História O Eleito! - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Jeon Wonwoo, Kim Mingyu
Tags Hp!au, Meanie, Mingyu, Minwon, Wongyu, Wonwoo
Visualizações 14
Palavras 2.959
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, LGBT, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom, cheguei com mais uma long fic (nem tão long assim é só pq já tenho ela escrita por uns 10 capítulos e acho que nem vai ter muito mais que isso).
Dessa vez é Meanie.
"Ah, mas você veio com uma fic em cima da outra?" Sim, eu vim! Mas porque quero fazer um pequenos teste com os couples.
Enfim, essa fanfic vai ter uma data CERTA pra ser postada. Todas as quartas, não prometo que será sempre de tarde porque as vezes chego da psicóloga e durmo a tarde toda kkk mas até de noite os capítulos serão postados.
Papai ama vocês, aproveitem a leitura.

Capítulo 1 - Prólogo


​Eu estou bem (não estou bem)

- Meanie

 

 

O aluno do sétimo ano andava despreocupado pelos enormes corredores de Hogwarts. As cores amarelo e preto de sua gravata que estava jogada de forma desleixada sobre os ombros era o que coloria um pouco de sua aparência, visto que usava apenas o branco e preto do uniforme.

O jovem rapaz alheio a toda a bagunça e barulhos a sua volta encaminhava-se para o pátio onde estavam reunidos os candidatos para novos membros dos times de quadribol. Os testes já haviam começado.

WonWoo não se importava muito com o esporte, mas adorava a confusão que as novas seleções traziam. Sempre considerou um bom momento para que entrosasse mais com as pessoas das outras casas e, quem sabe, arrumar uma amizade. Só que nunca dava certo.

Às vezes achava que tinha a ver com uma fama de conquistador que lhe colocaram em alguns dos anos e que não fazia sentido nenhum, sendo que, quando se envolvia com alguém era muito raro e não costumava durar muito. Não gostava muito desse desespero que todos tinham de encontrar alguém para namorar e se relacionar. Acreditava que estava novo e que ainda não era momento para dar um passo tão grande. Isso influenciava em andar quase sempre sozinho, as pessoas só se aproximavam na intenção de "adicionarem ele as suas listas" e ele não queria isso para si!

Enquanto andava divagando sobre sua vida, o mundo e a confusão continuavam ao seu redor levando o time da Grifinória a se encaminhar para o campo, resultando em uma onda de pessoas seguindo os jogadores. Fora empurrado algumas vezes, mas isso não foi de tudo ruim já que em meio à multidão um garoto caíra praticamente entre seus braços.

Riu quando percebeu ser o aluno, um ano mais novo que si, da Sonserina. Ali naquele momento que eram sacudidos pelo aglomerado de alunos ele sequer mostrava o lado arrogante de sua casa. O Jeon deu de ombros para os pensamentos que tinha ao olhar para o outro e já aguardava os tão conhecidos xingamentos que os Sonserinos direcionavam a qualquer um que cruzasse seu caminho, ainda mais se esses fossem Lufanos.

Esperou...

Nada!

O garoto se recompôs, arrumando as vestes como pôde no meio do amontoado de pessoas. Apenas acenou com a cabeça e continuou seguindo para onde todos os outros estavam indo. Neste momento o menor perdera todas as falas e encarava boquiaberto as costas do rapaz.

 

 

>><< 

 

 

Os alunos da Grifinória comemoravam animados pelos dois novos jogadores, um artilheiro e um goleiro, JeongHan e SeungCheol na ordem. Os dois ostentavam sorrisos convencidos, enquanto seguiam para o grande Salão onde seria servido o jantar.

