1. Spirit Fanfics >
  2. O destino de um herói! A jornada de Ash Ketchum >
  3. Ash, Giselle e a Pokémon Tech.

História O destino de um herói! A jornada de Ash Ketchum - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Bom pessoal, quanto tempo que eu não posto capitulo dessa história. Esse, sem dúvidas, foi o capitulo que mais me deu trabalho para fazer, e também o maior que eu já fiz, com mais de 12000 palavras. Espero que gostem.

Autor: Quantas palavras tem, Vegeta ?
Vegeta: É de mais de 8000.
Autor: O que ?! Mais de 8000, isso só pode ser um engano.

Aproveitem o capitulo.
PS.; O sobrenome da Giselle é fictício.

Capítulo 13 - Ash, Giselle e a Pokémon Tech.


Fanfic / Fanfiction O destino de um herói! A jornada de Ash Ketchum - Capítulo 13 - Ash, Giselle e a Pokémon Tech.

Localização: Floresta da cidade de Cerulean  

 

Manhã, 05:45  

   Mais um dia se iniciava, apesar de ser mais cedo que o habitual, Ash acabou despertando, aquela noite não havia sido muito boa, não parava de pensar nas atrocidades que aquele “treinador” havia cometido, maltratar e aprisionar todos aqueles pokémon era, no mínimo, algo imperdoável, torcia para que a justiça fosse severa com o mesmo. Além disso, desejava muito que cada um daqueles Pokémon pudesse encontrar um recomeço, seja ele com outros treinadores ou livres na natureza. 

    Percebeu que ainda estava um pouco escuro, além de que, todos ainda estarem dormindo, como não tinha mais sono, decidiu se levantar, devagar, para que não acordassem. Já de pé, andou um pouco e subiu até próximo do topo de uma das arvores, sentado em um galho, passou a observar o nascer do sol que acontecia. Ao longe, via-se inúmeros pokémon voadores, isso somado com o sol nascente ao fundo, tornava aquilo uma linda paisagem.   

    Ver aquilo lhe trazia tranquilidade e paz, e também lembranças do passado, a floresta, sem dúvidas, era seu local favorito de infância, imaginava como a aura havia influenciado nisso, já que sempre se sentia melhor próximo aos pokémon. Lembrava-se também como sua mãe havia ficado receosa a deixa-lo sair de casa após o incidente com os caçadores pokémon, foi preciso muita conversa para que ela liberasse o jovem novamente de casa.   

   Passado algum tempo refletindo e já completamente tranquilo, o Ketchum desceu da árvore, observado o horário em sua pokedex, percebeu que já passava das 06:15, como ele ainda era o único acordado, decidiu fazer o café da manhã, para que quando os outros acordassem, não tivessem esse trabalho.  

   

 Quebra de tempo   

   Com todos já acordados, e bem alimentados, o grupo decidiu seguir viagem rumo a cidade de Vermillion. Enquanto caminhavam, o grupo conversava.   

      Misty: Ash, está sentindo melhor, você sabe... Começou, Ash entendeu do que se tratava 

   Ash: Sim estou, não se preocupe, o importante é que ele vai pagar por seus crimes. Proferiu com a ruiva concordando, na sequência. Ambos perceberam que Brock vasculhava sua mochila 

   Misty: O que você tanto procura aí?. Questionou 

   Brock: Estou procurando o meu mapa, ele vai nos ajudar a não sair da rota. Respondeu  

    Ash: Não precisa Brock, o local que estamos é uma rota muito conhecida, muitas pessoas passam por aqui. Respondeu, o ex-líder ficou confuso  

   Brock: Como assim Ash, do que está falando mesmo. Disse confuso, Misty pareceu ter percebido  

   Misty: Ah, agora entendi, eu creio que o Ash esteja falando da Pokémon Tech, uma instituição de ensino que fica próximo daqui. Disse deduzindo

   Ash: Exatamente, lá como tem muitos alunos, o fluxo de pessoas por aqui é maior do que em outras rotas, por exemplo. Complementou a fala da ruiva

   Brock: Ah, tinha me esquecido que uma escola ficava por aqui, só não sei porque a fizeram tão longe da cidade, seria mais simples, construí-la em uma cidade próxima como Cerulean ou Vermillion. Disse em observação  

   Ash: É um bom ponto, porém ela se localiza afastada da cidade por dois motivos, bom, o primeiro é por conta do tamanho dela, projetada pra receber, em simultâneo, mais de 1000 alunos, o Campus da instituição conta com inúmeras salas de aulas, dormitórios para todos os alunos, refeitórios, vários campos, tanto de batalha como para outras modalidades, além de contar com laboratórios para pesquisa, um mini centro Pokémon, um observatório noturno e um anfiteatro particular. Por conta de todas essas coisas, era necessário muito espaço, simplesmente, construir uma estrutura desse porte na cidade seria muito mais caro além de impedir expansões futuras. Disse calmamente, Brock assentiu  

    Brock: Bom, isso que você falou agora faz total sentido, e o segundo motivo ?. Questionou  

    Misty: Sim, e além disso, como você sabe de tudo isso ? Já esteve lá alguma vez ?. Questionou na sequência  

     Ash: Então, o segundo motivo é ainda mais simples que o primeiro, como a Pokémon Tech se considera uma escola de “ elite” ou de alta classe, chame como for, os alunos da mesma, muitas vezes , não querem ter contato com os treinadores aqui fora, e como a instituição é praticamente uma minicidade, se isolar afastados da cidade pra eles é uma boa opção. Respondeu explicando 

    Misty: Isso que você disse agora esclarece muita coisa, porém ainda não está claro como você sabe tanto a esse respeito, tenho certeza de que não é só eu que está com essa dúvida, certo Brock ?. Questionou, mas ele não respondeu- Brock ?. Questionou mais uma vez, como não obteve resposta olhou pra trás.   

   Brock enquanto vasculhava sua mochila, acabou achando seu calendário edição especial enfermeiras joy, cada mês havia uma foto de uma Joy de uma cidade diferente. O Ex-líder estava bobo enquanto via as lindas enfermeiras, Misty percebendo que estava sendo ignorada por conta  disso se irritou e acertou um cascudo na cabeça de Brock.  Ash apenas observou a cena com uma gota na cabeça, o jovem sabia que ela odiava pervertidos.   

   Misty: Bom, voltando ao assunto, poderia nos explicar ?. Disse curiosa

   Ash: Ah sim, claro, como eu ia dizendo.... Se interrompeu, pois Pikachu levantou suas orelhas- O que foi amigão, ouviu alguma coisa ?. Disse e o ratinho assentiu- Pode nos mostrar o caminho ? – Questionou, o ratinho elétrico novamente assentiu, e desceu do ombro de seu treinador.      

   Ash: Acho melhor eu explicar depois essa história.  Comentou, com os outros dois assentindo na sequência, seguiriam o pequeno Pokémon elétrico. 

   Como Pikachu detinha de uma audição bem aguçada, localizar a direção foi algo fácil, agora tudo que precisavam fazer era segui-lo. Algo que fizeram na sequência.    

   Minutos depois, Ash e seus amigos avistaram três pessoas ao longe, a primeira reação foi de estranheza, já que um deles corria em uma esteira, enquanto os outros dois gritavam algumas coisas em seu ouvido. Após um tempo, perceberam que os outros dois haviam ido embora, deixando o garoto caído no chão, o grupo de Ash logo se aproximou. O jovem treinador estendeu a mão em ajuda.   

   Ash: Ei, você está bem ? Eles te machucaram ?. Questionou, enquanto que, estendia a mão para ajudar o garoto a se levantar.  

   ??: Sim, estou bem, obrigado aqueles eram os meus amigos, eles estavam me ajudando, aliás, o meu nome é Joe. Respondeu  

   Misty: Desculpe, mas que jeito estranho que esses seus amigos tem de lhe ajudar, meu nome é Misty, aliás. Comentou   

   Brock: Brock... Disse simplesmente 

     Joe:  Mas o que eu posso fazer, eles me disseram que esse era o melhor jeito de decorar a matéria. Só assim que eu vou conseguir vencer todos ginásios e ser aprovado, eu já tenho as insígnias mais fáceis, as de Cerulean e Pewter. Disse, Brock e Misty olharam aquilo intrigados, e levemente ofendidos, Ash na sequência comentou  

   Ash: Olha garoto, eu vou te dar um conselho, nunca confie demais no que você está vendo naquelas simulações de computador, a realidade é bem diferente, nem sempre as situações sairão da forma planejada, um bom treinador deve estar preparado para todas essas situações. Além disso, você não deve desprezar os ginásios só por eles serem os primeiros, cada um deles tem a sua importância. Respondeu seriamente

   Joe: E como você pode saber de tudo isso ?. Questionou em resposta 

   Ash: Porque eu já tenho essas duas insígnias, cada uma delas foi conquistada com a força e o empenho de mim e de meus Pokémon. E saiba de uma coisa, aqueles computadores nunca vão lhe mostrar a realidade. Respondeu mais uma vez 

   Joe: Afinal,  e o que isso tudo importa, o que você precisa entender é que, um estudante formado aqui tem a mesma força que um treinador que está entre os 16 melhores da liga pokémon. Disse com um leve ar de soberba, Ash suspirou  

  Ash: Acredite em mim garoto, isso não é verdade. Falou seriamente  

   Joe:  Como você pode ter tanta certeza assim. Disse duvidando

   Ash: Bom, digamos que eu sou seu veterano, prazer, me chamo Ash Ketchum, ex-aluno da Pokémon Tech.. Disse e todos se espantaram  

   Todos: O Quê?! Disseram   

 

Localização: Pallet, casa de Ash.   

  Delia Ketchum suspirou mais uma vez, já era a terceira vez naquele dia. Parecia que aquele dia seria tão entediante quanto os anteriores, simplesmente não tinha nada pra fazer.  Desde a partida de seu filho, sua rotina tem sido bem solitária e entediante, isso acabou fazendo-a lembrar da época em que Ash fora estudar na Pokémon Tech, principalmente de como foi difícil convencê-lo a ir.  

  Continuaria divagando em pensamentos, caso não tivesse ouvido a campainha de sua casa tocando. Indo até a porta, percebeu que se tratava do Professor Carvalho.   

  Delia: Olá professor, a que devo sua visita nesta manhã, imagino que tenha estado muito atarefado nos últimos tempos. Disse calmamente

  Prof. Carvalho: Nem me fale, os últimos tempos tem sido mais difíceis, os pokémon tem andado muito agitados ultimamente, e isso tem me trazido uma baita dor de cabeça. Respondeu, enquanto limpava seu óculos 

  Delia: Eu imagino que gostaria de conversar um pouco, aceita um chá ?. Disse cordialmente 

  Prof. Carvalho: Aceito sim, obrigado. Vai ser bom conversar um pouco, esfriar um pouco a cabeça. Comentou  

  Passado alguns momentos, já na cozinha, Delia serviu uma xicara de chá ao professor Carvalho, o mesmo agradeceu e se sentou na cadeira.   

