1. Spirit Fanfics >
  2. O Cisne e a Maçã >
  3. In love

História O Cisne e a Maçã - Capítulo 19


Escrita por:


Notas do Autor


Cheguei, mores!
Hoje teremos hot, mais amorzinho e momento família.
Enjoy it!

Capítulo 19 - In love


Fanfic / Fanfiction O Cisne e a Maçã - Capítulo 19 - In love

EMMA'S POV

Acordo sentindo um peso em cima de mim, tento me mexer, mas um braço preso fortemente à minha cintura impede. Fico inicialmente confusa, mas quando abro os olhos e vejo o ambiente um sorriso teima em surgir no meu rosto. As lembranças da noite passada tomam conta de mim e eu sinto uma euforia, minha vontade é sair pulando e gritando pela rua o quanto estou feliz.

Após a surpresa inicial, olho para baixo e vejo Regina dormindo com a cabeça em meu peito, ressonando suavemente e com um pequeno bico nos lábios. A cena é fofa e linda. Fico admirando mais um pouco até que ela se mexe e o lençol que a cobria desliza expondo sua nudez, isso me deixa excitada e resolvo acordá-la de uma maneira diferente.

Regina agora está deitada de barriga para cima, então eu aproveito para distribuir beijos pelo seu corpo, começando no pescoço, onde deixo lambidas, seguindo pela clavícula bem lentamente e quando chego aos seios me detenho por alguns instantes brincando com ambos. Sinto Regina remexer novamente e sei que está acordando, abro um sorriso malicioso e continuo minha jornada pelo seu corpo.

Chego em seu abdômen e começo a dar umas mordidinhas, ouço então o primeiro gemido. Continuo descendo e finalmente chego à sua intimidade. Deixo um beijo em seu monte de vênus e desço beijinhos por todo o seu sexo. Em seguida, passo minha língua preguiçosamente por toda a área e sinto a morena por a mão em meu cabelo e abrir as pernas. Tento levantar a cabeça, mas sua mão impede.

- Nem ouse, Swan! Continue o que está fazendo, agora! – Ela fala com a voz rouca e firme. Estremeço toda com a ordem e apenas obedeço. Caio de boca em sua buceta, chupando com vontade, enquanto a morena geme mais alto e força minha cabeça de encontro a ela.

Decido subir uma mão e apertar seus seios, beliscando seus mamilos de leve enquanto uso minha mão livre para penetrá-la. Estoco rápido e forte, porém quando sinto que ela vai gozar paro os movimentos e saio de onde estava.

Regina me olha indignada e eu apenas sorrio maliciosa, pego em suas pernas e a viro na cama, deixando-a de barriga para baixo. Ela solta um gritinho surpreso, mas logo vira a cabeça e me olha por cima do ombro mordendo os lábios.

- Fica de quatro, morena! – Falo dando uma palmada em sua bunda. Ela geme e se põe na posição empinando bem o bumbum, sorrindo safada.

- Vem logo, Swan!

Me coloco atrás dela e volto a penetrá-la, dessa vez com três dedos e ela geme novamente. Passo minha mão livre pelo seu corpo e levo para seus seios, aperto um de cada vez, depois volto ela para suas costas e a subo até sua nuca, engancho meus dedos em seus cabelos e os puxo com firmeza fazendo sua cabeça inclinar para trás. Puxo mais um pouco e ela ergue seu tronco, ficando de joelhos na cama e meus seios roçam em suas costas.

Regina passa um de seus braços pelo meu pescoço, segurando firme e pega minha mão que estava em seus cabelos, leva para seus seios e aperta-os com minha mão, depois ela sobe mais e leva meus dedos à sua boca, chupando-os. Quando os deixa bem molhados leva-os até sua buceta e começa a se masturbar usando minha mão. Deixo-a me guiar da forma que quer e a morena faz movimentos circulares e firmes em seu clitóris, enquanto minha outra mão a estoca cada vez mais rápido.

