1. Spirit Fanfics >
  2. O Destino do Amor (TaeKook) >
  3. Anjo nas sombras

História O Destino do Amor (TaeKook) - Capítulo 7


Escrita por: myuniversetk

Capítulo 7 - Anjo nas sombras


Aquela noite de premiação, triunfo, glória e libertação, assustadoramente parecia também fazer cair o véu da felicidade e mostrar, inesperadamente, uma face trágica da realidade.

Inúmeras vezes Kim Taehyung e Jungkook estiveram frente a frente com este rosto sombrio do destino que parece, em alguns momentos, arrastá-los aos abismos da tristeza onde as cores se escondem nas sombras, o arco-íris se encolhe e se esconde sob as águas das lágrimas...e apenas um amor, um grande e poderoso amor, pode ser a força suficiente para reerguer alguém nesses momentos.

Nunca houve uma boa explicação para os laços que unem Taehyung e Jungkook. Não houve um acordo de dores e alegrias, não houve um acerto de felicidade e melancolia e muitas vezes o inesperado parecia se agigantar diante da realidade soberba e cruel. Como nesse momento.

Ao ler as últimas mensagens recebidas por Taehyung, Jungkook começa a chorar silenciosamente enquanto o abraça. Uma grande dor o invade. Ele sabe como as coisas serão difíceis dali em diante.

 Ele tem medo que Taehyung acredite que não poderá suportar o que virá. Esse temor o faz chorar. E para Jungkook,  nada pode ser pior do que o sofrimento de Tae.

-Meu Deus, Tae, eu daria tudo para que isso não fosse verdade! - Diz Jungkook, com Tae em seus braços, inconsolável.

- Eu... não posso acreditar, Jeon! Por que isso foi acontecer logo agora? Me diga que isso não é verdade, Jeon! Você sempre sabe como resolver as coisas... faça isso agora pra mim...!!! -  Pede Tae, desesperado.

-Tae, você vai precisar ser muito, muito forte. Eu sei como você os amava. Mas.... eu não vou poder fazer nada pra mudar o que aconteceu. Mas eu estarei com você nisso e em tudo, como sempre! Não vou deixar você sofrer muito, eu juro!!! - Diz Jeon.

-Eu não sei o que fazer, Jeon. Por que a vida me tira as pessoas que amo? Por que, Jeon? O que eles fizeram? Eu os amava!  Mesmo que não tenha vivido com eles! Eram meus pais! E agora os dois estão mortos, Jeon!

-Não sei, querido, não sei. Mas deve haver alguma razão. Embora eu não consiga aceitar, deve haver uma explicação que não sabemos qual é...ou... –

Jungkook  é interrompido por Tae em suas reflexões:

-...ou o destino? De novo, esse maldito destino??? Esse idiota está tão fora do meu controle assim??? Por que ele dá as regras e eu não? - Tae está bastante revoltado com as fatalidades que tem cruzado seu caminho sem que ele nada possa fazer.

-Jeon, eles  estavam vindo pra Seul.  Meu irmão disse que eles vinham pra cá!! Eu não posso aceitar que isso aconteceu logo agora!! Eu não falava com eles há muitos meses, quase um ano, desde que viemos morar nesta casa, Jeon! Eles estavam vindo pra cá, pra finalmente nos ver e provavelmente ficarmos em paz: nós e eles! E eu não tive essa oportunidade? Nós não tivemos essa chance? Então eu vou ficar para sempre com essa culpa que está em meu coração agora? Você sabe o que é isso?? Sabe, Jeon?

Tentando entender os caminhos pelos quais a vida o tem levado, Tae tenta entender esse triste acontecimento sem encontrar uma resposta. Tão pouco Jeon.

-Calma, Tae, foi uma fatalidade! Uma coisa horrível e você vai precisar ter muita calma. Outra vez, muita calma. - Diz Jeon, muito preocupado já que Tae teve várias perdas de pessoas amadas em sua vida, o que o deixou devastado em todas as vezes. E em algumas dessas ocasiões, foi quase impossível ele  se recuperar.

