1. Spirit Fanfics >
  2. O Duque e Eu (Jimin) >
  3. Capítulo 11

História O Duque e Eu (Jimin) - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura e desculpem os erros!!

Capítulo 12 - Capítulo 11


O baile anual de Lady Trowbridge em Hampstead Heath, sábado à noite, foi, como sempre, um dos pontos altos da temporada de fofocas. Esta autora viu Yoongi Bridgerton dançar com todas as três irmãs Featheringtons (não ao mesmo tempo, é claro), embora deva se dizer que o mais espirituoso dos Bridgertons não parecia encantado com seu destino. Além disso, Nigel Berbrooke foi flagrado cortejando uma moça que não era a Srta. Dany Bridgerton – talvez ele tenha finalmente percebido a inutilidade de sua perseguição.

E, por falar na Srta. Bridgerton, ela deixou o evento cedo. O irmão Seokjin informou aos curiosos que ela estava com dor de cabeça, mas esta autora a viu no começo da noite, enquanto ela conversava com o velho duque de Middlethorpe, e ela aparentava estar em perfeito estado de saúde.

 

CRÔNICAS DA SOCIEDADE DE LADY WHISTLEDOWN,

17 DE MAIO DE 1813

 

 

Foi impossível dormir. Dany ficou andando de um lado para outro, deixando um rastro no tapete azul e branco que havia em seu quarto desde que ela era criança. Sua mente era um turbilhão de pensamentos, mas uma coisa estava clara: ela precisava impedir aquele duelo.

No entanto, Dany não subestimava as dificuldades que essa tarefa envolvia. Em primeiro lugar, porque os homens em geral eram idiotas teimosos quando se tratava de coisas como honra e duelos, e ela realmente duvidava que Jungkook ou Jimin fossem gostar de sua interferência.

Em segundo lugar, ela nem sabia onde ocorreria a luta. Os dois não tinham falado sobre isso no jardim de Lady Trowbridge. Dany imaginou que Jungkook mandaria uma mensagem a Jimin por um criado. Ou talvez, na posição de desafiado, Jimin tivesse o direito de escolher o local.

Dany estava certa de que devia haver algum tipo de etiqueta a ser seguida, mas ela não a conhecia.

Parou diante da janela e abriu a cortina para espiar lá fora. A noite ainda estava no começo segundo os padrões da sociedade. Ela e Jungkook tinham saído bem cedo da festa e chegado em casa havia duas horas. Até onde Dany sabia, Seokjin, Yoongi e a mãe ainda estavam na casa de Lady Trowbridge. Ela encarou o fato de ainda não terem retornado como um bom sinal. Se a cena com Jimin tivesse tido testemunhas, a fofoca certamente teria corrido o salão em segundos, fazendo com que a mãe corresse para casa, envergonhada.

Então talvez Dany pudesse passar por aquela noite apenas com o vestido em farrapos – e não sua reputação.

Mas a preocupação com a honra era o menor de seus problemas. Ela queria que sua família chegasse logo em casa por outro motivo. Não havia como impedir o duelo sozinha. Só se fosse imbecil para atravessar Londres de madrugada e tentar argumentar com dois homens em guerra. Ela precisaria de ajuda.

Dany achava que Seokjin ficaria imediatamente do lado de Jungkook na história. Na verdade, era capaz até de agir como ajudante dele.

Mas Yoongi... Yoongi poderia concordar com sua forma de pensar. Era provável que reclamasse e dissesse que Jimin merecia ser morto ao amanhecer, mas se Dany implorasse ele a ajudaria.

O duelo precisava ser impedido. Ela não entendia o que se passava pela cabeça de Jimin, mas era óbvio que ele estava angustiado com alguma coisa, provavelmente algo relacionado a seu pai. Dany já tinha percebido que ele era atormentado por um demônio interior. Ele disfarçava bem, sobretudo quando estava em sua companhia, mas ela já o tinha visto várias vezes com uma lúgubre expressão de desespero nos olhos. Tinha que haver um motivo que o fazia ficar assim com tanta frequência. Às vezes Dany achava que era a única pessoa com quem ele ficava relaxado o bastante para rir, brincar e conversar amenidades. E talvez Jungkook. Bem, principalmente Jungkook, antes de tudo aquilo acontecer.