- Que tesão, morena! Você é uma delícia! Quica gostoso para mim? – Falo em seu ouvido e Regina começa a quicar cada vez mais rápido buscando seu prazer. Após alguns minutos, sinto que ela vai gozar. – Goza na minha boca!

Retiro meus dedos dela e me deito na cama. Regina me olha sem entender.

- Senta na minha cara, prefeita!

Ela vem até meu rosto e coloca uma perna de cada lado, apoia-se na cabeceira da cama e se agacha. Minha língua começa a fazer seu trabalho e a morena rebola devagar enquanto se apoia na cabeceira com uma mão e usa a outra para estimular seus seios. Após alguns minutos chupando, decido deixar tudo mais divertido e introduzo dois dedos. Regina dá um pulinho surpresa, mas volta a rebolar, aumentando o ritmo.

Seguimos assim até que ela goza gemendo deliciosamente enquanto tem espasmos. A morena se apoia com ambas as mãos na cama e respira fundo. Vou puxando-a lentamente para que se deite em cima de mim e a abraço dando-lhe beijinhos na cabeça até ela se acalmar.

- Isso foi... Uau! – Ela fala me olhando.

- Eu sei. Você é maravilhosa, Gina! Mas para ficar melhor falta uma coisa. – Digo e ela me olha sem entender.

Puxo seu queixo e lhe dou um beijo lento, molhado, delicioso.

- Agora sim, um ótimo dia! – Falo ela ri.

Ficamos na cama por mais alguns minutos e depois fomos tomar banho, Regina insistiu em me retribuir e me proporcionou um ótimo orgasmo. Eu ainda a sentia insegura no sexo, mas ela estava se saindo muito bem e eu deixava isso bem claro para ela ganhar mais confiança.

Fomos tomar café entre risadas, conversas e carinhos. Em seguida eu tive que ir embora e a despedida foi difícil, eu queria ficar grudada nela, mas não podia sufocá-la. Segui sorridente para meu apartamento e ao abrir a porta, encontro Ruby jogada no sofá dormindo como uma pedra.

- Acorda, preguiça! – Balanço Ruby e ela nem se mexe. Então uma ideia me vem à mente. Vou à cozinha, encho um copo com água gelada e jogo em cima da morena com cuidado para não molhar o sofá.

- Hã? O que? – Ruby levanta assustada e eu começo a gargalhar. Ela vira o rosto e me vê com o copo na mão e se levanta com olhar assassino. – EU. VOU. MATAR. VOCÊ! – Ela vem em minha direção e corro para a cozinha. Ficamos nessa “perseguição” com ambas rodeando a mesa até que ela para. – Okay, eu me rendo! Dessa vez passa, mas ainda vai ter volta viu, Swan! – Ela diz ofegante com as mãos na cintura.

- Desculpa! Mas foi o único jeito para te despertar.

- Sento no sofá, sorrindo e ela me analisa. Chega perto e começa a me cheirar.

- O que foi?

- Sente esse cheiro?

- Qual?

- Cheiro de couro! – Fala gargalhando e eu apenas reviro os olhos. – Pode me falar como foi a noite. Quero detalhes.

- Eu não darei detalhes, mas saiba que foi a melhor noite da minha vida até agora. Que mulher, minha amiga! Que mulher! – Falo suspirando.

- Então a noite foi mesmo muito boa, hein! De nada!

- Quê? – Falo sem entender.

- Você tem que me agradecer, loira! Se eu não tivesse posto meu plano em prática você e Regina ainda estariam no zero a zero.

- Que história é essa? De que plano você está falando?

- Talvez eu tenha provocado um pouquinho a Regina e despertado seus ciúmes. – Ela fala com cara de culpada.

- E como foi isso?

