1. Spirit Fanfics >
  2. O desejo de minha irmã >
  3. Capítulo único

História O desejo de minha irmã - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Esse é um dos contos que eu escrevi, não é tão grande, e será de um único capítulo.

Capítulo 1 - Capítulo único


      Eu sou Ruan, tenho 17 anos e sou menino. Eu tinha uma irmãzinha de 6 aninhos, que era muito fofa, vivia brincando com ela. Um dia ela me disse algo que não levei a sério, mas que fez mudar completamente o dia seguinte. -Ah mano, queria que você fosse uma menina da minha idade por um dia.

 - Que bobagem Júlia. -Respondi rindo, pois eu tinha 17 anos e era menino. -Eu não posso ser menina, e nem voltar a ter sua idade.

-Pode sim. -Retrucou ela. -Ontem eu vi uma estrela cadente e pedi que você fosse menina por um dia.

      Eu não querendo tirar a imaginação dela, respondi que talvez acontecesse. Levei ela no quarto, dei um beijinho de boa noite, e ela foi dormir. Dei boa noite para meus pais e fui me deitar também. Logo que repousei minha cabeça sobre o travesseiro, eu adormeci.

         Tive sensações estranhas quando dormi, como se algo em mim estivesse mudando, com um forte susto eu acordei. Me sentia estranho, minhas vistas estavam desfocadas e eu não conseguia enxergar direito, esfreguei meus olhos e senti que minha pele estava macia. Quando minha visão focou tomei um novo susto. Não estava no meu quarto, estava num quarto diferente, num quarto de uma menina, as paredes eram rosas, com um guarda roupa branco, em uma das paredes havia uma prateleira cheia de bonecas. Eu estava coberto por um cobertor cor de rosa e abraçado a um ursinho roxo. Aquilo era estranho, eu não sabia o que estava acontecendo e nem porque estava ali, aquele quarto não era meu nem de minha irmã. Eu levantei e me sentei na cama, novamente tomei um susto. Minhas mãos estavam menores e minhas unhas foram pintadas de rosa. Não foi só isso que me assustou, e também o fato de eu estar usando um pijama roxo, aquilo era demais, corri até o guarda roupa e me assustei com o que vi no espelho. Não era eu, e sim eu vi uma linda menina, de mais ou menos 6 anos, cabelos longos, loiros lisos, franjinha, pele clara e olhos azuis. Eu fiquei incrédulo, como aquilo me aconteceu? Será se alguém me deu poção polissuco igual no Harry Potter? Como eu tinha virado uma menina? Um barulho me fez voltar para a realidade, a porta se abriu e minha mãe entrou, a minha mãe mesmo, ela não tinha mudado, continuava a mesma. Ela me deu um beijinho na bochecha.

-Bom dia isa, com o que você está tão assustada? - Ela perguntou entusiasmada.

-Com nada mãe. -Respondi ela e mais uma vez me assustei, em vez de minha voz grave e suave sai uma voz fininha e infantil.

-Ok filha, agora vá ao banheiro, lave seu rosto e vá tomar café. -Ordenou ela.

     -Tudo bem mamãe. -Respondi ela saindo do quarto. Eu me dirigi ao banheiro, fiquei incrédulo que eu sai da mesma porta que era meu quarto, antes de eu ser menina, e a casa era a mesma de sempre. O banheiro era o mesmo, o quarto dos meus pais e de minha irmã eram os mesmos. Lavei meu rosto e fui para a cozinha, chegando lá estava meu pai, que também não havia mudado nada e minha irmãzinha que continuava a mesma.

-Bom dia isa. -Disseram os dois em coro.

-Bom dia. -eu respondi inseguro. Meu pai veio e me deu um beijo na bochecha, que me fez lembrar o quão espetenta era sua barba. Me sentei, comi pão com geleia como de sempre e tomei café, meu pai e minha irmã terminaram o café antes de mim, porém só minha irmã permaneceu na mesa.