  Prof. Carvalho: Obrigado, o chá está muito bom. Disse elogiando   

  Delia: De nada. Falando a respeito do seu problema, deixe eu adivinhar,  a causa indiretamente do mesmo é o Ash, ou a ausência dele, não é mesmo ?. Deduziu  

  Prof. Carvalho: Sim, o garoto conseguia acalma-los de uma forma que eu nunca consegui, os tempos eram bem mais tranquilos, tanto é que sobrava mais tempo para trabalhar nas minhas pesquisas, e isso tudo piorou após a descoberta de que inúmeras pokedex  foram roubadas, vai ser uma dor de cabeça resolver essa situação.  Respondeu, tomando um pouco mais do chá  

  Delia: Entendo, então a situação anda bem estressante lá no laboratório, bom, a respeito dos conflitos entre os pokémon, acho isso não chega a ser uma novidade, lembro bem de quando Ash foi estudar na Pokémon Tech, houve um alvoroço bem parecido, se não pior, eu lembro que até alguns deles fugiram. Respondeu calmamente, em quanto servia o chá também para si.  

  Prof. Carvalho: Sim, nem me lembre disso, foi complicado achar todos eles naquela floresta densa, inclusive, naquele mesmo dia a Ponyta que ajudou o Ash e a Blue também fugiu, foi a única pokémon que eu não consegui encontrar, lembro de como o Ash e a Blue ficaram tristes por conta disso, felizmente, o seu filho a reencontrou recentemente. Disse em resposta, enquanto bebia mais um pouco do chá

  Delia: Nossa?! Então depois de todo esse tempo ele conseguiu reencontrá-la, tenho certeza que quando a Blue souber disso ela ficará muito feliz também. Respondeu sorrindo  

  Prof. Carvalho: Sim, você tem toda a razão. Bom, mudando um pouco de assunto, imagino que não seja só eu que queira reclamar um pouco da vida, não é mesmo ?. Disse  

  Delia: Realmente, desde que o Ash começou a jornada dele, os dias por aqui tem sido bem tediosos, sinto falta do meu filho aqui. Respondeu  

  Prof. Carvalho: Sim, eu entendo bem, nunca é fácil ver os filhos crescendo e se tornando independentes, mas é assim mesmo, você sabia que esse era o desejo dele, além do mais vocês fizeram um trato, lembra, ele se formaria na Pokémon Tech e você o deixaria seguir a sua jornada. Disse calmamente

  Delia: Sim, eu lembro disso, foi bem difícil convencê-lo a ir, dizia que não queria aquilo, eu até entendo o lado dele, ele sempre foi alguém mais livre, não gostava de ficar “preso” em algum lugar, mas veja o meu lado também, toda jornada é uma aposta, ou seja, é algo que pode dar certo ou não, e com uma boa formação acadêmica, mesmo que não tivesse êxito na jornada, ainda assim teria um bom futuro pela frente. Disse  

  Prof. Carvalho: Sim, tem toda a razão, como uma boa mãe você só estava preocupada com o futuro dele, os pais às vezes tem que fazer escolhas difíceis e nem sempre os filhos a entendem, mas eu acho que no fundo ele entendeu a sua intenção. Mas convenhamos, não acho que ele vá ter algum revés em sua jornada, Ash é um dos treinadores mais promissores dessa geração, tenho certeza de que terá muito orgulho dele. Disse naturalmente

  Delia: Obrigada, você também o ajudou bastante, muitas coisas que ele sabe hoje são graças a você, tenho certeza de que ele se inspira muito no senhor também. Respondeu em tom agradecido  

  Prof. Carvalho: Obrigado, bom, acho melhor eu voltar ao laboratório, Seymor deve estar enlouquecendo com os pokémon agora, foi uma boa conversa, espero não ter incomodado. Disse calmamente  

  Delia: Não, de forma alguma, é sempre um prazer recebê-lo. Disse sorrindo   

  Ambos então foram em direção a saída, Delia educadamente o acompanhou até lá.  

   

 

Quebra de tempo  

 Localização: Pokémon Tech   

   

   Já dentro da instituição, Ash apresentava aos amigos uma imagem de sua formatura, que estava fixada no mural dos graduandos, percebia-se que Ash era bem mais jovem que os colegas ao redor.   

   

    Joe: Nossa?! Então você é um dos três alunos que conseguiram passar nas provas Revalida Pokémon, isso é incrível, essa prova é praticamente uma lenda aqui na nossa instituição, nunca conheci alguém que conseguisse passar nela.  Comentou impressionando, aquilo era algo muito raro de se acontecer.  

   Misty: Pode nos explicar essa história melhor Ash, me desculpe se ofendi, mas você não parece ter vindo daqui, você não é esnobe e tão pouco arrogante como a maioria dos alunos daqui, sem ofensas, claro. Disse em curiosidade, se referindo essa última parte ao Joe  

  Joe: Não ofendeu. Respondeu, dando de ombros 

   Ash: Está tudo bem, não me ofendi, bom, isso é por conta da minha mãe, nunca comentei isso, mas ela é formada aqui também, assim como o meu avô, ela sempre foi muito exigente comigo a esse respeito, sabe, só que eu não queria vir pra cá de jeito nenhum, eu queria ter uma jornada de verdade, ter minhas próprias aventuras, conhecer lugares novos, ver outros Pokémon, conhecer outras pessoas. Respondeu calmamente

   Brock: Então, deixe eu adivinhar,  você e sua mãe acabaram meio que em um impasse, já que você queria seguir sua jornada e sua mãe queria que você estudasse aqui. Comentou em análise, com a mão no queixo  

   Ash: Exatamente, e por conta desse impasse, minha mãe e eu fizemos um acordo, eu estudaria todas as matérias necessárias para me formar, com a ajuda da minha mãe e também do professor Carvalho,  mais tarde eu fiz o curso acelerado da instituição, algo que reduziu o tempo médio de três anos para seis meses.  Então, eu passei seis meses morando aqui, pra cumprir a carga-horaria mínima. Explicou calmamente 

   Brock: Só mais uma coisa, você comentou anteriormente que essa era uma instituição de alta classe, você conseguiu alguma bolsa ou algo assim ?. Perguntou  

   Ash: Sim, eu fiz os testes de admissão e por conta das minhas notas eu consegui uma bolsa integral. Respondeu calmamente  

  Misty: Cada dia é uma surpresa sua, hein Ash. Comentou divertida, o garoto se envergonhou um pouco.    

  Ash: Joe, agora me responde uma dúvida, como andam as aulas de pratica pokémon, acredito que nesse horário alguma turma esteja recebendo aulas de prática pokémon ao ar livre. Comentou, o estudante respondeu de maneira confusa  

  Joe: Como assim, de que aula você está falando exatamente, não me recordo de nenhuma matéria com esse nome. Respondeu, Ash franziu o cenho, mas logo respondeu.  

   Ash: Me refiro ao treinamento prático com os pokémon, as aulas dedicadas a aprender no campo de batalha como bolar estratégias e reagir a situações adversas. Falou, explicando mais detalhadamente  

   Joe: Ah, você está falando disso, essa matéria não existe mais, o diretor disse que ela essa matéria era um atraso, por isso praticamos em simuladores, só os alunos do último ano agora tem acesso aos pokémon reais agora. Respondeu, Ash encarou aquilo indignado 

  Ash: Não acredito que o diretor fez isso, não conseguiu perceber que sem isso os alunos daqui terão pouca ou nenhuma experiência pra saber  como lidar em situações reais. Respondeu em calara decepção. 

  Joe: Bom, eu tenho que discordar do que você acabou de dizer, o uso de simuladores é muito melhor, eu por exemplo, já consigo derrotar facilmente os ginásios de Pewter e Cerulean. Disse, colocando em si um tom um pouco mais arrogante. Misty e Brock não gostaram nada de ouvir aquilo, Ash também não estava muito diferente  

  Ash: Olha, uma coisa que você precisa entender é que, as batalhas pokémon não são uma ciência exata, tudo pode acontecer, e um computador, por mais preciso e poderoso que ele seja, não conseguirá representar fielmente a realidade, por isso, não fale como se os líderes de ginásio fossem nada, saiba que cada um deles treina duro diariamente para fornecer um bom desafio aos treinadores. Respondeu seriamente, Joe baixou um pouco a cabeça.  

  Joe: Desculpe. Respondeu envergonhado 

  Ash: Bom, não é a mim que deve desculpas e sim a Misty e ao Brock, eles são os líderes de ginásio de Cerulean e Pewter, respectivamente. Disse, o jovem estudante se surpreendeu 

  Joe: Nossa?! Eu não fazia ideia, me desculpe aos dois. Disse desculpando-se  

  Brock/Misty: Tudo bem/ Não foi nada. Disseram ao mesmo tempo  

  Ash: Bom, eu acho que vou ter uma pequena conversa com o diretor, quero saber mais a respeito dessa questão, poderiam me esperar aqui. Disse calmamente, Brock e Misty assentiram  

   Ash logo em seguida saiu em direção a diretoria.   

 

 Com Ash   

   Ash andava calmamente em direção a diretoria, enquanto caminhava, observava melhor os corredores, parecia que a escola não havia mudado tanto assim. Virando o corredor, acabou esbarrando em alguém. Este que acabou caindo no chão. Derrubando todos os seus livros e cadernos.  Notava-se que era uma garota de cabelos castanhos 

   ???: Ei, você não olha por onde.... anda. Disse com uma feição irritada, pra logo em seguida apresentar uma leve feição envergonhada  

   ???: “ Que garoto bonito, nunca o vi por aqui”. Pensou um pouco aérea 

    Ash: Desculpe, te machuquei ?. Questionou preocupado, enquanto estendia a mão ajudando-a se levantar.  A mesma voltou a realidade e aceitou a ajuda 

     Olhando-a mais atentamente, percebeu que se tratava de uma linda garota, acabou dando uma leve ruborizada por conta disso, mas logo voltou ao foco 

    ???: Sem problemas, eu estou bem, obrigada. Disse educadamente   

  Ash: Ainda bem, deixe que eu te ajude a pegar todos esses livros, afinal a culpa foi minha por eles terem caído. Respondeu educadamente, enquanto ia pegando-os no chão, entregando-os para a garota  

   ???: Obrigada, você é novo aqui, certo ? Nunca vi você andando por esses corredores, por sinal, meu nome é Giselle, Giselle Ishiyama, prazer.  Disse educadamente

  Ash: Muito prazer Giselle, me chamo Ash, Ash Ketchum, e bom, digamos que eu não sou exatamente um novato por aqui, já estudei aqui tempos atrás. Respondeu em tom calmo   

  Giselle: Entendi, se bem que o seu nome não me é estranho. Disse confusa  

  Ash: Bom, é uma longa história. Pelo que percebo você gosta bastante de estudar, ótimas escolhas de livros, posso dizer. Disse elogiando  

  Giselle: Obrigada, ler é um dos meus passatempos favoritos. Disse, desviando um pouco o olhar.  

  Ash: Bom... Foi interrompido  

 

 

   Apareceram três outras pessoas, uma garota e dois garotos, analisando-os rapidamente, percebia-se que pareciam bem esnobes.   

  ???: Ah Giselle aí está você, quem é “essezinho” que você está conversando. Disse a garota do grupo  

  Giselle: Ah... não é ninguém não, eu acabei esbarrando nele, só isso, vamos indo. Disse mudando o tom de voz, empinando levemente o nariz, deixando os livros no chão.   

