História O crush do vestiário - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Doyoung, Haechan, Jaehyun, Johnny, Jungwoo, Kun, Lucas, Mark, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Doil, Jaeyong, Johnten, Loona, Luwoo, Markchan, Markhyuck, Nct 127, Nct U, Red Velvet, Yuwin
Visualizações 240
Palavras 2.694
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oi amores, parece que alguém tomou vergonha na cara e veio atualizar isso aqui kkkkk


Desculpa pela demora, mas eu tô focando um pouco em uma outra fanfic que eu tô escrevendo e que eu tô full apaixonada e não consigo parar de escrever kkkk (já tem 6 caps alguém me salva).

Enfim, espero que gostem desse cap que traz a personagem que ainda não apareceu e mais um personagem que eu só vou dizer o nome no próximo capítulo, mas podem tentar adivinhar quem é kkkk.

Bye bye~

Capítulo 6 - O efeito bombom, que ainda está em construção



Sicheng não queria acreditar no que via em sua frente. Roupas espalhadas pelo chão, Yukhei gritando pelo quarto, Kahei chorava no canto, Johnny dormia, havia um garoto que nunca havia visto antes jogado no chão, e Ten estava escondido atrás de uma mesa. Enquanto isso, ele estava na porta, o amor de sua vida de um lado, e sua maior inimiga do outro.

Só queria saber como as coisas acabaram nesse ponto.

Se lembrava que, um dia antes de toda essa bagunça, estava na casa de Yuta, mais especificamente, em seu colo, aproveitando que nenhum dos dois precisava estudar naquele dia e decidiram tirar o dia inteiro apenas para ficar no sofá do japonês.

A história sobre a garota que Yuta havia beijado já havia ficado no passado, Kahei havia tomado coragem de pedir Haseul em namoro – e elas formavam um casal lindo – e Taeyong também havia finalmente deixado seu namoro com Jaehyun oficial, ainda que todos já soubessem, ou ao menos já imaginassem.

Também havia o pequeno efeito tailandês, Chittaphon, que após se juntar ao time, já havia virado metade dos problemas lá dentro, pois Ten era uma pessoa extremamente sociável, então rapidamente ficou próximo de todo mundo – e espacialmente de Sicheng – o que causou vários ataques de ciúmes da parte de Yuta.

Poderíamos até dizer que eles estavam bem, até passaram a se ver mais (literalmente todo dia), e Sicheng estava realmente convicto de que deveria tornar aquilo oficial, mas claramente deixaria esse passo para o japonês tomar.

Haviam dias, como aquele, que o chinês passava a noite na casa do japonês, e já havia até feito amizade com a mãe de Yuta, e não ousou perguntar sobre seu pai, não ainda.

E naquela noite em específico, Sicheng recebeu uma mensagem um tanto estranha de um número desconhecido, dizendo algo sobre Yuta que o chinês não deu atenção, apenas terminou de aproveitar aquela noite.

No dia seguinte, entretanto, foi quando as coisas começaram a dar errado. Ele e Kun haviam acabado de entrar na sala, ambos completamente sem vontade de fazer nada.

E então, uma garota de longos cabelos negros e olhar mortal se aproximou dos dois, uma garota que, em outras ocasiões, Sicheg diria que era extremamente bonita. E por fora realmente era.

A garota se apoiou sobre a mesa de Sicheng, o encarando por um tempo antes de mudar seu olhar para Kun, e então para Sicheng de novo.

- Dong Sicheng? – Ela perguntou, ainda com o mesmo olhar mortal, e o chinês apenas assentiu relutante. – Você recebeu uma mensagem de um número desconhecido ontem, né? – Ele assentiu mais uma vez. – Chegou a ler a mensagem?

- Não exatamente...

- Bom, tanto faz... De qualquer jeito, preciso falar com você, mas... – Ela olhou para o outro chinês e suspirou fundo, como se ele não pudesse estar ali. – Não aqui. Vem comigo. – Sem esperar resposta, ela apenas se levantou e andou em direção à saída da sala, e Sicheng, sem saber o que fazer, apenas a seguiu, mesmo com protestos de Kun.

A garota não abriu mais a boca, apenas o guiou até uma sala no segundo andar, uma sala onde as pessoas não deveriam entrar, já que estava sem uso faziam anos, uma antiga sala de artes. Assim que chegaram ali, ela se sentou em uma das mesas, encarando o chinês sem desviar o olhar.

