História O espaço entre nós. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Artista, Artsticsuga, Astronauta, Jeongguk, Kook, Kookv, Taehyung, Taekook, Vkook, Vmin Friendship
Visualizações 132
Palavras 2.674
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, que vergonha, eu não queria ter demorado tanto. Me desculpem por isso, ok? Não vou me prolongar muito, a gente conversa nas notas finais e eu explico tudo por lá. Obrigada pelo retorno, pelos comentários lindos e pelos 38 favoritos, sou muito grata a vocês por isso, muito obrigada mesmo. Agora vão ler, eu espero que gostem <3

Capítulo 3 - .sobre linhas, entrelinhas e a oficina


Fanfic / Fanfiction O espaço entre nós. - Capítulo 3 - .sobre linhas, entrelinhas e a oficina

Capítulo 2

A atmosfera tranquila agora se tornava assustadora, o silêncio nunca havia incomodado tanto o mais baixo. Em um momento de “surto”, sorriu, olhando para o lado e movimentando os ombros — algo que apenas fazia quando se sentia perdido.

O acastanhado notou seu desconforto, soltando uma risada baixa e sorrindo pequeno para a atitude do garoto, que para ser sincero, considerava no mínimo, fofa. Soltou o ar que segurava entre os lábios, levando uma das mãos até os cabelos claros e penteando as madeixas.

 — Eu preciso ir Jeon, tenho algumas coisas para fazer e não quero atrapalhar seu passeio — falou, levando a mão até o bolso da calça e tirando de lá um pedaço de papel pequeno, uma caneta igualmente pequena e anotando alguma coisa rapidamente.  

 — Me ligue ou mande uma mensagem, podemos nos encontrar na cafeteria outra vez, gosto da sua companhia, embora tenha tido tão pouco dela.

Ditou firme, se despedindo do Jeon com um sorriso sincero. O moreno segurou o papel entre os dedos, apertando os lábios rapidamente. Se virou, soltando uma risada baixa ao ver que o Min lhe encarava com os braços cruzados e olhos semicerrados.

 — Você é um traidor, por que não me contou que tinha arrumado um namorado? — o amigo fez um bico, tentando não rir da própria atitude.

 — Porque ele não é. Você é meu melhor amigo, te contaria qualquer coisa.Ele é só um rapaz legal que conheci na cafeteria, acho que somos amigos agora — falou.

 — Seu amigo? Pensei que ainda fosse tímido igual era no tempo em que te conheci, pelos deuses, eu tive que apanhar muito para ganhar sua amizade. Literalmente. — brincou.

 — Não era você que vivia a dizer que eu tinha que parar de ser um gatinho assustado e virar um leão?

 — Você parece mais um gato selvagem do que um leão hoje em dia Jeon, pode esconder as garrinhas.

O som cativante da risada do moreno chegou aos ouvidos do amigo, que riu, deslizando a mão sobre o próprio braço e segurando a de Jeongguk em seguida, entrelaçando os dedos longos e ossudos aos do mais baixo e puxando o mesmo, começando a caminhar novamente pelas galerias até que Jeongguk tivesse a alma lavada por tanta arte reunida em um lugar só.

O momento que dividiam, por infelicidade, acabou assim que a noite caiu robusta. Jeongguk apenas agradeceu, aceitando de bom grado a carona de Yoongi e dando um abraço apertado no conhecido antes de abrir a porta do automóvel e calcorrear até o portão de sua casa.

Jeongguk tirou os sapatos assim que fechou a porta, fechando os olhos em puro deleite ao sentir seus pés em contato com o piso gelado. Deslocou-se até o próprio quarto e pegou uma toalha, caminhando decidido até o banheiro. Precisava mesmo de um banho.

Sem roupas e com a água quente deslizando sobre deslizando sobre sua pele, Jeongguk sorriu ao se lembrar de seu encontro repentino com o Kim.

Passou a mão pelos cabelos molhados, terminando seu banho o mais rápido possível, já era tarde demais e ainda precisava comer. Não demorou para o moreno sair do banheiro, indo até o guarda roupa e vestindo um conjuntinho de pijama, indo de uma vez por todas, até a cozinha.

Após a refeição, escovou os dentes e foi em direção ao quarto outra vez, se deitando na cama de casal. Se cobriu, se ajeitando e sorrindo à medida que se sentia quentinho. Olhou para o lado, vendo em cima do criado mudo, o papel que horas atrás, fora a entregue a si por Taehyung. Esticou o braço, puxando a cordinha e desligando a luz do abajur, pedindo aos deuses, em silêncio, que seu sono chegasse logo.

