1. Spirit Fanfics >
  2. O Contrato >
  3. Quando a esmola é demais

História O Contrato - Capítulo 28


Escrita por:


Notas do Autor


Olá leitores mais lindos do meu coração, tudo bem? Desculpem a demora, mas aqui estou!
Eu pretendia postar amanhã, mas como amanhã é meu aniversário, talvez não tenha o tempo e o sossego necessários pra isso, então estou postando hoje.
Bem, ótima leitura a todos💜

Capítulo 28 - Quando a esmola é demais


Estavam terminando o jantar, quando Hinata lembrou de dar o recado de dona Mikoto.

 - Quase me esqueci. Sua mãe ligou mais cedo, disse pra irmos jantar com eles amanhã.

 - Assim, do nada? – diz parecendo também não entender.

 - Sua mãe disse que a ideia foi do seu pai. Estou com medo Itachi, sério.

 - Medo do que pequena? Não foi tudo bem no aniversário da minha mãe?

 - Sim, mas havia mais pessoas lá, agora pelo o que entendi, seremos apenas nós quatro.

 - Entendo. Quer que eu diga pra minha mãe que já temos compromisso então?

 - Não, não gosto de mentir. Vamos jantar com seus pais. Mas continua a condição que te falei no aniversário da dona Mikoto, se em algum momento seu pai me provocar ou algo assim, vamos embora na hora!

 - Certo, como você quiser. Assim que terminarmos de jantar, já ligo pra minha mãe e confirmo que vamos então.

                                                                            XXXXXXXXXXXXXXXXXX

 - Tudo certo meu amor, o Itachi acabou de ligar confirmando que ele e a Hinata virão jantar com a gente. Agora é com você. Seja atencioso e amável com eles, principalmente com ela.

 - Eu sei Mikoto, eu sei. Espero que ela aceite, afinal é uma oportunidade e tanto, espero que ela não jogue fora. Enfim, no jantar veremos.

                                                                          XXXXXXXXXXXXXXXXXX

Sasori estava sentado em uma mesa, olhos fixos no palco, melhor dizendo, na jovem de cabelos castanhos longos, que se mexiam conforme ela remexia o corpo com maestria no pole dance.

Já tinha planos para aquela noite e eles envolviam seu corpo e o daquela jovem dançarina nus em sua cama. Mas ao sentir o celular vibrar em seu bolso e verificar o identificador de chamadas, soube que os mesmos teriam que ser adiados por um tempo.

Levantou-se do lugar onde estava, lançou uma quantia bem generosa de dinheiro na direção da jovem, juntamente com um cartão de visitas e seguiu para um canto um pouco mais silencioso, atendendo ao celular.

 - O que você quer? Estou ocupado agora.

 - Ainda frequentando esse tipo de lugar Sasori? Posso ouvir o barulho daqui, além de sentir o perfume barato dessas vadias, mesmo pelo telefone.

 - O perfume delas é o que menos me importa Konan. Seu perfume é caro, mas não faz de você uma mulher tão diferente delas.

 - Será? Enfim, dei início ao meu plano de atormentar a vida perfeita do Itachi, achei que você gostaria de saber.

 - Vai mesmo seguir com isso? O que você ganha atormentando o Uchiha?

 - Diversão. Diversão é importante pra todos não acha?

 - Acho, aliás, você está atrapalhando a minha. Se ligou apenas pra me contar isso...

 - Nossa, você está muito chato hoje, mas fiquei tão feliz em ver o Itachi tremendo de raiva ao me ver, que vou deixar você terminar sua noite como planejou. Mas quero ver você depois, contar meus próximos passos.

 - Esteja ciente que não te ajudarei em nada.

 - Quem disse que quero sua ajuda? Sei exatamente o que fazer e não preciso da ajuda de ninguém pra isso. Bom, tenha uma boa noite Sasori, tome um bom banho depois da sua diversão.

Ela desliga e Sasori aperta o aparelho entre as mãos, respirando fundo. Preparava-se para voltar ao seu lugar inicial, quando vê a jovem caminhando em sua direção. Sorri, levando as mãos ao bolso.

 - Boa noite linda jovem. Estava mesmo indo a seu encontro. Tenho uma proposta bem interessante pra você.

 - Imaginei ao ver seu cartão junto com o dinheiro que me lançou no palco. O que essa proposta envolve?

Sasori ri de lado, satisfeito ao ver que a jovem havia entendido claramente suas intenções e melhor ainda, não se mostrou contrária. Ele então se aproxima da moça, envolvendo sua cintura e falando algo em seu ouvido, de maneira que apenas ela pudesse ouvir. Ela então sorri, afastando Sasori.

 - Me espera lá fora, vou trocar de roupa e te encontro em alguns minutos.