- Por acaso não sabe quem eu sou, sabe? – Ele negou. – Sou Kang Seulgi. Mas você também pode se referir à mim como... A namorada de Nakamoto Yuta. – E por alguns segundos, Sicheng rezou para ter ouvido aquilo errado.

- O que?

- Olha, eu não faço ideia do que você tem com ele, não ligo, e nem quero saber. Só queria te avisar... Pra ficar longe dele.

- Desculpa a pergunta, mas você fugiu de algum hospício? – Sicheng realmente tentou segurar o riso. Algumas coisas ali simplesmente pareciam não fazer sentido, e ele achou que talvez aquela tal de Seulgi estivesse alucinando, mas ela apenas respirou fundo.

- O que ele te disse? Que gosta de você? Que quer fazer o que vocês tem oficial? Ele chegou a te dizer “aishiteru”? – E suas teorias sobre Seulgi ter alucinações foi fortemente abalada.

- Como sabe disso?

- É bem a cara dele. Enfim, o Nakamoto gosta de brincar um pouco com o coração das pessoas, mas... Não acredite muito nele. Até porque, todos sabem que ele é hetero, só gosta de iludir alguns corações.

- Ok, agora é sério, você toma algum remédio? – Tudo o que ela disse fazia sentido, tirando a parte dela ser namorada do Yuta e do japonês ser hetero. Ele sabia muito bem que eram duas coisas que não ficavam bem juntas.

- Acredite se quiser, Sicheng. Hoje mesmo ele disse que vai assumir nosso namoro publicamente. Vai me pedir em namoro em uma cafeteria. Eu só não quero que você saia muito machucado, então estou te preparando, mas acreditar ou não é escolha sua. – Talvez Sicheng tivesse se sentido um pouco ameaçado com aquilo, mas só talvez. E não iria discutir por um segundo sequer com aquela pessoa, apenas deu as costas e foi embora.

E também foi quando notou que ela era muito parecida com a garota que Yuta beijou na arquibancada. Talvez ela estivesse falando a verdade. Foi enganado por tanto tempo assim? Era difícil acreditar.

Ainda se sentindo um pouco mal, não notou que estava basicamente matando aula, apenas quando foi puxado para um banheiro sem nem notar o mundo ao seu redor.

Felizmente, era Ten ali, que parecia estar matando aula também.

- Se você andar por aí tão desligado vai acabar sendo suspenso.

- Desculpa... eu nem notei.

- Não faz mal. Sorte sua que eu te vi.

- Obrigado. – O tailandês o encarou por alguns segundos antes de se apoiar na pia, ficando ao lado de Sicheng.

- O que foi? Faz tempo que eu não te vejo triste, aconteceu alguma coisa?

- É difícil explicar...

- Temos todo o tempo do mundo... Bom, na verdade temos até a próxima aula começar, o qhe seriam uns trinta e cinco minutos. Tempo mais do que o suficiente.

- Certo, certo... Bem, não sei se você sabia, mas eu e o Yuta meio que temos... Uma coisa.

- Uma coisa? Vocês namoram?

- Não exatamente, mas temos algo.

- Certo.

- Bem, há um tempo atrás... Aconteceram alguns problemas que envolviam eu beijando minha melhor amiga e Yuta beijando uma garota.

- Que garota?

- Kang Seulgi.

-.Kang Seulgi?

- Conhece?

- Ela é da minha sala. Nunca fui muito com a cara dela, mas enfim...

- Bem, eu acho que ela era a garota que Yuta estava beijando. E hoje ela disse que precisava conversar comigo, e me disse que... Que ela e o Yuta namoram e que ele vai pedir ela em namoro oficialmente hoje.

- Ah, é?

- O que é estranho, porque eu nunca tinha visto essa garota na minha vida, a mãe do Yuta também nunca falou de nenhuma garota, além disso, ela falou que todos sabem que eles namoram, mas nunca ouvi ninguém comentando. Isso sequer faz sentido...

- Já pensou na possibilidade dela estar blefando?

- Hm?

- Ela pode apenas ter dito um monte de coisas que não fazem sentido, só pra te abalar e te fazer desistir do Yuta. Ela pode ter pensado que você não iria querer ficar no meio de um casal e iria pular fora.

- E o que eu faço?

- Quer um conselho? Pergunte ao Yuta. Pergunte sobre a Suelgi e pergunte se ele vai fazer algo sobre isso.

- Mas e se... E se ele disser que eles realmente namoram?

