História O desabar da torre - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias The Loud House
Personagens Bobby Santiago, Clyde McBride, Lana Loud, Leni Loud, Lily Loud, Lincoln Loud, Lola Loud, Lori Loud, Lucy Loud, Luna Loud, Lynn Loud, Ronnie Anne Santiago
Tags Luto
Visualizações 45
Palavras 2.695
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


bom (virgula) não vu pedir desculpas
Por que (ponto de interrogação)
porque eu não demorei (ponto)
e como vocês podem ver tem um desenho ali em cima que eu fiz para vocês saberem como são as meninas (ponto) não fiz o Lincoln por preguiça e não fiz a Lisa porque ela vai aparecer bem pouquinho
e por final gostaria que vocÊs escutassem (dois pontos)
Sia- big girl cry

Capítulo 5 - A sobrevivente


Fanfic / Fanfiction O desabar da torre - Capítulo 5 - A sobrevivente

Lori

Ela então abre a mochila e pega de La uma revistinha em quadrinho do Ace Savvy ela começou a folhear e em seguida colocou a revist na mesa e continuou a mexer na mochila La havia um livro de matemática um caderno laranja e um estojo, nada muito intrigante, mas se fuxicasse mais fundo veria uma caixa embrulhada como presente e um CD ela tirou as duas coisas e em seguida colocou o CD no DVD e se sentou no chão para assistir.

Lincoln Loud:

— ola meninas, bom eu queria pedir desculpas pelo que eu fiz e eu sei que eu sou um estúpido, vacilam idiota, sem noção, babaca. É eu sou tudo isso me desculpe se magoei vocês, mas eu estou a enlouquecer e se for para enlouquecer que ao menos estejam ao meu lado é eu sou um cara de pau por pedir algo pra vocês, mas realmente eu acho vocês um máximo, afinal eu não conseguiria encontrar ninguém que me perdoe por todas as minhas burradas. E vocês podem me bater me vender para zoológico, me usarem como escravo, me humilhar na internet. Só não me odeiem, por favor, me perdoa por que a loucura tá se espalhando... Eu amo vocês muito mesmo! Deis da rabugice da Lori até a baba da Lily prometo não as decepcionar se prometerem me perdoar... O que estão esperando? Vão abre esse presente!

Ela então pegou o presente e desembrulhou tirando de lá uma caixinha de “musica” onde podia se ver todas as irmãs e o Lincoln, ela girou a manivela e os bonequinhos começaram a se mexer: O Lincoln caia então as meninas o ajudava a levantar e eles se abraçavam no fim. Ela no momento deu um riso frouxo reparando que os bonecos eram de papel mache, mas depois começou a chorar. E voltando o vídeo inúmeras vezes sem parar assistindo com as lagrimas no rosto as falas já eram previsíveis, era 19h24min de repente Bobby entra, mas ela não faz nada ele vai até ela se ajoelhando e desligando a TV ela no mesmo momento se vira com lagrimas escorrendo no rosto e o abraça e ele a corresponde a cariciando e sussurrando a ela: esta tudo bem... Esta tudo bem

         P.O. V narrador Casa de Lily Loud

07h00min da manha, Lily foi correndo para cozinhas deu bom dia para seus pais pegou uma torrada, cobrio seu trabalho escolar com um pano e em seguida entrou no carro levando o trabalho, seus pais entraram e dirigiram se para a escola, quando Lily saiu do carro sua mãe chamou a atenção dizendo:

— ah! Querida seu pai e eu vamos ao medico para checarmos uns exames então provavelmente voltaremos um pouco mais tarde, a chave esta dentro do vazo e você pode esquentar o almoço no microondas, e em hipótese alguma deixe a tranca aberta. Boa sorte querida.

Lily:- certo, mãe.

