1. Spirit Fanfics >
  2. O conto do príncipe >
  3. Fixação

História O conto do príncipe - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Demorei um pouco para postar por 3 motivos:
1- bloqueio criativo
2- meu sobrinho
3- preguiça
Enfim, esse capítulo será mais curtinho por esses motivos, me desculpem.
Boa leitura

Capítulo 4 - Fixação


Fanfic / Fanfiction O conto do príncipe - Capítulo 4 - Fixação


O Conto do Príncipe — Capítulo 4

Palácio dos Park, Wonderland


Seonghwa estava pronto para deitar-se. Havia escovado devidamente seus dentes, colocado seu pijama de seda e feito sua hidratação facial e corporal devidamente. Não poderia deixar de cuidar de sua aparência, por mais que estivesse exausto. Deitou-se, puxando os edredons pesados para cobrirem seu corpo. Nem parecia que há pouco o suor escorria de seu corpo, indicando o calor que jazia em si. Fechou os olhos, tentando cair no sono, mas sua mente estava longe. Para ser mais preciso, pensava no pianista, o tal Kim Hongjoong. Se culpava por fixar demasiadamente sua atenção no rapaz, mas algo nele lhe atraía de mais para ser ignorado. Talvez fossem aqueles olhos, lhe encarando como um predador encara a sua presa; ou então a risada, que ouvira apenas uma vez, mas fora o suficiente para lhe apaixonar; ou até mesmo o jeito que as mãos lhe seguravam, tão firme que lhe fez perder o ar.

Assustou-se quando a porta foi aberta, revelando dois garotinhos pequenos, com as mãozinhas entrelaçadas e os rostinhos molhados. Entraram no quarto em silêncio, subindo na cama de Seonghwa, podendo se aconchegar no mais velho. Reconhecia aquela ação, não precisava que o explicassem. Deviam ter sonhado coisas ruins e estavam assustados, coisa que não acontecia com tanta frequência, mas em dias agitados era comum. Foram informações de mais para os dois em um dia, ainda mais sendo tão pequenos. Entendia que era difícil para eles. Passou seus braços ao redor deles, dando um beijinho em suas cabeças e fechando os olhos. Cantarolava alguma música que sua mãe havia lhe ensinado, baixinho, quase como um sussurro. Isso o acalmava quando era da idade de Wooyoung e Yeosang, e acalmava San quando cantavam juntos. Sentia falta de ter o irmão do meio dormindo consigo nas noites de pesadelos. Esperava que ele apenas não tivesse mais nenhum, já que o pensamento de que ele apenas enfrentasse seus demônios sozinho lhe deixavam 'pra baixo. E com isso, acabou adormecendo, junto dos dois pequenos encrenqueiros.

09:00

— Maninho, acorda! - disse -lê-se berrou- Wooyoung

— Tio Hwa, o senhor já dormiu muito. Levanta, vamos comer. - Yeosang dizia baixinho, fazendo carinho no rosto do Park mais velho, enquanto Wooyoung apenas pulava sobre o irmão para lhe acordar.

— Yeo, ele não vai acordar assim! - proferiu, um tanto irritado. Wooyoung era assim mesmo, um grande ciumento quando se tratava do irmão.

— Dois baixinhos como vocês não deveriam acordar-me. - disse sentando na cama. — Estou faminto e vou devorar os dois.

— Duvido. Você é um fracote. - Wooyoung pegou seu ursinho, apontando para Seonghwa como se fosse uma espada.

Em um pulo, o Park mais velho agarrou Yeosang, fazendo cócegas em sua barriga. O garotinho ria alto, pedindo pela ajuda do amigo, esse que batia no irmão com o ursinho, dizendo que soltasse o outro. Logo os dois pequenos recebiam cócegas de Seonghwa, estavam se divertindo. Fazia tempo que não brincava com eles, esteve muito ocupado ultimamente e não deu devida atenção às crianças. Cessou quando viu lágrimas escorrerem dos olhos dos pequenos, riram tanto que era inevitável. Pegou-os em seu colo e levantou-se da cama, indo em direção ao andar de baixo.

— Onde está Yunho?

— Bom dia para você também, meu amor. - ironizou Heejin. — Pedi para que ele não lhe chamasse, precisava descansar depois de ontem. Acredito que ele está em seus aposentos.

— Oh, certo. Mamãe, mais uma coisa. Eu pensei em ter aulas de piano, o que você acha?

— Claro, aprendizado é sempre bem vindo. Quer que eu contrate um professor? Aposto que seu pai conhece os melhores e..

— Não será necessário. - interrompeu. — Pedi para que o pianista da noite passada me ensinasse.

