1. Spirit Fanfics >
  2. O destino costuma pregar peças >
  3. Porque os fantasmas do passado estão retornando?!

História O destino costuma pregar peças - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Boa tarde para todos, desejo a vocês uma ótima e abençoada quinta-feira, como vocês estão amados e amadas? Peço-lhes desculpas por demorar em atualizar a fanfic, mas minha vida cotidiana anda um tanto atarefada, com inúmeros afazeres a serem executados diariamente. Por isso eu ando demorando para fazer minhas atualizações, mas graças a Deus hoje vai sair um novo capítulo feito, revisado e editado com muito amor e carinho. Agradeço a todos que estão acompanhando, favoritando e comentando essa fic que estou amando fazer. Uma correção, nos capítulos anteriores, os quais eu citei o Bobby, infelizmente só agora ao pesquisar a forma correta de escrever o nome dele, que eu me dei conta de que eu estava escrevendo errado, por favor me perdoem, pois eu estava escrevendo assim Bob, sendo que a forma correta é essa Bobby. A capa do capítulo de hoje eu fiz uma montagem e efeito com o app Pics Art: Com imagens retiradas do site do Pinterest. Agora desejo a vocês uma boa leitura.

Capítulo 11 - Porque os fantasmas do passado estão retornando?!


Fanfic / Fanfiction O destino costuma pregar peças - Capítulo 11 - Porque os fantasmas do passado estão retornando?!

 

 

 

Estados Unidos da América, estado do Colorado, num boteco longe do apartamento dos irmãos Winchesters...

[...]

Dean

Após a horrível discussão que meu irmão e eu tivemos por conta daquela mulher que veio nos abandonar, para as coisas não ficarem piores entre nós, eu resolvi deixá-lo sozinho em nosso apartamento e sair para dar uma espairecida na minha cabeça, pois ver aquela mulher em nosso apartamento fingindo ser uma outra pessoa, de fato veio mexer com meus nervos -- me deixando furioso.

Então logo após eu ter pego meu possante, resolvi vir para esse boteco do subúrbio de Colorado. O mesmo é conhecido por ter garçonetes gatas, que além de atender bem seus clientes, se dermos umas investidas a mais nelas, as mesmas fazem um bom e gostoso sexo sem exigirem muito de nós.

O bar é meio que um prostíbulo disfarçado, e as putas que trabalham aqui não chegam a ser tão caras.

E eu estou afim de passar a noite com uma tal de Lisa, pois a morena é uma gata e tem um corpo de deixar qualquer homem desatinado e cheio de desejo.

- Boa noite, agente. O que irá querer para hoje? -- a bela morena gostosa, perguntou estando próxima a mim.

- Eu quero provar o mel de sua boca e tudo mais, princesa. -- soltei minha cantada a encarando fixamente.

- Se você tivesse me pedido uma bebida -- seria mais fácil, agente. Afinal, primeiramente, eu não sou uma abelha para ter mel. Segundo, eu por enquanto sou só uma simples garçonete, e pretendo continuar como tal. -- a bela mulher de curvas retilíneas disse diretamente.

Logo em seguida, a mesma ia saindo de perto de mim, no entanto ela não o fez, pois veio ficar ali só para cumprimentar o Bobby que estava chegando perto de nós. Com ela o chamando de padrinho, e ele a chamando de afilhada.

Em seguida ela se retirou, para ir atender uma mesa próxima a nossa...

Então eu fiquei olhando para o Bobby, nosso pai de criação, sem nada entender... até que o mesmo soltou em seguida.

- O que foi Dean, você vai ficar me olhando com essa cara de babaca até quando? -- ele perguntou rindo.

- Afilhada?! Como assim, senhor Bobby? -- perguntei surpreso e o encarando sério.

- A mãe da Lisa era uma velha amiga minha, e ela me pediu para batizá-la quando a mesma completou cinco anos. A mãe dela faleceu há dez anos atrás, na mesma idade que Ben está. -- ele relatou me olhando fixamente.

