1. Spirit Fanfics >
  2. O Curioso Conto de Mieczyslaw >
  3. Um Último Dia

História O Curioso Conto de Mieczyslaw - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpem a demora T.T

Eu tive um real problema em definir o final deste capítulo (e a EaD comia com vontade meu tempo, mas enfim Fé-Ri-As), foram muitas ideias e alguma incerteza em qual escolher já que bem, eu gosto da ideia de criar conexões. Sem cenas soltas, toda cena tem um motivo por trás.

Sem mais delongas, obrigada a todos que favoritaram e comentaram, vocês são demais rs. Amanhã, atualização da minha outra fanfic Sterek!ABO. Boa leitura.

Capítulo 8 - Um Último Dia


STILES É AFOITO COM AS MÃOS. Desatando as tiras amarradas às costas do bliaud de Cora. O apertado corpete se agarra à menor como uma segunda pele, fina e macia. Stiles hesita na leve curva ao final da coluna sob o som difuso da voz de Cora, falando alguma coisa sobre a Vossa Majestade. Ele não tem total confiança do que se trata, mas entende que seja sobre Laura requerer que a jovem Infanta se apresente ao banquete de cortesia a alguns aliados de Mégara, agradável e cordial - obrigações da Realeza. É seu dever político antes de mais nada.

Às vezes, Cora pede ajuda a Peter, mas o tio tem naturalmente opiniões duvidosas ao ver de Laura. Um bom conselheiro em prever a intenção alheia sem dúvidas, mas não para reagir às circunstâncias. Derek a apoia, Cora supõe, mas não chega a interceder por ela mais que uma ou duas palavras antes de voltar para suas obrigações como Príncipe. Cora é ignorante sobre a natureza dos afazeres do irmão, ou não os menciona deliberadamente. Stiles mal ver Dom Hale. Era de se esperar.

Stiles termina de desabotoar o bliaud. Segurando o suspiro do fundo do peito ao rodear Cora com os braços para desatar o laço abaixo do busto, ele o puxa, cedendo a armação. Ela levanta os braços com leveza, o corpete pendendo agora frouxo junto à saia plissada. Cora com facilidade balança o corpo até que a peça de roupa deslize enquanto fala, Stiles se vira, os passos inquietos, ele mexe nas roupas presas aos pinos nas paredes e sobre os baús, permitindo que a jovem Infanta faça suas abluções matinais com um lenço úmido e uma bacia com água, preparada por uma valete.

Ele se retém de fitá-la pelo canto do olho enquanto o faz.

Stiles é um sujeito terrível. Sua mãe riria do seu nervosismo, como o repreenderia pelo resto da vida por abusar da confiança de uma moça. Ele desvia o olhar, murmurando sobre a solidez das paredes ao acaso para o bufo da mais nova.

Cora veste a leve cota de linho, e Stiles se vira para ajudá-la a terminar de se vestir. Levemente embaraçado, a nudez é outro dos muitos assuntos não mencionados, uma boa moça manteria melhor suas vergonhas para si - Stiles tinha lá a sua desculpa se alguém olhasse de mais perto sua nuca enrubescida e seus olhos alertas.

Ele, felizmente, está acostumado àquelas roupas, embora com menor pompa e amarras, ele penteia os cabelos castanhos de Cora e tem uma pequena complicação com a fillet, a tira branca de pano presa em à volta da cabeça de Cora e atada na nuca com fitas, como se fosse uma bandolette, e ao qual depois prendia um véu transparente como uma segunda camada de cabelos. Muito útil para impedir que os próprios caíssem para frente. É uma aparição pública, a Infanta deve se vestir como tal.


Stiles costuma entender o sentimento; Cora anseia poder respirar, fazer suas próprias escolhas e sair como sua posição na Família Real não permite. Então Cora é apenas durona e desafiadora em resposta. Stiles às vezes se pega a fitando longamente, ela é bonita e decidida. Não como Lydia, mas como ela mesma. Stiles gosta de passar seu tempo com Cora.