Mas, apesar da postura fatalista de Jimin no jardim de Lady Trowbridge, ela não achava que ele queria morrer.

Dany ouviu o barulho de rodas nos cascalhos e correu para abrir a janela bem a tempo de ver a carruagem da família passar pela casa a caminho do estábulo.

Contorcendo as mãos, ela atravessou o quarto correndo e colou o ouvido na porta. Não podia descer. Jungkook achava que ela estava dormindo, ou pelo menos deitada remoendo os acontecimentos da noite.

Ele prometera que não diria nada a Jasmin. Pelo menos não até saber o que tinha chegado aos ouvidos dela.

A volta de todos tarde da noite deu a entender a Dany que não houvera qualquer boato grave circulando a seu respeito, mas isso não significava que ela tivesse escapado sã e salva. Devia ter havido rumores. Sempre havia. E rumores fora de controle podiam rapidamente se transformar em uma grande confusão.

Ela sabia que acabaria tendo de encarar a mãe. Mais cedo ou mais tarde, Jasmin ficaria sabendo de alguma coisa. A sociedade garantiria isso. Dany apenas esperava que, quando as fofocas chegassem aos ouvidos de Jasmin – a maioria delas, infelizmente, verdadeira –, a filha já estivesse noiva de algum duque.

Todos perdoariam qualquer coisa de uma pessoa comprometida com um duque.

E este seria o ponto crucial de sua estratégia para salvar a vida de Jimin. Ele não salvaria a si mesmo, mas poderia salvar Dany.

 

≈≈≈

 

Yoongi Bridgerton atravessou o corredor na ponta dos pés, pisando silenciosamente na passadeira estendida no chão. A mãe tinha ido se deitar e Seokjin estava reunido com Jungkook no escritório dele. Mas Yoongi não estava interessado em nenhum deles. Era Dany que ele queria ver.

Bateu de leve na porta da irmã, encorajado pelo fraco feixe de luz que escapava por baixo dela. Com certeza Dany havia deixado várias velas acesas. Como era sensata demais para cair no sono sem apagá-las, ainda devia estar acordada.

E, nesse caso, teria que falar com ele.

Levantou a mão para bater novamente, mas a porta se abriu sem qualquer barulho e ela fez sinal para que ele entrasse.

– Preciso falar com você – sussurrou.

– Eu também preciso falar com você – disse Yoongi.

Depois que ele entrou, Dany olhou rapidamente para os dois lados do corredor e fechou a porta.

– Estou em apuros – começou ela.

– Eu sei.

O sangue se esvaiu de seu rosto.

– Sabe?

Yoongi assentiu, com os olhos verdes sérios de uma forma um tanto incomum.

– Você se lembra do meu amigo Macclesfield?

Ela assentiu. Era o jovem conde que a mãe insistira em lhe apresentar três semanas antes. A mesma noite em que conhecera Jimin.

– Bem, ele a viu hoje desaparecendo nos jardins com Hastings.

Dany sentiu a garganta se fechar, mas conseguiu perguntar:

– Viu?

Yoongi assentiu, irritado.

– Com certeza ele não vai dizer nada. Somos amigos há quase dez anos. Mas, se ele viu vocês, outra pessoa também pode ter visto. Lady Danbury ficou olhando para nós com uma cara bem esquisita enquanto ele me contava sobre vocês.

– Lady Danbury também viu? – indagou Dany.

– Não sei – respondeu Yoongi com um leve estremecimento. – Só sei que ela me encarou como se soubesse de tudo o que já fiz de errado na vida.

Dany balançou a cabeça ligeiramente.

– É o jeito dela. E, mesmo que ela tenha visto algo, não dirá nada.

– Lady Danbury? – disse Yoongi, desconfiado.

– Ela é uma cobra, e sabe ser bastante sarcástica, mas não é o tipo de pessoa capaz de destruir alguém apenas por diversão. Se souber de alguma coisa, irá me confrontar diretamente.

Yoongi não pareceu convencido.

Dany pigarreou várias vezes enquanto tentava elaborar a próxima pergunta:

– O que exatamente ele viu?

O rapaz olhou para ela com desconfiança.

– Como assim?

