1. Spirit Fanfics >
  2. O Doador - Imagine Jungkook >
  3. 1. Uma nova vida

História O Doador - Imagine Jungkook - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura, amores ♡

Capítulo 2 - 1. Uma nova vida


Fanfic / Fanfiction O Doador - Imagine Jungkook - Capítulo 2 - 1. Uma nova vida


– Não vai doer, está bem? – A enfermeira estava me acalmando, já que hoje seria o dia em que meu bebê iria ter um lugar quentinho, e eu estava obviamente, nervosa. – Você vai estar desmaiada, você não vai sentir nada. – a moça dizia, me fazendo suspirar olhando para o teto.

Eu já sinto meu coração de mãe começa a palpitar, e olho para minha barriga, vendo tudo começar a ficar escuro, e perco meus sentidos. 


Horas depois...


Abro meus olhos, lentamente por causa da luz forte, e vejo meu irmão conversando com a Doutora Seulgi, eu estava com uma leve dor de cabeça, eu sinto minha barriga diferente, então finalmente tudo ocorreu bem? – S/N! Está tudo bem, calma. – Seulgi se aproxima perto de mim e Lucas também, os dois olhavam para mim e dou um pequeno sorriso. 

– Eu sei que está tudo bem, mas tem algo de errado comigo. – Aperto minhas mãos, eu estava me sentindo diferente, parece que meu ventre estava dolorido, eu estou insegura.

– Eu sinto meu ventre doer, isso é normal? 

Seulgi sorri, passando a mão entre meus braços, – Isso é normal S/N, isso significa que seu bebê está tentando se acostumar com o novo lar. – Ela sorriu, me fazendo sorrir também e passei a mão levemente em minha barriga.

– Está avisada sobre as seguranças né? Eu quero você bem mocinha, daqui a uns meses eu quero te ver aqui, para fazer o ultrassom, e cada semana você pode vir aqui, se sentir dores bem fortes, venha correndo. – Seulgi explicava e eu concordava, Lucas provavelmente iria pegar em meu pé, por vinte e quatro horas.

Como eu estava tudo bem, me liberaram e Lucas me ajudou a entrar no carro, eu estava me sentindo única, sabendo que agora virei mamãe por completo. – Lucas, você vai me ajudar, não é? – perguntei para o mesmo, que balançou sua cabeça, confirmando com toda certeza que iria me ajudar nesses nove meses. 

– A doutora disse que temos que tomar cuidado, o seu bebê pode nascer prematuro.

Lucas dirigia atentamente, nascer antes do tempo é algo que eu não tinha pensando, isso também pode depender do tempo. Eu estou tão ansiosa, esse basicamente foi o meu presente de Natal, já que o ano está acabando, e se der tudo certo, meu bebê vai nascer na data certa.

– Olha que coincidência, meu bebê vai nascer no próximo Natal. – rio baixinho e o meu irmão sorriu, nós dois estávamos muito feliz. 

Chegamos em casa, e Lucas me ajuda a me levar até a minha casa. Ele não mora comigo e irá ter que conviver comigo, até o bebê nascer por causa da gravidez de risco, me sento no sofá e suspiro, sentindo meu pulmão soltar todo o ar. – Estou com fome, essa parte é difícil. 

Lucas rapidamente foi até a cozinha, se ele preparar algo que eu não goste, eu mesma vou preparar. Eu sei que eu não devo comer nada, e também tomar cuidado com as coisas que eu faço, mas Lucas acha que virei uma deficiente. E não demorou muito para Lucas voltar, com um prato de sopa de letrinhas, revirei os olhos e o mesmo me entrega o prato. – Lucas..

O garoto se retirou e foi até seu quarto para tomar um banho, até que meus pensamentos se dirige para o doador, até agora estou curiosa pra saber quem é, se fosse uma pessoa que eu conheço seria legal, mas é uma pessoa que eu nem conheço. – Bizarro..– Digo comendo e olho para trás, vendo um bolo em cima da mesa. Eu realmente estou querendo comer aquele bolo, e se eu roubar um pedacinho? Mas também estou colocando a vida do meu filho em risco, nego esses pensamentos e volto a comer a sopa que estava até boa.