- São pouquíssimas chances de isso ser verdade, mas se acontecer, você segue em frente.

- Você fala como se fosse tão fácil...

- Ah, não é fácil, nunca foi e nunca vai ser, mas de vez em quando é necessário.

- Hyung, você é bom demais com as palavras. Já pensou em ser psicólogo? Certeza que você teria um consultório cheio todos os dias e que seria o doutor mais bonito que eu já conheci.

- Uau, é um elogio e tanto, mas... Assim como eu sou bom com as palavras, eu não sei lidar com as pessoas, então não, obrigado. Além disso, posso te perguntar uma coisa?

- Claro.

- Eu fiquei sabendo que... Bem... – O tailandês olhou para baixo, pensando se deveria ou não perguntar.

- O que, hyung?

- Posso só te pedir um favor?

- Claro que pode...

- É o seguinte, minha mãe trabalha em uma loja de doces. Parece besteira, mas são realmente muito bons. Enfim, recentemente ela me mandou... Caixas, muitas caixas de bombons, só que eu não tenho capacidade de comer tudo.

- Eu não gosto muito de doces, hyung...

- Hm... Acha que consegue arranjar alguém que me ajude com isso?

- Sem problemas. Já até tenho alguns em mente...

- Obrigado, SIcheng. Agora... Seria melhor voltarmos cada um pra sua sala. Ah, e eu vou ver se consigo descobrir um pouco sobre a tal Kang Seulgi.

- Sério? Obrigado, hyung.

- Não precisa agradecer. – E Ten deixou o banheiro, seguido de Sicheng, que logo voltou para sua sala quando o sinal tocou.

Ele até queria ajudar o tailandês com a questão dos chocolates, mas ele realmente não gostava de coisas muito doces. Felizmente, tinha uma lista de chocolatras prontos para entrar em ação. Simplesmente ninguém melhor do que Kahei, Johnny e Lucas para lidar com aquilo. Tinha Mark também, mas ficou sabendo que o canadense viajaria por alguns dias.

Assim que sentou, contou toda a história para Kun, este que declarou guerra instantânea contra Kang Seulgi, e logo, começou a conversar com Kahei – por mensagens, já que a chinesa era de outra sala – e os dois decidiram bolar um plano de como fazer Yuta pedir Sicheng em namoro.

Mas apesar de tudo, ele não tinha certeza se deviam deixar tudo oficial agora. Essa “coisa” que eles tinham ainda nem havia completado um mês direito, e Sicheng se sentia um tanto quanto inseguro de apressar as coisas. Queria tudo ao seu tempo.

Não que aquela história de Seulgi não estivesse o incomodando, mas a conversa que teve com Ten o havia acalmado um pouco.

Passou o resto daquela aula em completo tédio, já que Kun parecia concentrado demais na aula em si para tirar o tédio do mais novo. A verdade era que Sicheng tinha muito para pensar. Queria conversar com Yuta, mas ainda sentia medo do japonês apenas afirmar tudo o que Kang Seulgi.

Assim que o sinal tocou, não esperou dois segundos antes de sair correndo da sala, direto para a sala do Nakamoto, que estava logo na porta, e sorriu ao ver o mais novo ali.

- Achei que iria te encontrar na entrada hoje...

- Eu cheguei mais cedo. – Yuta não respondeu, apenas sorriu e passou a andar lado a lado com o chinês.

- Você tá quieto hoje, o que aconteceu?

- Posso te perguntar uma coisa? – Yuta o parou no meio do corredor, o encarando confuso por alguns segundos e então assentindo. – Quem é Kang Seulgi?

- Quem?

- Kang Seulgi, Yuta. Quem é?

- O nome me é familiar, mas não me vem um rosto na cabeça, por que?

- É sério que você não sabe?

- Não faço ideia e não iria te esconder se soubesse.

- Meu deus Yuta, você é péssimo.

- Por que? O que eu fiz dessa vez?

- Seulgi é nome da garota que você beijou na quadra.

- Ah, é? Eu não perguntei o nome dela...

- Você não... Credo, Yuta, eu vou acabar ficando com dó da garota.

- Mas o que tem ela?

- Ela veio falar comigo. Ela disse algo sobre vocês namorarem...

- Uau. Tem certeza que você não ouviu coisas?

- Certeza.

- Sicheng, eu não namoro ninguém. Eu gostaria de namorar, mas com você, claramente.

- Está me pedindo em namoro?