- Eu deixei no ar que talvez nós duas estivéssemos tendo um rolo e ela ficou bem enciumada. Ontem eu decidi dançar para você, apenas para que ela tomasse alguma atitude. Confesso que ela sair do seu apartamento não estava nos meus planos, mas funcionou.

- Ruby, eu não sei se te mato ou se te beijo.

- Nenhum dos dois. Se você me matar quem vai te perturbar? Além disso, o mundo perderá uma pessoa incrível. E se você me beijar a fúria da prefeita cairá sobre mim e não quero mais confusão com ela.

- Convencida você, hein?!

- São os fatos, querida!

Contei resumidamente o que houve e Ruby ficou histérica, dando pulinhos e gritando. Depois se jogou em mim e continuou gritando. Depois desse surto ela foi tomar banho e nós ficamos na sala assistindo filmes até que ela precisou voltar para a pensão e eu fui tomar outro banho para ir preparar o jantar.

Estava bem concentrada no preparo de uma macarronada até que ouvi a campainha soar. Fui atender e não pude evitar o sorriso que surgiu quando vi quem estava ali.


REGINA'S POV

Estava dormindo tranquilamente quando senti algo molhado em meu pescoço, me remexi, mas a sensação molhada voltou e foi descendo até meus seios, a sensação molhada aumentou e agora também era quente. Comecei a gemer, a sensação continuou por mais alguns minutos e depois seguiu descendo pelo meu corpo. Senti mordidas na minha barriga e aí despertei, olhei para baixo e Emma estava concentrada em lamber e morder. Fechei novamente os olhos para apreciar melhor as sensações e quando ela chegou em meu sexo não aguentei e gemi alto levando minha mão à sua cabeça incentivando-a a continuar.

Emma me deu orgasmos maravilhosos essa manhã e depois que tomamos café ela partiu. Me senti estranha com sua ida, eu sentia vontade de grudar nela e não soltar mais, porém deveríamos ir com calma. Emma não me conhecia completamente e eu tinha medo de contar tudo e ela partir para sempre. Fiquei na sala durante boa parte da manhã lembrando de cada detalhe da noite passada. A forma como Emma me tratou, o carinho, a atenção que dedicou ao meu corpo, o cuidado, tudo perfeito. Eu jamais havia sido tratada dessa forma. Geralmente as pessoas me usavam como queriam e depois me deixavam, mesmo quando era eu quem ia atrás, eles nunca me tratavam assim e nunca consegui gozar, apenas quando eu me satisfazia sozinha.

Uma vez eu conheci uma mulher e me atraí por ela, mas não passou de alguns flertes e um beijo, afinal eu e ela tínhamos objetivos diferentes e misturar as coisas daria errado. Depois dela, nunca mais me interessei em outra mulher até a chegada da Emma. Dessa vez eu queria arriscar. A Emma valia à pena e mesmo que um dia ela resolva me deixar depois de saber a verdade, eu vou aproveitar cada momento.

Fiquei pensando na loira por mais algum tempo até que ouvi a porta abrir e Henry entrou sorridente.

- Bom dia, mamãe! – Fala me beijando na bochecha.

- Bom dia, meu príncipe! Como passou a noite?

- Foi muito legal! A vovó e eu jogamos xadrez, assistimos alguns filmes e depois ela me preparou uma xícara de chocolate quente. Quando fui dormir ela cantou para mim, foi divertido.

- Fico feliz que você tenha gostado.

- E como foi sua noite?

- É...é... muito divertida também. Eu e as meninas nos divertimos muito, depois a Emma me trouxe em casa e conversamos bastante. – Digo envergonhada, detesto mentir para Henry, mas não poderia contar o que houve.

- Que bom! Eu gosto de saber que você e a Emma estão se dando bem.

- Sim, filho! Nos damos muito bem.

