1. Spirit Fanfics >
  2. O Encanto da Cerejeira >
  3. Capítulo 47 - SASORI - O ensaio

História O Encanto da Cerejeira - Capítulo 82


Escrita por:


Capítulo 82 - Capítulo 47 - SASORI - O ensaio


Um longo suspiro é solto assim que Sakura desperta. Ela está curiosa para saber como foi a despedida de solteiro, apesar de imaginar que houveram mulheres e bebidas, ainda assim fica curiosa. Talvez principalmente para saber como foi a apresentação de Hinata.

Sakura passou o dia com a morena ensaiando a dança, que foi uma verdadeira surpresa, sequer suspeitava que a morena iria fazer uma surpresa dessas, ainda mais na frente de vários caras. E precisa admitir que foi uma boa ideia surpreender Naruto dessa forma.

As meninas ajudaram a arrumar a casa do loiro tal como ele fez com a de Hinata, afinal essa noite o presente era dele. Foi por isso que Sasuke precisou mantê-lo longe desde cedo.

Além de arrumar a casa deixando-a com uma decoração romântica, a morena também preparou alguns dos pratos favoritos do loiro sem contar que a fantasia de coelhinha por si só já é um presente e tanto.

A rosada dá um sorriso com a lembrança e pega o celular. Algumas mensagens trocadas na noite anterior a fazem pensar como seria se Sasori também estivesse naquela festa.

Suas amigas pareciam angustiadas e preocupadas, não seria nenhuma surpresa se resolvessem que queriam ir até lá. Até mesmo Ino demonstrou um pouco de preocupação e isso fez Sakura sorrir afinal é mais um indicativo de que a loira também está começando a se envolver, isso é bom.

Depois de ler algumas de suas mensagens ela volta à página principal e vê o nome de Sasuke clicando sobre ele. A janela de mensagens é aberta, mas não está repleta, já que não foram muitas as conversas que tiveram então não há muito o que ser lido. Seus olhos se focam na última mensagem enviada por ela.

*A Hina pediu pra dizer ao Naruto que chamei vocês para sair, assim ele vai acreditar mais. E ela já avisou o Suigetsu para que ele ligue para vocês em alguns minutos.*

*Obrigado.*

Hinata enviou mensagens a Naruto mas seu celular descarregou e em meio a tantas coisas a fazer a morena sequer sabia onde estava seu carregador, por isso precisava que alguém falasse com o moreno. Como Sakura era uma das únicas que tinha o número do engenheiro foi a ela que a noiva pediu o favor, então a rosada enviou a mensagem.

A única mensagem que Sakura enviou a ele foi referente ao trabalho, isso porque havia dito que não era necessário trocar mensagens, mas acabou tendo que trocar as mensagens. Não que isso a incomode agora, na verdade é como se ele fosse um amigo então realmente, não a incomoda.

Ela se arruma, pois precisa estar na mansão Uzumaki em meia hora, para o ensaio, ao qual havia se esquecido, mas felizmente Hinata a lembrou. Não apenas desse ensaio, como também do ensaio extra de dança que será feito na quinta feira. Ela não sabe bem o motivo pelo qual não o farão também na segunda, mas considerando que todos estão muito bem imagina que seja por isso.

Sakura segue para o próprio carro e logo está a caminho da mansão Uzumaki.

 

A grande construção logo aparece em seu campo de visão e ela estaciona próximo a porta principal, assim que desce do carro caminha até a porta e um empregado surge a sua frente.

—        Bom dia senhorita.

—        Bom dia.

—        Siga-me, por favor.

Ele a guia pela casa, a qual sozinha com certeza se perderia, e logo chegam a uma área verde onde há um belo gazebo de madeira branca no fim dele.

O lugar já está repleto de pessoas, entre eles as damas de honra juntamente com seus acompanhantes, os pais dos noivos, noivinhos, o juiz e claro, o padrinho. No entanto ela não vê nem Naruto, nem Hinata.

Sakura se aproxima das amigas que estão em uma conversa animada.

—        Oi.