-Jeon, isso significa que a culpa é minha! Só minha!!! Da última vez que estive com eles foi muito ruim. Eles nunca aceitaram de verdade nosso relacionamento. E quando falamos pra eles que iríamos viver juntos, eles me deram um ultimato: ou eles ou você!  E.. eu disse pra eles que ... que eles não poderiam me tratar como uma criança porque eles sequer cuidaram de mim quando eu era criança... e que eles não fariam falta em minha vida... porque jamais estiveram presentes.  E com indignação, sem um abraço, eu os deixei. O que eu faço agora, Jeon? -  A culpa parece corroer o coração do Taehyung.

-Tae, você não pode se culpar assim. Não foi você quem escolheu a forma como tudo aconteceu. E você fez o que deveria ter feito: lutou por sua felicidade. E Tae, você não disse nenhuma inverdade. Eles não cuidaram de você quando criança! Você só disse o que estava em seu coração durante toda a sua vida. E... e bem... eles não lhe deixaram opção de escolha. O que você deveria ter feito? Aberto mão de sua felicidade? Talvez agora eu pareça um pouco frio ao falar essas coisas assim, mas... eles nunca estiveram presentes mesmo... então, você cuidou de você mesmo. Você e os membros. - Diz Jeon.

-Eu não tinha o direito de ferí-los como eu fiz. - Tae agora está um pouco mais calmo, entretanto, sobressaltado por uma imensa culpa. E continua:

-Você que foi meu guia, Jeon. Mais novo do que eu e sempre foi meu hyung. A luz na escuridão de minhas dores. Não sei como você faz isso. Sou insuportável, não é? Uma criatura  movida pela insatisfação e pela dor, apenas. - E complementa:

-Eu não vou conseguir, Jeon. Não dessa vez. Tae já perdeu os avós, dois amigos e agora os pais.

-Você sempre conseguiu.  E se você não tivesse as próprias forças, ninguém conseguiria mover você da tristeza. Ah e quanto a ser insuportável, se assim fosse eu não gostaria de passar a vida toda com você, não acha? 

E como aconteceu o acidente, Tae? Só li a mensagem de seu irmão comunicando o falecimento deles. - Pergunta Jeon.

-O carro deles saiu da estrada, derrapou e... enfim... foi isso.  O nevoeiro tirou a visibilidade da estrada. Eles estavam vindo pra cá. Iam chegar depois da premiação. Meu irmão me falou que eles iam para um hotel. O plano era nos fazer uma surpresa. Eu nem imagino o que eles passaram para tomar a decisão de finalmente nos aceitar.  O que eu vou fazer? Por que a morte está sempre me esnobando?  -

As respostas que Tae necessita para prosseguir parecem agora fora de seu alcance.

-Você quer dizer o que NÓS vamos fazer, Tae. Nós vamos fazer o de sempre: continuar vivendo. Vivendo e nos fortalecendo.  Fique aqui na cama. Vou pegar um chá pra você ou um suco e algo pra comer. Você está pálido e gelado.

Jeon dá alguns passos e de repente volta-se para Tae e diz:

-E creio que a morte nos esnoba a todos. O tempo todo. Somos uns tolos em seu destino. Esse sim, o capitão da nossa vida.

 Jeon desce em busca de comida na cozinha.

 Tae se encolhe na cama, enrolando-se em seus lençóis. Ele olha pra cima, para além de sua parede de vidro, atrás da sua cama e “ conversa” com o seu “céu  azul de vidro” :

-Céu, você está tão escuro hoje! Por que você leva todo mundo de mim? Eu estou tão triste...

Por favor, nunca leve o Jeon! Nunca! Ele é meu anjo! Meu anjo quando a luz se apaga e surgem as sombras. Nunca o leve pra longe de mim!

Tae chora agora baixinho. Lágrimas quentes, em um soluço de dor, lavam seu rosto.

Jeon volta e o abraça com amor. Ele sabe que será muito difícil dessa vez.

-Não se preocupe. Sairemos dessa também. Sempre conseguimos. Sempre foi assim, querido. Quando a vida nos arrastou pra tristeza, para a morte, nós sempre encontramos uma saída, lembra? Eu sinto a sua tristeza, mas eu sei que vai passar, está bem? Sempre passa. Sente-se, tome o suco de laranja e o chá e vamos dormir. Amanhã será um longo dia. - Diz Jeon.