Enquanto os dois caminhavam, esbarraram em um aluno da Sonserina de propósito o que fez com que aumentassem ainda mais os sorrisos. WonWoo observava da sua mesa o que acontecia entre as mesas rivais, percebendo que o garoto mais novo não teve a mesma tolerância com os dois que tivera consigo. Estendeu os braços e, quase magicamente, dois de seus fiéis "escudeiros" apareceram atrás de si. Poderiam muito bem ter sido conjurados, mas eles sempre estavam ali quando as coisas pareciam desandar para o lado do moreno.

— As princesas acham que só porque chegaram agora no quadribol são as donas do pedaço?? Terão o quê, um ano de título? Pouco para competir com quem entrou no time no primeiro ano, não é mesmo? — Arqueou uma sobrancelha, dando passos para frente e encurralando os dois com os alunos que entravam.

— Vocês se acham demais, mas no campo não demonstram nada. — JeongHan subiu a voz para o outro, parando onde estava e cruzando os braços. Ele costumava não levar desaforo para casa. — Pelo menos ninguém aqui pagou pra entrar, só entrou quem tem talento. — Atacou, pois sabia que a família dele era rica o suficiente para o colocar em um time.

— Veremos quem tem talento no primeiro jogo. Não contaria com a vitória da Grifinória que aceita idiotas mimados e metidos para jogar. — Encerrou o assunto virando-se e sentado à mesa. Focou os olhos em sua frente para esquecer aqueles paspalhos, quando seus olhos se encontraram com o moreno Lufano. Abaixou a cabeça no mesmo momento.

— Por que eles disseram aquilo? Você realmente entrou no time por dinheiro? — Boo, um de seus amigos, perguntou. Embora vivessem juntos por anos o pequeno não sabia muito sobre o outro.

— Você acha que eu faço o tipo de quem precisar pagar pra entrar em um time? — Mesmo não querendo seu tom de voz saiu rude.

— Você entrou logo no primeiro ano, é o que podemos presumir. — Deu de ombros antes de começar a atacar as coxas de frango.

— Não é só porque temos dinheiro que temos que usá-lo para tudo. Às vezes, Boo, as pessoas são realmente boas no que fazem. — Crispou os lábios e bateu na mesa levantando-se para sair dali.

Saiu praticamente pelos corredores, buscando um andar e sala específicos.

 

 

 

>><< 

 

 

 

Ignorava a maioria de pessoas que lhe cumprimentava nos corredores. Durante o percurso começou a sentir os olhos umedecerem devido a raiva que não conseguia ignorar e muito menos controlar, por isso precisava se afastar o mais rápido possível de todos ali.

Quando chegou ao sétimo andar deu logo de cara com o garoto ao qual caíra em cima mais cedo, perguntou-se como ele estava ali sendo que tinha acabado de olhar em seus olhos no Grande Salão.

Entreolharam-se tímidos, ambos sabiam que estavam procurando pela mesma coisa. Mingyu sequer conseguia se mover, não poderia prever as ações dele e não queria entregar que queria achar a sala precisa. O que parecia meio estranho, já que o rapaz também estava a buscar isso.

 

Acabaram decidindo juntos entrar na sala, de modo que lá dentro cada um deles escolheria um canto e ficariam na sua. Assim poderiam ignorar o que acontecia do lado de fora no castelo e não se incomodariam com a presença um do outro já que ambos pretendiam ficar quietos.

Fizeram o combinado, mas logo os minutos foram se tornando uma tortura para o rapaz Lufano, já que nunca pretendera e imaginara ficar "trancafiado" com o Sonserino. No entanto, voltar para aquelas confusões que aconteciam sala a fora não era uma opção.

— Você não deveria estar participando do julgamento dos novos jogadores? Que eu saiba não é comum o capitão ficar de fora das escolhas. — Tentou puxar assunto mesmo não sabendo muito sobre esportes. Não gostava muito daquelas coisas e achava o quadribol meio bárbaro em questão dos juízes raramente serem justos e parciais.