 - Perfeito! – diz beijando a mão da jovem enquanto a observa se afastar.

Aquela noite seria ótima e não seria as infantilidades de Konan que atrapalhariam isso.

                                                                            XXXXXXXXXXXXXXX

O dia seguinte passou rápido, o que de certa forma foi tenso para Hinata. Mais uma vez iria a casa dos sogros, participar de um jantar mais íntimo com eles, um jantar que segundo sua sogra, foi ideia de Fugaku.

Aquilo estava estranho, porque o sogro faria algo assim?

 - Ainda preocupada com meu pai? – questiona Itachi ao abraçar a cintura dela por trás.

 - Não é bem uma preocupação, só não consigo entender porque ele inventou esse jantar em tão pouco tempo. E se ele fez isso pra poder me provocar de uma forma que não pôde fazer no aniversário da sua mãe?

 - Ele não vai fazer isso pequena. Você mesma não disse que acha que podem ter uma convivência respeitosa?

 - Sim, mas...

 - Fique tranquila, é apenas um jantar em família. Se ele fizer algo que te incomode, vamos embora, sabe disso.

 - Sim. Mas você está certo, é apenas um jantar em família, vou ficar tranquila.

 - Ainda temos tempo, se quiser, posso relaxar você. – diz apertando o abraço na cintura dela e lhe mordendo o lóbulo.

 - Adoraria, mas melhor não, podemos nos atrasar. E além do mais, eu queria te fazer uma surpresa.

 - Surpresa é?  - diz virando Hinata pra si, ficando de frente pra ela.

 - Sim. Pretendia fazer ontem, mas como você não estava muito bem, achei melhor deixar pra depois.

 - Pequena, se essa surpresa envolver seu corpo nu, mesmo que eu não estivesse bem, com certeza eu ficaria!

 - Seu bobo! – diz corando e encostando a testa no peito de Itachi, que ria da atitude dela.

 - Não importa o tempo que passe, fazer você corar sempre será meu objetivo. Bem, já que não vou ganhar minha surpresa agora, vamos nos arrumar pra ir. Mas não pense que não vou insistir até saber o que você tem planejado, viu?!

                                                                            XXXXXXXXXXXXXXXX

Estava tudo correndo bem. Antes que o jantar propriamente dito se iniciasse, Fugaku e Itachi conversavam na sala, enquanto Hinata ajudava Mikoto na cozinha. Temendo que o pai pudesse falar algo que chateasse a esposa, Itachi resolveu ser direto com ele.

 - O senhor não está planejando nada que vá chatear a Hinata, espero.

 - Não. Meu Deus, porque você sempre acha que vou fazer alguma coisa pra magoar sua esposa?

 - Na verdade não acho papai, mas ela é muito pé atrás com o senhor e não tiro a razão dela.

 - Eu sei disso, mas em breve a impressão dela sobre mim vai mudar, ao menos é que espero.

 - O que quer dizer com isso?

Antes que o homem diga, Mikoto chega com Hinata, informando que o jantar estava pronto.

 - Saberá daqui a pouco.

 - Por favor, papai.

 - Confie em mim Itachi. Agora vamos comer, estou faminto!

Sentaram-se a mesa e enquanto comiam, conversavam. Mikoto era só sorrisos e Hinata se sentia bem na presença dela, diferente de como se sentia com Fugaku. Mesmo mais falante que o esperado, o homem ainda tinha uma expressão dura ao falar, o que fazia com que Hinata o evitasse.

 - Soube que o Shisui está de namorinho com a Ino. Isso é verdade, Itachi? – questiona o homem.

 - Estão se conhecendo, mas pra ser sincero, espero que eles deem certo.

 - Eu também. Ino é uma boa moça, de uma responsabilidade invejável e tenho Shisui como um filho também, sendo assim, quero o melhor pra ele. Só espero que ele não atrapalhe a vida profissional dela.

Hinata pela primeira vez na noite resolveu falar, atraindo a atenção dos presentes.

 - Shisui é uma boa pessoa, bem divertido, a Ino também, sempre foi muito atenciosa comigo desde a primeira vez que nos vimos. É uma moça que gostaria de ter um laço de amizade.

 - Vamos marcar algo com Shisui e ela então, pequena. Ele mesmo havia sugerido isso, lembra?

Mikoto, discretamente, olhou para Fugaku, o incentivando a falar com a garota. Itachi notou a troca de olhares entre os pais e percebeu que não apenas o pai, mas a mãe também estava tramando algo.

Fugaku então, da maneira mais à vontade possível, começou a conversar com Hinata, que se assustou inicialmente, mas aos poucos foi relaxando. Ao perceber que a garota parecia mais tranquila, tocou no assunto que realmente o interessava.

