriam desmaiar com todo o efeito do gás, por sorte, a primeira opção nunca aconteceu e em poucos minutos todos os vidros dos carros estavam completamente verde como o gás que completava todo o interior do carro.

                Olhando calmamente o relógio ele contava e apreciava cada segundo daquilo, esperando por tempo suficiente para qualquer pessoa normal desmaiar por conta do carro ele abria as janelas e esperava todo o gás se dispersar, ao ter certeza que não tinha mais nada e nem resquício do veneno ele abria a parte de trás do veículo.

                Pegando e carregando com bastante dificuldades o corpo de Lida, que era bem mais pesado do que ele havia pensado, a respiração de Lida estava calma sem ter muitos danos em seus pulmões por respirar de forma tão concentrada o gás, mas, de contra partida seus olhos estavam inchados. Ao levar o corpo da garagem para o porão o garoto o amarrava sobre uma mesa gelada de metal e aplicava uma droga em seu sangue para desativar a individualidade dele.

Continua....?

               

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...