História O Destino Sempre Muda - '' Carpe Omnia'' - Capítulo 2


Escrita por: e atiradora_s2

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Draco Malfoy, Fred Weasley, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Luna Lovegood, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Ronald Weasley, Severo Snape, Theodore Nott
Tags Drama, Harry Potter Escuro, Harry Sombrio, Mãe Bellatrix, Magia Elemental, Pai Voldemort, Politica Pureblood, Realeza Negra, Sane Voldemort, Sangue-puro, Sonserina, Sonserina Harry
Visualizações 351
Palavras 1.444
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Preciso de uma capa quem souber quem faz me avise ou entre em contato comigo.


(*revisado)

Capítulo 2 - Trouxas Estúpidos


Harry fez questão de ser extremamente cuidadoso ao fazer o jantar naquela noite. Ele aperfeiçoou cada coisinha para que seu tio não tivesse uma razão para machucá-lo naquela noite. Harry queria poder falar com a cobra que estava circulando em torno de sua cintura sem ser presenteado com a dor. Ele queria saber tudo o que havia para saber sobre magos.

Não.

Não, ele precisava saber tudo sobre bruxos. Hoje foi um dos dias mais felizes que ele conseguiu se lembrar. Ele agora sabia que não estava sozinho, e ele tinha que saber tudo antes que pudesse pensar em fazer uma fuga. 

Harry rapidamente e cuidadosamente retirou os pratos da mesa uma vez que Vernon, Petúnia e Dudley terminaram de comer. Ele os lavou até ficarem impecáveis ​​e ficou de pé perto da parede. Ele tinha sido informado por Vernon anos atrás para ficar neste mesmo lugar quando ele terminar uma tarefa. Ele deveria ficar lá, de cabeça baixa e não emitir nenhum som. Ele não tinha o direito de se mover até que lhe fosse dada permissão.

Às vezes, eles o deixavam parado ali por horas, ignorando-o enquanto assistiam TV. Felizmente, no entanto, hoje não foi um daqueles dias. Poucos minutos depois de estar parado em seu lugar junto à parede, Petúnia empurrou um pequeno pedaço de pão e um copo de água em suas mãos. Ela então empurrou-o para seu pequeno armário embaixo da escada, dizendo:

"Agora, garoto, é melhor você não fazer nenhum barulho a noite toda! Não precisamos de nenhum distúrbio vindo de você!"

Harry segurou um suspiro. Ele nunca faz barulho, e ele quase nunca fala. Ele nem sequer gritou quando Vernon o espancou. Ele só falava quando lhe faziam perguntas, para evitar o castigo tanto quanto possível. Ele não podia esperar até o dia em que ele iria fazê-los gritar por machucá-lo. Mas Harry era forte e paciente. Ele poderia esperar o momento certo.

Sua tia após empurra-lo para o armário, trancou a porta. Harry sentou-se rapidamente em sua pequena cama e levantou sua camisa. A cobra lentamente se desenrolou da estrutura fina de Harry e se moveu para a cama.

A cobra parecia zangada quando sussurrou:

" Mestre, por que você cozinha para os ordinários humanos trouxas? Você é superior a eles! Você não deveria servir os humanos comuns! Por que estamos neste minúsculo quarto! Meu mestre, não deveria viver nesse lugar!"

"O que são trouxas?"  Harry perguntou imediatamente. 

A cobra parecia furiosa quando cuspia:

"Trouxas são humanos que não podem fazer mágica. Você é um bruxo! Magos são especiais, e magos não devem ser feridos por trouxas idiotas! O que mais essas trouxas fazem com você?"

Harry abaixou a cabeça tristemente e decidiu apenas contar tudo à cobra,

"Se eu não cozinhar e fizer minha lista de tarefas, então meu tio Vernon me bate". Ele admitiu. "Eu só faço oque eles me mandam fazer para evitar apanhar o máximo possível. Eu devo fingir que não existo, então eu me certifico de ficar em silêncio quando eles estão por perto. Eles me trancam neste minúsculo quarto porque eles pensam que sou uma aberração e supostamente aberrações não merecem ter um quarto de verdade. Eu nem posso ter boas notas na escola porque Vernon me machucaria se eu for melhor que o Dudley e ele é burro. A escola é muito fácil para mim então eu tenho que fingir que eu não sei o que estou fazendo. Eu tento passar o maior tempo possível na biblioteca porque eu amo ler. Às vezes até trago livros da biblioteca para ler quando estou trancada neste armário, mas eu tenho que escondê-los sob as tábuas do assoalho para que Petunia e Vernon não os encontrem. Dudley me pegou lendo um livro uma vez, e Tio Vernon ficou realmente bravo comigo. Ele me bateu e destruiu o livro.  Ele me disse que eu sou uma aberração e que sou burro demais para ler livros.  Mas eu sei que não sou idiota. Eu sei que sou mais esperto do que eles, então continuo lendo de qualquer maneira. Eu amo tentar aprender novas linguas, como Latim e Italiano. Eu também gosto de ler livros sobre história, especialmente livros sobre os antigos Gregos e Romanos, e livros de ciência. Esses sempre foram meus favoritos."