—        Testuda, que bom que chegou, - Ino segura o braço de Sakura - essas loucas estão me atormentando.

—        O que aconteceu?

Tenten abre um grande sorriso e coloca as mãos na cintura.

—        Ela não admite que está apaixonada.

—        Não vou admitir algo que é mentira.

—        Sai?

Sakura olha para Ino.

—        Exato. - Karin diz - Ino depois de tudo o que aconteceu e do seu desespero ontem acha que pode negar?

—        Eu não estava desesperada. - A loira diz irritada. - E eu não era a única.

Temari ri.

—        Nisso ela tem razão.

—        Isso não vem ao caso, - Karin diz - e sim sua resposta.

—        Resposta? - Sakura se surpreende - O que aconteceu?

—        Ele a chamou pra sair e ela não sabe o que responder.

—        Qual é o conflito? - a rosada, que olhava para Karin, volta seu olhar para a loira. - Você já dormiu com ele, não vai morrer se aceitar.

—        É o que estamos tentando dizer a ela. - Temari diz.

—        Vocês não podem saber.

Sakura ri.

—        Porca uma hora isso ia acontecer, você se atraiu por ele esse talvez seja o momento certo para se apaixonar, não acha?

—        Sabemos que está com medo Ino, - Tenten diz - mas é o risco que faz tudo valer a pena.

A loira suspira e Hinata se aproxima.

—        Oi meninas, desculpem a demora.

Olhares maliciosos são lançados para a morena e até mesmo Ino se recuperou.

—        Não tem problema, estava satisfazendo alguém especial. - Sakura abre um grande sorriso.

—        A noite foi longa coelhinha? - Karin sorri.

—        É-é, vamos começar?

As meninas riem e elas se preparam para o ensaio.

Cada uma se aproxima de seu determinado acompanhante e Sakura se põe ao lado de Sasuke que sorri para ela.

—        Bom dia.

—        Bom dia.

Ela sorri em resposta.

—        Bela ideia a que tiveram para a despedida do Naruto.

—        Fiquei sabendo que também foi uma boa madrinha.

—        Faço o que posso.

Sakura dá de ombros mas ao ouvir o mestre de cerimônias limpar a garganta focam o olhar sobre ele.

—        Prestem atenção em mim, por favor.

Ele ganha a atenção de todos e, assim, o ensaio começa.

O homem fala muitas coisas e explica detalhadamente como tudo deve seguir. De acordo com o que ele disse, dá para se imaginar o quão bela a cerimônia será.

—        Está bem?

Sakura desperta do foco que estava tendo no mestre de cerimônias ao ouvir a voz do moreno. Seus olhos não demoram a se erguerem na direção dele e ela o vê observa-la também estranhando a pergunta.

—        Ahn, sim por quê?

—        Ainda não me provocou.

Ele abre um belo sorriso e Sakura desvia o olhar pensativa.

—        É, não provoquei.

—        Essa era a deixa.

Ela se silencia, Karin está certa, ela tem que contar a ele que está namorando ou o moreno irá continuar com as investidas. Eles ouvem alguém limpar a garganta e notam os olhares sobre si.

—        Os padrinhos já podem vir.

Com os padrinhos se aproximando do gazebo eles focam apenas no ensaio e não voltam a se falar.

 

Quando o mestre de cerimônias dá sua última indicação, Kushina avisa que um almoço será servido e eles se dispersam um pouco. Alguns grupos são formados, como os rapazes, as garotas e os pais, porém Sakura permanece onde está apenas observando a área a sua volta.

—        Cansada de interagir com os outros?

Ela se vira para olhar Sasuke que se aproxima. Ele estava ao lado de Naruto, longe dela até esse momento então não voltaram a se falar por isso.

—        Não posso dizer que seja algo ruim. - ele dá de ombros - Mas não é do seu feitio.

A rosada se surpreende com o que ouve, afinal ainda que tente esconder o moreno parece um pouco preocupado. Ela desvia o olhar focando no gazebo e abre um sorriso.

Parece que ele consegue se importar com as pessoas.

