História O dia em que mundo acabou - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Do Kyung-soo (D.O), Kim Jong-dae (Chen), Kim Jong-in (Kai), Kim Jun-myeon (Suho), Kim Min-seok (Xiumin), Oh Se-hun (Sehun), Park Chan-yeol (Chanyeol), Wu Yifan (Kris Wu), Zhang Yixing (Lay)
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Exo, Sci-fi
Visualizações 129
Palavras 1.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, olha só quem voltou depois de meses de puro bloqueio criativo com essa fanfic? Apesar de eu ter escrito esse capítulo há um bom tempo (e eu acredito que isso fique um pouco marcado ao longo dele), resolvi postar hoje por ser um dia MUITO especial: o aniversário de algumas pessoas que marcaram a minha vida nesses últimos tempos. Queria deixar meu feliz aniversário pra Sue, que é a única capaz de me perturbar pra escrever essa história, e dizer que ela é incrível e muito especial pra mim e, por causa disso, hoje terá uma dupla atualização. Sem querer me prolongar muito, feliz aniversário de novo, nenê, você é fantástica.
Em segundo lugar, mas não menos importante, queria agradecer a minha outra aniversariante de hoje, a minha princesinha Senpai, por ter betado esse capítulo e por ser tão maravilhosa o tempo todo. Feliz aniversário, meu anjo.
Enfim, acho que é só, boa leitura :)

Capítulo 5 - Five


[ D - 49 ]

Uma semana havia passado desde que os dois homens haviam concordado em dividir a única cama daquela nave. Por mais impossível que parecesse, naqueles simples sete dias a vontade que Baekhyun tinha de estrangular maior havia apenas aumentado. O mais velho tinha plena certeza que não poderia odiar mais o Park do que já odiava, contudo, ele descobriu que se havia algo que odiava um trilhão de vezes mais do que Chanyeol acordado era Chanyeol dormindo.

Mas claro, eles tinha seus motivos, a começar pelo fato de, vez ou outra, o moreno roncar no meio da noite, começando do nada e parando alguns longos minutos depois. Junto a isso, ainda estava o fato de o homem ser extremamente espaçoso e acabar roubando todo o espaço da cama para si e deixar Baekhyun com um pequeno fiapo de espaço – isso quando não jogava seus braços e pernas gigantescas sobre o pobre Byun que apenas queria uma boa noite de sono. Para completar, a cereja do bolo que não podia faltar e aumentar o ódio fervilhante dentro do menor, Park Chanyeol ficava carente quando dormia e, não era pouco carente, era carente ao extremo. Baekhyun já tinha perdido as contas de quantas vezes havia acordado com os braços do outro envolta de sua cintura ou até mesmo com o rosto alheio enfiado em seu pescoço, suspirando contra a pele sensível e o fazendo acordar com arrepios.

Apesar de ter quase certeza que nada poderia piorar sua situação, o oitavo dia foi a gota d’água para a paciência do dono da nave. Além de ter acordado com dores causadas pelo movimento intenso do rapaz ao seu lado e ainda tê-lo agarrado a sua cintura, algo molhava seu rosto, em movimento contínuos e repetitivos, fazendo-o gritar assim que abriu os olhos e, consequentemente, acordar Chanyeol.

— O que houve? O que houve? — O Park perguntou assustado, pondo-se de pé em um salto. O pijama de pequenos astronautas que vestia apenas deixava a cena mais cômica do que já era.

— Seu cachorro, argh — resmungou, pegando o animal felpudo e colocando-o no chão enquanto limpava a parte que ele havia babado.

— Que susto, achei que tinha acontecido algo grave. — E levou a mão ao peito que subia e descia rapidamente. — Nunca mais me assuste assim, Baekhyun.

— Me desculpa se o seu cachorro babão me acordou a base de lambidas. — Revirou os olhos. — Ele é tão espaçoso e babão quanto o dono.

— Ei, o que você quer dizer com babão? — perguntou, cruzando os braços e se virando para o homem.

— Os travesseiros não mentem, Park. — Apontou para as fronhas que tinham algumas partes mais escuras que o todo, molhadas.

— Mas eu... — Começou a resmungar, sendo interrompido pela risada de Baekhyun.

— Não tem justificativa, Chanyeol. — Ele levantou, indo até o armário e escolhendo o que vestir naquele dia. — Seus travesseiros estão ensopados, e, pela forma como você é espaçoso, a última pessoa que poderia ter feito qualquer coisa com eles sou eu.

— Você ganhou dessa vez, Byun. — E fez bico, como uma criança mimada que acabara de perder um jogo.

— Só dessa vez? — Baekhyun riu, completamente prepotente, vendo o outro revirar os olhos.

— Não se ache demais, Baekhyun, foi só dessa vez — O homem se sentou novamente na cama, ainda fazendo bico e de braços cruzados, acena fez o mais velho gargalhar, o Park parecia uma criança. — Não volte a pensar que é o dono da razão.

— Não preciso pensar isso, Park. — Seguiu andando para fora do quarto, entrando no banheiro e ficando a pouco de fechar a porta. — Eu sei que sou. — E bateu a porta, pouco antes de despir-se por completo e começar a se preparar para o dia que já começara com o pé errado.

