História O empresario - L3ddy (HIATUS) - Capítulo 17


Escrita por:

Visualizações 361
Palavras 1.682
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello 💙

Capítulo 17 - Old friends and surprise


Autora

Lucas Olioti olhava para a vista esplêndida que seu escritório no oitavo andar lhe proporcionava como uma forma de distração. Luba tinha viajado até a casa de seus pais e quando o empresário soube não gostou de saber que ficaria longe do loiro.

Olioti se sentia dependente, estranhamente dependente do youtuber e quanto a isso não restavam dúvidas já que ligava para o rapaz de hora em hora e sempre mandava mensagens, . Há dois dias atrás Luba tinha embarcado no avião rumo a Tubarão, sua cidade natal, e Lucas já estava arrependido de deixá-lo ir assim que viu a aeronave levantando vôo. 

Com os pés sobre a mesa e o cotovelo apoiado sobre a mesma se perdeu nas lembranças do último fim de semana na casa de seus pais. Tinha saído melhor do que o esperado, menos pela parte em que Alexandre quase estragou sua noite com assuntos descabiveis e sem necessidade alguma naquele momento.

Seus pais haviam gostado do loiro e aceitaram o namoro de bom grado não se importando com a escolha do filho. Vera sentia que podia respirar um pouco mais aliviada depois de tudo o que o empresário sofreu na adolescência ele merecia alguém que o consertasse, alguém que topasse lhe fazer companhia.

Cansado de tudo aquilo resolveu tomar uma decisão e ligou para sua secretária Olga, que demorou apenas um minuto para chegar até a sala do chefe.

"Diga para Felipe preparar o meu jatinho. Ligue lá para casa e peça Horn que arrume uma mala para mim, apenas algumas peças de roupas, o suficiente para três dias" — o empresário dava suas ordens se levantado de sua cadeira. Desligou seu computador recolhendo a papelada em cima de sua mesa.

"Mais alguma coisa, Senhor?" — ela perguntou enquanto anotava os pedidos do chefe. Lucas crispou os lábios pensativo.

"Remarque minha reunião de sexta-feira para um outro dia. Só volto na semana que vem." — e assim saiu de sua sala segurando a maleta sem esperar que Olga lhe respondesse.

Ao sair do prédio seu carro aguardava do lado de fora pelas mãos do manobrista. Seguiu com o veículo até o shopping que costumava frequentar. Não pretendia chegar na casa do rapaz sem antes lhe fazer um agrado, por isso optou pela joalheria tão conhecida por ele, o estabelecimento ficava no primeiro andar e foi lá que entrou. 

As vendedoras já lhe conheciam e chegavam a suspirar pelo homem, Olioti não se importava tanto, estava mais preocupado em olhar as prateleiras. Um tanto distraído em meio a todo o brilho das jóias em sua volta quase não percebeu a presença da mulher atrás de si se não fosse pelo perfume tão famíliar.

"Não me diga que já adquiriu seu novo brinquedo." — com um riso sem humor se virou de frente para a dona daquela voz tao prepotente e amigável.

Estava bem vestida como de costume, o batom vermelho destacava seus lábios carnudos e fazia contraste com as orbes esverdeadas. Não fazia questão de se maquiar de forma exagerada e usava apenas o essencial para acentuar ainda mais seus traços perfeitos.

Um vestido azul marinho, um pouco abaixo de seus joelhos, destacava sua pele branca marcando as suas curvas e os tradicionais sapatos de salto alto confortavam seus pés. Nilce era uma mulher de tirar o fôlego de qualquer um e Olioti sabia muito bem disso.

"Não esperava te encontrar por aqui. Não deveria estar viajando?" — Lucas perguntou lhe cumprimentando com um sorriso mínimo e com as mãos escondidas nos bolsos da calça. Nilce apoiou a mão em suas costas e lhe conduziu até uma bancada no final do corredor.

"Só amanhã. Tive que vir a São Paulo resolver algumas questões importantes." — explicou — "Escolha o verde, combina com os olhos dele." — falou apontando para o Rolex de cor verde e dourado no centro. Lucas franziu o cenho como se perguntasse mentalmente como ela sabia que o presente era para Luba...

"Não me diga que andas me espionando?" — não estava surpreso de Nilce saber de sua vida, afinal os dois tinham algo em comum, gostavam de jogos...

"De maneira nenhuma, apenas verificando se está tudo bem com você. Não podemos correr riscos já que sua última sub deu um pouco mais de trabalho do que deveria." — Olioti travou o maxilar se lembrando da mulher e por um lado Nilce tinha razão, agora sua preocupação não era apenas consigo, Luba era seu agora , e mesmo sem querer poderia perfeitamente sofrer com as consequências caso alguma coisa saísse de ordem.

Por isso andou apreensivo nos últimos dias, a conversa que teve com Karen na casa de seus pais lhe incomodou de certa forma, e pelo que sua amiga descreveu definiu como suspeito o modo com que a irmã vinha agindo ultimamente. Ela nunca foi uma pessoa silenciosa, pelo contrário, e só de imaginar as coisa pelas quais deviam estar passando por sua mente doentia já lhe causava arrepios. Temia não por ele, mas pelo namorado que nada tinha a ver com seus gostos peculiares e vida bagunçada. Luba não merecia sofrer por culpa ele.