—        Estava pensando na reação do Naruto ao descobrir ser a Hina.

Um sorriso aparece no rosto do moreno.

—        Ele ficou apavorado, provavelmente pensava em todas as formas com as quais Hinata poderia mata-lo.

Sakura ri.

—        Não duvido que tenha feito isso.

—        Mas depois relaxou ao descobrir que era ela e aproveitou o resto da surpresa.

Sakura sorri e volta seu olhar para o moreno.

—        Também deve ter aproveitado bastante.

—        Por que a curiosidade? - ele ergue a sobrancelha - Interessada?

—        Vai sonhando Uchiha.

Ele sorri e desvia o olhar dela colocando as mãos nos bolsos e olhando as nuvens no céu.

—        Na verdade, estava muito ocupado com a organização daquilo, nem tive tempo pra beber direito.

—        Minha nossa, - ela se surpreende - deve ter sido triste.

O moreno a observa com o canto dos olhos, porém mantêm a cabeça levemente erguida.

—        Digo, foi o único em uma despedida de solteiro que não teve um cuidado especial.

Sasuke se surpreende, mas sorri e vira todo o rosto na direção dela.

—        Está se oferecendo?

—        Ah, não, não me entenda mal. Já tenho namorado.

O sorriso dele se desfaz pela surpresa. Essa é a última coisa que o Uchiha imaginava ouvir hoje. Sakura também se surpreende pela facilidade que teve para contar e pelo menos agora pode relaxar um pouco afinal ele já sabe.

—        Pelo menos tem o consolo de ter feito uma boa despedida para ele. - ela continua - Não é um padrinho tão ruim como pensei que seria.

Ele não responde e ela acha estranha o fato esse é o momento em que ele se defende ou reclama pelo comentário.

—        Sasuke você está bem?

Ele olha para ela.

—        Sim, por que pergunta?

—        Bom, você não retrucou.

—        Não tenho culpa por pensar mal de mim, faz isso desde sempre.

Ele dá de ombros surpreendendo-a com o que diz e isso a deixa sem fala por alguns segundos.

—        Mas como um antigo amigo dizia, - ele volta a falar - prefiro surpreender a decepcionar.

O moreno abre um breve sorriso que apesar de ser forçado Sakura não percebe. Ainda assim, a rosada achou estranha a ausência de uma resposta e também pelo que disse depois.

—        Sim, acho que sim.

—        Oye vocês dois. - Naruto acena para eles - Venham comer.

—        Bom, - ela sorri para ele - acho preciso mesmo de uma bela refeição.

Sasuke abre um fraco sorriso correspondendo-a.

—        Sim, somos dois.

Eles se aproximam dos outros onde tem um almoço repleto de risadas e histórias, de Naruto, de Hinata e de algumas aventuras dos amigos.

Eles se aproximam dos outros onde tem um almoço repleto de risadas e histórias, de Naruto, de Hinata e de algumas aventuras dos amigos.

 

A segunda chega cansativa. A rosada não demora a se erguer e se aprontar para o trabalho.

Seu caminho corriqueiro até a construtora é substituído, pois segue em direção à casa de Kotetsu e Izumi. Sakura pretende finalizar esses dois projetos até o fim do mês, o que não é impossível. A construção da casa vai de vento em popa e o vilarejo já está nos últimos detalhes, todos os prédios já estão de pé, apenas é necessário realizar o acabamento e assim inaugurar o lugar, ela está ansiosa por isso.

Sakura simplesmente amou planejar uma vila inteira, mas não é por isso que está tão ansiosa e sim pela reação das crianças.

No entanto, não é apenas a aprovação das crianças que espera, não que realmente se importe com o que os outros além dos moradores do lugar pensam. Isso porque, haverão pessoas importantes de Konoha e a imprensa em peso estará lá. O fato a assusta um pouco, ainda que críticas construtivas sejam excelentes para progredir está com certo medo.

A imprensa aparentemente foi ideia dos chefes desse projeto, Uchiha Madara e Senju Hashirama. Karin disse que a imprensa no local fará com que mais pessoas se interessem e queiram ajudar o orfanato, isso a deixa feliz.