O maior continuou na posição que estava, resmungando e imitando a voz do mais velho enquanto revirava os olhos em puro desdém. De fato, ele não sabia como o aturaria por mais que algumas horas. Principalmente com o humor que já carregava pela manhã 

 

        Contudo, era perceptível que naquele tempo que passaram “confinados” juntos na grande espaçonave coisas entre os dois haviam mudado bruscamente. O gênio forte do Byun parecia menos presente do que antes e ele poderia até mesmo ser considerado tolerável àquela altura do campeonato. Entretanto, o mais velho parecia ter ganho um ar ainda mais sarcástico com o progredir da viagem e principalmente quando era algo referente ao Park.

Apesar disso, tudo parecia mudar quando os dois sentavam-se lado a lado na sala de instrumentos. A leveza que o simples ato de pressionar as teclas e emitir breves sons dava a Baekhyun uma renovação espiritual. Ele parecia esquecer tudo que o incomodava e deixava de lado toda a “birra” que possuía por Chanyeol, chegando até mesmo a deixá-lo escolher e guiar determinadas melodias. Naquele pequeno quarto muito bem decorado, o moreno havia conhecido um Byun que jamais pensaria que sequer existia e ele apreciava aquilo por razões que desconhecia.

Meneou com a cabeça, voltando à realidade e seguindo para fazer suas coisas, precisava preparar-se para o dia depois do susto que havia o acordado. Andou pela nave, conversando com Kris que fazia toda a revisão da parte mecânica e indicava que nada estava fora dos conformes.

 

Algumas horas depois, o Park estava jogado no sofá, assistindo um programa aleatório que encontrara gravado na televisão. Os dois cachorros estavam em seu colo, fazendo companhia enquanto recebiam um modesto carinho.

Embora estivesse distraído, a irregularidade criada no sofá próxima a si indicava que Baekhyun havia enfim se juntado a ele depois de toda a cena que fizera pela manhã. Pelo canto do olho, viu o homem chamar seu cachorro, sendo ignorado pelo animal que dormia calmamente sobre a coxa de Chanyeol.

Ele ria internamente, sem saber que o Byun já começava a cultuar uma pequena mágoa em seu coração e já estava pronto para abrir o berreiro como uma criança mimada.

— Mongie — chamou, acariciando o pelo do cão e tentando chamar sua atenção. — Vem cá, vem. 

Sem sucesso, fez bico, sentindo-se traído pelo próprio companheiro de anos. O Park não poderia negar que queria rir daquilo, mas preferiu deixar-se levar pela fofura que a expressão traída de Baekhyun passava. Pegou o pequeno animal, deixando-o mais próximo do dono, contudo, não demorou para que ele voltasse ao colo do maior.

— Traíra — resmungou baixo, porém alto o suficiente para que o outro escutasse.

— Talvez ele saiba quem é o melhor aqui, apenas isso. — Sorriu de canto, tomado pela prepotência que tanto queria, causando um revirar de olhos do menor.

— Não se ache tanto, Park — replicou, cruzando os braços. — Você nem é tudo isso.

— Eu não me acho, Baekhyun — brincou, repetindo o tom que o cientista usara mais cedo. — Eu sei que sou mais que isso.

Sentia que seria xingado por aquilo, ou pelo menos receberia uma bela cara fechada seguida de um longo revirar de olhos que faria parecer que as orbes do Byun pulariam para fora do local de origem ou, até mesmo, mais uma briga cotidiana no qual o mais velho se prologaria por alguns dias a mais. No entanto, nada disso veio.

Contrariamente à expressão amarrada que já conhecia há tempos, ao olhar na direção do menor encontrou-o rindo. A última coisa que esperava era encontrar o rabugento de seu colega de trabalho rindo em uma situação como aquela — apesar de ter falado aquilo com o intuito de ser “engraçado”.

— Acho que estou sendo um mau exemplo pra’ você, garoto — disse, rindo baixo e meneando com a cabeça enquanto Mongryong, recém desperto, arrastava-se aos pouco em sua direção.

Aquela situação parecia anormal, era uma das poucas vezes que Baekhyun ria de verdade e, embora tivesse pego de volta o leve ar de superioridade que sempre exalara, ele parecia mais relaxado e brincalhão do que sempre fora. Aquele Baekhyun não parecia o mesmo que acordara resmungão e prestes a xingar Deus e o mundo algumas horas atrás.

Apesar de ser uma anomia completa — e até mesmo parecer estar em um universo paralelo —, Chanyeol gostara daquele novo Byun que havia descoberto ao acaso. Ele havia gostado do clima leve e gostoso que tomava a nave, principalmente por conta das risadas do mais velho.

Porém, entre todas as coisas que gostara naquele final de tarde, o fato de finalmente terem chegado a um momento sem terem um real conflito devido a personalidade forte de ambos estava, definitivamente, no topo delas.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, e por favor, leiam as notas iniciais do próximo capítulo :)

- www.twitter.com/bobbohu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...