Algumas quadras dali, o rapaz esperava, ansioso, uma mensagem e quem sabe, até uma ligação. Ah, ele tinha tantos sentimentos bons em relação ao Jeon que mal conseguia se conter, nunca havia sentido tanta necessidade de uma amizade como necessitava daquela.

Todos os pequenos detalhes do Jeon fazia o Kim lhe admirar, mesmo que o conhecesse tão pouco. Jeongguk sonhava, se empenhava. Isso tornava ele  uma pessoa incrível aos olhos de Taehyung. Ele apostava muitas coisas no Jeon, e tinha certeza que estava certo sobre todas elas.

A manhã chegara fria, deixando uma camada de neve generosa em cima das inúmeras plantinhas que Jeongguk possuía em seu jardim. O moreno vestia um conjunto moletom cinza, e em suas mãos, uma xícara de café quente e forte o ajudava a enfrentar o clima inclemente.  

Jeongguk olhava a movimentação pela janela de sua casa, vendo como a massa branca e escorregadia se apegava ao chão cada vez mais depressa, fazendo o pensar se era mesmo uma boa ideia sair naquela neve toda.

Começou a jornadear dentro de sua própria residência, entrando no quarto. Sentou-se na beira da cama, pegando entre os dedos o papel enquanto olhava para seu celular. Sabia que ainda era cedo, mas deveria mandar uma mensagem?

Desbloqueou o aparelho, deslizando o polegar sobre a tela e logo passando o número para o celular. Salvou, abrindo o app de mensagens e digitando uma mensagem simples de bom dia, mas apagando logo em seguida. Fez isso uma ou duas vezes antes de finalmente mandar uma mensagem para o Kim.

Para: Kim Taehyung

07:15: Bom dia, astronauta.

Jogou o celular longe, se jogando na cama e bolando de um lado para o outro enquanto as mãos cobriam o rosto rosado. Jeongguk era péssimo com mensagens, nunca sabia o que escrever, para completar seu nível de “estranheza” ele parecia ser a única pessoa no mundo, que preferia ligações demoradas e sem sentido do que mensagens de texto, mesmo que ainda recorresse a elas durante o dia a dia.

Soltou uma risada baixa, levando as duas mãos até os fios negros e bagunçando o mesmo. Isso lhe lembrava o início de sua amizade com um certo ruivinho. Jung Hoseok. Toda vez que mandava uma mensagem para o Jung, seu celular era jogado para outra dimensão, tamanha era a vergonha que tinha por qualquer besteira.

Era engraçado, mas fazia parte do jeitinho estranho do moreno. Se sentou novamente, pegando a xícara que havia deixado sobre o criado mudo e bebendo o líquido tórrido enquanto apanhava seu celular novamente.

De: Kim Taehyung

07:19: Jeongguk? Bom dia, desenhista.

Dormiu bem?

Taehyung sorriu enquanto levava a pequena porção de kimchi até a boca, ainda era cedo e até então, estava tomando seu café da manhã. Apoiou o hashi na borda do prato, deixando-o de lado por alguns instantes para poder conversar com o Jeon.

De: Número Desconhecido

07:23: Sim, sou eu. Ah, dormi como uma pedra. E você?

Sorriu enquanto lia a mensagem, decidindo salvar o contato do outro antes de continuarem a conversa. Tentava imaginar como o Jeon estaria agora, será que estava congelando por conta do frio?

Não trocaram muitas mensagens, apenas algumas onde a resposta era sim ou não, claro ou com certeza, nada muito monótono. No fim, combinaram que seria uma boa sair no fim da tarde para tomar um café e comer um bolo de calda quente no centro da cidade.

Taehyung acertou de ir buscar o Jeon, o moreno parecia receoso, mas passou o endereço depois de alguns minutos. Taehyung estava animado, até mesmo o frio parecia acolhedor naquele momento.

O Kim gostava de dar uma boa impressão aos seus novos amigos, então, mesmo que em segredo e por mais simples que fosse, criou uma programação especial para ele e o Jeon. Não sabia se ele iria aceitar, mas ainda sim, fez.

Não conversaram mais depois daquilo, o que deixou o acastanhado um pouco chateado, mas não reclamou, afinal, ainda não tinha esse direito e seria no mínimo estranho cobrar algo tão bobo em uma amizade que não tinha nem começado direito.

Jeongguk admitiria, em voz alta, que estava nervoso. De repente, se lembrou da primeira vez que saiu com Yoongi. A sua queda ainda rendia boas risadas ao amigo. Riu, de nervoso mesmo e balançou a cabeça negativamente, decidindo fazer alguma coisa para se distrair até que chegasse a hora de encontrar o mais novo amigo.  