   ???: Deveria olhar por onde anda, você não enxerga. Falou bravo o garoto, com a cara de valentão, ou algo assim, Ash olhou aquilo sem esboçar menor expressão   

  Ash: “ Rapaz, ele não faz ideia com quem está mexendo.” Pensou, estreitando os olhos 

  Ash: Eu já me desculpei, e isso é tudo. Respondeu simplesmente   

  ???: Ora seu... Foi interrompido  

  Giselle: Calma, ele já se desculpou, está tudo bem. Respondeu, o garoto parou então. Disse a garota, tentando acalmar a situação 

 ???: Sorte sua... Disse arrogantemente o outro garoto, Ash resolveu ignorar, aquilo não era sua prioridade.  

   

   

  Mas Ash olhou toda aquela situação confuso, é impressão dele, ou a garota mudou completamente de personalidade com a presença dessas outras pessoas, será que ela era uma daquelas pessoas que se preocupavam com o que os outros pensariam dela. Percebendo que ela saía sem os seus livros, Ash comentou  

  Ash: Giselle, e seus livros ?.  Questionou  

  ???: Enlouqueceu garoto, a Giselle é garota mais popular da escola, além disso ela é recordista em números de vitórias dessa instituição, ela não tem tempo para essa baboseira de leitura, certo Giselle ?.  Disse uma das garotas, em claro tom de desdém, Giselle parecia perdida em pensamentos, mas depois de um tempo respondeu  

  Giselle: C-certo. Disse, não passando muita confiança, direcionou o olhar ao jovem treinador, como se quisesse lhe dizer algo, mas não tivesse coragem, depois prosseguiu-  Isso mesmo, eu sou a aluna mais forte, ninguém daqui consegue me vencer. Disse já em um tom mais arrogante, e junto com o grupinho daiu 

  Na sequência o grupo saiu,  Ash apenas estreitou os olhos. Realmente, o maior problema que essa escola possuía era o excesso de pessoas esnobes, sabia que não podia generalizar, mas isso era um fato.  

  Quanto aos livros da Giselle, sabia que eventualmente a mesma voltaria para busca-los, então decidiu seguir rumo a diretoria. Seu objetivo inicial.  

  

 

Com Brock e Misty   

  Enquanto Ash não voltava, Brock, Misty, Pikachu e Joe, faziam um tour pela instituição, se impressionavam como aquele lugar era tão grande, eram tantas salas, corredores e espaços que, alguém novato, com certeza de se perderia por ali. O estudante acabou contando uma curiosidade.   

  Brock: Nossa?! Não sei como vocês não se perdem aqui dentro, esse simplesmente  enorme. Comentou 

   Joe: Realmente, é muito fácil se perder aqui no começo, mas logo se acostuma, uma coisa que acontece com frequência é os veteranos brincarem com os novatos, mandando eles irem em diferentes direções, sempre indicando o caminho errado, me lembro quando fizeram isso comigo, eu andei pela universidade toda naquele dia, acabei perdendo o primeiro dia de aula por conta disso.  Comentou em lembranças

  Misty: Que chato fazerem algo assim. Respondeu  

  Joe: Realmente, mas vai por mim, quando se está do outro lado da situação é muito engraçado, acho que isso nunca vai mudar, já que o novato quando vira veterano vai querer se vingar, enganando também o próximo novato, aí o ciclo continua. Respondeu naturalmente

   Brock: O Ash comentou que aqui possuía um centro pokémon também, podemos ir até lá. Disse já imaginando conhecer a linda enfermeira Joy da PokeTech.  

   Misty se irritou pela perversão de Brock e acertou um cascudo nele. O ex-líder choramingou  

   Brock: Mas o que eu fiz. Disse com dor na cabeça  

   Misty: Pervertido..... Disse irritada, enquanto virava o rosto  

    O jovem garoto acabou achando aquilo engraçado, pelo visto, conhecer o Centro Pokémon estaria fora daquele Tour. Depois desse breve diálogo, o estudante continuou a apresentar os lugares.  

   

    

 

Na diretoria  

  Batendo educadamente na porta, logo escutou  uma resposta abafada do outro lado, pedindo que o mesmo entrasse.  

  Diretor: Ora ora, bem que um ‘pidgey’ me contou que um ex-aluno estava por aqui, a que devo essa inesperada visita ? Relembrando os velhos tempos eu creio.  Disse em tom natural, sentado em sua poltrona  

  Ash: Bom, eu diria que quase isso, como a escola estava no meio do caminho até Vermillion, mal nenhum faria se eu fizesse uma rápida visita, percebi que você mudou algumas coisas desde que eu saí. Respondeu calmamente   

  Diretor  Sim, as coisas tem mudado por aqui, pra melhor eu diria, realizei mudanças que nenhum dos outros antigos diretores teve coragem de fazer, aceita um café ? Disse em resposta, enquanto tomava uma xicara de café.  

  Ash: Não obrigado, acho que nossa conversa não vai demorar muito, por sinal, vim tratar exatamente desse assunto, nunca passou-lhe pela cabeça a razão pela qual os antigos diretores nunca, sequer, cogitarem remover essas matérias tão importantes.  Falou ironicamente, arqueando uma sobrancelha 

  Diretor: Tinham pensamento retrógrado, penso eu, mas onde quer chegar com essa história.. Respondeu  normalmente

  Ash: Pra ser bem claro, ao retirar essas matérias de seus alunos, você praticamente tirou qualquer chance deles adquirirem alguma experiência real, como você quer que os alunos daqui disputem a liga, se você simplesmente não os deixa treinar, como fazem as pessoas lá fora. Respondeu, o diretor em tom de ironia logo respondeu  

   Diretor: Sinto muito caro Ash, mas eu acho que você que não compreendeu, eu trouxe essa instituição para esse século, essa visão de que, pra ser um bom treinador precisa ter contato com os pokémon ficou no passado, agora todos os alunos tem acesso aos simuladores de última geração, e digo-lhe mais, qualquer aluno daqui é mais forte do que os treinadores amadores que andam por aí. Respondeu, Ash se irritou um pouco, mas não levantou o tom   

  Ash: Isso eu tenho que discordar, o senhor não deve zombar dos outros treinadores só porque eles não tem condições de estarem aqui, cada um deles está se esforçando ao máximo para atingirem seus objetivos, inclusive eu, que treino todos os dias para conseguir minhas insígnias e ter um time competitivo para  poder disputar a liga. Respondeu confiante

  Diretor: Por falar nisso, não sei porque você insiste tanto nessa besteira de jornada, por sinal, você nem precisava disso, todo mundo sabe que os alunos formados aqui tem acesso direto a liga, e você não é diferente,  não sei porque você corre atrás das  insígnias.  Disse desdenhando

  Ash: Eu sei disso, mas eu não concordo e nem quero isso, quero provar pra mim mesmo que eu posso sim conquistar as coisas, não quero seguir atalhos ou ir pelo caminho mais fácil, e é algo que está faltando aqui, uma noção da realidade, os alunos daqui estão mal acostumados, tenho certeza de que nenhum deles chegaria longe na liga. Comentou em resposta, com um leve tom mais ácido, o diretor se irritou um pouco  

  Diretor: Está enganado, e eu posso provar a você... -Pensou um pouco- Que tal o desafio, você contra nossa melhor Aluna, vamos ver se você terá tanta certeza de suas palavras depois  dessa batalha. Quem vencer estará certo de suas convicções. Respondeu em tom de desafio

  Ash: Eu topo. A qualquer hora, em qualquer lugar. Respondeu seriamente  

  Diretor: Pois muito bem. E já lhe adianto que ela detêm um recorde de 60 vitórias seguidas, inclusive superando o seu de 55. Comentou , Ash apenas revirou os olhos.   

  Ash: “ Será que eu deveria me preocupar, bem acho que não, eu confio nos meus pokémon, eles estão prontos pra qualquer desafio.” Pensou  

  Enquanto Ash pensava um pouco, o diretor chamou sua secretária e pediu que chamasse a tal garota até a diretoria.  E também que pedisse para todos os alunos irem até o campo de batalha Central, e que lá receberiam mais detalhes do que aconteceria.   

 Com Misty e Brock    

  Enquanto esperavam por Ash, Joe acabou comentando. 

  Joe: Agora fico pensando aqui, qual dos dois seria o mais forte, Ash ou a Giselle. Comentou, enquanto pensava na possibilidade

  Brock: E quem seria ela ?. Perguntou  

  Joe: Ela é simplesmente a garota mais bonita da Pokémon Tech, além disso é a aluna mais forte dessa instituição, ela detém um recorde de 60 vitórias consecutivas, ela é praticamente invencível, você tem que ver, duvido que alguém consiga vencê-la. Proferiu, enquanto suspirava algumas vezes    

  Misty: Aposto que o Ash conseguiria. Disse em resposta 

  Brock: Se ela é tão forte assim, como você diz,  seria interessante um desafio. Comentou   

   Joe: Sim, além disso, ela é filha do Sr. Ishiyama, dono das indústrias PokeInc., fabricante mundial de pokébolas e das pokedex. Disse suspirando em admiração 

   Misty: Espera, então ela é filha, basicamente, do homem mais rico da Terra. Disse surpresa  

   Joe: Sim, exatamente. Disse em tom suspirante com corações nos olhos   

  Nos alto-falantes, uma voz, em alto e bom som,  passou a ser ouvida.  

     

Atenção alunos, por favor se dirijam ao campo de batalha central 

 

     Brock: Ei, isso é algo comum de se acontecer ?. Questionou em dúvida   

    Joe: Bom, até que não, pelo visto teremos um desafio pokémon, por ser no campo de batalha central, acredito que alguém desafiou a recordista, só me pergunto quem foi o louco dessa vez. Comentou dando de ombros

   

 Na diretoria 

  Minutos depois  

  Ash/Giselle: Você. Disseram surpresos  

  Diretor: Ah, então já se conhecem, bom, isso vai facilitar um pouco as coisas, Giselle, nosso ex-veterano aqui não acredita nos nossos novos métodos de ensino, quero que o prove do contrário, desafiando-o para uma batalha. Disse seriamente   

  Giselle: E então você realmente é um veterano, vamos ver se você vai ser um bom desafio-Disse em ironia- Saiba que ninguém daqui conseguiu me vencer em uma batalha, sugiro que desista, porque eu não vou ter pena quando estiver sendo derrotado. Disse arrogantemente, empinando um pouco o nariz   

  Diretor: Ótimo Giselle, isso mesmo, mostre pra ele a força da nossa instituição. Disse confiante, Ash não deu muita bola 

  Ash: “ Ela não lembra a garota que eu conheci a poucos momentos atrás, pelo visto ela age mesmo diferente quando está próxima de outras pessoas, isso com certeza mostra sua insegurança, vamos ver até onde isso vai..” Pensou analiticamente  

  Ash: Imagino que a luta seja no campo central, nos vemos lá então, aliás vai ser até bom, vai tirar as teias de Spinarak do lugar, já que vocês quase não o utilizam mesmo. Disse simplesmente, dando uma leve provocada no final já saindo da sala da diretoria, porém antes disso deu uma leve encarada em Giselle, esta que percebeu, mas fingiu ignorar.   