-Júlia, se terminou vá escovar seus dentes, e vá se vestir pois nós iremos sair, eu deixei sua roupa em cima da cama. -Ordenou mamãe saindo do meu quarto. -Isabelly, quando terminar o seu café faça o mesmo, sua roupa também deixei em cima da cama. Eu terminei, e fui escovar os dentes, senti vontade de fazer xixi, abaixei minha calça de pijama e descobri que estava usando uma calcinha, e que eu teria que me sentar para fazer xixi, aquilo era estranho, mas eu fiz. Me limpei, me vesti novamente sai do banheiro e fui ao quarto, em cima da cama tinha, um vestido todo estampado com florzinhas rosas, uma meia calça branca, uma sapatinha rosa e uma tiara também rosa. E agora? Eu teria que vestir aquilo? Nunca me imaginei usando um vestido e nem sabia como colocá-lo.

 -Mãe, por favor vem aqui. -Eu gritei do meu quarto. 

-O que aconteceu? -Ela perguntou. 

-Mãe, me ajuda a colocar o vestido? -Eu pedi em tom choroso.

-Poupe me Isabelly, você já é bem grandinha para se vestir sozinha.- respondeu ela, azeda. 

-Ahh mãe só dessa vez. -Eu falei no mesmo tom choroso de antes.

-Ok, tira esse pijama então. -Ordenou ela seca.  Eu me despi na frente da minha mãe, coisa que eu nunca fazia, e ela pôs o vestido em mim. Era estranha a sensação de estar com um vestido, era como se eu não estivesse usando nada.

-A meia calça você pode vestir sozinha né? - Perguntou ela ainda seca.

-Sim mamãe, eu visto. -Respondi no mesmo tom choroso.

-Ah vem cá, deixa eu escovar seus cabelos. -Chamou ela pegando a escova na penteadeira.        

       Fui até ela e ela escovou meus cabelos, os nós puxavam o cabelo e faziam eu dar gritinhos de dor. Ela ajeitou minha franjinha e finalmente terminou.

-Você está linda Isa.- disse mamãe terminando de fazer minha franjinha.

-Obrigado mamãe. -Eu agradeci.

      Ela saiu do quarto me deixando sozinho, eu vesti a meia calça e coloquei com dificuldade a sapatilha. Fui ao espelho e me olhei, não podia negar que aquela menina que era eu estava muito linda mesmo com aquela roupa, no real eu a considerava bonita desde quando a vi no espelho. Sai do quarto e fui a sala, onde todos me esperavam.  

-Mana cadê sua boneca? -Perguntou minha irmã demonstrando entusiasmo. E acrescentou antes de eu responder: -espera que eu vou pegar para você. 1 minuto depois ela apareceu com uma boneca meu bebê.

     -Mana o que aconteceu? Você está estranha.- ela me perguntou entregando-me a boneca.

   -Tu estranha? Que nada. -Respondi em tom sarcástico. Fomos para o carro, meu pai entrou e deu ré. Eu continuava não acreditando no que tinha acontecido, talvez minha irmã conseguira o que queria. Será se eu ia ser menina para sempre? Fiquei um bom tempo brincando absortos nesses pensamentos. Chegamos, era o mercado da cidade, fomos lá pois minha mãe ia fazer compras. Já no caixa, meus pais encontraram com minha tia, Charlene, era tão magra que parecia um urubu subnutrido, eu sempre falei com ela, porém nunca gostei muito dela, pois ela sempre criticava o jeito que eu me vestia. Ela beijou todos. E acrescentou quando me beijou:

   -Oi isa, como você está linda. Eu corei ligeiramente e agradeci. Saímos do mercado, não sei porque, mas estava meio constrangido.

-Vamos ao shopping.- disse mamãe quebrando o silêncio. -Tenho que ver mais umas roupas para vocês duas.

-Mamãe para que mais roupas? Eu questionei sem entusiasmo. -Se já tenho um guarda roupa enorme. 

-Você precisa de umas saias novas, pois você só tem aquelas 3. -Disse mamãe me censurando. -Ah e também temos que ver um short, pois agora no verão irá ficar mais calor. -Ela acrescentou. -E pra Júlia talvez nós compramos um vestido leve e fresco.  