Acabo de comer a sopa, e me levanto bem devagar, já que Lucas foi dormir, eu vou tomar um banho também. Subo para meu quarto e tiro minhas vestimentas, entro no box que estava frio e sinto meus pelos se arrepiar. Eu estou, igual uma idiota olhando para a minha barriga. E nem sequer ainda cresceu, tenho que controlar a minha ansiedade. Depois de alguns minutos, eu termino meu banho, e visto meu pijama rosa. 

E me deito na cama fofinha, e me deito de lado passando a mão sobre a minha barriga e acabo adormecendo.


Dia seguinte...


Acordo, sentindo minha barriga dar leves pontadas, e sento na beira da cama respirando fundo, essas dores eram normais, mas eu ficava com um medo bem grande. Me levanto, e desço as escadas devagar, e olho Lucas tomando seu café matinal, – Bom dia, Lulu. – Chamo pelo seu pior apelido, e o mesmo revira os olhos. Amarro meu cabelo ruivo, recém pintado e quando abri a geladeira, me deparei com várias frutas e sucos diferentes. – Lucas, o que é isso? – olho para trás, vendo um Lucas sorrindo com um pão na boca e revirei os olhos, pegando um iogurte.

– Ficar me proibindo de comer, não muda o meu problema, a Seulgi falou que era pra eu me alimentar bem, e não comer nada em excesso. 

Me sento na cadeira, bebendo o iogurte e o mesmo riu baixinho, eu sei que ele se preocupa com a minha saúde, mãe aquela geladeira está parecendo a floresta Amazônica. – Eu vou sentir vontade de comer coisas aleatórias, então fique preparado. – avisei, fazendo o mesmo ficar com a boca fechada, e subi para meu quarto para me vestir, hoje eu iria comprar algumas roupas de bebê, para o meu filho. Visto uma roupa meia larga, e desço as escadas com a mão sobre a barriga.

– Tome cuidado, vou para a empresa. – O garoto disse, arrumando seu terno e foi embora e suspirei baixinho, pegando a bolsa e fui para o centro da cidade, lá havia várias lojas de bebês e vários brinquedos, as roupas era lindas e fofas e várias mães seguravam suas crianças.

Até que me esbarro com um homem alto e de cabelos castanhos, – Me desculpe! – O cara sorriu fraco, mostrando seus dentes e retribui, e ele estava me olhando, e desceu os olhos para a minja barriga. – Está grávida? – Ele disse e sorri largo, balançando minha cabeça. – Que bom, e boa sorte para o seu bebê, me chamo Jeon Jungkook. – Esticou sua mão, e apertei, ele logo olhou para trás, lá estava uma moça olhando pra ele com cara feia, e olho para suas roupas. Ele trabalha aqui, já que estava uniformizado.

Saio de perto do mesmo, e acabo rindo baixo, é estranho um homem desse, forte e bem arrumado trabalhando numa loja de bebês, mas cada um tem a sua forma de sobreviver, eu sou desempregada infelizmente, Lucas que me sustenta, olho para algumas roupas e acabo por escolher um macacão azul, e mais algumas coisas de menino. Rolo os olhos para a loja e vejo o mesmo homem, olhando para mim todo bobo? O que se passa na cabeça dele? Eu acho que os neurônios dele foi afetado, já que ele é funcionário de loja de bebê, tudo aqui é fofo. 

Depois de comprar as roupas dos bebês eu vou tento segurar as sacolas, já que são muitas até, eu exagerei na dose. – Vou te ajudar. – Me assusto com o tal do Jeon, e sorrio fraco e ele pega algumas sacolas, me ajudando a ir até o táxi, que estava me esperando na frente da loja.

– Pronto, cuide do seu bebê, moça. 

Jeon sorriu, e entrei dentro do táxi e o mesmo fecha a porta, acenando para mim e dei um sorriso largo, e passo a mão sobre a minha barriga, por que será que ele me ajudou desse jeito? Eu senti nele, uma coisa estranha, ele me pareceu tão seguro, eu sinto algo doce dentro dele, parece que ele tem uma conexão estranha.

Olho para minha barriga, e faço um leve carinho na região.

– É meu filho, as coisas são estranhas na nossa vida, não é? 


Notas Finais


Eu sei, o capítulo ficou meio ruim, é que eu não estou muito bem :( mas soltei um não para não ficarem ansiosos :3

Bye bye!! @taelefeu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...