História O Coveiro das Almas: Uma História Harry Potter - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Neville Longbottom, Personagens Originais, Rose Weasley, Scorpius Malfoy
Tags Bruxos, Harry Potter, Hogwarts, Personagens Originais, Saga
Visualizações 11
Palavras 682
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá! E então, o que estão achando da história até agora? Gostaria de saber mais a opinião de vocês a respeito... aproveitem esse capítulo!
<3

Capítulo 6 - Capítulo 6- O Segredo da Torre


Fanfic / Fanfiction O Coveiro das Almas: Uma História Harry Potter - Capítulo 6 - Capítulo 6- O Segredo da Torre

-A Torre de Astronomia- anunciou Helena Ravenclaw- Não gosto muito da energia que esse local transmite. Uma alma sábia e nobre se perdeu aqui, mas ao menos podemos conversar sem sermos pegas. As aulas ocorrem somente durante à meia-noite.

Clarissa estava ofegante ao lado dela. Além de ter segurado Oliver durante todo o caminho até a torre mais alta de Hogwarts, ainda teve que lidar com comentários dos quadros do castelo do tipo: “O que faz fora da sala de aula, mocinha?” e “Minerva vai saber disso! Corvinos são todos loucos!”

 

-Precisávamos mesmo ter vindo até aqui?- perguntou a garota, com pernas e braços trêmulos.

A Dama Cinzenta aproximou-se de um pergaminho aberto na mesa da professora Sinistra. Não parecia ter ouvido Clarissa, já que estava distraidamente estudando a distância entre Io e Calisto. Oliver Nobleman começou a se sacudir como se estivesse tendo convulsões, então a menina se ajoelhou e o depositou no chão frio da torre. O garoto suava e tinha uma expressão confusa e dolorosa, mesmo com os olhos fechados. Podia não gostar dele, mas Clarissa não conseguiu deixar de sentir pena de Oliver ali, inconsciente e sôfrego. Aquilo era loucura. Devia tê-lo levado para a ala hospitalar antes, como a professora Ziegler pedira.

 

Parecendo ler seus pensamentos, Helena levantou a cabeça, e a sombra de um sorriso triste passou por seu rosto antes de esmaecer em sua séria expressão costumeira.

- Clarissa, querida- começou- por que acha que o Chapéu Seletor a colocou na Corvinal?

Essa pergunta pegou a garota de surpresa. Desde que ela sabia, todos os membros de sua parte bruxa da família, a de sua mãe, haviam sido da Corvinal. Ela só estava seguindo uma tradição. Mas o que a encantava naquela casa em especial?

-Eu amo aprender.- revelou- Amo buscar sabedoria, conhecimento, desde que me entendo por gente é assim. E gosto de ficar sozinha, penso melhor desse jeito. Gosto de refletir, de bolar teorias, de mergulhar em livros e não sair mais… Eu acho que é isso. A vontade de… buscar o extremo conhecimento, a eterna sabedoria… é isso o que me motiva a viver. Enquanto ainda tenho treze anos, claro.

A Dama Cinzenta se aproximou um pouco mais de Clarissa, que escorregara para o chão com as pernas cruzadas, ao lado de Oliver.

-Era a resposta que eu esperava. Entenda, Clarissa, nós Corvinos somos dotados não só de extrema inteligência, mas de muita curiosidade. E é isso que nos motiva a buscar cada vez mais o conhecimento. Alguns nos veem como excêntricos ou loucos, mas veja só quantos de nós alcançaram o pico da sabedoria! E para alcançar a sabedoria e o conhecimento, é necessário esforço e sacrifício. Nada vem de puro e bom grado. A fiz vir aqui para demonstrar isso. Mas não deixe que a ambição suba à sua cabeça.- Nesse ponto, Clarissa pôde sentir a voz de sua amiga ficar embriagada e distante- Você conhece a minha história. Sabe que eu fui egoísta com minha própria mãe. E paguei muito caro por isso.

 

Os olhos de Helena Ravenclaw, herdeira da Corvinal, se detiveram em Oliver por um momento. Ela chegou mais perto do garoto, e sua mão pareceu tocar o rosto pálido dele, se dissolvendo ao toque e se recompondo ao afastá-la.

-O estado dele está piorando. Vá, leve-o para a ala hospitalar!

Atônita, Clarissa deu leves tapinhas no pescoço de Oliver, que só reagiu com grunhidos e murmúrios incoerentes.

-Ah, Merlin… Helena, perdoe-me, mas era só isso? Eu entendo que queria ter dito, mas não poderia ter sido depois de eu ter levado ele para Madame Pomfrey?

-Não- respondeu a fantasma, monossilabicamente- E mais uma coisa: Não sei muito sobre, mas há um homem. Um homem perigoso à solta. Tome cuidado. As páginas do Profeta Diário talvez revelem mais a respeito. Mas, por enquanto, é um segredo. E, a propósito, desculpe-me se fui insensível na subida das escadas, mas fantasmas não se cansam. Adeus, Clarissa. Conversamos mais tarde.

 

E então, a imagem da Dama Cinzenta desapareceu, deixando Clarissa Silverstone e Oliver Nobleman sozinhos e confusos mais uma vez.

 


Notas Finais


Por hoje é só.
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...