Henry vai guardar suas coisas no quarto e decidimos fazer o almoço juntos. Esses momentos com ele eram maravilhosos e eu amava curtir meu menino. Fizemos lasanha e torta de morango. Almoçamos juntos e depois Henry fez questão de me ajudar a arrumar a cozinha. Em seguida, ficamos na sala jogando xadrez, depois decidimos assistir alguns filmes e quando anoiteceu eu senti muita vontade de ver Emma, então eu tive uma ideia.

- Filho, o que você acha da gente surpreender a Emma lá no apartamento?

- Sério? Eu quero mamãe!

- Então vá tomar banho e se arrumar que eu farei o mesmo.

Nos arrumamos e depois de prontos, peguei o restante da torta de morango e levei para a loira. Chegamos em seu apartamento por volta das 19:00hs e toquei a campainha. Quando Emma abriu a porta abriu um sorriso enorme e eu repeti seu ato.

- Boa noite, madame! Que honra recebê-la!

- Boa noite, Emma! Nós viemos jantar com você e trouxemos torta de morango. – Henry fala e só nessa hora nos damos conta de que ele estava nos observando.

- Ahm... Henry! Eu não vi você aí, garoto. – Ela fala coçando a nuca envergonhada.

- Eu percebi. Você ficou tão concentrada na mamãe que nem me viu. – ele disse sorrindo sapeca para ela deixando-a corada.

- Er... entrem! – Ela dá espaço e nós entramos. – Fiquem à vontade.

- Que cheiro delicioso é esse? – Henry pergunta.

- É macarronada.

- Eba! Hoje eu almocei lasanha e agora terei macarronada no jantar. Que mães maravilhosas eu tenho. – Ele fala e Emma e eu ficamos emocionadas.

Fomos todos para a cozinha e Emma finalizou o jantar. Jantamos em um clima leve e depois de satisfeitos, ajudamos Emma na limpeza e fomos para a sala. Eu estava louca para beijá-la, mas não sabia se era certo fazê-lo com Henry presente. Assim, fiquei olhando para a Emma e ela me devolvia o olhar. Henry pareceu perceber algo e pediu para ir ao banheiro. Aproveitei e agarrei Emma lhe beijando com toda minha vontade.

- Que saudade desse beijo, morena! – Falou a loira quando nos separamos.

- Eu estava doida para te beijar. Mas não podia fazer isso com Henry presente, ele pode não gostar.

- Na verdade eu adorei! – Falou Henry surgindo na porta da cozinha e nós nos soltamos em um pulo.

- Garoto, é...é...

- Tudo bem, Emma! Não precisa me explicar. Eu notei que vocês sentem algo há algum tempo. Vocês se olham com muita intensidade e não disfarçam. Eu fico feliz por vocês. Minha família junta é tudo que eu sempre quis.

- Príncipe! Vamos com calma! Eu e a Emma estamos nos conhecendo melhor e ainda não sabemos se vai durar. – Falo e vejo Emma baixar o olhar triste. – Nós nos gostamos muito e estamos tentando, mas não crie muita expectativa. Não quero que você sofra caso algo dê errado.

- Vocês ficarão juntas, mães! Eu sei! Agora me deem um abraço.

Abraçamos Henry e nos olhamos. Emma estava feliz e com os olhos marejados, assim como eu. Ter a aprovação do nosso filho era o mais importante. Agora sinto que posso tentar de verdade e viver esse sentimento com a minha família. Não sei o que meu futuro reserva, mas não me privarei de aproveitar com a Emma.

Depois da revelação, Henry nos encheu de perguntas, as quais respondemos com paciência. Ficamos conversando até ele adormecer no sofá e Emma levá-lo ao quarto de hóspedes. Quando ela voltou me estendeu a mão e fomos para o quarto dela, onde ficamos nos beijando e trocando carinhos sem malícia até adormecermos.


Notas Finais


Essas duas me deixam derretida!
Ruby escapou fedendo da Emma e o Henry confirmou suas suspeitas, espertinho demais.
Espero que tenham gostado.
See you Saturday. Mwah!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...