História O doce veneno do escorpião - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Visualizações 23
Palavras 1.372
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, LGBT, Literatura Feminina
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora é que tinha dado um erro no app que eu uso para escrever mas já esta tudo ok agora... Boa leitura gente <3

Capítulo 5 - Arrependida ?


Fanfic / Fanfiction O doce veneno do escorpião - Capítulo 5 - Arrependida ?

CAPÍTULO 5 

- O que você está fazendo aqui?

- O que você está fazendo aqui? - Ele deu ênfase no você 

Pelo seu tom de voz aquilo não agradou. Toda vez que eu passava pela porta daquele quarto eu não era mais a Camila. Aquela Camila de antes eu não era mais em lugar nenhum mesmo,mas ali eu era Karla um profissional do sexo que tem como objetivo te satisfazer mais que qualquer mulher já fez mas... no contrato não estava incluso meu irmão.Ele pegou meu rosto com tanta raiva que chegou a machucar eu segurei por cima das suas mãos pra tentar tirar mais era muito inútil 

- Sua puta.. Minha mãe te ama..A vida dela com meu pai virou um inferno - Ele ainda me segurava e me sacudiu fortemente,aquilo estava doendo e não era meu rosto - Um vive botando a culpa no outro e você aqui.. Abrindo as pernas por cem reais.. CEM REAIS.. 

Ele me jogou na cama com tanta força que a parte de baixo do prive provavelmente ouviu o solavanco que meu corpo deu contra aquela cama,eu não sabia que sair daquela casa faria algo ruim,eu achava que o ruim era eu estar ali dentro então eu sai. Mas parece que não era bem assim. 

Ele começou a mexer na cintura e por um momento eu achei que ele ia me obrigar a tranzar com ele,se fosse isso,eu ia me arrepender pro resto da vida em ter entrado pra um trabalho assim,mas ele só tirou o sinto e pior do que ser fodida pelo irmão,seria apanhar dele,ainda mais por um motivo que não desrespeito à ele. É minha vida e eu faço com ela o que eu quiser.

- Para..Para eu vou gritar..

- É dinheiro que você quer?É isso?!

Ele colocou a mão no bolso e por conta do nervosismo parecia não achar o que procurava nos bolsos eu só olhava aquela cena e não estava acreditando no que acontecia,como eu vim parar nessa cena?Como e quando isso começou a acontecer comigo?Era errado querer minha independência?Eu devia voltar e dizer a minha mãe que sinto muito?Eu tô arrependida?

- TOMA..! 

Ele jogou o dinheiro na minha cara e não sei quanto a você mas mesmo com tanto dinheiro que eu ganho,aquele foi o mais sujo que eu já recebi. E aí?! Sentiu bem todo meu drama de vida?Porque eu sim.

- Agora fica longe... - Ele me acertou um simples,rápido e forte tapa na cara.Desculpe,não doeu.. - Fica longe da minha família,porque se não eu te quebro,eu vou te quebrar todinha eu juro que te quebro..Vagabunda,filha de chocadeira.. Fica longe -Ele ameaçou me bater de novo e eu desviei - Tá ouvindo né..Karla

Ele respirava ofegante e empurrou meu rosto com o dedo indicador e saiu do quarto batendo a porta como se fosse a porta do quartinho dele de astronauta. Ele cuspiu todas aquelas palavras na minha cara e o pior de tudo foi ter visto a cara de satisfação dela ao me bater e me dizer aquelas coisas,se pretendia que eu pedisse desculpas por ter ido embora veio em vão,não tô arrependida,nem nunca vou estar.

Eu não sei porque mas de algum jeito estranho eu está fazendo aquilo porque amava meus pais,nunca foi uma coisa contra eles,no fundo eu só queria que eles sentissem alguma coisa por mim,nem que fosse saudade,nem que fosse vergonha,nem que fosse raiva. Eu escrevia tantas coisas sobre meus clientes e minha vida no meu diário e nunca pensei que um dia meus pais estariam naquelas páginas eu sai pelas ruas com meu cigarro a mão que era meu companheiro desde que fui embora,parei em frente a um orelhão e disquei o número da minha casa..Ou melhor da casa dos meus pais e enquanto chamava eu não sabia se iam atender,se estavam em casa,na verdade quando atenderam eu não disse nada,apenas ouvi a voz da minha mãe querendo saber quem estava na linha,e por alguma causa estranha eu chorei ao ouvir sua voz,fazia tanto tempo que não ouvia essa voz serena e tranquila que ela tinha e eu comecei a chorar por estar pela primeira vez desde que sai de casa,me sentindo tranquila em relação a ela. O mas surpreendente é que eu não esperava dela saber que era eu,mesmo sem eu dizer uma palavra.