Ele encontra Peter por duas vezes, o que o deixa na ponta dos pés e os cabelos arrepiados, ele gruda em Cora e desvia do caminho abruptamente. Peter apenas sorrir com a sobrancelha erguida, e continua seu caminho sem afetação, diferente de Stiles. Ele também apreende que a Família Real e a Corte acabavam se reunindo apenas aos jantares por diferentes motivos. Uma vez, ele foi educamente informado por Morrell a ser simpático com um Conde que ficou para jantar com a Família Real. Às vezes, ele é dispensado antes do jantar, ele chega em casa mais cedo naqueles dias.

Alguns minutos de caminhada ou duas moedas por um coche, infelizmente, ele não pode se dar ao luxo de custear o transporte todo dia. Caminhar então é bom.

Tudo é calmo como há anos não é. Ele chega cansado e o estômago cheio, às vezes com algo do Palácio, outros Reis se recusariam a dar as sobras ao povo, que o alimento apodrecesse em seus armazéns abarrotados de hidromel e carne de veado.

Depois de ver Melissa, Stiles apenas se limpa com o pano e uma bacia e se deita sob as cobertas ásperas forradas com pele de carneiro. Amanhã, a mesma coisa. Há algo de frustrante, mas também de tranquilizador e seguro na rotina. Uma noite, Scott se deita ao seu lado o cutucando nas costelas sobre como é cuidar da Princesa, Stiles não o corrige com "Infanta", insinuando que Stiles estaria gostando de vê-la em todos os momentos possíveis. Stiles o empurra, quase derrubando-o da cama. Mais tarde se permitindo divagar sobre o Castelo, sobre Laura e sua dinâmica com os irmãos, que não há segredos como parece aos mais conspiradores. Aos que ainda opõe em segredo à família Hale.

Mas é calmo e seguro, é quase entediante no fundo. Scott bufa, cético. E eles continuam à luz da vela de sebo. Allison, claramente, está mais linda a cada dia, segundo Scott. Stiles pensa em Lydia.


...


Cora tem obrigações junto à Sala do Trono em julgamentos quando o Príncipe não pode, há algo sobre unidade. Muitos desses crimes, referentes a roubos entre suseranos e desordem local. Cora empreende a formalidade de se apresentar à Rainha, Peter está ausente, a despeito da pequena Corte de desconhecidos para Stiles presente, há um lugar à esquerda da Rainha para Cora, seu assento é removível, assim como um palmo mais baixo. Stiles fica de pé atrás da mais nova.

Laura ordena que o requerente se apresente, embora sua voz possa ser confundida com um pedido por alguém menos atento. Os guardas internos abrem as portas e um homem segurando uma mulher pelo braço os puxa para o centro da sala, sob o burburinho dos presentes. Eles conhecem o casal de seus círculos sociais, Stiles não.

A barba do homem é cheia e embaraçada de tons grisalhos, ele se ajoelha diante a Rainha, soltando a mulher. Stiles ainda não entende a presença da desconhecida. Laura parece avaliá-los dado seu silêncio incomum, os olhos deslizando da figura robusta do homem à mulher retraída ao lado - mais velha que Laura. A mulher não arrisca levantar a cabeça, tornando apenas mais visíveis os cabelos outrora bem penteados, agora, caindo em algumas mechas desordenadas e as roupas, sem dúvidas caras e distintas, abarrotadas e sujas de terra como se houvesse caído no chão ou, especialmente, sido empurrada.

O meirinho se aproxima do homem e apanha a folha dobrada em um rolo estendida em direção à Coroa, o homem mantém o joelho esquerdo e a bota alta direita contra o tapete esverdeado. Embora reverente à Coroa, ainda reivindicando seu título de influência. Ele requere alguma conformidade naquele julgamento de acordo com quem ele representa para os interesses de Beacon Hills. O homem não se curva inteiramente à Rainha; muitos ainda podem se ressentir do Trono ter sido entregue a uma mulher, poucas fizeram, mas assim como contam que Talia foi, Laura é sem dúvidas uma Rainha. Nascida e criada para ser uma. 

