1. Spirit Fanfics >
  2. O Encanto da Cerejeira >
  3. Capítulo 35 - ITACHI - Pensamentos rosados

História O Encanto da Cerejeira - Capítulo 102


Escrita por:


Capítulo 102 - Capítulo 35 - ITACHI - Pensamentos rosados


A noite passa lenta e atormentadora, Itachi não consegue tirar a rosada da cabeça, foi assim o dia inteiro. Ele se confessou e agora apenas espera por uma resposta, mas isso o angustia de uma forma que sequer é descritível.

O moreno queria que ela tivesse dado sua resposta naquele instante, isso seria incrível, principalmente se fosse uma resposta positiva, mas Deidara disse que a rosada nunca havia se apaixonado antes então, mesmo que ele tenha conseguido conquista-la, talvez ela sequer tenha se dado conta. Sua surpresa ao ouvi-lo é a prova mais irrefutável que tem para se comprovar essa teoria. Entretanto, mesmo que não tenha uma resposta que o agrade, o moreno sabe que ela estará em boas mãos.

Itachi detesta Sasori mais do que qualquer coisa, e isso se intensificou na noite passada principalmente quando o viu beija-la. Sua vontade naquele momento era de bater no ruivo. O Uchiha nunca foi violento, mas parece que a rosada desperta um lado primitivo seu.

Ainda assim, mesmo odiando o Akasuna, ele sabe que o ruivo gosta de Sakura, da mesma forma que sabe que seu irmão não vai resistir ao encanto dela. E sabe porque Sasuke é igual a ele próprio, é por isso que Itachi fez a aposta com o caçula. Por mais que o moreno deseje que a bela cerejeira se apaixone por ele, sabe que não é algo que possa controlar e, caso isso não aconteça, sabe também que independente de sua escolha, ela estará em boas mãos.

A claridade em seu quarto sequer foi notada pelo fotografo e apenas o despertador consegue afastá-lo de seus pensamentos indicando o início de seu dia. Com isso, o moreno se ergue cansado se arruma e segue para o trabalho.

O trânsito está fraco, felizmente, e ele não demora a chegar na editora. E tem um dia cheio pela frente. Sua agenda está incrivelmente lotada, principalmente agora que seu tio o encarregou de ser o fotógrafo de um evento da alta sociedade.

O moreno termina de fotografar as modelos para a revista desse mês e, como de costume, recebe indiretas e algumas diretas em todas as suas sessões. Entretanto, diferente de antes, da mesma forma como vem acontecendo nas últimas semanas, ele sequer dá atenção a elas.

No fim das sessões, perto do horário de almoço ele começa a separar as fotos. Infelizmente precisa entregar isso antes da uma e por isso seu almoço terá que esperar.

—        Itachi.

O Uchiha se vira e, olhando por cima do ombro vê Shisui entrar na sala.

—        Oi.

—        Parece cansado.

—        Estou exausto.

O moreno confessa se endireitando.

—        Não dormi nada essa noite, estou um caco.

—        Sakura de novo?

—        É tão óbvio?

—        Bom, desde que te conheço, o que é minha vida toda, ela foi a única que te deixou acordado sem nem ter ido pra cama com você ainda, então é meio óbvio sim.

Itachi suspira.

—        Como alguém consegue tirar meu sono desse jeito?

—        Sabia que essa é uma qualidade Uchiha.

Observo-o.

—        O que quer dizer?

—        Somos incontroláveis e insaciáveis durante nossa vida, ninguém consegue fazer com que permaneçamos com apenas uma e isso nos faz querer ter todas. Mas quando a mulher certa aparece, ninguém além dela parece suficiente.

—        Puta merda você está falando igual a um idiota.

Ele ri.

—        Vai chegar sua vez meu amigo. E vejo que está perto.

Itachi suspira.

—        Aprendeu a história da nossa família sozinho?

—        Não, tio Madara me contou e observando alguns membros da nossa família percebi que estava certo. Sei lá, - Shisui dá de ombros - deve estar nos nossos genes.

—        Então, o que traz ao meu estúdio?

—        O tio Madara quer falar com você, e como eu estava vindo te convidar para o almoço pediu que avisasse.