E indo direto para escola, Ela sentou se em sua cadeira quando a professora Lívia chegou e já pulou para os trabalhos, todas as crianças colocaram suas maquetes na mesa, e em ordem alfabética até chegar em Lily que se levantou segurando o trabalho  que era até maior que o necessário ela olhou para frente respirou fundo e começou a explicar:

— essa é a minha família, eu moro com meus pais senhora e senhor Loud. Parece até uma família simples, mas eu tenho 10 irmãs e cada uma tem seu jeito e mora bem longe, bem poucas vezes nos vemos não é bem aquele caos como era e é bem difícil de vemos todas juntas eu vou explicar melhor. Bom essa é a Lori ela é casada e não tem nenhum filho ela é uma mulher de negócios então não para em casa e briga bastante com o marido, mas é muito amorosa e legal do jeito dela e bastante nervosa o que deixa ela fofa ela também sempre tenta manter a pose de durona mas isso não quer dizer que ela não chora de vez em quando de baixo da mesa na cozinha de madrugada.

E também tem a Leni ela mora em uma mansão muito bonita, mora sozinha por isso fica muito feliz quando tem vista ela também é muito sensível por isso chora bastante e sempre tenta achar o lado bom das coisas é ela é muito legal.

A Luna era uma grande cantora e muito conhecida como a rainha dos instrumentos o último show dela foi um cover da musica de Avril Lavigne - Slipped Away e depois parou de ir aos shows e agora ela mora num posto de gasolina que trabalha lá às vezes faz uns shows na rua ela bebe muito e fica falando sozinha a noite, mas é uma pessoa muito legal e divertida.A Luan é muito divertida e engraçada ela já apareceu em vários tops shows e também trabalha como animadora de festa ela conta varias historias de infância muito engraçada ela usa bastante antidepressivos.A Lynn é bem competitiva e animada ela já me fez passar por coisas muito loucas ela não é de falar muito, ela é muito confiante e forte ou pelo menos é o que aparenta por que sempre quando esta triste ela vai pra piscina ou para o mar, ela já ganhou varias olimpíadas e sempre está cobrando de si mesma dizendo que é muito fraca, mas na verdade ela é incrível.A Lucy é um pouco obscura mais é bem legal e divertida do jeito dela, ano passado ela morou lá em casa por que ela foi para no hospital, ela também não é de se adaptar aos lugares, ela já publicou dois livros, ela é genial, mas aparenta sempre estar com medo como se estivesse fugindo de algo é uma das irmãs que menos entendo.A Lola e a Lana moram numa casa enorme, a Lola é modelo, ela é muito bonita e poderosa não tem medo de nada não gosta nem um pouco de perde nunca a vi chorar e esta sempre de cabeça erguida, a Lana trabalha como engenheira mecânica, ela é super forte e inteligente, ela também trabalha ajudando os animais, ela não é de segurar as lagrimas às vezes ela fica em luto e tem um pouco de depressão, mas ela é muito incrível e divertida.A Lisa é muito inteligente tanto que ela trabalha na NASA, eu não a vejo muito por que ela acha que se fica muito com a família vai acaba a atrapalhando no trabalho ela vive para isso.E o ultimo é o Lincoln, ele morreu quando eu tinha um ano por isso não sei muito dele só conheço algumas fotos meus pais e minhas irmãs sempre tentam desvia do assunto eu gostaria de saber como ele era... Acho que ele era uma pessoa incrível. Então o sinal toca e todas as crianças são dispensadas para o recreio.Lily se senta no banco e começa a refletir tudo que disse enquanto tomava um suco de uva quando de repente a diretora a chama e explica o que houve ela se senta na cadeira até sua irmã chegar se passa 1:00h e de repente ela chega e a abraça forte e diz:– oh querida, você esta bem? Eu vim mais rápido que pude.A menina, no entanto a responde num tom cabisbaixo: tudo bem mana pode chorar não tem problema, vamos pra casa.Lori:- sim.As duas entram no carro e vão embora a viagem foi tensa ninguém falava com ninguém Lily continuava olhando para ah janela meditando sobre o que de fato acontecera enquanto apertava cada vez mais seu trabalho as lembranças dela com seus pais vinham rapidamente, mas naquele momento não ah trazia alegria mas sim uma sensação enorme de   tristeza e solidão o que parecia grande ironia já que era essas lembranças que ela recoava quando se sentia triste e sozinha como um órfão corre para os braços de um casal  quando ela repara que tinha chegado ao seu destino abre a porta sem mais nem menos ela vai correndo até sua casa pegando a chave que estava dentro do vaso ao entrar vai diretamente para cima onde abre o quarto com o sorriso esperançoso mas ao ver o local vazio seu sorriso se desmancha e fica apenas fitando a cama com um olhar decepcionado, quando sua irmã passa por ela acariciando e em seguida disse indo ao quarto da menina:- eu vou pegar suas coisas tá Lily?Lily:- tá...Se sentando na cama de seus pais a espera de sua irmã ela acariciava a cama enquanto olhava ao redor tentando disfarçar o tédio quando encontrou uma caixa que estava perto do guarda roupa pegou a caixa e ficou vendo o que havia dentro naquela mesma hora veio ao peito uma dor imensa, afinal como uma criança saberia que apenas cartões, cartões de aniversários, natal, dia dos pais, dia das mães, ou penas um desenho qualquer, como saber que algo tão simples com o tempo poderia significa tanto algo que ela não conseguia, não queria largar porque era tão... Tão difícil ter que sentir aquela dor. ficou fitando a caixa enquanto segurava o amargo com um nó na garganta eláNão demonstrava nenhuma emoção, mas por dentro estava uma bagunça. De repente sua irmã chega até a porta segurando duas malas diz:- vamos embora Lily.Então a menina a responde em um tom frio e baixo: não.Lori: como assim não?Lily: não eu não quero sair daqui eu não quero ir embora Lori eu não posso!Lori: eu sei Lily, mas você não pode mais ficar aqui as vezes é necessário deixar... Ir. Puxando a pela perna, fazendo toda a força possível já que  não queria largar de forma alguma a cama e a caixa, suas mãos estavam.