- Camila?... Camila é você minha filha ?

Desliguei e fiquei pensando que com isso ela seria mais feliz,pelo menos uma chamada minha faria ela sé tranquilizar e saber que eu tô viva e com saúde,sem dizer nada eu disse tudo que ela precisava ouvir e o que meu coração precisava pra seguir a vida em paz. Se arrependimento matasse,mamãe e papai estariam mortos. Eu estava arrasada com tudo aquilo,imaginei mamãe lendo minha carta de despedida um monte de vezes e tentando imaginar quantas vezes ela não molhou essa carta com suas lágrimas,Desculpa mãe!Não queria te ver sofrer assim.

{...}

Entrei naquele quarto mais uma vez e minha cliente escalada era nada mais nada menos que Lauren Jauregui,eu costumava ficar muito feliz quando ela vinha eu já sabia que teria a melhor das transas mas por motivos óbvios eu não estava tão feliz assim.Eu entrei e coloquei minha bolsa em cima da bancada e fui tirando minha blusa como de costume até que ela finalmente quebrou o silêncio que reinava naquele quarto.

- Você não tá bem hoje - Ela disse me encarando com indignação,estava tão na cara minha forte e inicial depressão? - O que você tem?

- Tô bem.. Tá tudo certo Lauren

- Mentira. Falei mexendo na minha bolsa

- Lauren? - Ela repetiu o próprio nome

- É.. Lauren..,eu sou uma garota de programa,se estiver tudo bem com você comigo tá tudo ótimo. - Falei engatinhando pela cama até ele

- Não.. Não eu não quero transar hoje. Hoje é só pra você fumar um cigarro. - Encarei ela e ela me deu um dos seus cigarros na minha mão e eu peguei ainda tentando entender qual era o propósito daquilo. - Fica ali na janela, quero ficar te olhando..

Eu levantei da cama e fui caminhando até a janela e abri a mesma que dava de frente pra pista principal da via mais importante da cidade,não é que o prive seja de luxo mais ele era muito bem localizado e acessível desde mendigos até empresário riquíssimos como a Lauren..Acendi o cigarro e quando fui olhar pra ela a mesma se pronunciou..

-Não olha pra mim...

Ela disse e eu traguei o cigarro e olhei pra rua aonde passavam muitos carros e ouvi seus passos atrás de mim e vi a mesma parar ao meu lado e por cerca de dois minutos fiquei olhando ela até que quebrei o silêncio.

-Posso te contar um segredo? - Falei olhando ela e depois a rua

- Será que é o que eu tô pensando?

- Você foi a primeira cliente da minha vida. Era o que você estava pensando? 

- Não. Achei que você ia falar seu nome pra mim. 

 

- Você já sabe meu nome,Karla.

- Aah vai me fala seu nome 

-Meu nome é karla - Falei e ela riu e eu também ri fumando meu cigarro

- Vai me contar o que houve que chegou com essa cara de arrependida aqui?

- Talvez seja isso.

- Arrependida ? De que ?

- Todo mundo tem alguma coisa que fez e que não queria ter feito. Infelizmente não dá pra concertar - Ela me puxou pela cintura me fazendo olhar ela nos olhos

- Eu sou seu arrependimento ? - Olhei seus lábios se moverem e a cede de um beijo dela era maior que tudo

- Isso é a única coisa que não me arrependo

Ela me olhou e segurou meu pescoço,fez um carinho ao lado do meu rosto e isso me sentir que eu estava namorando com alguém, ela me beijou e tinha uma coisa muito importante nesse Beijo que não podia estar acontecendo,paixão,amor.. isso era perigoso,um perigo que eu não estava liga do no mento já que meus lábios sentiam a necessidade de ter os seus. Ela podia ter tudo de proibido,mas nunca seria algo que me faria voltar atrás,com ela não tinha problemas. Amor?


Notas Finais


Próximo Capitulo Amanhã , bjiiinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...