Ao chegar na casa dos noivos, verifica como as coisas estão indo. Nada ali está fora de seus desenhos e isso é gratificante. Depois de algum tempo resolvendo pendências, sai para almoçar o que a leva ao Ella’s já que o restaurante não é tão longe.

Assim que chega ao restaurante é bem recebida e faz uma boa refeição como de costume. Durante a espera da conta, Sakura pensa em como seria bom se eles entregassem comida, já que mesmo tendo falado com eles sobre isso antes, não resolveu muito. Pensar no restaurante a faz se lembrar de Sasuke e que o moreno conseguiu algo extraordinário, que lhe dessem um de seus espetaculares vinhos. Aquele foi mesmo um gesto e tanto, mesmo que a rosada seja uma fiel freguesa.

A pessoa que trás sua conta, como acontece desde que visitou o lugar com Sasuke, é a gerente e a rosada abre um belo sorriso que lhe é retribuído.

—        É sempre bom revê-la senhorita.

—        Sim, gosto de vir aqui.

Sakura pega seu cartão.

—        E gostaria muito que fizessem entregas.

A mulher abre um sorriso gentil para Sakura.

—        Senhorita já falamos sobre isso.

—        Sim, eu sei. É que seria muito bom. Hoje mesmo estou planejando um jantar caseiro para o meu namorado e seria ótimo ter a comida de vocês.

A gerente sorri.

—        Se é um jantar caseiro comidas de restaurantes não se encaixam.

Sakura ri.

—        Sim, sim, tem razão.

—        E sempre que quiser comer nossa comida é bem vinda para trazê-lo. Aliás, - a rosada foca o olhar sobre a mulher - pensei que já estivessem noivos.

Sakura se surpreende, ela se esqueceu totalmente sobre como Sasuke conseguiu o vinho, apenas se lembrou que o conseguiu para se desculpar com ela, mas se esqueceu que havia dito que eram noivos.

—        Sim, nós somos. É que ainda me confundo as vezes.

—        Entendo.

—        Enfim, - Sakura tenta encerrar o assunto - é realmente uma pena.

—        Sim, é uma pena. Vou cobrar sua conta, com licença.

Sakura entrega o cartão e a vê se afastar dando um suspiro em seguida.

—        Aquele Uchiha arrumou pra minha cabeça. - ela diz para si mesma a espera do cartão.

Quando a mulher volta a se aproximar da Haruno, leva uma garrafa de vinho nas mãos o que surpreende Sakura.

—        Espera, - a rosada diz assim que a gerente se aproxima - o que é isso?

—        Um agradecimento.

—        O que?

—        Estava mesmo pensando em como a agradeceríamos.

—        Vocês não podem sair dando vinhos assim.

A mulher ri.

—        Não se preocupe, ele foi pago.

—        Como assim?

—        Seu amigo veio aqui, o pintor do quadro, - Sakura se surpreende - o que gastou aqui, paga por essa garrafa.

—        Ainda assim eu não posso aceitar.

—        Por favor, é um agradecimento. Ele não é o primeiro que vem ao nosso restaurante por recomendação sua. E muitas das pessoas que nos visitam são conhecidas e com isso conseguimos muitos clientes.

—        A comida de vocês é boa e nem há o que ser dito do vinho, não é por minha causa que vocês são tão elogiados. É um medito de vocês.

—        Vamos senhorita, é apenas um vinho. Pelos quadros que doou.

Sakura fica sem fala por alguns poucos segundos.

—        E... Eu realmente não sei o que dizer.

—        Que tal obrigada?

—        Bom, então obrigada.

A mulher sorri e entrega a garrafa a Sakura.

—        Obrigada pela preferência. Volte sempre.

—        Claro.

Sakura deixa o lugar realmente surpresa pelo que acaba de acontecer, afinal não esperava por isso. O caminho até a casa de Kotetsu e Izumi é curto e ela logo está de volta à obra.

Seu trabalho exige muito dela, mas ainda que tente se concentrar seus pensamentos continuam a voltar ao restaurante.