-Sim. Um longo e triste dia. Precisamos cancelar nossos compromissos da semana inteira logo cedo. - Diz Tae.

Já falei com nosso manager quando fui até a cozinha. Ele já sabia do acidente e já cancelou nossos compromissos. Agora coma e durma. Eu te amo. Sempre amarei!

De volta ao futuro...

-Aquela foi uma longa noite. O dia seguinte e as semanas seguintes além de longas, foram dolorosas, Kookie. - Diz Kim Taehyung ao seu motorista.

-Senhor, posso lhe perguntar algo muito particular? - Pergunta Baek/Kookie.

-Sim, claro, a essas alturas da minha vida nada é mais particular. - Responde Kim Taehyung.

-É verdade que nessa época o senhor... bem, o senhor...  desculpe. - Kookie arrepende-se da pergunta que ia formular, mas Kim Taehyung sabe qual é a  curiosidade dele.

-Se eu tentei me matar quando isso ocorreu?  Não. A mídia falou  muito sobre isso mas dessa vez eu não atentei contra minha vida.  Isso ocorreu quando perdi meu melhor amigo em 2017. Ele sim, tirou a própria vida. Foi um momento muito doloroso pra mim. Assim como quando  perdi minha avó em 2016, meu avô em 2018 e outro amigo em 2020 durante a pandemia. E em todas as vezes, ele me salvou! Em todas as vezes o Jeon me salvou, Kookie.  -Diz Kim Taehyung, outra vez tomado por uma grande emoção, enquanto anda pelo corredor do segundo andar da casa, com seu assistente Kookie. E continua:

-E eu o que fiz? O que eu fiz em agradecimento? Eu o matei! Eu o matei!!! - Taehyung desaba em choro desesperado, esmurrando uma porta próxima a ele, no corredor da casa.

-Meu senhor, por favor, não fale isso! Todos sabemos que o senhor não teve culpa no que aconteceu. Por que ainda fala isso??? - Diz Kokkie.

-Ele me deu tudo! E eu, o grande amor de sua vida, lhe tirei tudo. Irônico, não acha? Eu sempre tão sarcástico, morro todos os dias por ainda estar vivo, sem ele!

Taehyung ainda vive em angústia com suas culpas.

- Você tem ideia do que é sobreviver a uma culpa desse tamanho?? E eu nem posso desistir da minha vida porque fiz um juramento pra ele quando tentei  tirar minha  própria vida  quando meu amigo se matou em 2018. Jurei para ele que eu jamais faria isso comigo outra vez.  E isso é a única coisa que me faz viver. A única coisa que posso dar a quem me deu tudo e eu lhe tirei a vida, Kokkie! - Taehyung chora, devastado pela culpa que sente.

- Não foi sua culpa, senhor Kim. Não se torture mais com isso! - Seu assistente o retira da porta e tenta acalmá-lo.

-Façamos assim, vamos comer agora que já é tarde. O senhor precisa tomar sua medicação e almoçar. Vamos até a cozinha e depois eu vou pegar a comida no carro. Será que o fogão ainda funciona para que eu possa esquentar a comida e fazer um café? - Kookie não obtém resposta. Taehyung está envolto em suas dolorosas lembranças.

-Antes vamos na sala de jogos, Kookie. Lá está um pouco da alma do Jeon. Estou muito triste hoje e preciso de um pouco de vida. Mesmo não estando mais aqui, ele continua alimentando minha alma. - Responde Taehyung e se encaminha para a sala de jogos com seu assistente.

Suas lembranças o levam outra vez ao tempo de trainees, quando ele e Jungkook já eram fascinados com jogos eletrônicos.

-Acha que teremos um desses alguma vez em nossa vida, Tae? - Pergunta Jungkook.

-Não sei... bom, se conseguirmos debutar e se tudo der certo, acho que em um mês compraremos não só esses, mas muitos outros, Jeon. - Responde Tae.

-Quanto será que custam?  Cada um? - Pergunta Jungkook.

