1. Spirit Fanfics >
  2. O crime em El Paso. >
  3. Lamp burned.

História O crime em El Paso. - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - Lamp burned.


Fanfic / Fanfiction O crime em El Paso. - Capítulo 14 - Lamp burned.

— E então, como estou? – Dei uma voltinha na frente da Luna e da Gabi que se maquiavam. Elas me olharam e abriram um enorme sorriso.

— Perfeita. – Luna respondeu.

— Puxou a irmã, então nem preciso responder. Agora me fala, nossas fantasias ficaram um arraso né? 

— Precisamos tirar fotos. – Luna disse animada.

— Com certeza. – Concordei.

Eu e a Gabi nos fantasiamos de coelhinhas e a Luna de líder de torcida. Estávamos lindas. Arrumamos toda bagunça que fizemos e tiramos várias fotos.

— Vamos ver como estão os meninos. – Luna abriu a porta, rindo.

— O que você escolheu pra eles? – Gabi perguntou.

— Unicórnio. – Gargalhou e eu acabei rindo também.

Gabi e Luna foram até o quarto dos meninos, mas como não queria ver o Justin, decidi ir pra perto da piscina onde será a festa. Tudo já estava arrumado, o som, a decoração, as comidas e bebidas, etc.

Briana e Ângela passaram por mim vestidas de gatinhas. Tenho que admitir que as fantasias estavam bonitas. Ambas estão iguais, vestidas com um macacão curto e preto de couro, onde tem um belo decote nos peitos. Em seus pés, botas pretas até os joelhos, e em suas faces, uma bela maquiagem noturna. Elas estavam lindas, mas eu também estava.

Pra esquentar meu corpo, peguei um copo de plástico e coloquei vodka. Essa noite eu queria me divertir bastante.

Justin Bieber.

— Não acredito que você fez isso com a gente, Luna olha essas saias. – Bufei.

— Ah Justin, eu adorei. – Gabi cruzou os braços, rindo.

— Se adorou, por que está rindo?

— Até que eu gostei, olha a minha bundinha. – Ryan virou de costas e começou a mexer a bunda. Impossível não rir.

— Para de ser idiota. – Falei dando risada.

— Tá vendo? Ryan adorou, só você que fica nessa chatice. – Luna falou debochadamente.

— Eu ainda te mato Luna Park.

— Só falta a tiara de unicórnio. – Gabi pegou a tiara em cima da cama e colocou em minha cabeça.

— Agora estou parecendo um chifrudo. – Acabei rindo.

— Eu não sei você, mas eu já fui muito chifrudo nessa vida, então nem ligo. Agora vamos logo arrasar com nossas fantasias, migo. – Ryan afinou a voz, fazendo as meninas rirem. Saímos do quarto e formos pra frente da casa.

A primeira pessoa que eu reparei foi a Ana, tomando algo em um copo de plástico. Ela estava fantasiada de coelhinha assim como a Gabi. Estava linda... E essa marquinha de biquíni, céus!

— Vamos dançar parceiro. – Ryan deu um tapa na minha cabeça e eu retribui.

— Coloca uma playlist boa.

— E eu lá sou de fazer playlist ruim?

Ryan ligou o som e colocou numa playlist de funk. Até que é legal.

Reparei também na Ângela e na Briana que também estavam lindas e gostosas pra caralho.

— Vamos dançar? – Gabi perguntou atrás de mim e eu virei pra ela.

— Vamos.

Começamos a dançar no ritmo do funk e Ryan se juntou a nós, nos ensinando o passinho da "sarrada". Como ele sabia  isso eu não sei, mas é muito maneiro.

Gabi estava empinada pra mim e rebolava conforme a música. Meu pau já estava duro e ela sabia disso. Puxei seu cabelo só de raiva e ela gostou pelo sorriso safado que deu.

— Você gosta de provocar né? – Perguntei quando ela se levantou.

— Gosto não, eu adoro.

Nos beijamos. Minha mão acabou parando em sua bunda e eu apertei.

— Vão acabar transando no meio da festa desse jeito. – Ryan nos interrompeu, deixando a Gabi sem graça.

— Vai dançar vai Ryan. – Pedi e ele foi.

— Vou pegar algo pra beber, você quer? – Gabi perguntou.

— Trás o mesmo pra mim.

Ela assentiu e foi pegar. Percebi que todos estavam dançando e bebendo, menos a Ana que havia sumido. Onde ela estava?

E por quê eu quero saber? Isso não é da minha conta.