- Ainda não. – Talvez Sicheng teria preferido ouvir um sim, mas deixou aquilo de lado por hora. – Mas porque ela te disse isso?

- Não sei.

- Será que ela é daquele tipo que acha que um beijo já significa tudo? – O chinês deu de ombros, sorrindo. Ao menos agora sabia que Seulgi realmente era meio estranha.

Mas seus problemas só estavam pela metade.

No fim das contas, decidiu com Yuta que iriam visitar Ten e talvez ajudá-lo com os chocolates. Já havia conversado com Kahei, Johnny e Lucas, e iria pra lá mais tarde. Então, Sicheng e Yuta decidiram passar a tarde em uma cafeteria.

Conversaram por muito tempo na mesa, apenas os dois, jogando um jogo silencioso de quem encarava mais tempo sem começar a sorrir como um bobo, e fizeram muitas outras “coisas de casal”, já que haviam momentos em que simplesmente um elogiava o outro aleatoriamente, ou que seguravam as mãos sobre a mesa.

Estava quase na hora de irem pra casa de Ten quando alguém não muito bem-vindo apareceu na cafeteria, e, sem dizer uma palavra sequer, pegou uma cadeira da mesa vizinha e de sentou ao lado de Yuta.

Era Kang Seulgi, que carregava um sorriso estranho em seus lábios.

- O que você tá fazendo aqui? – A voz de Sicheng era carregada com um misto de raiva e sarcasmo. Yuta parecia confuso, e Seulgi sorriu mais uma vez, afastando a franja de seus olhos.

- Bem, não foi por falta de aviso, Sicheng... Mas e o Yuta... – Felizmente, a Kang foi interrompida pelo toque do celular do chinês, que preferiu mil vezes atender do que ouvir as besteiras da garota.

- Ten hyung? – Atendeu, notando logo de cara o barulho do outro lado da linha. Não entrndeu literalmente nada do que o tailandês tentou falar, mas sabia que algo estava errado. Desligou rápido e se levantou, seguido de Yuta.

- O que aconteceu?

- Não sei, ele não disse muita coisa e... Por que está seguindo a gente? – Se virou ao notar que Seulgi andava logo atrás de si, e a garota deu de ombros.

- Não vão se livrar de mim tão fácil. – O chinês apenas revirou os olhos e tentou ignorar a existência da Kang, apenas correu o mais rápido possível até a casa do tailandês, que felizmente não era tão longe.

Assim que chegaram na porta, já era possível ouvir alguém gritando lá de dentro, e Yuta tocou a campainha. Demoraram exatos dois minutos para notarem que ninguém iria abrir, e também, que a porta estava aberta.

Realmente havia alguém gritando lá, e era muito parecia com a voz de Lucas.

E foi assim que chegamos na cena atual, sendo que Yuta tentava não rir, Sicheng não sabia o que fazer e Seulgi estava de braços cruzados.

- O que aconteceu aqui? – Perguntou o chinês, para si mesmo. O quarto que parecia ser de Ten estava completamente bagunçado e haviam caixas jogadas por todo o chão. Pequenas caixas de chocolate.

Olhando a situação, Seulgi pegou uma das caixas que estava no chão e abriu, mostrando para Sicheng.

- É, é chocolate, eu notei.

- Come. – Ela pegou um dos bombons na caixa e o entregou para o chinês, que mesmo a contragosto, comeu o chocolate, e engasgou assim que aquilo lhe desceu pela garganta. – Licor, certo?

- É álcool puro... – E mais do que não gostava de chocolate, Sicheng odiava álcool.

- Eles estão praticamente bêbados. – Yuta concluiu o raciocínio.

- E o que a gente faz.

- Esperar eles dormirem é o que faz mais sentido. Dois já foram. – Seulgi apontou para Johnny e o garoto que Sicheng não conhecia.

- Não sei se essa é uma boa ideia. – Yuta tentava conversar com Kahei, que chorava alto e o ignorava.

- Mas não temos uma ideia melhor. – Sicheng deu de ombros.

Seu “encontro” com Yuta havia evoluído para ficar de babá de cinco bêbados que não pareciam que iriam se acalmar tão cedo. E o pior, parecia que tudo era um maldito efeito bombom, um efeito que Sicheng havia acabado de inventar e que ele talvez aprimorasse mais tarde.


Notas Finais


Espero que tenham gostado desse e cap e vou tentar não demorar muito pra atualizar, amo vocês, juro :")

E não odeiem a Seulgi, ok kkkk

Bye~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...