– O que exatamente... – repetiu ela quase explodindo, com os nervos à flor da pele por conta da noite longa e estressante. – O que ele viu?

Yoongi se empertigou e olhou para ela com uma expressão defensiva.

– O que eu já disse – respondeu ele. – Viu você desaparecer nos jardins com Hastings.

– Mas foi só isso?

– Só isso? – falou Yoongi. Seus olhos se arregalaram e então se estreitaram. – Que diabo aconteceu lá?

Dany se atirou numa poltrona e enterrou o rosto nas mãos.

– Ah, Yoongi, estou muito enrolada.

Ele não disse nada. Dany secou os olhos, que estavam estranhamente molhados apesar de ela não estar chorando, e olhou para cima. O irmão parecia mais velho – e mais severo – do que ela jamais o vira. Estava com os braços cruzados, as pernas abertas numa posição imponente e implacável, e seus olhos, em geral tão alegres e travessos, mostravam-se bem sérios. Com certeza ele estava esperando que ela olhasse para cima antes de falar.

– Agora que sua demonstração de autopiedade acabou – disse ele enfaticamente –, que tal me contar o que você e Hastings fizeram hoje no jardim de Lady Trowbridge?

– Não use esse tom de voz comigo – respondeu Dany. – E não me acuse de autopiedade. Pelo amor de Deus, um homem vai morrer amanhã! Eu tenho o direito de estar chateada.

Yoongi sentou-se numa cadeira de frente para ela, com o rosto suavizado por uma expressão de extrema preocupação.

– É melhor você me contar tudo.

Dany assentiu e relatou os eventos. Porém não explicou a extensão precisa de sua desgraça. Yoongi não precisava saber exatamente o que Jungkook via. Dizer que fora flagrada numa posição comprometedora teria que bastar.

Enfim, ela concluiu:

– E agora vai haver um duelo e Jimin vai morrer!

– Você não tem certeza disso, Dany.

Ela balançou a cabeça tristemente.

– Ele não vai atirar em Jungkook. Eu apostaria minha vida nisso. E Jungkook... – Sua voz ficou embargada e ela precisou engolir em seco antes de prosseguir. – Jungkook está tão furioso que duvido que vá desistir.

– O que você quer fazer?

– Não sei. Não sei nem onde o duelo vai acontecer. Só sei de uma coisa: preciso impedi-lo!

Yoongi disse um palavrão em voz baixa e então continuou de forma gentil:

– Não sei se você pode fazer isso, Dany.

– Eu preciso! – gritou ela. – Yoongi, não posso ficar aqui sentada olhando para o teto esperando que Jimin morra. – Sua voz ficou embargada e ela acrescentou: – Eu o amo.

Ele empalideceu.

– Mesmo depois de ele tê-la rejeitado?

Ela assentiu com desânimo.

– Não me importo se isso faz com que eu pareça uma idiota patética, mas não posso evitar. Eu ainda o amo. Ele precisa de mim.

– Se isso fosse verdade – falou Yoongi, baixinho –, não acha que ele teria concordado em se casar com você quando Jungkook exigiu?

Dany balançou a cabeça.

– Não. Tem alguma outra coisa que eu não sei. Não consigo explicar direito, mas é como se uma parte dele quisesse se casar comigo. – Ela estava ficando agitada, com a respiração ofegante, mas mesmo assim prosseguiu: – Não sei, Yoongi... Se você tivesse visto a expressão dele, entenderia o que estou dizendo. Ele estava tentando me proteger de alguma coisa. Tenho certeza.

– Não conheço Hastings tão bem como Jungkook – disse Yoongi – nem mesmo tão bem como você, mas nunca ouvi nada sobre algum segredo profundo e grave relacionado a ele. Tem certeza... – Parou no meio da frase e segurou o rosto entre as mãos por um instante antes de olhar de novo para ela. Quando voltou a falar, sua voz estava dolorosamente suave. – Tem certeza de que os sentimentos dele por você não são fruto de sua imaginação?

Dany não se ofendeu. Sabia que a história parecia fantástica, mas seu coração lhe dizia que estava certa.

– Eu não quero que ele morra – resumiu ela em voz baixa. – No fim, é só isso que importa.