Gabi voltou com as bebidas e eu virei tudo de uma só vez. Estava empolgado e sabia que amanhã a ressaca viria.

— Calma Justin. – Ela riu.

— Eu estou calmo. – Apertei sua cintura e lhe beijei.

— Que delícia. – Falou quando paramos.

— Delícia é você. Vou no banheiro e já volto.

Quando entrei no banheiro, me deparei com a Ana sentada no chão e chorando. Me assustei por vê-la assim. Fechei a porta e ela me olhou.

— O que está fazendo aqui? – Ela limpou as lágrimas rapidamente.

— Eu só vim usar o banheiro, aconteceu alguma coisa?

— Não te interessa, agora me deixe sozinha.

Sua voz de choro partiu meu coração.

— Você vai ficar sempre na defensiva?

— Justin por favor, agora não.

E ela voltou a chorar.

Cheguei perto dela e me agachei em sua frente.

— Eu posso te ajudar em algo? Sei que não nos gostamos, mas você é irmã da mina que eu estou ficando.

— Não quero sua ajuda, única coisa que eu quero é que você me deixe em...

Ela não conseguiu continuar e voltou a chorar. Automaticamente eu a abracei.

— Me conta o que foi, eu não vou contar pra ninguém.

— Quando eu bebo eu acabo lembrando de coisas que não devo lembrar.

— Você lembrou de quê?

— Do meu ex namorado, ele me traiu mais uma vez e o mais ridículo é que eu ainda gosto dele, eu lembro das coisas boas que passamos juntos e isso acaba comigo.

— Infelizmente no coração a gente não manda, e se ele traiu uma mina gata feito você é porque ele é um idiota.

— Até parece que você me acha gata, você me odeia, esqueceu?

— Ainda te odeio, mas isso não muda o fato de você ser gata.

Ela riu.

— Já te fiz rir, tá vendo?

— Nem sei porque estou desabafando logo contigo, devo estar bêbada.

Limpei as lágrimas de seu rosto com as pontas de meus dedos e levantei. Suspendi a mão pra ela se levantar também.

— Tem uma festa lá fora esperando pela gente, vamos?

Ela balançou a cabeça concordando.

— Obrigado. – Disse envergonhada assim que se levantou.

— Não tem pelo o que agradecer.

Ao tentar abrir a porta, percebo que ela não estava abrindo. Franzi o cenho, sem entender o porquê.

— O que foi?

— A porta não está abrindo.

Ana tentou abrir e também não conseguiu.

— Merda, estamos presos.

Começamos a gritar por ajuda mas ninguém nos ouviu. O som estava alto pra caralho.

— E agora, o que vamos fazer? – Ela bufou.

— O único jeito é esperar. – Cruzei os braços.

Do nada a luz apagou sozinha, apertei na tomada ao meu lado para ver se ligava e foi em vão.

— JUSTIN ACENDE ESSA LUZ. – Ana gritou com medo.

— Não fui eu que apaguei, a lâmpada deve ter queimado.

— PELO AMOR DE DEUS EU TENHO MEDO DE ESCURO. SOCORRO, ESTAMOS PRESOS.

— Para de gritar no meu ouvido, não tá vendo que ninguém vai escutar?

Bufei, irritado.

Ana começou a chorar com medo da escuridão e era impossível não rir.

— Para de rir seu idiota, isso é sério.

— Eu estou aqui garota, acha que algo vai te acontecer?

— Você avisou pra alguém que vinha no banheiro?

— Avisei pra Gabi, mas ela está bebendo e dançando, provavelmente nem vai lembrar de mim.

— Mas que inferno, maldita hora que você entrou nesse banheiro.

— Agora a culpa é minha?

— Sim, é sua, foi só você entrar que tudo isso aconteceu.

Ela continuou chorando de medo e eu já estava irritado com isso. Mas que garota chata.

A puxei pelo braço e a abracei.

— O que está fazendo?

— Cala a boca e fica quieta, pelo menos assim esse seu medo idiota passa.

Não sei como, mas ela não retrucou. Deitou a cabeça em meu peito e ficou quietinha. O cheiro do seu perfume chegou até as minhas narinas, me causando conforto. Ela é muito cheirosa e é até fofinha quando fica quieta.


Notas Finais


Continua?


◾♥ TRAILER DA FANFIC, SE PUDEREM DEIXAR O LIKE E DIZER O QUE ACHARAM, EU AGRADEÇO MUITO!

https://youtu.be/mQHKN6H2mAg <33333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...