O oficial de justiça parece ler por um breve momento o documento, rápido e conciso, como se já conhecesse o caso, apenas relembrando e certificando-se. O meirinho levanta a cabeça, e com clareza aponta:

_ Esta mulher é acusada de matar o marido. - Stiles vacila, olhando para a acusada, tentando ver um indício de sua culpa, como se fosse possível algo como aquilo deixar um sinal físico distinto, mas nada na mulher dizia que ela realmente poderia cometer algo assim. Stiles inspira. Por que uma mulher como aquela faria algo assim?

_ Você se confessa culpada? - o meirinho indaga a mulher sem qualquer sentimento em particular no tom de voz. A mulher não levanta a cabeça, nem há guardas perto o suficiente para mantê-la de joelhos, apenas o homem que a ignora com desprezo quase incontido. Ela não representa perigo há qualquer um deles, não parecia que poderia. Sua postura inspirando uma espécie de piedade em qualquer telespectador. Ela estava arrependida sem dúvidas.

_ Sim, eu o matei. - não. Stiles levanta o olhar, querendo dizer a ela que não precisava fazer aquilo, reivindique inocência. Mas eles conhecem o processo, no momento em que ela foi trazida, foi definido que ela era culpada. Não importaria o que ela dissesse agora. Se ela resistisse se declarando inocente, essa atitude apenas a levaria à tortura para confessar seu crime tendo o cometido ou não. O “trato da corda”, o “suplício do fogo”, a “língua caprina”, não para a pena, mas o meio de prova. A sentença sem dúvidas seria a execução. Uma vida por uma vida. Stiles se remexe, ele não quer ouvir, mas tão inquietamente ele também precisa fazê-lo.

_ O irmão de seu ex-marido acusa você de tê-lo envenenado. - oh... Stiles observa o homem ao lado da mulher, já de pé, lançando um olhar amargo para a mesma, e virando o rosto novamente para frente - Com o que você o envenenou? - a mulher permanece calada, evitando reconhecer os olhares sobre si - Responda. - o juiz inquere com neutralidade. Ela resiste em silêncio, ninguém fala pelo próximo curto espaço de tempo, quando o meirinho chama, a sentença sem mais nada a dizer, então dada: - Guardas...

_ Aqua Tofana. - ela sussurra, se recolhendo com um sentimento sem nome.

_ Aqua Tofana. - o juiz de justiça repete - Como você conseguiu? Quem é seu fornecedor? Você confessa que é uma das seguidores daquela mulher? - a acusada balança a cabeça com necessidade, apertando as duas mãos juntas na saia do vestido como se segurasse para não se jogar aos pés da Rainha por misericórdia. Ela sabe qual será seu destino, o que a desespera como se a realidade apenas agora estalasse diante dela. 

Mesmo Stiles conhece a história quando explodiu por quase toda a região, Giulia Tofana, uma habilidosa mulher com conhecimento farmacêuticos que criou um veneno incapaz de ser detectado, com o qual matou seu marido abusivo e comercializou a solução a outras mulheres que desejam se tornar viúvas, seu sucesso se expandiu para diferentes cidades, e trouxe alvoroço ao ser descoberta. Giulia teria confessado, sob tortura, a morte de 600 homens no decorrer de 18 anos. Sua filha, funcionários e colaboradores ao longo de todo Condado, que ela foi obrigada a listar, também foram sentenciados à execução. E mesmo agora ainda havia uma caça pelos 'colaboradores de Tofana'(1).

_ Eu não sou seguidora de ninguém! Por favor, minha Rainha. - a mulher implora, sendo engolida pelo burburinho repentino, "uma seguidora de Giulia Tofana" - quantas outras existiam desconhecidas sob o reino de Hale?

_ Por que você o matou? - a acusada hesita diante da pergunta de Laura antes de responder:

_ Pelo mesmo motivo que todas nós.

_ Humft. Essa mulher está claramente tentando arranjar desculpas! - o homem que viera com ela cospe, a perda do irmão mais novo alimentado seu semblante mesquinho. Com um olhar da Rainha, ele se desculpa e se cala.