Yoongi assentiu, mas então fez uma última pergunta:

– Você não quer que ele morra ou não quer que ele morra por sua causa?

Dany se levantou, trêmula.

– Acho melhor você sair – pediu ela, usando o que lhe restava de energia para manter a voz firme. – Não acredito que me perguntou isso.

Mas Yoongi não obedeceu. Apenas estendeu o braço e apertou a mão da irmã.

– Vou ajudá-la, Dany. Você sabe que eu faço qualquer coisa por você.

Então ela caiu em seus braços e deixou rolarem todas as lágrimas que vinha segurando tão bravamente.

 

≈≈≈

 

Meia hora depois, estava com os olhos secos e a mente clara. Precisava ter chorado. Havia muita coisa presa dentro dela – muitos sentimentos, muita confusão, mágoa e raiva. Ela precisava liberar tudo aquilo. Mas agora não havia mais tempo para emoção. Tinha que manter a cabeça fria e se concentrar em seu objetivo.

Yoongi fora sondar Jungkook e Seokjin, que estavam, segundo ele, conversando em voz baixa e de forma frenética no escritório de Jungkook. Assim como Dany, Yoongi achava que Jungkook devia ter pedido que Seokjin o acompanhasse. Sua missão era descobrir onde o duelo seria realizado. Dany não tinha dúvida de que ele conseguiria. Yoongi sempre conseguia que todos lhe contassem tudo.

Dany vestira sua roupa de montaria mais surrada e confortável. Não fazia ideia de como a manhã acabaria, mas a última coisa que queria era ficar tropeçando em rendas e anáguas.

Alguém bateu à porta e, antes que ela girasse a maçaneta, Yoongi entrou no quarto. Ele também havia trocado de roupa.

– Descobriu tudo? – perguntou Dany com ansiedade.

Ele assentiu rapidamente.

– Não temos tempo a perder. Imagino que você queira chegar lá antes de todo mundo, certo?

– Se Jimin aparecer antes de Jungkook, talvez eu possa convencê-lo a casar comigo antes do duelo.

Yoongi soltou um suspiro tenso.

– Dany – disse ele –, você considerou a possibilidade de não conseguir o que quer?

Ela engoliu em seco, sentindo um nó na garganta.

– Estou tentando não pensar nisso.

– Mas...

Dany o interrompeu.

– Se eu pensar nisso, corro o risco de perder o foco, a coragem – argumentou com a voz tensa. – E não posso fazer isso. Pelo bem de Jimin, não posso fazer isso.

– Espero que ele saiba o seu valor – comentou Yoongi baixinho. – Porque, se não souber, talvez eu mesmo tenha que matá-lo.

Dany respondeu apenas:

– É melhor irmos logo.

Ele assentiu e os dois partiram.

 

≈≈≈

 

Jimin guiou o cavalo ao longo da trilha em direção ao canto mais distante do novo Regent’s Park. Jungkook sugerira – e ele concordara – que resolvessem o assunto longe de Mayfair. Seriam as primeiras horas do amanhecer, é claro, e provavelmente as pessoas ainda não teriam saído de casa, mas não havia motivo para alardear um duelo em Hyde Park.

Não que Jimin se importasse muito com o fato de duelos serem ilegais. Afinal, não estaria por perto para sofrer as consequências.

Mas era um jeito muito desagradável de morrer. No entanto, Jimin não via alternativa. Havia desonrado uma dama de família com quem não podia se casar e agora devia pagar por isso. Não era nada que Jimin não soubesse antes de beijá-la.

Quando se encaminhava ao ponto de encontro, viu que Jungkook e Seokjin já haviam chegado e esperavam por ele. Estavam com os cabelos castanhos despenteados pela brisa e uma expressão severa no rosto.

Quase tão severa como os sentimentos de Jimin.

Parou a alguns metros dos dois e desceu do cavalo.

– Onde está seu assistente? – perguntou Seokjin.

– Não me dei o trabalho de arranjar um – respondeu Jimin.

– Mas você precisa de um assistente! Não existe duelo sem isso.

Jimin apenas deu de ombros.

– Não achei necessário. Você trouxe as armas. Confio em você.

Jungkook foi até ele.

– Eu não quero fazer isso – disse ele.

– Você não tem escolha.