 - Hinata, você disse que Ino foi muito atenciosa com você desde a primeira vez que se viram, certo? Isso me lembra que, provavelmente, deve ter sido no mesmo dia que nos conhecemos também.

Itachi olhou a esposa e percebeu que ela pareceu um pouco receosa sobre o que aconteceria a partir daquela conversa.

 - Papai...

Mas ainda assim, Hinata deu continuidade ao diálogo.

 - Sim senhor, foi a primeira vez que fui até a Uchiha Corp.

 - Isso me fez recordar uma coisa. Lembro que me nesse mesmo dia, perguntei se você estudava e você disse que não, porque tinha que cuidar do seu pai.

 - Eu me lembro senhor Uchiha. Me lembro de cada uma das nossas conversas.

Itachi ficou desconfortável, temendo que a esposa e o pai começassem uma discussão a qualquer momento. Olhou para a mãe, que imaginando o que se passava pela cabeça do filho, o tranquilizou com um sorriso. Abstraído a comunicação silenciosa entre a esposa e o filho, Fugaku continuou o diálogo com Hinata.

 - Eu também me lembro Hinata, por isso mesmo algo me deixa curioso. Pode me responder uma questão com sinceridade?

 - Claro senhor Uchiha, o que quer perguntar?

 - Você disse que não estudava, pois, teve que escolher entre estudar e a saúde do seu pai, cuidar dele. Agora não precisa mais se preocupar com isso, ao menos não de uma forma integral, já que a Sakura cuida do seu pai vinte e quatro horas por dia, certo? Sendo assim, não há mais impedimentos para que retome os estudos, concorda?

A garota ficou pensativa por algum tempo, constatando que o sogro estava certo.

 - Bom, sendo sincera, não havia me dado conta disso. Mas o senhor está certo.

 - Então me diga Hinata, quer retomar os estudos?

A garota parece confusa com a pergunta. Olha para Itachi, que assim como ela também não entendia nada e para Mikoto, que diferente deles, sorria ainda mais abertamente.

 - Não estou entendendo senhor. O que quer dizer?

 - Serei direto então. Sempre te achei muito inteligente, nunca escondi isso e apesar de achar louvável a decisão que tomou, de abrir mão de um sonho para cuidar do seu pai, sempre senti que isso era algo que a incomodava um pouco.

 - É verdade, não vou negar. Consegui terminar o ensino médio, mas não queria parar por aí, sempre quis cursar uma faculdade, mas meu pai piorou muito, nossa situação financeira também, por isso desisti.

 - Você pode retomar esse sonho, se quiser. Tenho um amigo que é reitor de uma universidade e estive falando com ele. Eles aplicam uma prova e realizam uma entrevista com os candidatos, se aprovados nos dois, podem iniciar o curso que desejarem com bolsas de até 100%.

Finalmente Itachi entendeu onde o pai queria chegar e lembrou do que o mesmo lhe disse pouco antes do jantar.

 - Se quiser, falo com ele e marco a entrevista e o teste pra você. Nada será facilitado pelo fato de você ser minha nora, pode ficar tranquila quanto a isso, tudo dependerá unicamente do seu esforço e capacidade. O que me diz Hinata?

A jovem olha para Fugaku, ainda com o semblante duro, mas com os olhos passando sinceridade. Também olha para Itachi, que parecia tão surpreso quanto ela e para Mikoto, que sorria animada.

- Está falando sério, senhor Uchiha?

- Claro que sim. E não me chame de senhor Uchiha, me chame apenas de Fugaku.

Hinata então abre um sorriso enorme, sentindo seus olhos marejarem.

 - Quero sim, claro que quero, quero muito!

 - Então está feito. Amanhã pela manhã entrarei em contato com ele e marcarei um horário pra você. Tudo correndo bem, em breve você será uma universitária.

 - Claro que vai correr tudo bem, a Hinata e esforçada e muito inteligente, com certeza vai ganhar uma bolsa, tenho certeza disso. – diz Mikoto.

 - Tudo bem pra você, Itachi? – questiona Hinata

 - Claro que sim. Se é um sonho seu e vai te fazer feliz, tem meu total apoio.

A empolgação era visível no rosto da garota, o que fez Fugaku sorrir. Realmente, Hinata era uma garota maravilhosa, não apenas digna de seu filho, mas ficou claro para Fugaku que Itachi também era digno de ter uma mulher como ela em sua vida.


Notas Finais


O que acharam da atitude do Fugaku?
Preparem os corações para mais surpresas nos próximos capítulos, vai ter romance, barraco, risadas... Enfim, melhor eu parar antes de soltar spoiler sem querer 😅
Beijos e até o próximo!

P.S: A moça com o Sasori é apenas "figurante", não é nenhuma personagem de Naruto.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...