—        Não vou sair agora, preciso separar essas fotos antes da uma. Mas obrigado pelo aviso, vou falar com ele assim que terminar aqui.

—        Tá certo, então eu vou comer. Tchau.

—        Tchau.

Shisui deixa o lugar e Itachi termina seu trabalho seguindo para o último andar do prédio quando o faz.

—        Meu tio está na sala Anne?

—        Sim senhor Uchiha.

—        Sozinho?

—        Sim, quer que eu avise que chegou?

—        Não, não precisa.

Itachi segue para a maior sala do prédio e dá três toques na porta.

—        Entre.

A voz grossa indica ao moreno que entre e ele o faz sem demora.

—        Boa tarde tio.

—        Boa tarde.

A feição séria não desaparece um segundo sequer do rosto do CEO.

—        O que queria comigo?

—        Sente-se.

Itachi o faz e observa o tio.

—        Foi você quem trouxe a informação do evento dos Senju e, confesso que não me agradou no início. Entretanto, Tsunade sempre foi ótima em tudo o que faz, com exceção das apostas claro, por isso, não me surpreendeu que o evento me agradasse. Você é o intermediário no meio disso, por isso estou falando com você, pretendo me comprometer pela divulgação desse evento pelos próximos anos. - Itachi se surpreende ao ouvir o tio - Já falei com Tsunade na verdade, mas como disse, foi você quem trouxe isso até mim então acredito que gostaria de saber.

—        Isso me deixa bastante contente tio, a causa deles é muito boa e com ajuda da Suzano'o Mídia, sei que vão conseguir ainda mais doações.

—        Sim.

—        Era só isso?

—        Sim.

—        Então se me der licença, preciso almoçar.

—        Claro.

Itachi se ergue e se encaminha para a porta mas para ao ouvir o tio.

—        Itachi, - o moreno volta seu olhar ao mais velho - você está apaixonado não está?

O mais novo se surpreende ao ouvi-lo, o que o denunciou?

—        Como sabe?

—        Sei tudo o que acontece na minha empresa, inclusive que meu sobrinho anda rejeitando as modelos.

Rádio corredor. Eu devia ter imaginado.

—        Ela é a mulher que queria voluntários?

Mais uma vez ele se surpreende pelo tio ter conhecimento sobre isso.

—        Sim.

—        Espero que tenha sorte com ela.

—        Obrigado tio.

—        Era só isso. Pode ir.

Itachi deixa a sala seguindo para o elevador surpreso pelo tio ter tanto conhecimento assim sobre ele. Entretanto, sabe que não deveria. Ainda que demonstre ser frio e sem sentimentos, Madara é para Itachi como um pai, até mais que o verdadeiro.

O moreno suspira afastando os pensamentos do pai, ele não precisa pensar nele agora, e segue para seu almoço.

 

O dia de Sakura não começou da melhor forma, ela ainda está abatida pelo que aconteceu no dia anterior. Felizmente esse é seu único problema, já que consegue progredir muito com a obra, mesmo que alguns imprevistos tenham surgido.

A rosada também tem algumas ideias sobre a área livre que tem na casa a qual os proprietários estão abertos a sugestões. Eles não têm ideia do que colocar ali e pediram a Sakura que lhes mostrasse opções. Claro que conhecer os donos ajuda muito, afinal se não souber o que está fazendo pode ser como sugerir um pedaço de carne a um vegetariano.

Ainda assim a única coisa que ela sabe sobre os dois são o passado deles e ainda assim não conhece muito. Kotetsu namorou Tenten por bastante tempo na época da escola então ela conhece um pouco o rapaz. Izumi se relacionou com Itachi e Sasuke quando eram mais novos, mas essa é a única informação que tem da morena. Resumindo, não tem nada que a direcione para uma ideia e isso é bastante frustrante.

Depois de almoçar, Sakura segue para a outra obra da qual é responsável. Felizmente essa obra já está chegando ao fim, apenas mais algumas revisões, para verificar se tudo está como deve. Os próximos dias serão inteiramente nesse lugar o qual ela quer entregar em perfeitas condições. Esse é um defeito dela, é extremamente perfeccionista, é um defeito porque qualquer coisa menor que a perfeição a incomoda seriamente.