-Umas vinte  vezes o preço do nosso almoço. Tenho certeza. Tae lhe responde sem esperanças de comprar jogos eletrônicos nem tão cedo. Principalmente os que eles estão apreciando em uma loja de videogames em seu domingo de folga, acompanhados dos demais membros e de  seu gerente.

-E você acha que ganharemos tudo isso um mês após o nosso debut? - Pergunta Jeon.

-Pensando bem... vai demorar muito, lembre-se que estaremos endividados por uns dez anos pra pagar a agência por tudo que ela nos dá. - Responde Tae baixinho, no ouvido de Jungkook.

-Você não sabe fazer contas mesmo, Tae. Não sei porque ainda pergunto! Dez anos?? Estamos trabalhando há uns três anos desde o começo, então nós trabalharemos mais dez pra pagar as contas e quando ganharemos nosso dinheiro? Aos 30, 35 anos??? Seremos todos velhos, Tae. Sua conta está errada, como sempre! - Responde Jungkook ainda não acostumado com o fato de Tae ser muito ruim em cálculos.

-Então porque você pergunta? - Diz Tae, indignado.

Jeon se afasta um pouco e vai ver outros jogos ao lado de Jimin, que o chama pra lhe mostrar algo.

-Esse eu já mostrei a ele, hyung. - Tae fala sobre o jogo que Jimin está mostrando ao Jungkook.

-Você já conhece esse, JK? - Pergunta Jimin ao Jungkook, mostrando-lhe o mesmo jogo que Tae estava a lhe mostrar minutos antes, sem prestar atenção ao  que Tae falou.

-Sim, ele já me mostrou. - Diz, apontando para Tae. -Vamos ver outros, Jimin.

-JK? Ele já o chama de Jk? Não sabia que você tinha contado pra ele sobre seu novo nome.

Tae se surpreende por Jimin já saber do novo nome que Jungkook escolheu pra ser chamado e que ele e Tae conversaram sobre isso na noite anterior.

-Ah, sim. Contei. Quero que todos me chamem assim a partir de hoje. Eu gosto. - Responde Jungkook, enquanto continua fascinado pelos jogos, mas não por seus preços.

-Vamos ter todos esses um dia, JK! - Diz Jimin, observando o brilho nos olhos de JK ao ver  tudo o que a loja oferece.

-Claro que vamos, JK! Já conversamos sobre isso várias vezes, qual é a novidade? - Responde Tae para Jungkook.

-Nenhuma, hyung, só estou sonhando. - Responde Jk.

-Não, não são sonhos, são planos JK! É apenas uma questão de tempo! No próximo mês vamos debutar e logo começaremos a ganhar dinheiro e ter uma vida boa! Vida de idol! - Responde Jimin, que é sempre fofo e otimista.

-Será logo? Você acha? Tae acha que ainda vai demorar uns dez anos. - Responde JK.

-Dez anos? Você é louco, Tae? - Pergunta Jimin achando os cálculos de Tae engraçados.

-Não, ele só não sabe fazer contas, Jimin.! - Responde JK e ambos caem na risada.

-O que mais eu não sei fazer, Jungkook? Desde que você voltou dos Estados Unidos acha que sabe de tudo. Ah... não!! Jimin também sabe de tudo! Por que você não me deixa em paz de hoje em diante?

-Ei, por que está assim, Tae? Só estávamos brincando, não é para tanto! - Responde Jungkkok.

-Sim, só achamos você engraçado, só isso. - Responde Jimin.

-Tenho cara de palhaço pra vocês? Você também contou pra ele que estava chorando como uma menina querendo voltar pra casa, Jeon? E que tem medo de filme de terror? E que é  um chato? Contou tudo isso para o Jimin? - Tae está, por alguma razão, furioso.

-Tae, por favor! Estamos em nosso dia de folga, por que está tão bravo? - Pergunta Jimin.

Tae aproxima-se do seu gerente, o Choi, e pede pra ir embora pra casa.

-Quero voltar pra casa.

-Mas, já? Ainda temos a tarde inteira e nem almoçamos ainda. - Responde o gerente.

Jungkook ouviu Tae falar que quer ir pra casa e pede pra ele não ir agora.