  Dentro da sala da diretoria  

   Dentro da sala, Giselle pensava no que aquilo significava, sei lá, ela sentia como se ele tivesse visto algo mais a fundo dentro de si, como se a conhecesse há muito mais tempo, aquele garoto tinha se tornado muito intrigante.  A mesma estava tão imersa em pensamentos, que não ouviu o que o diretor comentava. 

  Diretor: Viu Senhorita Ishiyama, você colocou medo nele, deu pra ver claramente a cara de preocupação dele. Comentou, a garota finalmente percebeu que estavam falando consigo  

  Giselle: Desculpe, mas o que você disse diretor ?. Comentou confusa  

  Diretor: Eu falei que só a  colocou medo nele, sinto que vai ser uma vitória muito fácil. Disse já contando vitória  

   Giselle: Coloquei ? Nem percebi, ele parecia bem tranquilo. Disse em resposta, duvidando do que ouviu 

 Diretor : É isso que ele quer que agente pense, sou jogador de poker, eu sei quando alguém está blefando, confie em mim, a vitória está no papo. Comentou confiante  

  Giselle: Se você diz. Respondeu, dando de ombros e saiu em seguida  

  O diretor já sozinho, sentou-se novamente em sua cadeira, pensando um pouco, logo lembrou-se de algo que, com certeza, garantiria a vitória de Giselle, abrindo a gaveta devagar, logo retirou uma pokebola, dando uma breve olhada, lembrava-se do pokémon que estava dentro dela, com ele, com certeza Giselle venceria.  

  Diretor: Com isso, nossa vitória estará garantida. Sorriu presunçosamente   

 

 

 

Com Misty e Brock  

 

   Joe, já havia ido embora, no local estava apenas Misty, Brock e Pikachu, que o esperavam voltar da diretoria. Algo que estava demorando mais que o esperado.  

  Misty: O Ash está demorando, será que teremos que esperar muito tempo. Comentou  impaciente

  Brock: Eu acho que não, olha ele vindo ali. Disse e apontou na direção de Ash  

  Ash voltou com uma face um pouco mais séria do que de costume, parecia que estava pensando em algo importante. Pikachu veio em sua direção e pulou em seu ombro, Ash deu um sorriso de leve para o pequeno pokémon e fez um carinho no mesmo.   

   Misty: Aconteceu alguma coisa lá, você parece meio estranho, e mais uma coisa, parece que teremos um desafio pokémon daqui a pouco . Disse preocupada 

  Ash: Sim, eu já estou sabendo, e não se preocupe, eu estou bem, não aconteceu nada demais. Bom, mas agora eu vou ter que me preparar. Disse calmamente  

  Misty: Se preparar ?.  Proferiu em confusão 

  Brock: Eu já entendi tudo, você é o desafiante dela, certo ?. Disse em dedução, Ash assentiu  

  Ash: Certo, agora precisar me preparar e realizar algumas trocas. Respondeu seriamente

  Brock: Então quer dizer que vamos...  Disse com expectativa, com estrelas nos olhos. 

  Ash: Sim, vamos até o Centro Pokémon. Disse completando a frase.  Brock se animou completamente

  Então o trio seguiu em direção ao Centro Pokémon interno da pokémon Tech, enquanto andavam, Ash os explicou como era seu funcionamento, sendo um pouco diferente dos que se encontravam do lado de fora, primeiramente porque  só realizavam atendimentos aos internos e a ex-alunos, com exceções de emergências, nesse caso o acesso era livre a quem precisasse.  Havia também a diferença que esse Centro também era integrado com a uma enfermaria, assim possibilitando atender os próprios alunos.  

 

    Chegando ao Centro Pokémon, Brock e Misty perceberam que sua aparência era diferenciada, parecendo mais como uma enfermaria do que como um Centro propriamente dito, isso com certeza estava ligado ao atendimento misto que o local realizava, chegando lá. O grupo percebeu que havia algumas pessoas no local, incluindo Giselle, que estava acompanhada do seu grupinho “dinâmico”. A dita estava pegando alguns pokémon com a enfermeira Joy. 

   

     A mesma logo os percebeu, um dos integrantes do grupinho acabou os abordando na sequência.  

   ???: Ora Ora, olha só quem temos aqui,  o próximo perdedor a ser derrotado pela Giselle.   Disse arrogantemente um dos garotos, dando uma leve risada em zombaria.   Misty e Brock não gostaram nada de ouvir aquilo sobre seu amigo.    

  Giselle: Acho que esse é um ótimo momento pra você desistir bonitão, melhor do que perder na frente de toda aquela gente. Disse arrogantemente, Misty se irritou mais ainda e retrucou  

  Misty: É sério ?!, olhando de perto agora, não vi lá grande coisa em você. Comentou em desdém a garota  

  Giselle: A conversa ainda não chegou no chiqueiro queridinha, o dialogo é entre mim e o bonitão ali. Disse em resposta, Misty acabou se irritando. Ash por outro lado, não fez muita questão 

  Brock: “ Estranho, Ash está recebendo essas ofensas e pelo que vejo não são de agora, e mesmo assim não está respondendo, é impressionante a frieza dele pra lidar com essas situações, realmente, como ele já havia comentado, a mente de um treinador é uma das coisas mais importantes, saber lidar com a pressão do adversário, será interessante ver como ele vai lidar com essa situação” Pensou, observando a situação, percebendo que Ash ignorava completamente  

   Misty: Ora sua... Disse irritada, antes que a discussão se desenrolasse ainda mais, Ash interviu   

   Ash: Parem já com isso, as duas, aqui não é hora e nem lugar pra discussões, aqui tem pokémon doentes que precisam de silêncio, tudo que eu posso dizer é que as diferenças serão resolvidas no campo de batalha. Disse seriamente, na sequência a discussão esfriou, Giselle pegou seus pokémon e saiu. Ash foi realizar suas trocas.   

  Enquanto isso, Brock aproveitou a deixa. E logo foi no balcão para conversar com a enfermeira Joy. Esta que era extremamente parecida com as outras.   

  E. Joy: Posso ajuda-los ?. Questionou cordialmente, se surpreendeu por, em um piscar de olhos, Brock aparecer bem em sua frente, segurando suas duas mãos.  

  Brock: Minha doce enfermeira Joy, sua presença aqui torna ainda mais encantador esse lugar, venha junto comigo nessa jornada, onde viveremos de amor... Dizia com corações nos olhos, Misty o interrompeu,  puxando-o pela orelha  

  Misty: Desculpe, ele não tá bem. Disse se desculpando e arrastando Brock, o coitado estava todo deprimido. A enfermeira não entendeu nada daquilo.  

  Brock: “ Porque nunca dá certo ?.” Pensou se lamentando comicamente.  

 

   Chegando ao Pokefone, logo telefonou para o laboratório do professor Carvalho, este que o atendeu rapidamente. Logo notou o local de onde Ash estava ligando. 

   Prof. Carvalho: Olá Ash, pelo que percebo, o local de onde você me ligando me soa familiar, posso deduzir que esteja na Pokémon Tech, certo ?. Disse em observação

  Ash: Sim, isso é verdade, fiz uma breve parada aqui na academia. Respondeu calmamente

  Prof. Carvalho: Entendo, mas em que posso ajuda-lo ?. Questionou ao treinador

  Ash: Sim, quero realizar algumas trocas. Disse calmamente   

  Prof. Carvalho: Tudo bem, quais pokémon você gostaria de trocar ?. Disse calmamente 

  Ash: Eu gostaria de trocar o meu pidgey pela Ponyta, e minha Cleffable pelo Gyarados.  Respondeu  

  Prof. Carvalho: Pois muito bem, coloque as duas pokebolas no leitor,  que realizarei as trocas. Disse e o garoto fez o solicitado  

   Em poucos segundos a troca foi realizada, o jovem treinador se despediu do Professor Carvalho, na sequência.  

   Antes de saírem, Ash fez uma breve conversa com a Enfermeira Joy, esta que ficou muito feliz por vê-lo novamente, ela explicou aos amigos dele que, Ash a ajudou várias vezes no Centro Pokémon, e por isso ambos se conheciam bastante. A enfermeira disse que estaria torcendo por ele na batalha.   

  Na sequência, o trio foi em direção ao local da batalha.  

   Quebra de tempo 

 

    Diferentemente do que Brock e Misty esperavam, o local da batalha não era um campo aberto, e sim parecido com um miniginásio, possuindo cobertura fechada, e arquibancadas para os alunos sentarem. Ash explicou que a Poké-Tech a construiu há poucos anos atrás, já que o antigo campo de batalha havia ficado pequeno para a quantidade de alunos da instituição. Ash comentou ainda não entender porque o diretor deixava um investimento tão alto, como esse mini-ginásio, parado sem atenção. 

    

  O tal “Ginásio” estava lotado, todos os alunos da escola estavam presentes, havia uma grande comoção acontecendo no local, com grande barulho e animação. Era possível notar diversos cartazes em apoio a recordista Giselle, com dizeres como, “Giselle é a melhor”, “Giselle melhor treinadora do mundo”. E vários outros, Ash até encontrou um cartaz em sua menção, mas não era muito agradável, dizia “ Dash Fede”, e por sinal, ainda escreveram seu nome errado. Pikachu vendo aquilo ficou preocupado e olhou para seu treinador, Ash sorriu levemente.  

  Ash: Não se preocupe Pikachu, vai ficar tudo bem. Disse o confortando.  

 Neste momento o diretor pegou no microfone e começou a anunciar os desafiantes dessa batalha. Nesse momento as luzes se apagaram, ficando apenas dois holofotes iluminando o local, o diretor iniciou sua fala. 

  Diretor:  Do nosso lado esquerdo, apresentando uma feição de peixe morto, um ex-veterano dessa escola, acompanhado de seu pikachu, ele é.... Ash Ketchum. Disse e o holofote iluminou logo acima do jovem treinador   

   Imediatamente o local foi coberto por vaias e assovios, era um barulho ensurdecedor, Pikachu até se incomodou com o barulho, colocando suas patinhas nas orelhas. Ash não se importou, olhava fixamente ao campo de batalha.  

  Misty: “ É desse jeito que tratam um ex-aluno, que horrível” Pensou irritada  

  Brock: “ O Ash parece que até agora está lidando bem com a pressão negativa, isso não deixa de ser um teste e tanto para a Liga pokémon” Pensou analisando a situação. 

  Diretor: Agora, do nosso lado direito,  detentora de um recorde absoluto de 60 vitórias consecutivas, a figura mais popular dessa instituição, filha de um dos gênios dessa nação, ela é, nada mais nada menos do que.... Giselle. Gritou, com o holofote iluminando a garota, está que fez uma pose, mandando beijinhos a plateia  

   Imediatamente a plateia entrou em polvorosa, era possível ouvir gritos de apoio, e muitos aplausos. Além das pessoas que gritavam o nome da garota.  

  Brock: “ Impressão minha, ou a introdução dela foi bem maior” Pensou   

  Misty: Convencida. Comentou em desdém.   

 

  Diretor: Sem mais delongas, ambos os treinadores lancem seus pokémon. Disse   

  Batalha on 

  Giselle: Vamos lá, saia e lute Cubone. Disse e lançou seu pokémon, imediatamente Ash sacou sua pokedex.   

