1. Spirit Fanfics >
  2. O Contrato - adaptação Beauany >
  3. 004

História O Contrato - adaptação Beauany - Capítulo 4


Escrita por:


Capítulo 4 - 004


𝐉𝐨𝐬𝐡 𝐁𝐞𝐚𝐮𝐜𝐡𝐚𝐦𝐩.

O barulho da esteira fazia um zumbidor regular sob meus pés conforme eu andava. Mal tinha dormido na noite anterior, e meu humor estava horrível.

O suor escorria por minhas costas e meu rosto. Peguei minha toalha e enxuguei tudo de forma brusca, jogando-a para o lado.

Meu iPod estava explodindo com a música alta, mas ainda não estava alta o bastante, então aumentei o volume, feliz pelo apartamento ser à prova de som.

Continuei, em um passo quase frenético, Pensei em todas as minhas opções e meus planos na escuridão da noite, tendo duas ideias.

Meu primeiro pensamento foi que, se Noah e Pepe me colocassem para dentro, eu poderia tentar blefar na entrevista, contar a Graham somente detalhes vagos da mulher que supostamente mudou minha perspectiva e, consequentemente, a mim.

Se fizesse tudo certinho, conseguiria

manter uma fachada até me provar para Graham, então o impossível aconteceria essa mulher perfeita terminaria comigo.

Eu poderia fingir estar de coração partido e mergulhar no trabalho.

Porém, pelo que Noah explicou, minha ideia provavelmente não daria certo.

Significa que eu precisava ter uma

mulher física uma que convencesse

Graham que eu era um homem melhor do que ele acreditava.

Alguém, como Noah mencionou, “de

verdade, carinhosa e pé no chão". Eu não conhecia muitas mulheres que se

encaixariam nessas categorias, a menos que tivessem mais de 60 anos.

Eu não achava que Graham acreditaria que eu pudesse me apaixonar por alguém que tivesse duas vezes minha idade.

Nenhuma dessas mulheres com quem eu confraternizava passaria por sua inspeção.

Pensei na ideia de contratar alguém

uma atriz talvez –, mas parecia muito

arriscado.

As palavras de Noah continuaram se

repetindo em minha cabeça.

"Você é cego, Josh.  A solução está bem

diante de você."

Srta. Gabrielly.

Ele pensava que eu deveria usar a Srta.

Gabrielly como minha namorada.

Se eu recuasse e tentasse ser objetivo, ele tinha razão.

Era o disfarce perfeito.

Se Graham pensasse que eu estava saindo da Anderson Inc. por estar apaixonado por minha assistente e a tivesse escolhido - assim como nosso relacionamento - em

vez de meu emprego lá, marcaria muitos pontos com ele.

Ela era diferente de qualquer mulher com quem eu estivera.

Noah a achava carinhosa, pura e

envolvente. Outras pessoas pareciam

gostar dela. Só pontos positivos. Com exceção de que era a srta. Gabrielly.

Com um gemido, desliguei a

esteira,pegando a toalha que joguei. Na

cozinha, peguei uma garrafa de água, bebi tudo e liguei o notebook.

Fazendo login no site da empresa, procurei pelos arquivos dos funcionários da empresa parando na página da srta. Gabrielly.

Analisei sua foto, tentando ser imparcial.

Não havia nada de extraordinário nela,

mas seus olhos seus olhos castanhos escuro com alguns tons de caramelo

brilhantes eram grandes com cílios longos.

Achei que seu cabelos cacheados fosse curtos, já que eu nunca o tinha visto de outra forma a não ser em um coque apertado.

Sua pele era morena; pensei em como ela ficaria pelas mãos habilidosas de um maquiador e vestida com roupas decentes.

Apertando os olhos para a tela, encarei a foto.

Um pouco de sono não seria mal para se livrar de suas olheiras e, talvez, comer alguma coisa que não fossem sanduíches de pasta de amendoim e geleia ajudaria.

Ela era extremamente magra.

Eu gostava de minhas mulheres com um pouco mais de curvas.

Resmunguei com a frustração, esfregando minha nuca.