_ O que quer dizer com isso? - Laura concede permissão para que a mulher prossiga. Ela balança a cabeça:

_ Ele… ele era um homem violento, Vossa Majestade. Eu não pude… - ela aperta seu vestido, como se procurasse pelas palavras certas - Eu precisava. - a sala ficou em silêncio. Não era incomum maus-tratos no ambiente doméstico, embora mantidos ao máximo no seio familiar por aparências. Enquanto o divórcio dificilmente era uma opção; uma mulher rejeitada pelo marido, sem meios de sobrevivência, mesmo sua família dificilmente a receberia de volta. Laura era uma Rainha conhecidamente justa, como se alguma forma pudesse ouvir através das mentiras dos homens. Ela pouparia a mulher, talvez apenas… uma multa. Não seria estranho se o caso fosse entre dois homens.

_ E matá-lo era uma solução melhor? - mas a Rainha de repente está a indagando com um tom especialmente estranho que Stiles não reconhece, ele olha para baixo, para Cora, ela não diz nada de costas para ele - Talvez eu devesse matar todos que não se comportam de acordo com a Coroa?

Stiles olha para Laura com surpresa, apenas a lateral do Trono escuro, e cabelos castanhos amarrados. Não há qualquer sinal de empatia na voz de Laura, ele esperaria mais… Stiles está confuso, não é...

_  Eu a sentencio à roda. - algo em Stiles se rompe, uma rachadura feia e esquálida.


Notas Finais


Aparentemente, o Fanfics Spirit não comporta muito bem hiperlinks, então vamos de links mesmo. Desculpem a "poluição visual".

• Sobre as roupas íntimas femininas ao longo da histórias, indico esse ARTIGO: https://www.google.com/amp/s/www.terra.com.br/amp/vida-e-estilo/moda/confira-a-evolucao-da-lingerie-do-pudor-a-sensualidade,072a150c26f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html e para os mais corajosos, o LIVRO: https://books.google.com.br/books?id=jjnnDwAAQBAJ&pg=PT17&lpg=PT17&dq=o%20bliaud%20na%20idade%20m%C3%A9dia%20cota#v=onepage&q=o%20bliaud%20na%20idade%20m%C3%A9dia%20cota&f=false

• O corpo humano, a nudez, o desejo sexual, a mulher e outros tópicos como lazer e moral na Idade Média, pode-se encontrar nessa valiosa dissertação https://www.efdeportes.com/efd121/o-corpo-na-idade-media.htm

• Enfocando em especial a posição da mulher na Idade Média alta, entre os mais diferentes pontos de vistas, alguns que amenizavam os estupros e a visão de propriedade do pai/irmão/marido (ou que convenientemente nem os cita), e outros que esqueciam-se das mulheres que conseguiram se destacar. Lendo por volta de mais de 10 artigos, percebi que, no entanto, é certo e unânime que a mulher vivia sobre um sistema patriarcal autoritário. Mas também havia mulheres que conseguiam se sobressair - como em toda a História mundial. E assim como em todas as pesquisas anteriores busquei os dois lados da moeda, e adaptei o mais provavelmente verossímil.

Portanto, sobre a mulher, um artigo que encontrei em português foi esse, cuja apontava a dualidade dessa condição, "santa e pecadora", mostrando também as conquistas calorosas de algumas mulheres, rainhas, abadessas e etc:
https://super.abril.com.br/historia/a-mulher-medieval/amp/

1- E a história de Giulia Tofana:
https://aventurasnahistoria.uol.com.br/amp/noticias/reportagem/giulia-tofana-indomavel-envenenadora-de-maridos-da-idade-media.phtml

• O Código Penal Medieval:
https://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/1097/Direito-Penal-Medieval-e-Moderno


Beijooos, obrigada a todas que resistiram a esses primeiros capítulos ks. Aqui se encerra o Arco I - O Filho de Claudia Stilinski. A Partir do capítulo 9 começamos o Arco II, onde teremos bem mais Derek e Stiles lidando um com o outro ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...