       Chegamos no shopping, almoçamos lá mesmo, e fomos a uma loja de roupas infantis. Lá minha mãe me fez provar 5 saias diferentes. 4 blusinhas e 4 shorts e 1 jardineira. Não deixei de ficar aborrecido por trocar tantas vezes de roupa. Saímos dali trazendo 2 saias 3 blusinhas e 2 shortinhos e a jardineira. Fomos a uma loja de calçados, minha mãe me fez de novo provar várias coisas, foram 3 pares de botas diferentes, 5 pares de sapatilhas e 3 pares de sandálias. Acabamos saindo com 1 par de botas marrons e 1 par de sandálias. Terminado as compras fomos para casa, minha mãe guardou as compras no meu quarto e me fez provar tudo de novo, depois de me fazer usar todas as roupas de novo, ela mandou eu colocar uma saia rosa e uma regata branca.  No fim da tarde eu e minha irmã ficamos brincando de boneca em meu quarto.

-Mana vou fazer uma maquiagem muito linda em você. -Disse Júlia enquanto brincávamos com nossas bonecas.

-Não vai não.- Eu retruquei rispidamente.

-Ahh porquê? - Ela perguntou melancólica. -Você sempre deixa eu fazer maquiagens.

-Tudo bem então. -Eu respondi meio constrangido, porém já estava acostumado à minha irmã me maquiar.

-Como sempre você está linda. -Júlia me disse quando terminou a maquiagem. 

-Obrigado mana. -Eu respondi e senti meu rosto corar.

    Me levantei e me olhei no meu espelho. Eu estava qualquer coisa, menos bonito com aquela maquiagem. Estava toda borrada, é claro que fora feito por uma criança de 6 anos.  Porém eu não liguei e continuei brincando com ela. Eu fui ao banheiro, tirei a maquiagem e eu e ela fomos dar uma volta na rua, lá encontramos um dos meus melhores amigos quando eu era menino. 

-Oi Júlia, oi Isabelly. -Cumprimentou cordialmente ele ao passar por nós, dando-o um beijinho no nosso rosto, quando ele me beijou eu fiz uma careta de nojo. Apesar de ser gay, não gostava deste meu amigo, era apenas meu amigo. 

    Ficamos um pouco na rua, vendo os meus amigos fazendo o que nós fazíamos sempre quando eu era menino: jogar taco. Uma brincadeira saudável, que todo mundo no bairro jogava. Eu e minha irmã ficamos entediadas e fomos para dentro. 

-Ah aí estão vocês. -Disse mamãe quando nos viu entrando na sala. -Já é 18 horas, quero que as duas vão tomar banho pois temos o aniversário de sua amiguinha isa.

-Que amiguinha? -Eu perguntei incrédulo.

-A Valentina da sua sala isa. -Disse mamãe impaciente. -Isa por acaso você está sofrendo de amnésia hoje? Porque você acha que nós fomos comprar roupas hoje?

-Eu não mamãe. -Eu respondi ela. -Só tinha me esquecido disso.

-Ok, então vai tomar um banho. -Ordenou ela com rispidez.

   Eu fui sem nem responder, cheguei no banheiro e tranquei-o. despi minhas roupas ficando nu, e, então, parei para observar meu corpo no espelho, era estranho não ter nada entre as pernas como o que eu tinha antes de ser menina. Liguei o chuveiro e fui para baixo dele, enquanto tomava banho, tinha umas sensações engraçadas e gostosas quando a água passava entre minhas pernas, lavei meus cabelos e terminei o banho. Sai do box me sequei, sequei meus cabelos com o secador e fui para o meu quarto ainda nu. Lá mamãe me esperava com a escova.

-Vem cá isa, quero escovar seus cabelos para lhe deixar bem bonita. - Disse a mamãe.