– Mas você tem – insistiu Jungkook. – Poderia se casar com ela. Talvez não a ame, mas sei que gosta dela o suficiente. Por que continua se negando?

Jimin pensou em ser sincero, em contar todos os motivos pelos quais jurara jamais se casar e perpetuar sua linhagem. Mas eles não entenderiam. Não os Bridgertons, para quem a família era algo bom e verdadeiro. Não sabiam nada a respeito de palavras cruéis e sonhos destruídos. Não conheciam a rejeição.

Ele considerou, então, a possibilidade de dizer alguma coisa cruel, algo que fizesse Jungkook e Seokjin desprezarem-no e que acabasse mais rápido com aquele suposto duelo. Mas isso exigiria que ele difamasse Dany, e Jimin simplesmente não poderia fazer isso.

Assim, tudo o que ele fez foi encarar Jungkook Bridgerton, o homem que havia sido seu amigo desde os primeiros dias de escola, e dizer:

– Apenas saiba que não tem nada a ver com Dany. Sua irmã é a melhor mulher que tive o privilégio de conhecer.

E então, fazendo um sinal com a cabeça para os dois, Jimin pegou uma das duas pistolas do estojo que Seokjin havia colocado no chão e começou sua longa caminhada até a parte norte do campo.

– Espeeeeeeereeeeeem!

Jimin soltou um arquejo e se virou. Meu Deus, era Dany!

Ela estava montada em sua égua, atravessando o campo a galope, e por um instante de perplexidade Jimin se esqueceu de ficar absolutamente furioso com ela por interferir no duelo e apenas se maravilhou com a imagem magnífica da moça sentada na sela.

Quando Dany puxou as rédeas e fez o animal parar diante dele, no entanto, sua raiva já tinha voltado com toda a força.

– Que diabo você pensa que está fazendo? – perguntou.

– Salvando sua vida miserável! – Ela o fuzilou com os olhos e Jimin se deu conta de que nunca a vira tão furiosa.

Quase tão furiosa quanto ele.

– Dany, sua maluca! Você percebe como essa sua façanha é perigosa? – Sem perceber o que estava fazendo, ele passou as mãos ao redor dos ombros dela e começou a tremer. – Um de nós poderia ter atirado em você.

– Ah, por favor – zombou ela. – Você ainda não tinha nem chegado à sua ponta do campo.

Ela tinha razão, mas ele estava irado demais para reconhecer isso.

– E cavalgar até aqui sozinha! De madrugada! – gritou ele. – Você devia saber os riscos que correria.

– Eu sei muito bem dos riscos – respondeu ela. – Yoongi veio comigo.

– Yoongi? – Jimin virou a cabeça de um lado para outro enquanto procurava por ele. – Eu vou matá-lo!

– Antes ou depois que Jungkook atirar no seu peito?

– Ah, definitivamente antes – resmungou Jimin. – Onde está ele? Bridgerton! – gritou.

Três cabeças muito parecidas se viraram para ele. Jimin saiu pisando firme pela grama, com olhos mortais.

– Eu estava me referindo ao Bridgerton idiota.

– Acho que deve ser você – disse Jungkook suavemente, acenando com a cabeça na direção de Yoongi.

O rapaz lançou um olhar letal para o irmão.

– E eu devia deixá-la em casa se esgoelando de tanto chorar?

– Devia! – responderam três vozes diferentes.

– Jimin! – gritou Dany, tropeçando na grama atrás dele. – Volte aqui!

O duque se virou para Seokjin.

– Tire sua irmã daqui.

Ele pareceu indeciso.

– Vá! – ordenou Jungkook.

Seokjin permaneceu imóvel, alternando o olhar entre os irmãos, a irmã e o homem que a tinha desonrado.

– Pelo amor de Deus... – disse Jungkook.

– Ela merece uma chance de falar – afirmou Seokjin, cruzando os braços.

– Qual é o problema de vocês? – rugiu Jungkook, olhando furioso para os dois irmãos mais jovens.

– Jimin – chamou Dany, ofegante depois de correr pelo campo –, você precisa me ouvir.

Ele tentou ignorar os puxões dela na manga de sua camisa.

– Dany, desista. Não há nada que você possa fazer.