Soadas, a menina se contorcia e gritava que não e não; depois de um tempo ela conseguiu tira-la da casa, pois a menina já estava sonolenta mas mesmo assim não deixava de segurar a caixa; ela passou a viagem inteira dormindo parecia tão tranquila quando dormia, quando elas chegaram Bobby levou as malas e a caixa enquanto Lori levava Lily no colo até a cama.

Meia hora depois ela acorda meio tonta não se lembrando de onde estava e começa a caminha desligada até à porta da cozinha onde encontra sua irmã bebendo vodga, que era a bebida que ela consome quando estava depressiva, mas para sua surpresa não era só Lori que estava bebendo, pois Bobby também estava a acompanhando. Lily ficou lá parda só vendo aquela sena sem interromper o acontecimento apenas tentando compreender o porquê eles estavam se afogado na bebida tentando tira o sofrimento e colocando dores de cabeça como se isso fosse melhorar alguma coisa, os adultos realmente não fazem sentido algum.

Quando sua irmã a olha espantada a tirando de seus pensamentos diz se recompondo e indo até a criança:- Oh! Lily. Você acordou... Quer assistir desenho?

 A levando para a sala ela liga a TV colocando em Bambi a menina se sentou no chão e começou a assistir o filme já estava na metade e estava evidente o que iria acontecer, mas mesmo assim ela ficou lá vendo o protagonista correndo e correndo até escutar um tiro ele corre mais rápido até estar longe do incêndio ele fala alegremente:- conseguimos mamãe conseguimos!                                                                                                                             

 Mas quando se vira repara que está sozinho.

Lily então se levanta e vai para cima onde estavam suas coisas, ela pega um caderno de artes e começa a desenhar sua família e em seguida riscando de giz vermelho seus pais e seu irão olhando com raiva o desenho ela respira fundo olha para o teto contando os minutos, até que se levanta e vai até sua irmã que estava cochilando na mesa e pergunta:

— posso ir ao parque?