- Espera ai,  Bobby! Quem é Ben? -- indaguei para o barbudo me sentindo curioso.

- Ben é o filho da Lisa. -- ele relatou diretamente.

- Ela tem um filho dessa idade? O garoto sabe que a mãe é uma prostituta? -- perguntei taxativo.

- De que raios você tirou essa ideia estapafúrdia, Dean?! -- o papai noel perguntou-me de cara feia.

- E por um acaso não é isso que ela é de verdade? Ou vai me dizer o contrário? -- questionei direto o olhando fixamente.

- Não seu abestado! Ao contrário das outras moças, ela só trabalha como garçonete, e nada mais que isso! -- ele exclamou meio que irritado.

No entanto, logo a nossa conversa foi interrompida, pois um dos babacas da mesa ao lado, tentava beijar a Lisa. Automaticamente Bob e eu partimos em sua defesa, gerando assim uma briga feia entre nós dois e os manes daquela mesa -- que entraram na briga para defender o tarado maníaco desprezível...

Enquanto isso, no apartamento dos agentes Winchesters, na cozinha...

[...]

Sam

Já passava das 22:00 horas, e nada do meu irmão retornar,eu estou bem preocupado com ele, ainda mais pelo fato dele não atender o celular.

Eu estava preparando ovos com bacon para comer, porém ao eu ouvir um barulho estranho no quintal, e ouvir o cachorro latindo bravo, peguei a minha arma e a lanterna para ir ver do que se tratava.

Ao eu sair no quintal, vim me deparar com uma figura feminina que tentava ganhar a confiança de nosso cachorro. Então, ao me aproximar perto o bastante da intrusa, eu disse.

- Mãos pro alto, e vire-se para mim calmamente. -- mandei firmemente.

No entanto, ao a misteriosa mulher virar de frente para mim, ela quase veio deixar sua arma cair, antes da mesma fugir feito uma ninja escalando o muro -- e seguindo pelos telhados do condomínio fechado...

E o pior que devido ela estar com um capuz eu não pude ver seu rosto.

[...]

Ruby Lancaster

Ao eu ter me deparado justo com ele, imediatamente eu fugi dali, seguindo assim para retornar ao apartamento onde Amara e eu estamos ficando.

Ao chegar no mesmo, me deparei com ela se preparando para seguir rumo a outra vítima -- a qual eu deduzia ser o Dean...

- Nossa Ruby, o que foi? Você já matou sua vítima? Pois, você está parecendo que viu um fantasma. -- ela soltou séria me olhando.

E, no momento em que eu iria lhe responder, Jhon entrou bem na hora dizendo.

- Aqui está o endereço que ele está, Amara. Agora vai lá e faça seu serviço. -- o desgraçado disse com frieza.

- E você, senhorita Lancaster, já executou o seu trabalho? -- perguntou num tom seco.

- Sim, eu já o matei. -- resolvi mentir.

- Muito bem. -- comentou sem demonstrar um sentimento sequer -- e demonstrando sua frieza de sempre...

Então, em seguida, vejo os dois saindo do interior do apartamento estando juntos.

(- Meu Deus! O que eu devo fazer, pois eu me recuso ter que matar o grande e verdadeiro amor da minha vida. -- disse a mim mesma em pensamentos.)

Cairo, Egito...

[...]

Abaddon

Após a morte de Gabriel, e após eu ter descoberto a traição do mesmo com a tal Amara Smith, aquela vadia matadora de aluguel, eu resolvi fazer uma viagem para espairecer minha mente -- e tentar me esquecer de vários problemas, no entanto meu pai Crawling mandou Miguel seu fiel escudeiro me acompanhar nessa viagem...

Até que a companhia do mesmo não é, de fato tão ruim, pois ele na verdade é uma companhia um tanto agradável.