-Tae, não vá, vamos almoçar ainda!

-Vá com Jimin! - Tae responde e insiste com o gerente para voltar pra casa.

-Quero ir pra casa. Isso aqui está um saco! - Responde Tae.

-Está bem, deixe-me comprar um lanche pra você levar. Vou lhe deixar em casa e volto pra ir almoçar com os demais membros. Tem certeza que quer voltar? - Pergunta  Choi.

-Simmm! Quero dormir. Me leve logo. - Responde Tae.

O gerente sai com Tae, deixando os membros curiosos sem saber o que houve.

-O que deu nele? - Pergunta Jimin ao Jungkook.

-Não sei... deve estar com sono mesmo. - Apesar de sua resposta, Jungkook não está muito convencido disso já que Tae ficou repentinamente agressivo.

De volta ao presente, em sua sala de jogos, Kookie retorna com a comida para Taehyung.

-Senhor, seu prato.

-Já? Estava tudo funcionando na cozinha? - Pergunta ele.

-Sim, tudo perfeito. Responde seu assistente.

Kim Taehyung não vai almoçar. Ele se encaminha para o pequenino campo de golfe que existe na sala de jogos e que era uma das atividades preferidas dele e do Jeon.

-Durante muito tempo todos pensavam que só eu gostava de golf. Aqui nós passávamos horas quando tínhamos folga na nossa agenda. Sempre achei o golf um esporte estético. Nem sei exatamente como explicar isso. Jeon dizia que era um esporte bonito, como eu! Veja Kookie, as luvas que usávamos ainda estão aqui, como ele deixou.  Eu canhoto, ele, destro.

Taehyung senta-se no chão, sobre o tapete verde do campo de golf, colocando o par de luvas.

Esse tapete... seus pés aqui pisaram... Taehyung olha para seu assistente nesse momento e percebe o olhar de dó sobre ele.

- Inspiro pena, não é Kookie? - Pergunta Taehyung ao seu assistente.

-Não senhor, desculpe, só estou emocionado também. - Ele responde.

 -Ainda consigo ver a expressão do Jeon, me vendo jogar, sua vibração quando eu acertava um número grande tacadas. Começávamos os dois, depois ele se sentava ali, naquela cadeira, e ficava me assistindo e tirando fotos, filmando...

Taehyung continua com suas reflexões sobre a vida.

-O destino... que cruel capitão,  não acha Kookie? Não temos mesmo  opção de rota? Será que é assim mesmo?  Por que eu perdi todas as pessoas que amei, Baek? - Taehyung, chama seu assistente por seu nome verdadeiro agora.

-Eu perdi todos os que me amaram. Todos que eu amei. Mas ele, ele eu poderia ter escolhido não perder. Jamais me perdoarei, Baek, jamais! 

Outra vez Taehyung encontra-se com seus fantasmas pessoais, atrelado à culpa que o corrói desde sempre.

-Senhor, por favor, não diga isso. Venha pra cozinha. Tome seus remédios e vamos almoçar, sim? - Seu assistente insiste com ele.

Já na cozinha, ambos sentam-se para comer. Kim Taehyung, passa as mãos sobre a mesa de  mármore preta, contemplando-a.

-Esta mesa nós compramos na Grécia. É originária da Espanha. Eu fiquei louco quando vi essa mesa. Jeon disse que ela era ideal pra mim. Como ela é quase preta, ele disse: "Esta mesa é  ideal pra você,  Tae! Você sempre derrama tudo, então a gente nunca verá a sujeira que você faz!"

**

Eles estavam em um passeio na Grécia, de férias, e aproveitaram pra ver alguns móveis e artigos de decoração.

-Sim, ela é linda mesmo. Ficará perfeita em nossa sala de jantar. - Responde Tae.

-Na cozinha, Tae. Nós nem andamos na sala de jantar e fazemos as refeições na cozinha a qualquer hora.  Veja, nessa você vai poder derramar lamen, sujar com molhos, soju, vinho, kimchi, bibimbap, bugogi, tteokbokki e pra ser um pouco limpinho, até derramar água! - Jk se diverte com a falta de habilidade de Tae na cozinha.