Supunha que, neste caso, não importava o que eu preferia, era o que eu precisava.

Neste caso, eu poderia ter de admitir que precisava da srta. Gabrielly.

Que merda.

Meu telefone tocou e olhei para a tela,

surpreso ao ver o nome de Noah.

— Ei.

— Desculpe se te acordei. —  Olhei para o relógio vendo que eram apenas seis e meia.

Estava surpreso por ele estar acordado, na verdade. Eu sabia que ele levantava tarde.

— Estou acordado há um tempo. O que está havendo?

— Graham vai se encontrar com você hoje às onze. —  Levantei-me, sentindo os nervos da espinha se tensionarem.

— Sério? Por que tão rápido?

— Ele estará fora no restante da semana, e eu disse a Pepe que você estava pensando em aceitar uma entrevista de emprego em Toronto. — Eu ri.

— Te devo essa.

— Deve muito. Tanto que nunca conseguirá me pagar. — Ele gargalhou. — Você sabe que há uma grande chance de não conseguir nada se não convencê-lo de que as coisas estão diferentes para você, certo? Deixei isso bem claro para Pepe, mas minha palavra só vai levá-lo até aí.

— Eu sei.

— Tudo bem. Boa sorte. Depois me conte como foi.

— Vou contar.

Após desligar, verifiquei minha agenda,

sorrindo ao perceber que a srta. Gabrielly a atualizara na noite anterior.

Eu tinha uma reunião no café da manhã às oito, o que significava que voltaria para o escritório lá pelas dez.

Resolvi não ir ao meu escritório.

Tive uma ideia de como apresentar minha "namorada” na entrevista.

Disquei o número da srta. Gabrielly.

Ela atendeu depois de alguns toques,

murmurando seu cumprimento sonolento.

— Hummmm... alô?

— Srta. Gabrielly.

— O quê?

Respirei profundamente, tentando ser

paciente.

Era óbvio que eu a acordei.

Tentei de novo.

— Srta. Gabrielly, é o sr. Beauchamp.

A voz dela estava rouca e confusa.

— Sr. Beauchamp? — Suspirei pesadamente.

— Sim.

Pude ouvir uma movimentação, e a

visualizei tentando se sentar, toda

amarrotada.

Ela limpou a garganta.

— Há, ahn, algum problema, sr. Beauchamp?

— Não chegarei ao escritório até depois do almoço. — O silêncio pairou. —Tenho de cuidar de um assunto pessoal.

A voz dela estava seca quando falou.

— Poderia ter me mandado uma

mensagem... senhor.

— Preciso que faça duas coisas para mim. — Continuei, ignorando o tom de sarcasmo na voz dela. — Se David for até lá e perguntar onde estou, diga a ele que estou resolvendo um assunto particular e você não tem ideia deo onde Fui claro?

— Cristalino.

— Preciso que me ligue às onze e quinze. Exatamente.

— Quer que eu diga alguma coisa ou só

respire alto?

Tirei o telefone da orelha, surpreso pelo

tom dela. Parece que minha assistente pessoal não gostava de ser acordada cedo.

Estava sendo bem mais respondona que onormal, e eu não tinha certeza do

que fazer agora.

— Preciso que me diga que meu

compromisso das quatro foi alterado para as três.

— Só isso?

— Sim. Agora repita o que acabei de te

dizer.

Ela fez um som estranho, algo parecido

com um murmúrio, o que me fez sorrir.

A srta. Gabrielly parecia ser corajosa se as circunstâncias fossem certas.

No entanto, eu queria ter certeza de que ela estava acordada o suficiente para se lembrar de minhas instruções.

— E para eu falar para David que o

senhor está tratando de assuntos pessoais e não faço ideia de onde. Vou te ligar exatamente às onze e quinze e dizer que seu compromisso das quatro foi mudado para as três.

— Bom. Não estrague tudo.

— Mas, sr. Beauchamp isso não faz sentido, porque o senhor iria...

Sem me incomodar em ouvir mais,

desliguei.


Notas Finais


Talvez mais tarde eu poste mais! Não esqueçam de comentar é voltar!!! Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...