"Pode deixar que eu pago, sera como um presente meu." — Nilce tinha um bom gosto e essa era uma das qualidades que o empresário mais apreciava na mulher. Estava confiante que aquele era o presente certo — "Tem tempo para uma breve conversa entre velhos amigos? Quero que me conte tudo sobre ele." — o empresário pegou a sacola com o relogio e se dirigiu a saída da loja sendo seguido pela magnata.

Lucas não costumava contar sobre sua vida pessoal nem para a própria mãe, porém Nilce era diferente. Não era qualquer pessoa.

"Não vamos demorar." — murmurou, os dois caminharam lado a lado sem trocar uma palavra e apreciando o silêncio um do outro.

Eram tão parecidos, talvez por isso combinassem tanto.

~~~

Luba suspeitava de todo aquele silencio, há horas que o empresário não dava um sinal de vida e uma pequena preocupação se apossou do loiro, já que Lucas ligava praticamente o dia inteiro e agora seu celular só caia na caixa postal. 

Os dias que vinha passando com seus pais estavam sendo extremamente relaxantes, gravou um vídeo ou outro no velho cenário de seu quarto para a alegria de sua turma e aproveitou com suas gatas, porem morria de saudades do empresário e não via a hora de vê-lo novamente.

Definia isso como um estado de loucura, quando imaginaria se ver tão preso a alguém dessa maneira? Poderia ser isso o tal amor que muito já ouviu falar, mas não acreditava até que acontecesse com o mesmo? A verdade é que seu antigo relacionamento não despertava em si metade do que Lucas causava nele e isso era um fato. 

Decidiu aproveitar-se e gozar de todas essas sensações sem pensar no que poderia acontecer amanhã. 

Seus pais tinham saído para um jantar dançante é só voltariam na manhã seguinte. Estava sozinho, jogado e largado sobre o sofá tendo o cobertor lhe aquecendo, foi quando ouviu o som da campainha pensando em quem poderia ser.

Uma samba canção do Homer, uma camiseta regata branca e a pantufa dos Minions compunham seu look desleixado e caseiro. 

Pronto a atender a porta de forma preguiçosa imaginando ser seus pais que esqueceram das chaves já que o porteiro só interfonava quando era alguém de fora.

 Ao abrir a porta arregalou os olhos com a visão do homem parado e sorrindo para si. Suas bochechas coraram reparando no modo que estava vestido e se sentiu ridículo comparado a Lucas que continuava impecável como sempre. 

Mas quem disse que o empresário se importava com isto?

"Não acredito..." — ele disse baixinho antes de se lançar nos braços do empresário chegando a fazer com que ele perdesse o equilíbrio. Lucas não poderia retribuir de outra forma que não fosse abraçar com força o corpo do albino e se perder no cheiro tão particular que o rapaz tinha.

"Estava louco para ver-te, baby. Eu não aguentei de tantas saudades." — confessou, seus lábios se arrastaram pela nuca de forma despretensiosa causando arrepios no outro. Olioti não tinha nada relacionado a sexo em mente, só queria aproveitar-se do momento e diminuir a falta que sentia do youtuber.

"Nem eu..." — ele respondeu um tanto atordoado com aquela carícia. Logo encarou os olhos castanho escuro sentindo o toque suave dos dedos em seu rosto.

"Seus pais estão aí?" — Luba negou com a cabeça com os olhos fechados e um sorriso mínimo.

 Lucas tirou os óculos do rapaz lhes sobrando e colocando no bolso de sua calça e lhe beijou de forma intensa, seus braços rodearam a cintura do rapaz e se fecharam em suas costas. Luba segurava seu rosto dando firmeza ao gesto e tentava acompanhar o ritmo do empresário. 

Os beijos de Lucas eram de tirar o fôlego e foi o que aconteceu instantes depois quando se separaram pela falta de ar.

Após entrarem o loiro insistiu para que ele ficasse em sua casa e não fosse para um hotel, queria apresenta-lo aos seus pais no dia seguinte e jamais permitirá que seu namorado não dormisse com ele.

"Eu adorei seu quarto, tem a sua cara, sabia?" — ele dizia entrando no quarto só de cueca e Luba pensou em como não se acostumava com o corpo bem cuidado e musculoso do empresário, a beleza do homem mexia com os seus sentidos. 

O jantar do casal se resumiu a pizzas e coca cola enquanto assistiam as séries. Ate porque não sair da dieta uma vez ou outra não matava ninguém afinal de contas e foi esse o argumento que usou para convencer Olioti a se perder naquele festival de calorias.

"Essa foi a minha intenção assim que reformei e quis decorar." — disse sendo abraçado por trás sentindo o calor do corpo do namorado. — "Sei que deve estar achando ridículo, não é? É um pouco diferente do que está acostumado, é tudo tão colorido..." 

"Não consigo me imaginar dormindo ou morando em um lugar assim, mas isso não significa que eu não possa me acostumar."

"O que quer dizer com isso?" — perguntou divertido.

"Um dia eu te conto, baby." — falou depois tenho um selinho nos lábios finos — "Agora vamos dormir." 



Notas Finais


Eu sei que o final ficou meio bosta, me desculpe por isso. 😥

Próximo capítulo vai ter L3ddynton, minha gente. Acham que vai ter rebuliço? Barraco? Choro? Briga? Ou tudo junto? Ou nada disso?

Comentem o que acharam, babes.!!

💙💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...