Ela encarou os irmãos com olhos suplicantes. Yoongi e Seokjin estavam evidentemente solidários, mas não tinham muito como ajudá-la. Jungkook ainda parecia um deus irado.

Finalmente, ela fez a única coisa em que pôde pensar para atrasar o duelo. Deu um soco em Jimin. No olho bom.

Ele gritou de dor enquanto cambaleava para trás.

– Por que diabo você fez isso?

– Caia, seu idiota – sussurrou ela.

Se ele estivesse prostrado no chão, Jungkook não poderia atirar nele.

– Com toda a certeza não vou cair! – resmungou ele com a mão no olho. – Pelo amor de Deus, ser derrubado por uma mulher. Isso é inaceitável.

– Homens... – murmurou Dany. – Todos idiotas. – Ela se virou para os irmãos, que a encaravam com expressões idênticas de perplexidade. – O que estão olhando? – desafiou.

Yoongi começou a aplaudir. Jungkook bateu no ombro dele.

– Poderiam me deixar a sós por um pequeno, brevíssimo momento com Sua Alteza? – pediu ela, praticamente sussurrando.

Yoongi e Seokjin assentiram e se afastaram. Jungkook não se mexeu.

Dany o fuzilou com o olhar.

– Vou dar um soco em você também.

E ela teria cumprido a ameaça se Seokjin não tivesse voltado e quase arrancado o braço do irmão enquanto o puxava para longe.

Dany encarou Jimin, que pressionava o supercílio com os dedos, como se isso pudesse diminuir a dor em seu olho.

– Não acredito que você me deu um soco – disse ele.

Ela olhou mais uma vez para os irmãos a fim de se certificar de que eles não podiam escutar.

– Pareceu uma boa ideia no momento.

– Não sei o que você pretendia conseguir aqui – comentou ele. – Pensei que eu tivesse sido bem claro. – Ele suspirou. Nesse momento, pareceu cansado e infinitamente velho. – Já falei que não posso me casar com você.

– Você tem que se casar comigo.

As palavras dela foram tão intensas que ele a encarou com olhos atentos.

– Como assim? – perguntou ele, com a voz ainda sob controle.

– Nós fomos vistos.

– Por quem?

– Macclesfield.

Jimin relaxou visivelmente.

– Ele não dirá nada.

– Mas outras pessoas também viram!

Dany mordeu o lábio inferior. Não era necessariamente uma mentira. Devia ter havido mesmo outras pessoas.

– Quem?

– Não sei – admitiu ela. – Mas ouvi rumores. Até amanhã todos em Londres terão ouvido também.

Jimin praguejou com tanta fúria que Dany chegou a dar um passo para trás.

– Se não se casar comigo – comentou ela em voz baixa –, vou estar acabada.

– Isso não é verdade – contestou ele, sem muita convicção.

– É, sim, e você sabe disso. – Ela se obrigou a encará-lo. Todo o futuro dela (e a vida dele!) dependia daquele momento. Dany não podia vacilar. – Ninguém vai me querer. Serei mandada para algum canto esquecido do país...

– Sua mãe jamais faria isso.

– Mas nunca vou me casar. Você sabe disso. – Deu um passo para a frente, ficando propositalmente próxima a ele. – Serei vista para sempre como uma perdida. Nunca terei um marido, nunca terei filhos...

– Pare! – Jimin quase gritou. – Pelo amor de Deus, pare.

Jungkook, Seokjin e Yoongi se viraram ao ouvir o grito, mas Dany balançou a cabeça para eles de forma frenética e conseguiu que ficassem onde estavam.

– Por que não pode se casar comigo? – perguntou ela em voz baixa. – Sei que gosta de mim. O que é?

Jimin passou a mão pelo rosto, apertando as têmporas com o polegar e o indicador. Estava morrendo de dor de cabeça. E Dany... meu Deus, ela estava cada vez mais próxima. Ela estendeu a mão e tocou em seu ombro, acariciou seu rosto. Ele não era forte o bastante. Pelo amor de Deus, ele não ia ser forte o bastante.

– Jimin – implorou ela –, me salve.

Ele estava perdido.


Notas Finais


Obrigada por lerem!
Se puderem favoritar e comentar vou ficar muito feliz🙂
Até o próximo🤗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...