História O Conto de Laitoste e Erunde - Capítulo 11


Escrita por:

Visualizações 12
Palavras 525
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cap Novo!! Se liguem nessa treta porque daqui saí a treta das menias, Continuem na fé que a gente chega eu prometo hahahahaha.
DIVIRTAM-SE!

Capítulo 11 - XI - A Batalha das Chamas Repentinas


Fanfic / Fanfiction O Conto de Laitoste e Erunde - Capítulo 11 - XI - A Batalha das Chamas Repentinas

    Em Hithlum, Fingolfin via que seu povo crescia forte, em paz e determinados. E começou a crescer o desejo de transformar aqueles anos da paz do cerco em algo permanente. E assim, o rei supremo dos noldor, enviou mensagens para todos os aliados de Beleriand para que o cerco fosse rompido e assim, invadirem a fortaleza de Morgoth e destrui-lo de uma vez por todas. Turgon, principe de Gondolin, atendeu ao chamado de seu pai e marchou com seu exercito até Angband. Finrod também honrou o chamado de seu tio e levou os exércitos de Nargothrond até Angband. O rei de Doriath, Thingol, apesar de meio relutante, também se juntou a eles, reunindo os teleri da floresta e marchando para Angband. E por fim, os homens das casas de Hador e Bëor responderam ao chamado, e até mesmo, os filhos de Fëanor vieram. Apesar de todos esses já marcarem  presença durante os longos do cerco, a convocação agora era para a guerra.

    E após se alinharem em posição de ataque, os exércitos estavam prontos para destruir aquele lugar até as cinzas. No entanto, um enorme barulho de ferro rangendo chamou a atenção de todos. O grande portão negro da fortaleza estava se abrindo lentamente. Ninguém ousou se mexer, os olhos permaneceram vidrados naquele movimento repentino e inesperado. O silencio era absoluto. A expectativa era torturante. O tempo se arrastava. Repentinamente, romperam chamas de todas as aberturas da fortaleza, e por todos os lados, como cercados por um redemoinho vermelhos, centenas iam caindo e perecendo. O pânico se espalhou e todos começaram a recuar para longe do alcance daquele tsunami de fogo.

    Como um rei digno de sua posição, Fingolfin tomou a frente do ataque e reorganizou os elfos realinhando-os. O rei não deixou que seus soldados sucumbissem ao medo que Morgoth tentava impor a eles. E, inspirados por seu rei, eles retomaram as posições de ataque e avançaram repelindo as chamas com seus escudos e assalto a fortaleza finalmente havia começado. Logo em seguida, o exercito de Morgoth emergiu das profundas de Angband caindo sobre eles. Milhares de orcs vinham na frente batendo em seus escudos e urrando. Atrás deles marchavam uma fileira de balrogs até onde a vista alcançava. Mas não houve intimidação no lado dos homens e dos elfos, e esses, continuaram a atacar. E conquistando territórios e avançando bravamente sobre as hordas inimigas, os elfos chegaram até a ponte que levava até o portão negro. Lá, uma enorme calda escamada se enrolou em volta de ponte e a destruiu, fazendo todos os que estavam sob ela desabarem no abismo sem fim. Subindo do abismo, o dono da calda, emergia para a batalha. Um enorme dragão cinzento chamado, Glaurung O Senhor de Todos os Dragões. E com um sopro de fogo, a enorme besta dizimava centenas de homens e elfos de uma vez. O fogo do dragão fez com que as tropas recuassem e saíssem da ponte. Com a persistência em enfrenta-lo, os homens e elfos permaneceram o máximo que conseguiram, mas em retaliação, das profundezas do abismo, uma centena de dragões alados surgiu, fazendo qualquer esperança de vitória ser levada pelo vento.  


Notas Finais


Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...