Lori apenas balança a cabeça como sim e a garota vai embora ela passa pelas pessoas com um olhar novo, é estranho olhar para alguém em movimento e sentir como se essa pessoa já estivesse morta, ela olhava para o céu com tranquilidade e tocava o chão com frescor relaxar estava sendo algo muito difícil ela se virou atravessando a rua chegando ao parque tinha a sensação deliciosa quando estava em meio a arvores como se estivesse acompanhada ela sentiu um pouco de alegria que depois se foi se lembrando de que não, ela estava sozinha e ela deveria se acostumar com isso, indo até o balanço respirou fundo e volta a refletir o porque não  queria deixar ir, se balançava e se balançava quando estava em cima sentia tristeza por não conseguir tocar o céu e quando estava embaixo abaixava sua cabeça aceitando que seu lugar seria o chão. Mas de repente sua atenção foi para uma criança que brincava ao lado dela que havia caído a mãe da criança foi correndo colocando um curativo no joelho ela olhava aquela cena com os olhos brilhando a mãe e a criança a olhou com simpatia sem entender o porquê os olhava perplexa como se aquilo fosse incomum, e naquele momento foi a primeira vez que ela viu algo com os olhos de um órfão mesmo ela tendo sua irmã nada seria o mesmo querendo ou não ela se levantou e foi embora quando chegou tentou abri a porta, mas depois desistiu se sentando no chão começou a contar as estrelas uma por uma sem exceção ficando cada vez mais sonolenta, de repente ela escuta um barulho e entra mas não vê nada as luzes estavam apagadas menos uma ela foi se aproximando do local bem devagar quando escutou uma conversa ela parou .

Lori:- eu não vou conseguir eu não... Posso

Bobby:- acalme se

Lori:- como quer que eu me acalme quando de repente eu tenho que cuida de uma criança que quase não a vejo e tudo que eu faço acaba me distanciando cada vez mais dela.

Bobby:- você vai desistir sem nem tentar, eu pensei que você fosse capas de tudo.

Lori:- eu era capas de tudo. Depois da morte do Lincoln eu reparei que não era capais de nada e mesmo que eu me mantivesse como durona que o eu poderia fazer? Em por que eu não sei como dizer está tudo bem por que realmente não está, todos morrem todos vão embora sem me deixar instruções por que eu tinha que ser tão egoísta por que não pude esta do lado dele quando ele precisava por que não consigo olha nos olhos dela e disser:- tudo ficara bem pode confiar em mim. Como posso dizer isso se não fui capas de confiar?

Chorando com as mãos no rosto Lily então aparece para ela chorando, tentando engolir o choro Lori a olha com tristeza Lily então sai correndo indo para de baixo da mesa da cozinha e chorando com os joelhos em colhidos e com a cabeça debruçada ela chorava sem para quando sentiu o abraço de sua irmã que se ajoelhou junto a ela e disse num tom baixo: eu não posso te dizer vamos pra casa por que essa não é a sua, e também não posso te dizer que esta tudo bem por que não está, mas posso te dizer... Desculpa por não saber o que fazer.

A garota no momento parou de chorar e sussurrou:- tá tudo bem.

Lincoln Loud

 P.O. V Narrador

13/6/???

Lincoln estava deitado no carpete como de costume já que estava para vender sua cama com os olhos vermelhos de tanto beber café na noite passada. quando de repente Ronnie Anne abre a porta e diz num tom triste:- Lincoln eu tenho que te dizer uma coisa.

Indo até ele, mas acaba desistindo colocando o telegrama na mesa e indo embora. Depois de meia hora ele acorda, se levantando quando vê a carta que ela tinha deixado, então pega o telegrama e começa a ler.

Telegrama:

Ronnie Anne queremos te informar que o Sr e a Sra. Loud faleceram

 Num acidente de carro em Royal Woold. E o funeral será amanha.

Lincoln espantado não conteve o choro ele se encolhendo no chão botando fogo no telegrama,  tranca a porta fechando os olhos esperando que isso tenha um fim a sussurrar Pedindo desculpas sem conseguir se perdoar.

E ecoando na cabeça:

— o que eu fiz...


Notas Finais


provavelmente/com certeza
esse capitulo vai estar cheios de erros ortográficos e de pontuações, MAS eu não vou verificar ou arrumar
então chore com todos esses erros


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...