Ela sai tarde da obra bastante cansada, mandou mensagem para Hinata dizendo que não poderia ir ao ensaio por causa disso e assim que chega em casa, enche a banheira, pois anseia por um longo banho.

Durante esse momento que seu corpo relaxa na água quente, recorda o fim de semana que teve e também se lembra que ainda tem que conversar com Sasori, mas está tão cansada e sobrecarregada que decide esperar um pouco mais.

 

A semana passa tão corrida que Sakura não se dá conta quando a quarta-feira chega. Ela se dedicou totalmente a um dos seus últimos projetos, seus pensamentos se limitaram ao trabalho e por isso sequer teve tempo para pensar em Itachi, sua mente estava exausta demais para pensar sobre o que fazer em relação a ele.

Agora, já no prédio da construtora, a rosada estaciona o carro na vaga de sempre e sem demora segue para o elevador apertando o botão do último andar. Quando passa pela porta vê Karin e se aproxima da ruiva.

—        Oi. - ela sorri e recebe um sorriso de volta.

—        Resolveu aparecer? Pensei que não viria hoje.

—        Finalmente acabou, a inauguração é amanhã.

—        E você vai?

—        Tá brincando? Tenho muito trabalho ainda.

Karin ri.

—        Devia imaginar.

Sakura se encaminha até sua sala, mas a Uzumaki a chama.

—        Sakura.

A rosada se vira ao ouvi-la.

—        Sasuke estava procurando por você.

Sakura se surpreende, não pensou que ele perguntaria sobre ela, até porque trocaram seus números. Além disso, Luís também tem o número da rosada, se houve algum problema na obra eles deveriam ter ligado para ela.

—        Ele ainda está na sala dele se quiser.

—        Obrigada.

Sakura caminha até sua sala deixando suas coisas e segue para a sala do Uchiha parando a sua frente. Ela se lembra do que Ino disse, o moreno causa nela uma atração sexual bastante intensa e ela não tem certeza de que isso mudará. Essa é a primeira vez que fala com Sasuke depois de descobrir sobre os sentimentos de Itachi e finalmente sentir algo parecido com a paixão que tantos falam. Apesar disso, não tem total certeza de que seu corpo não reagirá ao moreno.

Depois de respirar fundo ela dá três toques na porta.

—        Entre.

O som másculo da voz do moreno a faz estremecer, parte por medo de suas provocações, parte porque é um som bastante atraente. Tomando coragem ela abre a porta e vê que Sasuke aparenta estar tão cansado quanto ela. Ele tem o cotovelo direito apoiado em sua mesa e massageia a área entre os olhos enquanto tem a outra mão sob o mouse do notebook.

Ela entra e ele sequer olha em sua direção, isso a irrita um pouco afinal detesta ser ignorada independente de quem seja.

—        Ahn, oi.

Sasuke se surpreende ao ouvir a voz da rosada e rapidamente olha para ela. Sakura fecha a porta atrás dela e se aproxima puxando a cadeira para se sentar.

—        Soube que queria falar comigo, algum problema na obra?

—        Ah, não, não teve problemas. Mas sim eu queria fala com você.

Ela o observa e o silêncio perdura por alguns segundos.

—        Então.

—        Ah, claro.

Ele se ergue e se aproxima da maquete do vilarejo. Sakura se ergue acompanhando-o e se coloca ao seu lado.

—        Como sabe, há uma grande floresta ao redor do vilarejo e como estamos construindo um lugar para crianças, pensei em colocar um cercado no limite do vilarejo.

Sakura se surpreende com a ideia, ela sabia que Sasuke não era um amador, mas parece ter se esquecido desse detalhe.

—        Acredito que as colunas devam ter pelo menos um metro de profundidade, e devemos colocar mais travessas do que de costume, para que as crianças não consigam atravessá-la.

Ela o observa com um sorriso.

—        Fico me perguntando se você era uma criança travessa.

A mudança repentina de assunto surpreende o moreno, mas ele apenas abre um sorriso maroto para ela. Ao ver isso, Sakura se lembra de com quem está falando e sente certo arrependimento por ter dito o que disse.