— Aquele garoto não é professor, Seonghwa! Como pediu algo a ele sem me consultar? - notou a mudança de tom da mulher, o que indicava que a Park histérica Heejin estava no modo ativado.

Soltou os meninos no chão, pedindo para que conferissem se Yunho estava bem e que depois fossem trocar suas vestes e escovar os dentes. Foram meio relutantes, mas ao olharem para a rainha, estalaram os olhos e subiram o mais rápido que as perninhas curtas permitiam. Ninguém gostava de ouvir os sermões dessa, então não ficariam ali para receber de graça.

— Olha, mamãe, eu gostei de como ele toca. E ele parece ter a minha idade, o que é bom. Aposto que me ensinará melhor que um professor ancião com seus termos do século passado.

— Seonghwa, usamos ele como improviso, já que o nosso pianista antigo teve de fazer uma viagem de última hora. Ele não tem quais quer formação, não acho que ele lhe ensinará da forma correta. - levou a canhota até o ombro do filho, apertando levemente.

— Pode pelo menos deixar que ele tente? Eu prometo que se não aprender nada, podemos mudar. Apenas, dê uma chance. Não vou te decepcionar. - pegou a mão da mais velha, dando um beijo singelo.

— Tudo bem, você já é um homem, sabe como fazer suas escolhas. - recebeu um selar em sua testa, e logo uma feição de nojo. — Vá escovar os dentes antes que eu os arranque. Que hálito nojento, Park Seonghwa!

13:58

Seonghwa estava na sala de estar, sentado sobre o tapete branco felpudo, ao lado de Yunho, que lhe contava sobre os desenhos que havia feito com as dicas que a alfaiate lhe dera. Estaria prestando a atenção, amava ouvir o amigo, ainda mais quando se tratava de moda, uma de suas paixões escondidas. Mas naquele momento, apenas ansiava para que Hongjoong chegasse. Talvez fosse um pouco obsessivo de sua parte, afinal, ainda não eram duas da tarde, por que estava tão preocupado assim?

— Você não está me ouvindo, Hwa.. - conhecia aquele tom, estava chateado. Droga!

— Desculpe, Yun. Estou um pouco pensativo, me perdi. Quer repetir, por favor? - acariciou a bochecha do amigo, que negou silenciosamente.

— Eu posso contar-te mais tarde. Está assim por causa do tal rapaz?

— Sim e não. Estou assim pois ele não chega nunca, tenho medo de ele ter desistido ou apenas esteja zombando de mim.

Neste momento, olhou de relance para a janela, esta que lhe providenciava a vista dos grandes portões cinzentos do castelo. Lá jaziam os guardas reais, imóveis. Suspirou, voltando sua atenção ao relógio, que marcava agora, exatas duas e dez. Fora aí que notou movimento e, correndo seus olhos pelo jardim, pode observar que havia alguém a papear com os sentinelas, do outro lado. Levantou-se, caminhando apressadamente até a entrada, quase correndo. Não sabia ao certo se sua mãe havia avisado os homens que poderiam deixar que o Kim entrasse, então, preferiu não correr o risco. Ao chegar, pediu para que as grades fossem abertas, e assim fizeram, acatando sua ordem.

Os olhos negros brilharam ao avistar o pianista, sentia-se um bobo por isso. O tempo poderia ter parado ali para que pudesse analisar cada mínimo detalhe do homem. Seus cabelos caíam sobre o resto, cobrindo sua vista parcialmente, seu corpo vestia uma roupa totalmente preta, com pequenos detalhes brancos na camiseta, como pontinhos brilhantes em um céu noturno estrelado. Decidiu que pararia de encara-lo quando o ouviu limpar a garganta, rindo baixo em seguida. Certo, agora ele com certeza lhe veria como um doido obsessivo.

— Já lhe disseram que te assitir dando ordens a alguém é extremamente atraente? - o silêncio findou-se quando essas palavras foram ditas. Hongjoong é realmente um atrevido, pensou.

— Deveria ordenar que não desrespeite seu príncipe, meu caro professor?

— Desrespeitar? De forma alguma. Foi apenas um elogio, docinho. - e novamente, aquele maldito sorrisinho brotou em seus lábios.

Poderia se acostumar com ele, se não fosse o tom de deboche vinculado. Suspirou em resposta e seguiu, adentrando o palácio, com o Kim em seu encalço. A tarde seria longa, essa era a única certeza que Seonghwa tinha.


Notas Finais


Foi isso, beijos
Obrigada a todos que interagem com a história, vocês me motivam MUITO a continuar.
Até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...