História O destino predestinado - Capítulo 77


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hunter x Hunter
Personagens Alluka Zoldyck, Chrollo Lucilfer, Feitan, Gon Freecss, Hisoka, Illumi Zoldyck, Kalluto Zoldyck, Killua Zoldyck, Kurapika, Leorio Paradinight, Maha Zoldyck, Personagens Originais
Tags Gon, Hunterxhunter, Hxh, Killua, Killua Zoldyck, Killugon, Kurapika, Leopika, Romance
Visualizações 105
Palavras 1.509
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 77 - Você vai se arrepender


Fanfic / Fanfiction O destino predestinado - Capítulo 77 - Você vai se arrepender

*Autora on*

      Depois de trocarem a mesa todos se reúnem na sala de reuniões e Alluka, Illumi e Kalluto contam o que aconteceu. Eles discutem um pouco.

Silva: Devemos ter cuidado com eles. Vamos sempre andar acompanhados. Milluki!

Milluki: Sim, senhor!

Silva: Arranje um local para conseguirmos armas! E vocês não-Zoldycks!

       Gon, Hisoka, Feitan e Kurapika encaram Silva.

Silva: Não sejam uma Sakura (A: Sorry, não conseguir segurar) quer dizer, uns inúteis.

Gon: Nós vamos fazer o melhor para salvar o Killua.

Feitan: Eu ainda estou aqui só por causa da Kalluto, mas eu ajudarei mesmo assim.

Kurapika: Eu tenho uma rixa com a trupe e vou querer me livrar dela.

Hisoka: Eu gosto de matar pessoas então não terá problemas comigo.

      Já com novo armamento cada um parte para um canto da cidade para investigar, ouve trocas de tiros entre Illumi e Hisoka contra Franklin e Pakunoda, mas nada demais enquanto o clima ficava tenso em outra parte da cidade: Maha encontrara Shalnark que coletava informações sobre os Zoldycks naquela mesma área. O negocio é que o loiro somente coleta informações ele não é o melhor em lutas, mas foi surpreendente para ele não ter morrido logo de cara pelo Maha, o combate estava acirrado.

Shalnark: Até que você não é tão ruim para um vovozinho.

Maha: Eu sou um tatataravô!!

           Falando isso ele sai correndo decepando a cabeça do loiro que cai no chão e ele olha triunfante até que se contorce.

Maha: Que dor nas costas! É por isso que eu me aposentei.

          Em outro canto da cidade Hisoka, feliz da vida, lutava Phinks, mas antes que a luta acabasse a policia chegou para interferir. E em outro lugar Kurapika encontrou Kortopi. Kurapika com suas tonfas (arma japonesa) enfrentou Kortopi e o matou com ódio no olhar por ele ter feito parte da trupe quando mataram seus pais. Muitas lutas se foram feitas também naquele dia, mas nenhum dos grupos teve mais perdas. Muitos civis morreram nesse dia e a policia está desesperada tentando parar a destruição em massa da cidade por conta dessa guerra.

       Dois dias se foram do mesmo jeito até que Maha entrou em combate com Bonolenov e saiu morto da batalha. Na sala de reuniões Zoldyck se ouve um minuto em silencio.

Silva: Meu tataravô não morreu em vão, nós vamos acabar com a trupe e conseguir meu filho de volta.

        Aparentemente toda essa experiência dos filhos indo contra ele e a cadeia deu um pouco de compaixão aos seus filhos se tornando um pai melhor. O Ging poderia sofrer o mesmo não é? Mas vamos voltar a historia. Killua sofria nas mãos de Mahina com mais tortura, mas não eram as chicotadas ou os choques que o machucava, mas sim as palavras de Mahina que o fazia pensar que ele não era merecedor do amor de Gon.

        Zeno com tristeza e ódio no coração lutou com Phinks e o matou. No dia seguinte Kikyo e Shizuku lutaram e a aranha numero oito acabou morta. Os números apontavam o obvio, as aranhas iriam perder. Illumi e Hisoka acabaram encontrando Franklin e Bonolenov e acabaram com a raça deles, mas o inevitável ocorreu, Chrollo entrou em cena e Hisoka saiu gravemente ferido o que fez ele e Illumi saírem de cena para irem ao hospital, já que Illumi por mais que doesse admitir ele amava Hisoka e não o deixaria sozinho.

      Já passará uma semana que isso começara e muitos civis já morreram no caminho e muitos protestos pedindo paz aconteciam na cidade, mas os Zoldyck não iriam parar até que a ultima aranha fosse morta e Killua estivesse sã e salvo. Silva finalmente lutou com alguém: Uvogin, e o matou sem grandes dificuldades. Kalluto e Feitan lutaram com Pakunoda e Nobunaga e saíram vitoriosos com sangue em suas mãos, mas felizes obviamente.