    Eu obedeci e elas escovou meus longos cabelos loiros e fez minha franjinha. Terminando isso, ela foi até o guarda roupa e tirou uma calcinha de bichinhos e a atirou para mim, eu a vesti imediatamente. Tirou uma das saias que ela tinha comprado, era rosa e cheia de babados, ela me entregou e eu vesti, ela também tirou uma das blusinhas brancas veio até mim e vestiu ela em mim. Depois tirou uma meia calça branca e me mandou vestir ela, eu obedeci. E tirou da caixa uma das botas que ela havia comprado hoje. A bota era marrom claro. Ela pôs uma das minhas tiaras na minha cabeça, sem que bagunçasse meu cabelo, e por último, tirou do cabide um casaquinho peludo marrom claro, sem mangas, e pediu que eu vestisse.

- Você está linda filha. -Disse mamãe me aprovando depois de eu ter vestido o casaquinho.

-Obrigado mamãe. -Eu agradeci corando ligeiramente.

   Inesperadamente mamãe veio me deu um abraço e um beijinho na bochecha, me fazendo corar mais ainda.

-Te amo muito ta filha. -Disse ela me abraçando novamente. -Não tenho como expressar tamanho amor que eu sinto por você. Era uma demonstração de carinho que raramente minha mãe dizia para mim, talvez por falta de tempo.

-Eu também te amo muito mamãe. -Eu respondi retribuindo o abraço.

-Tudo bem filha. -Disse ela me soltando e me dando mais um beijinho.- agora vou ali ver se sua irmã precisa de ajuda com as roupas.

-Tudo bem mamãe, pode ir. - Eu respondi ela, beijando-a novamente.

Ela saiu me deixando sozinho no quarto, fui ao espelho e me olhei. Aquela menina que era eu estava realmente muito bonita, aquele rostinho delicado, e aquela pele macia. Até que eu estava gostando da minha experiência como menina. Mais tarde, depois de algum tempo, meus pais e minha irmã ficaram prontos, aí então que saímos, e quando saímos, já era 19:30. No carro, o silêncio era profundo e constrangedor, então minha irmã quebrou esse silêncio.

-Papai, amanhã você nos leva amanhã no parquinho? - Minha irmã perguntou em tom sonhador.

-Terei que ver filha. -Respondeu papai. -Tenho alguns problemas lá na empresa ainda para resolver, mas talvez eu possa.

 Finalmente chegamos no lugar da festa. Era um salão amplo, estava até frio lá dentro, no centro havia a mesa com o bolo os docinhos e tudo mais. O aniversário era todo decorado inspirado no frozen. A suposta aniversariante eu já conhecia, era amiga da minha irmã e estudava na classe dela.

-Oi Isa. -Disse ela entusiasmada, me dando um beijo. -Bem-vindas a minha festa.

O-Obrigada. -Eu a respondi, meu rosto ficando escarlate. -Parabéns Valentina, trouxemos um presente para você.

-Obrigada isa. -Ela me agradeceu com entusiasmo recebendo o presente, e foi beijar minha irmã e meus pais.

   Depois de muitos beijos e fotos fomos nos sentar e lá comemos um pouco. O mais legal de estar sendo menina, é que podia aproveitar os brinquedos do aniversário, podia pular no pula-pula o tanto que eu quisesse, podia entrar na piscina de bolinha, jogamos vídeo game na parte de trás, onde eu venci várias vezes os meninos jogando mortal kombat. Paramos de jogar, e nos enchemos de docinhos, de bolo, e de refrigerante. Ao final da festinha, eu estava muito cansado. Mal entrei no carro recostei a cabeça e cochilei um pouco. Porém quando o carro passou em uma quebra mola eu acordei. Chegando em casa, mamãe mandou eu tirar minhas roupas e ir tomar um banho, pois eu devia estar toda suada. Tirei minhas roupas e tomei mais um banho, terminei o banho e fui ao meu quarto, onde vesti o mesmo pijama roxo que eu tinha acordado naquela manhã, por ordem de minha mãe, e também pus nos pés uma pantufa rosa. Como ainda era 22:30 e amanhã era domingo, não tinha menor necessidade de dormir cedo, então eu e minha irmã ficamos brincando juntas até as 23:00.