— Você é realmente lerdo como todos dizem, uh? — Disse em um tom que era para ter soado como brincadeira, mas suas feições eram um tanto sérias e o Jeon ficou confuso sobre como reagir a isso. — As seleções da minha casa foram as primeiras e também só tinha uma vaga. A maioria de nós ainda está no sexto ano. — Deu de ombros como se a informação não fosse relevante.

— Desde quando as pessoas falam da minha lerdeza? — Questionou curioso, porém logo deixou de lado o assunto para focar na segunda parte da resposta. — As outras casas, incluindo a minha, tiveram mais vagas. Vocês devem ser muito bons para continuarem quase todos.

— Devemos ser??? Nós somos! A gente simplesmente detona todo os times. Como pode nunca ter visto? — Perguntou quando ele negou sua questão.

— Eu costumo não assistir aos jogos. Geralmente estou lendo ou estudando em algum canto. — Explicou, buscando sentar mais perto do outro para que pudessem se comunicar sempre praticamente gritar.

— Ou costuma estar se agarrando com alguém. — Deixou escapar, cobrindo a boca logo em seguida.

— Por que disse isso? — Suas expressões suaves logo endureceram.

— É o que dizem de você. Não que eu acredite, mas são essas informações que ouvimos pelos corredores. — Tentou se defender.

— O que estão dizendo de mim nesse castelo? Sério, estão me tornando alvo de fofocas ou algo parecido? Eu não sou lerdo e não fico de putaria por aí. A pessoa que inventou isso é no mínimo infeliz. Sequer tenho tempo e paciência para ficar me envolvendo com esse bando de pessoas vazias daqui. — O Lufano passou a emanar raiva e logo se levantou pronto para sair do ambiente.

Mingyu levantou-se também, segurando-o pelo braço e o impedindo de prosseguir com o caminho para a porta. Sabia que tinha tocado em um ponto delicado, percebia que ele sempre era muito quieto e isolado e de repente descobrir que as pessoas falam certas coisas sobre si deveria ser bem irritante mesmo, não gostaria caso o mesmo viesse a acontecer consigo. É claro que procuraria um meio de se redimir.

Deixou que seus dedos escorregassem pelo pulso alheio até que atingisse os dígitos do outro, entrelaçou-os aos seus e caminhou com ele até um espaço mais iluminado - onde as luzes das velas era mais intensa - e sentou-se com ele em um dos sofás mais confortáveis dali.

— Você não precisa ficar nervoso e nem ligar para o que as pessoas falam. Essas fofocas acontecem quando as pessoas estão claramente com inveja porque tem uma pessoa no castelo que consegue ser bonita e inteligente ao mesmo tempo. — Piscou para o Jeon que o encarou atônito.

— Está tentando flertar comigo, Kim Mingyu? — Ele soltou um grito indignado, recebendo uma risada como resposta.

— Talvez! Se você estiver cogitando me dar uma chance, então sim, eu estou flertando contigo. Caso não, estava apenas brincando. — Deu um de seus melhores sorrisos. WonWoo sempre ouvia falar muito do sorriso do garoto à sua frente, porém era a primeira vez que o via pessoalmente. Entendia agora o que diziam.

— Nem vem, praga sonsa. — Retrucou, usando um pequeno trocadilho com a casa do outro.

Os minutos seguintes foram bem calmos onde puderam compartilhar algumas informações próprias, alguns casos que aconteciam em seus dormitórios e salas comunais, até algumas preferências em comum. Era algo completamente diferente para ambos, já que um não se aproximava dos outros porque preferia estudar e fazer algo que lhe fosse útil, enquanto ao outro tinha oportunidade para estar sempre rodeado de pessoas, contudo preferia que esse assédio não acontecesse. A maioria delas só se aproximava querendo algo de si.

Ambos perceberam que a companhia um do outro era saudável, pelo menos no momento não parecia evidenciar nenhum interesse, apenas o desejo comum de fugir de todos de Hogwarts e conversar sobre casos banais.