       Em números a trupe contava somente com Machi, Chrollo, Omokage e Mahina que já estava planejando sua rota de fuga, pois ela já sabia que ia dar merda, mas depois de uns anos para curar a ferida ela voltaria por Gon. Já passava dez dias desde o inicio dessa loucura e a luta mais cobiçada estava para começar: Chrollo V.S. Kurapika! E também tinha a Machi e a Alluka se enfrentando, mas tenho certeza que ninguém liga para isso. Kurapika logo ativa seu sharin... Seus olhos escarlates para a luta e então, como em uma luta de naruto, eles discutem sobre o passado.

Chrollo: Quanto tempo, Kura.

Kurapika: Não me chame assim.

Chrollo: Você adorava quando eu estava montado em você.

Kurapika: Aquilo tudo fora um erro do passado e agora estou vivendo o certo.

Chrollo: Com a filha do Zoldyck? Haha. Não me faça rir, você realmente a preferiu a mim?

Kurapika: Nosso caso foi de somente uma noite e com ela eu quero que seja pelo resto de minha vida.

       E mais blábláblá.

*Alluka on*

        Quando me dei por mim Machi estava caída no chão e minhas mãos sujas de sangue.

Alluka: E-Eu a matei?! O que eu fiz?

         Eu nunca fiz isso e nunca quis fazer, eu só queria apaga-la e nada mais... Olho para o lado e vejo Kurapika e Chrollo... Que ainda nem começaram a lutar! Meu deus, eu vou acabar logo com isso, foda-se essa merda. Pego uma arma e atiro em Chrollo que estava distraído com Kurapika e ele cai no chão.

Kurapika: Alluka! Eu que deveria lutar com ele e vingar meus pais.

Alluka: E se eu quisesse vingar meus sogros também? Se você quiser pode atirar nele de novo só para ter certeza.

Kurapika: E desde quando você é assim?

Alluka: Desde que você ficou com esse seu drama até para matar pessoas.

Kurapika: Algo me diz que o seu lado Nanika está agindo...

Alluka: Pff.

        Fazemos certeza que ele está morto e eu mecho em seus bolsos procurando por algo que possa nos ajudar e acho um celular com uma mensagem na tela:

Omokage: Chrollo, tudo bem por ai? Precisamos andar logo para eu ver o Zoldyck morto ainda hoje.

        Pego a mão do morto e ponho no celular para desbloqueá-lo e envio uma mensagem de volta.

Chrollo(Alluka): Matando mais pessoas em nome da aranha! Eu já estou voltando só preciso do endereço do local certinho para eu pegar o taxi.

Omokage: Claro. Vou mandar minha localização.

        Vejo o local. Droga! É muito longe daqui, mas sei de alguém que está perto da área nesse momento e envio uma mensagem a ele para que ele chegue ao maninho o mais cedo possível.

*Omokage on*

       Termino de falar com Chrollo. Mahina tinha saído faz tempo e estou estranhando sua demora. Pelo menos o Chrollo está chegando e... Espera um pouco... O Chrollo não usa taxi! Ele usa o Uber! Eles o mataram e me enganaram! Eu não posso demorar, tenho que matar o Zoldyck antes que alguém chegue. Desço as escadas até o calabouço e abro porta vendo o causador da morte de minha irmã acorrentado e sem expressão alguma. Pego uma arma e aponto para sua cabeça, ele não diz nada o que me dá raiva, mas eu estou sem tempo. Aperto o gatilho, mas a arma está sem munição. Merda!

        Pego uma faca e o esfaqueio três vezes e escuto barulhos que me fazem sair correndo antes que me achassem, mas bem na saída eu encontro um jovem de cabelos espetados me olhando com raiva.

Gon: Onde. Está. O. Killua?

Omokage com um sorriso do mal: Ele não está disponível no momento. Por quê? Porque ele está morto.

*Autora on*

        A face de Gon se apagou por um momento, mas ela some é substituída por raiva, uma raiva nunca antes sentida pelo moreno, uma raiva pior quando a Pitou matou o Kaito no anime. Ele matou o seu amado e agora ele iria pagar. Em menos de um segundo a cabeça do Omokage foi decepada pelas próprias mãos do moreno, mas ele não se contentou só com isso. Ele bateu no corpo morto até virar moído não sabendo distingui-lo. Gon sai correndo para onde o Omokage surgiu para procurar pelo corpo do seu amado, ele queria ver com os próprios olhos para acreditar de verdade.

*Killua on*

       Sentia o sangue percorrer todo meu corpo e me sentir mais fraco a cada momento. Escuto um barulho alto vindo de cima. O que seria? Estou ficando sem forças para manter meus olhos abertos e os fecho lentamente. A imagem de Gon surge em minha cabeça. Como eu o amo, e eu quero que ele ache alguém mil vezes melhor do que eu para sua felicidade. Ouço a porta se abrir e meus braços e pernas serem soltos e alguém me segurar no colo. Com dificuldade abro os olhos.

Killua: G-Gon?

Gon chorando: Killua! Você vai ficar bem ,eu te prometo.

Killua: Eu fico tão feliz que eu tenha te visto antes de ir.

      Começo a fechar os olhos para nunca mais abri-los.

Gon: Killua, não!!

Killua sussurrando: Eu só vou fechar os olhos um pouco. Eu te amo, Gon.

Gon: Killua!!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...