—        Não sei se posso dizer que era uma criança travessa, mas garanto que sou bastante levado em algumas situações.

Sakura imagina ao que ele se refere, é claro que ele a está atiçando, mas completamente intacta apenas aumenta seu sorriso.

—        Você tem mesmo cara de ser levado, mas lembre-se crianças levadas não ganham presente no natal.

—        A mamãe Noel que tenho em mente não se preocupa se sou levado, acho que ela talvez me procure exatamente por isso.

Isso a pega de surpresa e ela não sabe como reagir, a rosada entrou no jogo e se deixou levar agora teme que tenha feito uma besteira.

Ela volta a focar na maquete e Sasuke percebe que a deixou desestabilizada. Fazia tempo que ele não tinha uma vitória isso o anima.

—        Bom, - ela diz - acho que podemos cercar toda a área. Pensava em cercas estilo mourão ou tradicional? Acho que poderíamos usar as tradicionais, esteticamente elas são melhores, mas talvez com as crianças isso seja um problema.

—        Então, por que desapareceu assim?

Ele quer parecer desinteressado, mas realmente quer saber o motivo de sua ausência.

Sakura se surpreende pelo interesse do moreno, mas não vê problemas em respondê-lo.

—        Foquei meu tempo em um dos meus projetos, consegui finaliza-lo, agora faltam apenas uma casa e o vilarejo que está muito mais rápido do que eu imaginava.

—        Hum.

Ela morde o lábio inferior pensativa enquanto observa a maquete e as orbes negras não deixam esse sexy gesto passar sem ser notado.

—        Então?

—        Então? - ele pergunta confuso. - Então o que?

—        Como o que? Prefere as cercas em estilo mourão ou as tradicionais?

Ele se silencia por um momento pensativo e ela ri do moreno.

—        Minha nossa Sasuke, você está bem? Parece desligado.

Ele massageia os olhos.

—        Estou cansado, um dos projetos está me dando dor de cabeça.

—        Não é o nosso é?

—        Não, não, não se preocupe.

O telefone de Sasuke toca e Sakura o observa virando seu corpo para ele.

—        Conversamos mais sobre a cerca depois. - ela lhe sorri e se afasta. - Ah Sasuke.

O moreno foca no rosto dela.

—        Se precisar de ajuda com seus projetos, pode contar comigo.

Ele se surpreende.

—        Obrigado.

Sakura sai da sala deixando-o atender ao telefone.

Quando foi que ficou tão fácil conversar com ele?

Ela afasta o pensamento e volta para sua sala para terminar seu trabalho com a papelada.

 

A jornada diária finalmente termina, Itachi está exausto pelo dia cheio que teve e só deseja um banho.

Assim que entra em seu apartamento, segue direto para o banheiro onde tem um banho longo e relaxante. Mas não tanto quanto de costume, isso porque Sakura volta aos seus pensamentos e o atormenta um pouco mais.

A semana teria sido naturalmente maçante, mas ele tinha que se declarar para fazer da espera por uma resposta algo a mais para essa grande confusão em sua mente.

Ele se lembra que se declarou por conselho de sua mãe. A matriarca Uchiha havia conversado com ele quando foi visitá-la no sábado. Por alguma razão a qual ele desconhece, ela pareceu adivinhar que algo estava errado com ele. Shisui o moreno até entende, afinal falou sobre Sakura com ele, mas sua mãe e seu tio Madara foram realmente uma surpresa.

Entretanto, Itachi deveria imaginar que mais cedo ou mais tarde ela acabaria descobrindo ela é ninja para coisas do tipo. Pressionado pela matriarca ele contou como conheceu Sakura e disse um pouco sobre ela, foi quando ouviu um conselho da mãe que foi dado com um belo sorriso.

Se ela é tão importante para você, precisa saber disso.

Isso fez com que o Uchiha fosse para a exposição preparado para contar. E apesar de estar preocupado com a resposta, Itachi está aliviado por ter contado. Pela primeira vez em dias, ele realmente está aliviado, apenas espera que sua resposta chegue logo. Ele não vai pressiona-la, sabe que Sakura tem que pensar com calma e entender seus sentimentos, por isso prometeu esperar. E mesmo que seja sufocante, é o que ele irá fazer.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...