"Então, qual é o seu nome?", Harry perguntou."Você me chama de mestre, mas eu não tenho como chamar você?"

A cobra pareceu ainda mais zangada depois que Harry terminou de falar. Ficou ali, fumegando por um tempo, antes que percebesse que Harry lhe fizera uma pergunta.

"Eu não tenho um nome mestre. Você é meu mestre, então você deve me dar um nome!"

Harry recostou-se contra a parede do armário e ficou em silêncio por alguns minutos. Pensando em possíveis nomes para seu novo amigo. Depois de alguma deliberação, ele chegou a uma decisão.

 " Eu sei como eu vou te nomear. Seu nome será Alekos, já que você disse que vai ser meu protetor."

"Obrigado mestre!" Alekos assobiou animadamente. "Eu gosto muito desse nome! Eu sou seu familiar agora! Eu sempre protegerei você!"

Harry sorriu para Alekos, feliz por ele ter aprovado seu novo nome. Então ele perguntou: 

"O que você quer dizer com você é meu familiar?"

Alekos sorriu para Harry, se isso fosse possível para uma cobra, e disse:

"Isso significa que eu estou ligado a você agora! Eu vou viver tanto quanto você, e eu vou crescer quando você fizer isso! Eu só posso pertencer a você!"

O sorriso de Harry cresceu, ele se sentiu tão sortudo por ter conhecido Alekos. Ele tinha tantas perguntas a fazer, mas não sabia por onde começar. Ele queria saber tudo sobre bruxos. Ele decidiu começar com uma pergunta ampla.

"Alekos, você pode me falar mais sobre magos? O que eles podem fazer? Onde posso encontrá-los e mais informações sobre eles?"

"Magos são muito especiais, Mestre!", Explicou Alekos. "Eles podem fazer mágica! Eles podem usar varinhas para fazer sua mágica fazer quase qualquer coisa que eles quiserem! O mestre de minha mãe poderia até mesmo fazer mágica sem uma varinha! Você deveria praticar com seu núcleo mágico, você poderia usar isso contra os trouxas estúpidos que te machucam. Existe um lugar onde os feiticeiros vão chamado Beco Diagonal. Há muitas lojas para comprar coisas lá. Um dia eu vou te levar! Mas primeiro temos que lidar com esses trouxas. Você deve praticar com sua magia para poder se proteger! Eles têm medo de você, eu posso sentir o cheiro neles. Eles têm medo do que você pode fazer. Se praticar sua magia, você pode usá-la para assustá-los e eles vão te deixar em paz! "

Harry ficou em silêncio por alguns minutos, pensando em tudo que aprendera.

Eventualmente, ele decidiu que Alekos estava certo. Ele era um bruxo, ele era especial, e ele não deveria ser tratado dessa maneira por sua família trouxa. Ele começou a pensar em todas as vezes que fizera mágica. Ocasionalmente, quando ele estava com muita raiva, a temperatura na sala caía. Ele poderia fazer as coisas flutuar no ar se ele quisesse. Ele podia fazer comida e água aparecerem em seu quarto quando ele estava desesperado. Ele até fez seu cabelo crescer de novo durante a noite quando sua tia o cortou muito curto. Harry costumava tentar praticar com sua magia porque achava que ele era especial. Mas um dia Vernon abriu a porta do seu armário e viu um pequeno lápis flutuando no ar acima da mão de Harry.

Essa foi a primeira noite em que Vernon usou um cinto nele.

Depois disso, ele parou de praticar suas estranhas habilidades para evitar o cinturão novamente. Harry decidiu que ele ia começar a praticar novamente para poder assustar sua tia e tio. Ele estava farto e cansado da maneira como eles o tratavam. Ele não era nada senão um escravo para eles, e ele ia pôr fim a isso.

Depois que Harry terminou de contemplar tudo o que Alekos lhe contara, ele disse:

"Alekos, você está certo. Eu sou especial e não deveria ser tratado dessa maneira. Vou começar a praticar minha magia novamente para que possamos assustar minha família. Eu não deixarei que me machuquem mais. Uma vez que eu tenha um controle melhor eu quero ir ao Beco Diagonal para que você possa me mostrar o mundo dos bruxos ".

"Sim mestre!" A cobra sibilou alegremente. "Vou ajudá-lo no que puder! Podemos começar amanhã. Mas, por enquanto, você deve descansar um pouco para ter energia para praticar amanhã."

Harry bocejou e murmurou baixinho:

" Você está certo, estou muito cansado. Vamos dormir para que eu possa praticar amanhã. Boa noite, Alekos."

"Boa noite mestre’’.


Notas Finais


Talvez tenha outro ainda hoje


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...