-Ei, não sou um porco, JK!!! - Diz Tae, consciente de sua desorganização na cozinha.

-Ah, e vai poder sujar com barriga de porco também!!! - Diz JK.

-Então, vamos comprar? - Pergunta Tae.

-Sim, ela e alguns  lustres  maravilhosos. - Responde Jungkook.

-Vamos levar aqueles vasos gregos que vimos para pôr no nosso quarto também. - Diz Tae.

-E os  dois aparelhos de jantar lindos que vimos ontem, aqueles  com imagens de deuses  gregos, Jeon, você lembra?  - Pergunta Tae.

-Lembro. Não acha eles muito gays? - Pergunta Jeon.

-E o que nós somos, Jeon? Fadas? - Pergunta Tae, divertidamente.

-Quase isso! - Responde Jungkook. Eles se divertem com as próprias piadas, enquanto fazem compras.

Kim Taehyung e Jungkookie estiveram  de férias  na Grécia,  exatamente um ano antes de Jeon partir. E realmente, foi uma viagem inesquecível, em todos os sentidos.

-Que belo mar azul, Tae! - Jeon e Tae apreciam a beleza do mar grego, da piscina privativa, com borda infinita, de sua suíte.

-Temos um azul perfeito no céu e outro no mar. Você não acha que eles estão relacionados com a  vida, Jeon? - Pergunta Tae.

-Por que? Jeon está curioso com o pensamento dele.

-Todos os dias começamos um novo plano, sob a luz do sol e de noite, nossa alma se acalma, o sol vai embora. O céu escurece e o mar os esconde... - Tae é interrompido por Jungkook.

-Você não acha que bebeu demais? Para onde você vai com o céu, o mar e os escuros, Tae? - Jungkook se diverte com o romantismo de Tae.

-Que homem sem coração é você, Jeon! - Diz Tae diante da frustração dos seus pensamentos poéticos.

-O que eu sei, é que escolhemos o destino certo para nossas férias!!!  Aqui é lindo, estamos em um resort no meio do mundo, longe de tudo e de todos!  Decoração com madeira, um aroma incrível, poucos apartamentos. Um mar só nosso! Como é bom ser milionário, Tae!!! - Diz Jeon, rindo.

-Você  é muito bobo, Jeon. Ainda não se acostumou? E sim, é muito bom! Só faltamos morrer de trabalhar pra ter o que temos hoje! Nós e todos os membros. - Diz Tae, muito satisfeito com suas conquistas na vida.

-Sim, é verdade, mas sabe com o que eu não me acostumei ainda? - Pergunta Jeon, enquanto olha Tae com paixão.

-Não. Com o que, Jeon Jungkook? - Pergunta Tae compreendendo o olhar de admiração e adoração de Jeon para ele.

-Com sua beleza, com esse lindos  e profundos olhos que enxergam minha alma. Com esta voz maravilhosa que você tem, e não me canso de ouvir. - Diz Jeon, apaixonado.

-Hummm.... - Tae o ouve, lisonjeado e maravilhado.

-Ainda não me acostumei com suas lindas, mágicas e longas mãos e... Tae, pra onde você está olhando? O que foi???  - Pergunta Jeon que é interrompido em sua romântica declaração de amor porque percebe que Tae  está olhando,  impactado,  para algo que está, supostamente,  atrás  das costas de Jeon.

-Não se mexa, Jeon. - Diz Tae, assustado.

-O que? Por que? - Jungkook faz um movimento para olhar pra trás e Tae não deixa.

-Não se mexa!! Quer dizer, vamos no mexer rápido!  Por favor! Vamos sair daqui! Não é possível! - Diz Tae, quase agonizando, impactado com o que vê.

-Tae, você está me deixando nervoso. Por que não posso olhar pra trás? - Pergunta Jeon.

-Precisamos encontrar um jeito de sair daqui agora, Jeon, Pense rápido,  por favor, não temos tempo!

Kim Taehyung e Jungkookie, definitivamente, estão diante de uma situação ímpar. Precisam desaparecer do lugar que estão, imediatamente. Ao que parece, as belas férias acabaram para eles.

 

Continua...

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...