  Pokedex on #104  

  Cubone, o pokémon tipo solo. Por nunca remover seu capacete de caveira, ninguém nunca viu o rosto real deste pokémon. Movimentos: Tail Whip (Abano de Cauda) , Retaliate (Retaliação), HeadButt (Cabeçada), Bonemerang (Ossomerang), Stomping Tantrum (Ataque de Birra). Movimentos especiais ( Egg Moves): Double Kick (Chute Duplo)  

 Pokedex off

   

   Ash analisou tais informações, pelo visto esse era o pokémon favorito dela, devido ao alto nível que este possuía. Seria uma batalha interessante.  

   Ash: Pikachu, o que me diz ?. Disse e o pokémon assentiu e pulou de seu ombro, pronto a batalhar.  

  Diretor: Então nesse caso, que comece a batalha. Gritou  

   Giselle: Vamos lá Cubone, comece com Abano de cauda. Disse, conforme solicitado, o pokémon tipo solo realizou tal movimento, baixando um pouco da defesa de pikachu  

  Ash: Ao ataque, use a Investida Pikachu. Disse seriamente,  seu pokémon realizou tal movimento, correndo em ofensiva na direção do adversário  

  Giselle: Bem óbvio, Cubone use a evasiva e depois use o Ossomerang. Disse, seu pokémon solo fez exatamente como sua treinadora pediu, desviando do ataque de Pikachu e acertando-o na sequencia, duas vezes, com o Boomerang de Ossos. Pikachu sofreu danos nessa jogada  

  Ash: Você está bem, Pikachu ? Questionou, seu pokémon assentiu em confiança  

  Ash: Ótimo, então use agora o Abano de Cauda, depois use a agilidade. Disse, o ratinho elétrico fez conforme dito, abanando sua cauda, a defesa de Cubone havia ficado mais baixa, na sequência realizou o movimento agilidade, onde pikachu começou a se locomover em vários pontos diferentes da arena.  

   Giselle: Fique atento Cubone. Disse e seu pokémon levantou a guarda  

   Ash: Agora Pikachu. Disse e o pokémon elétrico apareceu atrás de Cubone, o atacando na sequência. O ataque trouxe danos médios ao tipo solo.   

   Giselle: Você está bem, Cubone ?. Questionou, seu pokémon respondeu positivamente   

    Giselle: Use a cabeçada Cubone. Disse para seu pokémon, este que correu em direção de pikachu   

   Ash: Evasiva Pikachu, e depois use a investida. Disse em comando para o seu pokémon, desviando do ataque do tipo solo, acabou  acertando-o na sequência.   Sofrendo mais danos, por isso.  

  Giselle: Cubone. Falou preocupada  

  Ash: “ Acho que já posso finalizar a batalha”. Pensou enquanto analisava a situação

  Ash: Pikachu, choque do trovão agora. Falou para o seu pokémon, o mesmo se carregou de energia e disparou no pokémon solo, causando uma cortina de poeira, na sequência podia-se notar Cubone nocauteado no chão, Giselle havia perdido a batalha. Ash havia vencido  

  A garota havia ficado incrédula por ter perdido tão facilmente. Acabou retornando Cubone na sequência 

   Na plateia  

     Com o final da batalha, a plateia ficou atônita, como a sua melhor treinadora perdeu daquela maneira. O diretor também tinha ficado sem palavras. Ninguém conseguia acreditar naquilo, com exceção ,claro, de Brock e Misty. A ruiva logo comentou  

  Misty: Eu sabia que o Ash venceria, falei que ela não era isso tudo, bem feito. Comentou  em comemoração, Brock analisava toda aquela situação  

  Brock: “Uma batalha bem diferente do que eu estava esperando, devo dizer,  apesar de ter percebido que não foi uma das melhores batalhas do Ash, foi o suficiente para vencer, pelo visto ele não estava 100% focado na batalha” Pensou analisando,   

  No campo de Batalha 

 Antes que algo mais pudesse acontecer, o diretor voltou a falar. 

    

  Diretor: Esperem, a batalha ainda não acabou, ninguém disse que seria apenas 1 contra 1. O desafio continua. Proferiu, Ash estreitou os olhos para aquilo e logo respondeu 

  Ash: Você não pode mudar as regras com o jogo em andamento, isso não é justo. Disse alto, como a plateia estava muda, todos ouviram  

  Diretor: Ouviram só pessoal, ele está com medo de enfrentar a nossa recordista, sabe que não terá chance em uma segunda batalha, acho que ele quer fugir do desafio. Comentou em zombaria, imediatamente a plateia começou a reagir.  

  A plateia entrou em polvorosa novamente, os estudantes começaram a vaiar novamente o jovem treinador, muitos gritando e chamando-o de covarde.  Isso não era algo bom para o psicológico de ninguém.  

  Na plateia 

  Misty: “ O povo dessa academia é ridículo”  Pensou irritada 

  Brock: “ O Ash está muito quieto, me pergunto no que ele está pensando tanto”.   Pensou   

  No campo de batalha 

    

    Giselle: E aí bonitão, vai desistir ?. Disse, retomando seu tom confiante.  

   Ash: Nem hoje e nem nunca. Respondeu seriamente  

   Diretor: Então nesse caso, o desafio continua. Proferiu, para o delírio da plateia, que gritava em coro o nome de Giselle 

   Diretor: Como Ash ainda está com seu pokémon em campo, Giselle deverá fazê-lo também. Disse  

    Dessa vez, Giselle perdeu toda aquela feição de confiança e arrogância, sua mão tremia levemente, ainda não havia decidido o que fazer.    

Momentos antes da batalha   

  No caminho até o local da batalha, o diretor parou momentaneamente Giselle, falava a respeito de como ela venceria aquela batalha.  

  Diretor: Giselle, hoje eu quero que você utilize esse pokémon aqui, com ele a sua vitória estará garantida. Disse  confiante

  Giselle: Você não confia que eu possa vencer. Respondeu 

  Diretor: Não diga isso, é claro que eu confio, isso é só para garantir. Disse insistindo    

  Giselle: Esse pokémon, não me diga que é o ....  Disse

  Diretor: Sim, ele mesmo. Não se preocupe, vai funcionar dessa vez, ele está bem mais calmo do que a última vez que o usaram. Respondeu  

  Giselle: Eu não sei... Disse receosa  

  Diretor: Confie em mim, não vai acontecer nada demais. Disse e lhe entregou tal pokebola 

  Giselle: C-certo. Respondeu receosa, enquanto segurava a pokebola, sua mão tremia levemente.  

  Voltando ao tempo atual    

  Já havia passado um tempo desde que o diretor fez o anúncio de que Giselle precisava lançar um novo pokémon. Até mesmo a plateia estava confusa, deixando-os calados novamente. Ash percebeu que algo não estava certo com a garota.   

   Ash: “ Algo parece estranho, ela está hesitando, mas porquê ? Sinto que tem dedo do diretor envolvido nisso” Pensou, Ash logo em seguida falou  

  Ash: Fique atento, Pikachu. Disse, o pokémon assentiu  

   

 Diretor: “ Vamos Giselle, lance a pokebola” Pensava observando a situação. 

     Giselle, depois de um tempo, finalmente criou coragem e lançou tal pokémon.  Apertando firmemente a pokebola, a garota fez sua jogada.  

   Giselle: Saia e lute.... Dragonite. Disse e tal pokémon saiu, percebia-se que este Dragonite não era comum, sendo um especial Shiny, sua principal diferença era sua cor verde. Ao sair da pokebola, o pokémon grunhiu alto. Algo que assustou muitos alunos nas arquibancadas, e também Giselle.   

   Ash: Wow, um Dragonite Shiny, agora o desafio subiu de nível. Comentou, sacando sua pokédex   

  Pokedex on#149

   Dragonite, o pokémon do tipo dragão e voador, é o último na linha de evolução de Dratini. Esse pokémon em especifico é sua versão Shiny. Ele pode voar apesar de seu físico grande e volumoso. Ele circunda o globo em apenas 16 horas. Movimentos: Dragon Rage ( Fúria do Dragão), Fire Punch ( Soco flamejante), Wing Attack (Ataque de Asa), Dragon Tail ( Cauda do dragão), Hyper Beam ( Híper Raio).  

  Pokedex off   

  Realmente, era um pokémon formidável, Ash olhou aquilo admirado. Redobrou sua atenção naquele momento  

   Na arquibancada  

   Brock: É um pokémon e tanto. Agora teremos uma disputa bem interessante. Comentou, só que o Ex-líder estranhou porque a plateia havia ficado tão quieta 

   No campo de batalha   

  Ash: Foco total agora, Pikachu. Disse seriamente para seu pokémon  

  Diretor: Então nesse caso, que a segunda batalha comece. Disse em alto e bom som.  

   Giselle: U-use o soco flamejante, Dragonite.  Disse e o pokémon pouco se importou  

   Ash: “ Hmm...  pelo visto ele é um pokémon resistente a ordens”. Pensou  em análise

  Ash: Então nesse caso, Pikachu choque do trovão agora. Disse e seu pokémon executou tal movimento, porém Dragonite levantou voo antes e conseguiu desviar  

   Giselle: Use o ataque de Asa. Disse, tentando mais uma vez, porém o mesmo continuava sem a obedecer.  

   Dragonite sozinho, então, carregou um hiper-raio e lançou em direção a Pikachu. . 

   Ash: Pikachu, desvie usando a agilidade. Disse para seu pokémon, devido ao Dragonite estar voando, o ataque demorou alguns segundos a mais para atingi-lo, com esse pouquíssimo tempo amais, Pikachu conseguiu desviar parcialmente, com isso, sofrendo menos danos.  

   Giselle ficou irritada pelo pokémon não a obedecer.  

   Giselle: Vamos, me obedeça. Eu sou sua treinadora no momento, você deve ouvir minhas ordens. Disse, mas o pokémon fez pouco caso. A garota se irritou ainda mais  

   Giselle: Então nesse caso serei obrigada a coloca-lo de volta na pokebola, já que você não me escuta. Disse, pegando sua pokébola, o pokémon não gostou nada daquilo, não queria voltar para aquela pokebola. Ash notou a situação.  

  Ash: “Pelo visto teremos problemas” Pensou  

  Giselle então chamou o pokemon de volta, mas o mesmo não obedeceu, sempre desviando do raio vermelho da pokebola.   

  Giselle: Vamos seu pokémon inútil, de meia tigela, volte agora. Disse irritada  

  Ash: “ Ela não deveria ficar falando isso, o pokémon vai acabar se ofendendo.” Pensou preocupado 

  E foi isso que aconteceu, Dragonite, que já estava estressado, acabou se irritando ainda mais, volta sua atenção a sua “ treinadora”. Ash arregalou os olhos.   

  Foi tudo muito rápido, em um instante, Dragonite havia lançado um ataque em direção a Giselle, a garota arregalou os olhos em pavor, todos da plateia ficaram espantados. Na hora do impacto, uma imensa cortina de poeira havia subido, não era possível enxergar nada do que havia acontecido. O sentimento de medo e preocupação eram palpáveis naquele momento.  

   

  

   A garota abriu seus olhos assustada, percebendo que nada havia acontecido consigo, notou que estava no braços de Ash, devido ao susto nem conseguia raciocinar como ele havia feito aquilo.  Quando a poeira se dissipou, todos suspiraram aliviados por nada ter acontecido com a garota, e também estavam espantados por Ash ter percorrido toda aquela distância em tão pouco tempo.  