Chegaram até a trocar músicas e títulos de livros para serem analisados enquanto não estivessem na presença alheia e que comentassem depois quando decidissem novamente se encontrar por aí.

— Mingyu? Por que você está fugindo das pessoas? Quando apareceu no corredor parecia bem nervoso. Pensei até que me bateria e me mandaria procurar um outro lugar para ir. — Soltou uma risadinha sem graça, buscando não encarar o outro.

— Eu não suporto os alunos da Grifinória. Isso é meio óbvio se levarmos em consideração que a maioria das pessoas da minha casa odeiam eles. Só que os novatos do time são ainda mais ridículos. Acham-se no direito de falar qualquer merda para qualquer um e isso me deixou um pouquinho irritado. Eu detesto quando tiram conclusões precipitadas sobre mim, ainda mais porque os idiotas vieram falando coisas do qual não sabem. — O sorriso que antes adornava seu rosto deu lugar a uma expressão ao mesmo tempo pensativa e nervosa.

— Uh, deve ser ruim mesmo. Eu sempre escuto comentários de que você é o melhor jogador de todo esse lugar, ser menosprezado por novatos deve ser bem estressante. — Tentou soar o mais reconfortante possível. 

— Hm, quer dizer então que você anda buscando informações minhas por aí? — Soltou uma risadinha, que logo foi calada com uma almofada arremessada pelo Lufano. O objeto atingiu-o no rosto. — Você acha que é quem para me agredir dessa forma? — Forçou um tom irritado, mas o Jeon com toda a sua lerdeza não percebeu que ele brincava. 

— Não precisa me bater. Eu juro que não fiz por mal, pensei que estávamos de boa. — O menino mais velho demonstrava o medo claro em todas as suas ações e reações, fazendo com que Mingyu soltasse uma gargalhada alta. 

— Eu jamais bateria em você. Do mesmo modo que você estava brincando eu também estava. — Tranquilizou-o, fazendo um leve carinho em seus dedos que tornou a segurar. — Além do mais, você ainda não me respondeu se anda ou não fazendo perguntas sobre mim. — Seu modo de falar era muito convencido. WonWoo estava com uma vontade enorme de socar toda aquele rosto bonito a sua frente. 

— Todo mundo fala de você o tempo inteiro. Eu não preciso e jamais me daria o trabalho de procurar por informações de uma pessoa tão arrogante e prepotente. Vocês se acham mesmo. — Estalou a língua em desagrado e fingiu que se afastaria dele, dessa vez o Lufano assustando o outro com seu tom. — Por que não solta meu braço??? — Indicou o local onde o outro ainda o segurava. 

Mingyu notou que ele tinha mudado de postura muito rápido, mas assim como o outro não havia percebido sua brincadeira mais cedo ele pareceu não interpretar o momento da forma certa. 

— Eu sempre quis ter um momento a sós com você. Agora que eu tenho a chance não irei desperdiça-la só porque você fica esquentadinho com qualquer coisa. — Explicou, sua voz saindo cada vez mais baixa a medida em que se aproximava do outro.

— E qual o motivo disso? Até onde sei, você odeia as pessoas da minha casa. — Seu braço havia sido solto e ele pareceu nem perceber. Já não queria mais sair correndo dali.

— Você é o único que eu não odeio nesse lugar. E quando digo isso estou falando de todas as casas incluindo a minha. Deveria se sentir honrado. — A última frase saiu num sussurro dos lábios cheinhos de Mingyu.

 

De repente a temperatura do ambiente pareceu ter aumentado. Os garotos estavam agora mais próximos um exatamente de frente para o outro. As testas coladas, os olhos fechados e sorrisos genuínos estampados em seus lábios. Aquilo fora muito repentino nem eles entendiam, mas não podiam negar o aparente interesse que criaram naquele momento.