Como vou explicar para eles que Sasuke e eu não somos noivos? E depois de receber esse vinho é ainda pior.

Sakura se sente culpada pela mentira e se irrita por ter concordado com o moreno naquele dia. Na verdade não está irritada por ter concordado, aquele foi um bom almoço e ela não teria respondido de forma diferente, o que a irrita é que agora tem problemas por causa disso.

Depois de soltar um longo suspiro exasperado, consegue volta a se focar em seu trabalho.

 

Sakura passa algum tempo no lugar, afinal ainda tem uma parte da casa na qual não tem ideia de como progredir. É uma área que os donos não tem ideia do que querem e como é seu trabalho precisa de uma ideia para oferecer, mas ainda não conseguiu pensar em nada desde quando viu essa área vazia.

—        Talvez uma estufa. - ela diz pensativa.

—        Boa tarde.

Sakura se vira e vê Izumi se aproximar.

—        Ah, boa tarde.

—        Está ficando magnífico. A forma como fez esse terreno parecer maior do que ele é foi incrível. Fizemos bem em te procurar.

—        O-obrigada. - a rosada diz sem graça.

—        É estranho ver tudo assim, sem estar pronto digo.

—        Geralmente os clientes só vêm à obra quando ela está finalizada.

—        Gosto de ver as coisas progredirem, gosto de ver o passo a passo, parece mais gratificante no final.

Sakura a observa surpresa, entendendo ao que ela se refere.

—        Sim, acho que está certa.

Ela volta a planta que está na mesa e Izumi se coloca a sua frente observando o papel.

—        Estava pensando em fazer algo que vocês se interessem, como uma estufa, por exemplo, o espaço e encanamento tornariam possível montar uma aqui.

—        Eu gosto da ideia.

A morena sorri e Sakura rabisca um desenho na planta.

Elas passam algum tempo em silêncio enquanto Sakura termina de rever seu projeto.

—        Sakura você está transando com o Sasuke?

A rosada se surpreende com a pergunta e, mesmo que o fato não seja verdade, ergue o olhar para a morena a sua frente suspirando.

—        Não quero ser indelicada nem grossa Izumi, mas isso não é da sua conta.

A morena se surpreende com o que ouve.

—        Ele não é como você pensa.

Sakura percebe que ela está tentando fazê-lo parecer a pior pessoa do mundo apenas por ouvir o tom que a morena leva e isso irrita a rosada.

—        Como eu penso? - ela ergue uma sobrancelha - Você até está certa em um ponto, ele me surpreende cada vez mais.

Izumi se surpreende mais uma vez.

—        Veja bem Izumi, não envolvo meus clientes com assuntos pessoais, então gostaria que não voltasse a falar sobre isso.

—        Vai se arrepender se continuar com ele.

Sakura percebe o tom hostil e se surpreende.

—        Está me ameaçando?

—        Não, estou avisando.

—        Agradeço a preocupação, - Sakura deixa clara a ironia na última palavra - mas se continuar a se meter na minha vida, não poderei ser responsável por esse projeto.

—        Tudo bem, não falarei mais nisso, apenas se considere avisada.

Izumi se afasta.

—        Tenha um bom dia de trabalho.

Ao perdê-la de vista, Sakura deixa o lápis em cima da mesa soltando um suspiro frustrado. E ao rever a conversa que teve a pouco se surpreende pelas respostas que deu, mas nota que teria defendido qualquer amigo com a mesma intensidade. Com isso finalmente percebe que realmente considera o Uchiha um amigo.

A intromissão de Izumi em sua vida, apesar de irrita-la a deixou curiosa pelo que a levou a isso. A morena estava morta de ciúmes é claro, mas por quê? Será que Sasuke e ela já namoraram? Ela se lembra do ar melancólico do moreno ao falar sobre Izumi. O que ela fez para ele?

Mesmo depois de algum tempo, Sakura não consegue voltar a focar no trabalho com a curiosidade e um pouco de irritação ainda presentes, e como já está próximo de escurecer decide ir para casa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...