  Ash, então,  a tirou do campo de batalha, e a colocou sentada no arquibancada. Sacando sua pokebola, logo liberou bulbassauro.  O jovem treinador, logo disse tentando tranquiliza-la. 

 

  Ash: Calma, deixe que agora eu cuido disso, não se preocupe, Bulbassauro vai lhe proteger caso o pokémon queira ataca-la novamente. Disse para a garota, que ainda assustada, assentiu em entendimento, o Ketchum também pegou a pokebola da mão de Giselle, o pokémon planta ficou ao seu lado, enquanto o treinador voltava ao campo de batalha.   

  Percebendo que os alunos estavam com medo e receosos, e não havia quem pudesse ajuda-los, já que o diretor havia saído de fininho, sem que ninguém tivesse notado.  O garoto logo tomou a dianteira.   

  Ash: “ Covarde”. Pensou irritado, logo em seguida gritou 

   Ash: Brock, ajude a evacuar o local, proteja-os. Gritou, o ex-líder de ginásio assentiu, liberando seu Onix, este que protegeria a retaguarda deles, enquanto os alunos saíam assustados.   

   Direcionando sua atenção agora ao campo de batalha, logo encarou o pokémon descontrolado. Colocando o seu boné pra trás, a situação agora demandaria de muito mais atenção.  

  Ash: Vamos lá Pikachu, precisamos recaptura-lo, a situação agora é séria, se ele fugir daqui pode ferir alguém, conto com você agora amigão. Disse seriamente, o pokémon elétrico assentiu em confiança  

  Ash: Vamos lá Pikachu, use a agilidade e depois o choque do trovão. Disse para o pokémon elétrico, que obedeceu as ordens, com seu movimento de agilidade tentou confundir Dragonite, algo que funcionou momentaneamente, Pikachu lançou, na sequência, seu choque do trovão.  

  Dragonite foi atingido pelo choque do trovão, mas ignorou, usando o ataque de asa acertou pikachu. Causando vários danos.  

  Ash: Pikachu, você está bem ?. Perguntou preocupado, o pequeno pokémon assentiu   

  Dragonite então carregou um hiper raio, só não contava que fosse atingido na sequência.  

  ???: Staryu, jato d’agua. Disse para seu pokémon, que acertou Dragonite  

  Ash: Misty. Disse surpreso  

  Misty: Vejo que está com problemas, deixe-me ajuda-lo, trabalhando juntos conseguiremos. Disse confiante 

   Ash: Sim, juntos então. Respondeu acenando   

  Ash: Pikachu, agilidade mais uma vez. Disse para seu pokémon, o mesmo fez novamente o movimento, enquanto Dragonite se preocupava em acompanhar Pikachu, Misty deu seu comando.  

  Misty: Estrela cadente, Staryu. Disse para seu pokémon, que acertou as costas do pokémon voador   

  Dragonite contra-atacou Staryu com fúria do dragão, Ash aproveitou que o pokémon Dragão estava focado no aquático, e deu seu comando  

  Ash: Choque do trovão, mais uma vez. Falou, Pikachu carregou mais uma vez de energia e lançou seu novo ataque. Dragonite sentiu os danos, mas ainda assim acertou o ataque em Staryu  

  Misty: Ataque com hidro-bomba agora. Disse, o pokémon estrela do mar acertou Dragonite, mas não trouxe tanto dano.  

   O pokémon dragão, começou a carregar mais um hiper-raio, Ash viu naquele momento, a chance de finalizar a luta.  

   

    Ash: Juntos agora, ataque final. Disse seriamente, a ruiva assentiu  

    Ash/Misty: Pikachu, Choque do Trovão/ Staryu, hidro-bomba. Disseram ao mesmo tempo, apontando para o pokémon Dragão, os ataques combinados formaram um forte jato d’agua, circundado por raios elétricos, indo em direção ao pokémon dragão ( imagem nas notas finais) 

  O pokémon em resposta contra-atacou com seu hiper-raio, este que igualou a ofensiva combinada dos dois pokémon, o choque entre as duas energias causou uma baita ventania, Giselle que ainda estava no local se impressionou vendo aquilo. 

  Giselle: Incrível... Murmurou   

 Por um momento ouve empate de forças, porém, logo o ataque de Dragonite começou a ganhar no duelo, nesse momento Ash e Misty não titubearam.  

  Ash/Misty: Força total, agora. Disseram ambos, os pokémon aumentaram a força de seus ataques, passando a superar a força do ataque de Dragonite.  

  A força do ataque foi tão grande, que Dragonite foi mandado direto para a parede do ginásio, formando um grande buraco no local. Ash aproveitou a chance  

  Ash: Agora, Pokebola vai. Arremessou a pokebola, Dragonite, como estava bem machucado entrou na pokebola, finalizando aquela luta   

 Batalha off 

  Misty: Conseguimos. Comemorou   

  Ash: É isso aí. Respondeu, com ambos na sequência se cumprimentando ao estilo Hi-5.  

  Ash: Pikachu e Staryu vocês foram excelentes também. Disse orgulhoso 

  Misty: Isso mesmo, os dois estão de parabéns. Complementou  

 

   Após o fim da batalha, e o pokémon insano neutralizado, Ash voltou sua atenção a Giselle, esta que estava de joelhos no chão tremendo, sua feição apresentava palidez, além de olhos que pareciam  focalizar nada em especifico. O garoto preocupado, logo foi ajuda-la.  

  Ash: Giselle, você está bem ?. Perguntou preocupado, ela não respondeu  

  Se aproximando mais da garota e tocando em suas mãos, percebia o tanto que estavam geladas, e isso somado aos tremores, percebia-se que ela não estava mesmo bem.  O jovem treinador ficou ainda mais preocupado.  

  Ash: Giselle, por favor, fala comigo. Disse preocupado 

  Giselle: Eu achei... eu achei que fosse morrer naquela hora. Disse bem baixinho, com lágrimas se formando em seus olhos  

  Ash: Calma, agora vai ficar tudo bem, você está segura agora. Disse calmamente, procurando tranquiliza-la

  Giselle: Porque... porque você me ajudou, eu te tratei tão mal, eu não merecia a sua ajuda. Disse cabisbaixa  

  Ash: Não esquenta com isso, o importante é que você está bem, e é só isso que importa. Disse sorrindo calorosamente, Giselle se envergonhou  um pouco, acabou sorrindo em resposta, o abraçando na sequência  

  Giselle: Obrigada Ash, de verdade. Disse sorrindo, enquanto o abraçava, o garoto retribuiu o gesto. Misty vendo aquilo acabou se irritando um louco e comentou  

   Misty: Ei, eu também ajudei  sabia, cadê meu reconhecimento. Disse mais afastada

  Giselle: E o que isso importa. Respondeu, e deu a língua pra ruiva, a mesma apenas bufou irritada    

  Misty: Mal agradecida. Respondeu, bufando irritada  

 

Quebra de tempo  

  Agora com a situação bem mais calma, e já controlada. Giselle pediu pra conversar à sós com Ash. Enquanto andavam pelos corredores, ambos conversavam.  

    Giselle: Sabe Ash, depois do que aconteceu hoje, eu acabei percebendo em quão mal eu estava agindo, não deveria tratar ninguém da forma como lhe tratei, deixei que as pessoas ao meu redor inflassem o meu ego, humildemente, eu lhe peço desculpas. Disse enquanto curvava levemente a cabeça  

  Ash: Tudo bem, eu lhe perdoo, não se preocupe, isso é passado agora, acredito que agora sejamos amigos, estou certo ?..Disse sorrindo, Giselle se surpreendeu  

  Giselle: Amigos ?. Disse surpresa    

Ash: Sim, amigos  são aqueles que estarão juntos de você nos momentos bons e ruins, e que gostam de você do jeito que você é, e digo com sinceridade, a Giselle que eu conheci agora, uma pessoa gentil, amável, e que adora estudar  é uma pessoa bem melhor do que a antiga que eu conheci. Disse sorrindo, Giselle sorriu de volta se envergonhando um pouco  

  Giselle: Obrigada, essas foram as palavras mais gentis que já recebi de alguém. Sorrindo respondeu 

  Giselle: Bom,  mas isso não é tudo, eu também tomei uma decisão, um pouco drástica, e muito importante, e essa depende de você. Disse um pouco receosa, nessa última parte  

  Ash: Agora fiquei curioso, o que seria tão importante assim ?. Questionou curioso.  

    Giselle: .... Ash ?. Proferiu 

   Ash: Sim, pode falar. Respondeu  

   Giselle: Eu posso seguir viagem com você ?.Questionou receosa, Ash se surpreendeu pelo pedido  

   Ash: Nossa?! Isso agora foi bem inesperado, mas você tem certeza disso, é que tipo, ficando aqui você não precisaria se preocupar com os perigos que as jornadas trazem, além também de não perder todo o conforto que você tem aqui. Respondeu calmamente

   Giselle: É que, depois do que aconteceu hoje, você me fez ver que o mundo é muito grande, quero ver, conhecê-lo com meus próprios olhos, não quero mais ficar presa a uma “ bolha”, percebi que não estou preparada para enfrentar os desafios da realidade, mas quero mudar isso, por isso que perguntei se eu poderia seguir viajem com você . Respondeu calmamente 

   Ash: Entendo, realmente você parece ter aprendido uma importante lição hoje, só uma coisa, pra mim, ainda não ficou clara, qual o seu sonho ? Apesar das pessoas daqui falarem que você só se está interessada nas batalhas, vejo que isso não é bem verdade, já que quando nos conhecemos você estava com um monte de livros sobre pesquisas Pokémon. Respondeu calmamente, Giselle logo se lembrou  

  Giselle: É mesmo, depois de todo esse alvoroço eu esqueci que deixei eles lá no corredor, vamos lá busca-los, no caminho eu te explico. Disse, enquanto se lembrava do fato.

  Ash: Tudo bem. Respondeu 

   Enquanto mudavam de direção e iam rumo ao local mencionado, Giselle passou a contar mais a respeito de si. 

  Giselle: É que sabe, desde pequena o meu sonho é me tornar uma cientista e poder ajudar o meu pai com as suas invenções, mas ele não nunca me escutou, ele sempre ficava repetindo pra mim de como seria incrível que eu fosse uma treinadora pokémon, até tinha me conformado com essa situação, comecei então a me dedicar ao que meu pai queria que eu fizesse, mas eu nunca me senti bem, sabe, é complicado não poder fazer o que gosta. Disse meio cabisbaixa 

  Ash: Sei bem como é, pode ter certeza, mas pelo visto algo mudou, não é mesmo ?. Respondeu, a questionando no final   

  Giselle: Sim, naquele momento que o Dragonite me atacou, minha mente me fez lembrar de tudo que eu já havia vivido, o que me fez pensar com certo remorso em não ter feito o que eu queria, acho que isso me fez perceber como a vida é curta e devemos sim correr atrás de nossos sonhos. Eu gostaria de colaborar com invenções que ajudassem tanto os pokémon como os seres humanos, algo que torne a convivência de ambos ainda melhor.  Disse sorrindo no final  

  Ash: Belo sonho, posso dizer, e você pode contar comigo para o que precisar. Disse sorrindo em resposta  

  Giselle: Obrigada, então nesse caso... Respondeu feliz   

  Ash: Sim, você pode seguir jornada conosco, vai ser muito bom ter mais alguém no nosso grupo.  Sorriu também, a garota deu um outro abraço no treinador 

  Ambos já haviam chegado a tal corredor, perceberam que, felizmente, os livros de Giselle ainda estavam no local. A garota ia pegando-os, quando o jovem treinador a interrompeu.  