-Meninas, está na hora de ir dormir, já está ficando tarde. -Disse mamãe entrando no quarto. -Quero as duas indo escovar os dentes.

Nós fomos com certa relutância, lá começamos a brincar com a água e mamãe chegou ralhando com nós. Finalmente depois dos dentes escovados, mamãe pois nós para dormimos. Primeiro minha irmã, depois ela veio em meu quarto.

-Boa noite filha. -Disse ela, me dando um beijo na bochecha. -Sonhe com anjinhos, mamãe te ama tá?

-Boa noite mamãe. -Eu respondi também dando um beijo em minha mãe. -Também te amo mamãe.

    Ela saiu silenciosamente, fechou a porta do meu quarto. E apagou a luz. Eu descansei minha cabeça no travesseiro, e recomecei a pensar na minha situação. Será se depois desse dia eu seria menina para sempre? Se fosse até não seria tão ruim assim, pois o meu dia tinha sido superdivertido, sem nenhuma preocupação, e eu tinha me divertido muito. Fiquei por alguns momentos absortos nesses pensamentos e então, eu dormi.

   Então uma pessoa apareceu no meu sonho, ela estava longe e ofuscada, com meu corpo de menina eu segui ela, até que ela apareceu, era minha irmã, ela correu até mim e então me alcançou, no momento em que ela me alcançou, eu senti um baque forte e acordei. Ainda estava escuro, eu olhei para as minhas mãos e vi que ainda eu continuava menina, deitei a cabeça no travesseiro novamente, e quase instantaneamente dormi. Tive as mesmas sensações estranhas de novo enquanto dormia, então, quando acordei tive uma surpresa.

    O meu quarto tinha voltado a ser o de sempre, levantei minhas mãos e vi que eu tinha voltado a ser um menino, corri imediatamente para frente do espelho e me olhei, tinha voltado a ser aquele menino de antes, não pude deixar de ficar triste, pois minha experiência como menina tinha sido legal, porém ainda estava com dúvidas se aquilo realmente acontecera ou fora só um sonho. Então eu sai do quarto e fui para o banheiro, no momento em que eu saia do quarto minha mãe vinha passando pelo corredor.

-Bom dia filho. -Disse ela me dando um beijo no rosto. -Dormiu bem?

-Sim mamãe. -Eu respondi ela. -Mamãe, que dia da semana é hoje?

-Hoje é domingo filho. -Respondeu ela. -Corre para o banheiro para você ir tomar um café.

   Entrei então no banheiro, então esse fato ocorrera mesmo, não fora nenhum sonho, lavei meu rosto rapidamente e fui tomar café, chegando na cozinha, meu pai estava sentado no sofá vendo o jornal da manhã.

-Bom dia filho. -Disse papai.

-bom dia papai. - Eu o respondi.

   Minha irmã estava sentada na mesa tomando café, e deu um salto da cadeira quando me viu.

-Bom dia mano. -Disse ela me agarrando me dando um abraço e um beijo.

-Aí, bom dia maninha. -Eu respondi entre risadas retribuindo o abraço e o beijo.

  Ela me puxou pela mão até o lugar que eu sempre me sentava, eu me sentei e comecei a tomar café, ela terminou o seu e ficou me observando atentamente. Eu terminei o meu e ela se levantou e foi correndo até seu quarto.

-Mano, vamos brincar? -Perguntou ela em tom choroso.

-Hummmmm. -Eu respondi tentando imitar o tom dela. -Depois brinco com você sim.

-Ok mano. -Disse ela. -Vou pegar minhas bonecas.

   Por mais que eu estivesse levemente chateado por continuar sendo menino, tinha sido uma boa experiência, de ver como minha família apesar de tudo me amava, e aquilo também me mostrou que devíamos acreditar mais nos nossos sonhos, como a minha irmã acreditou, e que também se podia acreditar em estrelas cadentes.


Notas Finais


Obrigado por lerem! Espero que tenham gostado :P


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...