Eu o convidei para me acompanhar numa expedição até as pirâmides, e o mesmo aceitou de pronto me acompanhar. No entanto, agora são sete horas da manhã, e as visitações só têm início às 10:00 da manhã.

(- Já que eu estou em pé, vou tomar um bom banho. -- pensei comigo mesma ao me levantar da cama. )

Enquanto isso, na suíte ao lado...

[...]

Miguel

- Eu acabei caindo da cama, e devido a minha queda eu vim acordar sobressaltado, além de estar suado e com meu pau ereto e rígido feito pedra, pois novamente eu vim sonhar que Abaddon e eu estávamos nos amando no interior de uma pirâmide, bem na câmera de um dos faraós...

(- Poxa como eu desejo essa mulher, e como eu a quero para mim. -- pensei comigo mesmo pegando no meu pau e me masturbando ao pensar nela.)

Porém, eu fui interrompido pelo meu celular que começou a tocar de forma insistente, vindo me obrigar a atendê-lo, e sendo obrigado a me levantar rapidamente do chão.

{Ligação On}

- Oi, bom dia.-- eu disse de início.

- Miguel, como estão as coisas aí, a minha joia rara está bem? -- o poderoso chefão perguntou diretamente.

- Sim, chefe. -- afirmei direto.

- Me faça um favor, Miguel? -- o todo poderoso Crawling pede educadamente.

- Sim senhor. Pode dizer quais são suas ordens. -- afirmei sério do outro lado da linha.

- Assim que você se encontrar com a minha filha, peça para ela me ligar, por favor, Miguel. -- ele fazia seu pedido antes de vir encerrar a ligação.

- Pode deixar senhor. Eu darei o seu recado a senhorita Abaddon. -- avisei o mesmo antes dele desligar.

{Ligação Off}

Ao término da ligação, eu coloquei o meu celular sobre a cama, e segui para tomar um banho e fazer minha higiene matinal...

Estados Unidos da América, Colorado...

[...]

Pov Autora

Algumas horas após a confusão do bar, Dean e Bob dão uma carona a Lisa e a deixam em sua casa, depois Dean segue em direção ao bairro do Brooklyn onde Bobby reside, ao passarem com o impala 1967 -- alguns usuários de drogas e prostitutas baratas ficam com olhares de cobiça para o carro de Dean Winchester.

No entanto, o loiro continua a dirigir seu carro sem sequer dar a mínima nos olhares daquelas pessoas, o mesmo segue dirigindo e mantendo sua postura imponente, até chegar no endereço de Bob.

Ao chegarem no mesmo, o loiro estaciona seu impala em frente a casa do pai de criação, e antes de Bobby descer do carro do loiro, Dean lhe conta sobre o surgimento de sua mãe, que apareceu disfarçada no apartamento dele e de seu irmão à tarde.

Bobby por sua vez, conta ao loiro que teve a impressão de ter visto Mary no banco, no dia em que ele levou Eileen para o aeroporto. Ele relatava o ocorrido olhando com um semblante sério para Dean.

- Ah! Era só o que me faltava, o fantasma do passado estar retornando! -- o loiro exclamou-se incrédulo.

- Dean se a Mary está aqui, com certeza o John está também. -- Bobby afirmou taxativo.

- Mãos pro alto! Saia já do carro agente, e sem nenhuma gracinha. -- uma misteriosa mulher de sobretudo negro como a noite, gritava para o agente sair do interior de seu carro.

E, sem pestanejar, o loiro e o Bobby assim o fizeram, já que a misteriosa mulher -- que tinha seu rosto e sua cabeça cobertos com um gorro, bradava vindo portar em suas mãos uma metralhadora.

A mesma ordenou o loiro lhe acompanhar, e Dean não tendo outra escolha -- atende às ordens da mulher deixando o pai assustado para trás...

 


Notas Finais


Mais uma vez obrigada a todos pelo carinho, beijocas para todos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...