  Ash: Deixa que eu levo, não se preocupe. Disse e a garota assentiu em agradecimento  

  Ash: Acredito que você vai guarda-los no seu dormitório, onde ele fica exatamente ?. Questionou.  

  Giselle: Ele é o número 2, da Ala B. É perto daqui. Disse  

  Ash: Wow, Ala B, onde ficam os quartos maiores, porque será que eu não estou surpreso. Disse revirando os olhos em divertimento 

  Giselle: Bobo. Comentou, dando um leve tapinha em seu ombro.  

  Ash: Vamos lá então. Comentou  

  Quebra de tempo   

  Chegando lá, Ash se impressionou com o tamanho daquele quarto, o mesmo era pintado na cor rosa, possuindo uma cama King Size, e uma enorme televisão fixada na parede, além de uma enorme estante cheia de livros. Onde Ash colocou os livros da garota, percebeu que havia muitos livros do professor Carvalho ali.  

  Ash: Belo quarto. Elogiou  

  Giselle: Obrigada, agora fiquei curiosa, você estudava aqui, em qual Ala ficava seu dormitório. Questionou  

   Ash: Ala C, eu dividia o quarto com mais uma pessoa. Percebi que você tem muitos livros do Professor Carvalho, é admiradora do trabalho dele eu presumo Respondeu em observação

   Giselle: Sim, exatamente, eu sou muito fã dele, o trabalho dele é simplesmente fantástico, principalmente seu último trabalho a respeito dos hábitos e linguagem corporal pokémon, eu sempre pedi para o meu pai me levar junto para conhecê-lo, mas ele sempre acaba se esquecendo. Eita, é mesmo. Disse  se lembrando de algo importante   

  Ash: O que foi ?. Perguntou  

  Giselle: Acabei esquecendo de algo muito importante, o meu pai, tenho que conversar com ele a respeito disso. Afirmou  

  

  Ash: Sem problemas, vamos falar com ele então. Disse calmamente

  Giselle: Bem, não é tão simples assim, acho que você já deve ter ouvido falar dele, ele é Satoru Ishiyama, dono da Pokémon Inc. Respondeu e Ash sorriu em resposta

  Ash: Nossa?! Você acreditaria se eu dissesse que já o conheci pessoalmente ?. Respondeu 

  Giselle: Sério ?!. Surpreendeu-se 

  Ash: Sim, o conheci quando ele fez uma visita técnica ao laboratório do Professor Carvalho, pelo pouco que eu conversei com ele, parecia ser uma ótima pessoa. Comentou  

   Giselle: Espera, você conhece o Professor Carvalho, mas isso é incrível, não consigo imaginar o quanto você aprendeu com ele, você sabe, eu sou muito fã do trabalho cientifico dele, já que você o conhece poderia me apresenta-lo. Comentou impressionada, e também empolgada    

  Ash: Sim, eu lhe apresento sim, não se preocupe. Respondeu 

 Giselle: Bom, então agora só nos resta uma coisa a fazer. Disse  

  Ash: Sim, creio que não deva ser muito difícil convencê-lo, pelo pouco que eu consegui conhecer do seu pai, ele parece ser uma boa pessoa, tenho certeza de que ele vai aceitar a sua decisão. Comentou  

  Giselle: Tomara, é que sabe, quando se trata de mim o meu pai é.... como eu posso dizer... exagerado. Disse com a mão no queixo.  

   Ash: Exagerado ? Disse confuso  

  Giselle: Quando você falar com ele, vai entender. Respondeu    

  Ash: Entendi, melhor irmos voltando, já demoramos muito tempo. Comentou, a Ishiyama assentiu, Ash logo se lembrou  

  Ash: Ah Giselle, você vai ter que pedir desculpas a Misty, não se esqueça disso. Disse naturalmente  

  Giselle: O que ?! Mas porque eu tenho que pedir desculpas. Resmungou, inflando as bochechas  

  Ash: Bom, como você vai seguir viagem conosco, vocês duas vão passar muito tempo convivendo juntas, e eu não quero que vocês duas fiquem brigadas uma com a outra. Respondeu justificando   

  Com Misty e Brock  

  Misty: Ash está demorando mais uma vez, me pergunto o que aquela garota queria com ele. Falou levemente irritada  

  Brock: Ciúmes. Comentou, a garota se atrapalhou um pouco, mas continuou 

  Misty: Claro que não, daqui a pouco nos vamos embora e aquela garota chata vai ficar aqui, não há com o que se preocupar. Disse confiante.   

  Brock: Se você diz.... Respondeu simplemente

Com Ash e Giselle 

    

  Então ambos voltaram para o lugar inicial, o local já estava vazio, somente Brock e Misty, os aguardavam no local.  Misty bebia um copo d’agua.  

   Ash: Bom pessoal, Giselle tomou uma decisão e ela gostaria de comunica-los. Disse  calmamente

  Giselle: Eu decidi que eu vou seguir jornada junto com Ash e os amigos dele, quero ter a experiência de conhecer o mundo lá fora. Comentou feliz, Misty que estava tomando um copo d’água o cuspiu na hora, infelizmente foi tudo na cara do Brock  

  Misty: Como é ?! Disse surpresa  

  Giselle: Gostou da surpresa, queridinha. Respondeu, dando uma leve piscadinha em claro deboche.  

  Misty: Posso falar com você um minuto, Giselle. Disse  

  Giselle: Claro. Respondeu e ambas saíram e se afastaram um pouco.  

  Já um pouco longe, Misty olhou seriamente para a Giselle.  

  Misty: Eu sei o que você está tentando fazer, acho que eu não percebi você de olho nele, pode esquecer, ele é meu, ouviu bem ?! . Disse  seriamente

  Giselle: Nada disso queridinha, que eu saiba você não é a namorada dele e nem nada disso, você não tem o direito de escolher com quem ele vai ficar, vamos ver quem leva a melhor, queridinha . Respondeu, ambas se olharam com raios nos olhos, após isso voltaram e agiram como se nada tivesse acontecido  

   Enquanto isso com Ash e Brock  

   Ash: O que será que as duas foram conversar. Disse   

   Brock: Eu prefiro nem me meter nessa história, estou sentindo que pode acabar sobrando pra mim. Disse frustrado, enquanto se secava 

  Ash: Porque diz isso ?. Respondeu em questionamento. 

  Brock: Um pescador experiente sabe o prenúncio de uma tempestade. Comentou simplesmente    

  Alguns momentos depois   

  Após um pequeno espaço de tempo, ambas as garotas voltaram e estavam agindo normalmente, com exceção de que apresentavam uma feição um pouco mais séria que o normal. Giselle logo comentou 

  Giselle: Vamos Ash, eu ainda tenho que falar com o meu pai. Comentou  

  Ash: Tudo bem, vamos indo então. Me esperem mais um pouco aqui, eu volto logo. Disse em resposta, se referindo a Brock e Misty neste final de frase.  

  E com isso, Ash e Giselle saíram do local, indo em direção ao local onde se encontravam os pokefones para os estudantes. Cada estudante possuía um cartão de acesso para poderem usar os pokefones, Ash também o possuía, mas acreditava que o mesmo não funcionasse mais devido ao longo tempo sem uso.  

    Chegando lá, Giselle pegou seu cartão de acesso e o inseriu, digitando sua senha, logo em seguida começou a chamada para o seu pai.  

 

       Na tela do videofone apareceu um homem, de estatura alta,  com cabelos e barba castanhos.  (Img notas finais) 

   Giselle: Olá papai, está muito ocupado ?. Disse sorrindo. 

   ????: De forma alguma minha filha, sempre tem espaço na minha agenda pra você, do que você precisa dessa vez ? Seu secador de cabelo quebrou de novo, ou você precisa de um novo kit de maquiagem ?. Questionou  

   Giselle: Bom, dessa vez, não é bem isso, é algo um pouco mais sério, mas antes gostaria de lhe contar uma coisa, aliás, esse aqui do meu lado se chama Ash Ketchum. Diga oi pra ele Ash. Disse

   Ash: Olá Sr. Ishiyama, como Giselle acabou de dizer me chamo Ash Ketchum. Muito prazer. Respondeu cordialmente

   Antes que Giselle continuasse a falar, Sr. Ishiyama se adiantou.  

   Sr. Ishiyama:  Pode parar, pode parar...não precisa me dizer mais nada, eu já entendi, já entendi tudo.... eu sabia que esse dia chegaria, o dia em que minha doce filha apresentaria seu namorado ao pai, você cresceu tão rápido, parece até que foi ontem que eu troquei suas fraldas e tem empurrava no balanço.... E continuava a falar, enquanto escorria lágrimas cômicas de anime. 

 Enquanto isso, Ash e Giselle sussurravam.  

  Ash: Era disso que você estava falando. Disse baixinho com uma gota na cabeça   

  Ash: “ Ele me lembra um pouco minha mãe, sempre me shippando com alguma garota, não sei que mania é essa dela, ela até deu nomes a esses ships, vai saber”. Pensou suspirando  

  Giselle: Sim. Respondeu envergonhada, por seu pai falar coisas constrangedoras ao seu respeito  

  Logo em seguida, Giselle interrompeu seu pai.  

  Giselle: Calma pai, não é nada disso, na verdade eu conheci o Ash hoje, e bom, antes de tudo acho melhor lhe contar tudo que aconteceu hoje. Disse tentando apaziguar os animos de seu pai  

  Nesse momento Giselle e Ash contaram tudo o que havia acontecido, desde o momento que se conheceram até a batalha, não era preciso dizer que o Sr. Ishiyama ficou extremamente preocupado com sua filha, questionando-a se ela havia se machucado.  

  Sr. Ishiyama: E você está bem minha filha, se machucou, se lesionou, fraturou algum osso, meu kami, precisamos leva-la para um hospital. Disse já começando a se desesperar  

  Ash: Calma Sr. Ishiyama, sua filha está bem, ela não sofreu nenhum arranhão. Respondeu, com o pai da garota se acalmando  

  Giselle: Sim pai, o Ash me salvou, espera um momento, como foi mesmo que você conseguiu me salvar, eram mais de 15 metros de distância, como você conseguiu ir tão rápido ?. Questionou   

  Ash: Bom, digamos que eu possuo algumas habilidades especiais, uma delas é poder correr bem rápido, existem outras como essa aqui... Disse e ficou invisível, a garota se espantou, o garoto voltou a aparecer na sequência  

  Giselle: Mas isso é incrível, não é mesmo papai. Disse surpresa 

  Sr.Ishiyama: Sim realmente, se me lembro bem, eu conheci um garoto algum tempo atrás que tinha habilidades especiais, Ash, você era aquele garoto no laboratório do Professor Carvalho, certo ?. Deduziu, questionando no final

    Ash: Sim, exatamente nos conhecemos quando o senhor fez a sua visita técnica ao laboratório do professor Carvalho, eu era aquele menino que o estava ajudando. Respondeu calmamente

   Sr.Ishiyama: Sim, eu lembro sim, você nos ajudou naquele dia com o protótipo de tradução pokémon, sua contribuição fez o projeto avançar muito. Disse 

  Giselle: Espera, você consegue falar com os pokémon ? Questionou em surpresa  

  Ash: Sim, depois eu lhe explico com mais detalhes. Comentou, com a mesma concordando.    