Os corações já batiam acelerados no peito. Nenhum deles fazendo o mínimo esforço para entender o que acontecia, quando repentinamente uma ave cruzou os espaço entre eles dois. O pássaro era a referência da Grifinória, fawkes. Logo após se afastarem tomados pelo susto um som de palmas preencheu o ambiente deixando-os ainda mais confusos e desesperados.

— Clássico. O popular e o esquisito se agarrando na sala precisa. — O desdém era notável na voz do recém chegado. — Não teria uma forma mais cliché de representar esse romance. — O garoto ria com todo o deboche que lhe era possível utilizar.

— O que você quer SeungCheol? E como entrou aqui? — Mingyu teve uma mudança brusca de expressões nem parecia a pessoa que estava prestes a beijar outro garoto instantes antes.

— Eu só quero um favor. — Seu modo calmo de falar contrastava com toda a maldade por trás daquele pedido. — Eu entrei usando a minha capa de invisibilidade no momento em que vocês estavam em todo aquele impasse se entravam juntos ou não. A situação se mostrou interessante pra mim, pensei que poderia tirar proveito disso. E não é que eu estava certo?

— O que quer que eu faça? — Questionou, respirando fundo algumas vezes para não voar no pescoço do mais velho e lhe arrebentar a cara. O Jeon percebendo isso, tratou de segurar suas mãos na tentativa de lhe passar calma.

— E quem disse que eu quero um favor seu? Meu negócio é com o outro. — Apontou para o garoto que estava, até então, fora da confusão.

— Você não irá fazer nada com ele. — Sua voz vacilou e suas mãos se prenderam com mais força as do outro rapaz como se aquilo fosse protegê-lo.

— Tentando proteger seu namoradinho, Kim?

— Chega. Vocês dois! — Wonwoo se pronunciou impondo sua presença. Soltou-se de Mingyu e caminhou até a frente do rapaz grifinório. — O que você quer, Choi? — Seu modo grosso e sem paciência assustou os outros dois restantes na sala. Nunca havia visto aquele seu lado.

— Uau. — SeungCheol exclamou de queixo caído. — É o seguinte, agora que eu sou capitão do time não terei muito tempo para as outras coisas e como somos do mesmo ano você irá fazer meus trabalhos e anotações.  — Deu de ombros como se o pedido fosse uma bobagem. O que de fato era ele não precisaria daquela cena toda.

— Só isso? — O Lufano perguntou recebendo um aceno positivo com a cabeça. — Ok, mas eu não vou fazer. — Proclamou numa calma invejável, logo ouvindo um “Como não” em resposta. — Vejamos... Você veio aqui me ameaçar em troca de não contar que eu e o Mingyu estamos nos beijando, certo? — Questionou e o outro apenas concordou com a cabeça. — No entanto, você foi burro o suficiente para interromper o momento, impedindo assim que nós déssemos o nosso primeiro beijo. Como não aconteceu nada eu não tenho nada a perder. Deveria ter segurado o seu passarinho mais um pouco, aliás, eu não sei nem porque teve que usar esse troço. A sua presença já assusta o suficiente, mas não de medo. — Levantou as sobrancelhas num movimento que indicava que aquilo era tudo, atrás de si Mingyu se contorcia para não deixar uma gargalhada escapar. — Ademais, esse seu lance de “entregar” um casal é tão primeiro ano, ou talvez até eles sejam mais maduros que você. E se for em relação a ser homossexual você deveria saber que as pessoas do castelo são bem abertas em relação a isso, afinal, elas te aceitam com o JeongHan.

O Lufano virou de costas após falar e deixou os outros garotos para trás ao sair da sala.

Mingyu, gargalhando, deu um leve tapa nas costas do Choi e saiu atrás do Jeon. 


Notas Finais


E AÍ???
E esse S.Coups que já chega atrapalhando a gente logo no primeiro capítulo?? Sacoooooo
Bom, guardem esse final na cabeça de vocês. Pode ser que ele volteee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...