  Sr. Ishiyama: Antes de tudo eu gostaria de lhe agradecer por ter salvado a minha filha, não sei o que faria se ela tivesse se machucado, você terá minha eterna gratidão. Disse se curvando em agradecimento  

  Ash: Não se preocupe com isso, sempre que posso eu tento ajudar as pessoas, não me sentiria bem se algo acontecesse e eu não tivesse feito nada. Respondeu calmamente   

  Sr. Ishiyama: Mais uma vez obrigado Ash, mas ainda tem uma coisa que não me parece certo, minha filha, como você conseguiu ter acesso a um pokémon tão perigoso, isso deveria ser proibido na instituição. Disse em observação

  Giselle: Então pai, tem essa parte também... Respondeu 

    

 

   Nesse momento os dois começaram a contar a respeito do que havia acontecido, e de como o diretor havia sido negligente e irresponsável a ponto de entregar um pokémon perigoso a um aluno, também foi contado de como Ash lidou com a situação de pânico, enquanto o diretor fugiu apavorado. O pai de Giselle ficou muito irritado com aquilo, disse que teria uma conversa pessoal, em breve, com tal cidadão. Passada essa parte, finalmente havia chegado ao objetivo central dessa conversa. Sobre a decisão de Giselle.  

  Giselle: Então pai, o motivo pelo qual eu liguei é que devido aos acontecimentos de hoje, eu acabei tomando uma decisão. Disse  

  Sr. Ishiyama: E qual seria essa decisão ?. A questionou, Giselle engoliu em seco por um momento, Ash colocou a mão em seu ombro em sinal de apoio. A garota prosseguiu  

  Giselle: Eu decidi que agora eu quero correr atrás do meu sonho, meu verdadeiro sonho, eu sei que você quer que eu me torne uma treinadora, mas não dá, eu não quero, isso não me deixa feliz, eu quero trabalhar junto com senhor, ser uma inventora renomada, e pra isso eu preciso de experiencia lá fora, no mundo real, quero sair em uma jornada e ver os reais problemas que nos rodeiam com meus próprios olhos e quero fazer parte do trabalho para soluciona-las, eu sei que você agora deve estar chateado comigo, mas é a verdade, eu não quero ser uma treinadora pokémon, eu quero ser igual a você no futuro. Disse calmamente, acabou abaixando a cabeça no final de sua fala   

  O pai de Giselle escutou tudo aquilo em silêncio, não imaginava que sua o admirava tanto o seu trabalho, havia percebido que em todo esse tempo ele só havia se preocupado com que pensava ser melhor para ela, e não propriamente o que ela queria.   

   Sr. Ishiyama: Minha filha, todo esse tempo eu achei que estava escolhendo o melhor caminho para você, mas percebo agora que estava enganado, se você não é feliz no que faz, tudo perde a cor. Peço desculpas por ter imposto você a fazer algo que não queria. Disse desculpando-se  

  Giselle: Então nesse caso.... Disse surpresa  

  Sr. Ishiyama: Sim, eu deixo você seguir em uma jornada, espero que seja mais feliz de agora em diante. Disse sorrindo no final  

  Ash e Giselle ficaram muito felizes com a decisão, havia tudo dado certo no final.    

  

  Giselle: Obrigada Papai. Respondeu contente 

   Sr.Ishiyama: Só uma coisa minha filha, você tem certeza mesmo disso, você está quase concluindo o curso, se você sair agora, todo esse tempo que você gastou cursando estará perdido. Disse, e Giselle ficou um pouco apreensiva, aquilo era verdade, tinha se esquecido que faltava pouco para se formar, aí se saísse agora todo estaria perdido.  

  Ash: Bom, eu não diria isso, tem um jeito sim dela seguir jornada e ao mesmo tempo concluir o curso dela. É só ela fazer o curso acelerado da instituição, e como a já cumpriu a carga-horaria mínima, basta que daqui alguns meses ela volte aqui e realize as provas, se ela precisar de alguma ajuda eu conheço as matérias e posso ajuda-la. Disse calmamente   

  

  Sr. Ishiyama: Então nesse caso, deixe que eu mesmo cuide dessa questão com a instituição, minha filha, você não precisa se preocupar com isso. Disse sorrindo

  Giselle: Então nesse caso, acho que eu vou me despedir, já tomamos muito o seu tempo papai. Disse feliz

  Sr. Ishiyama: Sem problemas minha filha, é como eu disse, sempre há tempo para conversar com você. Antes de ir, gostaria de falar uma coisa com o jovem Ash. Disse seriamente, sessa última parte 

  Ash: Sim ?. Questionou em dúvida 

  Sr. Ishiyama: Prometa que não vai deixa-la se machucar, eu conto com você. Disse seriamente 

  Ash: Pode deixar Sr. Ishiyama, eu prometo que sua filha não vai se machucar. Respondeu seriamente  

  Sr. Ishiyama: Obrigado, então nesse caso, desejo boa jornada minha filha, até logo.  Disse se despedindo

  Giselle: Até logo papai. Disse e desligou a vídeo chamada   

   

   Ash: E no fim, deu tudo certo. Disse sorrindo  

   Giselle: Sim, verdade. Respondeu feliz também.   

 Na sequência ambos voltaram ao local onde Misty e Brock estavam esperando. De lá, Ash ficou junto com seus amigos esperando a garota arrumar suas coisas para seguirem viagem. Se surpreendeu por um grupo de estudantes se aproximarem dele, inclusive Joe.  

 Ash: Aconteceu alguma coisa ? Questionou  preocupado

 Joe: Bom, é que eu, em nome de todos os alunos viemos lhe pedir desculpas pelo que aconteceu, além disso agradece-lo por ter nos protegido. Disse se curvando, os outros alunos fizeram gesto parecido, Ash ficou meio constrangido com aquilo  

  Ash: Não agradeçam só a mim, Brock e Misty  também me ajudaram, não mereço levar todo o crédito. Disse humildemente  

  Os estudantes agradeceram aos dois também.  Na sequencia mais alguém apareceu, dessa vez se tratava de Enfermeira Joy.  

  E. Joy: Nossa?! Ainda bem que vocês não foram embora. Disse e Brock, com corações nos olhos, foi logo se aproximando  

  Brock: Eu sabia meu amor, duas almas gêmeas não conseguem ficar separadas por muito tempo uma da outra, venha, venha para os meu braços. Dizia, enfermeira Joy não entendeu nada daquilo, mas pouco se importou, passando direto pelo ex-líder e indo direto falar com Ash. Brock ficou abatido em um cantinho  

  Brock: “ Vida difícil essa minha” Pensou em quanto chorava cachoeiras de lágrimas  

  Ash: Aconteceu alguma coisa, Enfermeira Joy. Perguntou em tom de preocupação.  

  E. Joy:  Felizmente não, só que o diretor acabou tomando uma decisão após a batalha, ele mandou que nos livrássemos de Dragonite. Disse seriamente, o garoto ficou preocupado  

  Ash: Se livrar ? Tipo, abandona-lo. Disse surpreso e preocupado

  E. Joy: Sim, ele não quer mais, de jeito nenhum, esse pokémon aqui dentro. Falou que assim que eu cuidasse dele, ele próprio se encarregaria de manda-lo para longe daqui. É claro que, como uma enfermeira, nunca permitiria que qualquer pokémon, seja ele qual for, recebesse algum maltrato. Então eu tomei uma decisão. Disse calmamente 

  Ash: Decisão ? Questionou  

  E. Joy: Sim, não há ninguém aqui que eu conheça que possa lidar com esse pokémon, a não ser você. Você pode ser o treinador dele. Disse sorrindo 

  Ash: Eu não sei se estaria pronto para esse desafio. Disse duvidando  

  E.Joy: Confie em mim, você está pronto sim, pelo que conheço de você, sei que vai conseguir lidar com ele, afinal, eu nunca conheci ninguém que lide melhor com os pokémon do que você, sei que você vai conseguir o respeito dele. Respondeu sorrindo  

   Ash: Obrigado pela confiança, então nesse caso eu aceito o desafio. Respondeu em confiança, Joy sorriu ainda mais  

  E.Joy: Ótimo, me empreste por um momento sua pokedex, para que possa recadastra-lo como seu pokémon. Disse e o garoto entregou o tal objeto  

  Após alguns momentos, o cadastro havia sido efetuado com sucesso, instantaneamente, a pokebola de Dragonite havia sumido, indicando que havia sido enviada ao laboratório do Professor Carvalho. Se perguntava como Professor lidaria com essa situação, mas não seria algo pra se preocupar, já que havia mandado uma descrição junto.  

   

  No laboratório do Professor Carvalho  

  Enquanto Seymor trabalhava com alguns papeis, o Professor estava trabalhando em sua pesquisa, já que finalmente havia conseguido resolver todos os problemas com os pokémon, acabou se surpreendendo pela notificação de uma nova captura. Professor Carvalho imediatamente pegou a pokebola, analisando-a rapidamente, logo a entregando para Seymor. Enquanto o professor lia a descrição a respeito da tal captura.  

  Seymor: Bom, eu acho que vai ser interessante ver qual pokémon está aqui dentro. Disse com a pokebola em mãos 

  Prof. Carvalho: Sim, boa ideia. Disse sem prestar muita atenção no que o assistente dizia, enquanto lia a tal descrição, arregalou os olhos na sequência. -Espera, não faça isso. Disse assustado, mas já era tarde demais 

  Seymor havia soltado o pokémon.... 

     Na sequência, ouviu-se uma enorme explosão no laboratório. Seymor e Professor Carvalho estavam no chão com redemoinhos nos olhos.  

  

  Pokémon Tech   

  É, realmente, não havia absolutamente nada com o que se preocupar.   

  Antes de ir, enfermeira Joy se despediu de Ash, disse que estaria torcendo por ele na liga, assim como suas ‘irmãs’. O garoto ficou feliz ouvindo aquilo.  

   Passado um tempo, a garota finalmente chegou.  

  Giselle: Estou pronta pra ir. Disse, olhando pra trás Ash se espantou com o que havia visto  

  Eram dez malas enormes, uma em cima da outra, além disso, a garota estava com um vestido bem formal acompanhada de salto-alto. Ash suspirou com aquilo, pelo visto teria de explicar algumas coisas.  

  Ash: Acho que ela ainda não entendeu bem, o que realmente quer dizer uma jornada. Suspirou, sabendo que teria de explicar muitas coisas.  

  

 

 

 

E a jornada continua... 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Bom pessoal, é isso. :)
Espero que tenham gostado, não deixem de comentar o que estão achando da história.
Desculpe, por qualquer erro.

Diretor: https://prnt.sc/ts0csr

Sr. Ishiyama (pai de Giselle): https://prnt.sc/ts0gdw

Ataque combinado (ficou com uma aparência parecida): https://prnt.sc/tryyv4

Bom, até a próxima. :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...