Em momentos assim, onde ficava sozinho e a única coisa que se tinha a fazer era entrar para o quartinho no final do corredor, Jeongguk se sentia completo. O cheiro de tinta, a bagunça sobre as mesas, as telas espalhadas e guardadas no fundo da sala, tudo aquilo fazia o moreno se sentir tão ladino.

Se deslocou até o final da sala, dedilhando a tela pintada apenas de preto. Pegou o banquinho e arrastou o mesmo até que pudesse sentar, bem ali, de frente para a tela “sem vida”.

Em sua mente, agora, o quadro negro tinha respingos amarelos e brancos, possuía galáxias e constelações, uma lua e bom, um astronauta.

As linhas que ligavam as estrelas, formando a mais linda das constelações, era quase como as entrelinhas que ligavam Taehyung a si. Mas ao mesmo tempo, ele também tinha medo. Constelações são nada mais e nada menos do que estrelas que parecem estar próximas demais, quando na verdade, estavam longe até demais.

Jeongguk não tinha medo de construir uma amizade com o Taehyung, mas tinha medo de perder.

Decidiu não pintar ou desenhar aquele dia, achou melhor se esconder no meio das cobertas enquanto estudava sobre algumas coisas. O tempo passou consideravelmente rápido, e ele apenas reclamou baixinho quando os pés tocaram o chão frio.

Tomou um banho demorado e quentinho, vestiu uma roupa confortável e que lhe protegesse do frio intenso. Quando terminou de se arrumar, apenas esperou uma mensagem do amigo e a mesma não demorou a chegar em seu celular, assim como o barulho irritante da buzina.

Trancou a casa, descendo as escadas e abrindo o portão, fechando em seguida e indo até o carro, sorrindo simples ao ver o Kim lhe esperando do lado de fora, encostado no automóvel.

 — Você deveria ter esperado lá dentro, se eu tivesse demorado um pouco mais, você iria morrer de frio — Jeongguk falou sério, dando bronca.

 — Desculpe. Eu sou bem forte, ok? Não está tão frio assim — as bochechas e o nariz vermelhos indicavam o contrário.

 — Certo, certo. Vamos? Estou animado — esfregou as mãos, sussurrando um “obrigada” assim que Taehyung abriu a porta do veículo para si.

O mais alto apenas riu, fechando a porta e entrando no carro logo em seguida. Mexeu no painel, arrumando a temperatura e deixando o lugar quentinho, do jeito que o Jeon gostava, mesmo que o Kim não soubesse daquilo.

 — Você quer ouvir alguma música? O centro não é muito longe daqui, aposto que a distância são duas músicas de 4 minutos.

O Jeon abriu a boca algumas vezes, tentando falar algo, mas a única coisa que conseguiu fazer foi gargalhar. — Desculpe, foi engraçado. Eu aposto que é uma música de 3 minutos e outra de dois, considerando que a gente só comece a contar, quando sair daqui.

Os dois se olharam, ainda rindo e fizeram suas apostas, o Jeon teria que lhe dar uma porção extra de calda de chocolate caso estivesse certo, já Taehyung, teria que pagar uma porção extra de marshmallow caso o Jeon acertasse o tempo.  

Quando chegaram no local, Jeongguk teve que aguentar um Kim animado e fazendo uma dança esquisita, de sua casa até o centro, era mesmo duas músicas de quatro minutos.

Caminharam até o pequeno café, entrando e fazendo seus pedidos, logo se sentando nos bancos confortáveis do estabelecimento.

 — Não se esqueça da minha porção extra de chocolate, Jeongguk.

O moreno riu, murmurando um “ok” e tirando a capa grossa que vestia e deixando na cadeira ao lado.

   — Me conta um pouco sobre você, sua família.

Jeongguk pensou um pouco antes de finalmente responder, não tinha uma vida muito interessante e também não era uma pessoa cativante.

   — Não sei muito o que posso te contar, minha família é boa pra mim e me ajuda mesmo longe, eu tenho uma casa legal e consigo pagar minhas coisas com meu trabalho e com as minhas economias.

   — Eu ainda estou esperando a minha carta da faculdade e isso me deixa meio preocupado, sabe? Me interessei por arte quando tinha oito anos. Meu pai me fez um carro de lata e pintou ele de uma cor estranha, desde então, eu levo a arte como uma parte de mim.

Taehyung assentiu, achando interessante a forma como o moreno se abria tão facilmente consigo, ficava feliz em saber que era alguém em que ele poderia confiar.

   — Seus amigos?

   — Não tenho muitos, eles se resumem em um grupo de três pessoas: você, Yoongi e Hoseok. São poucas, mas sei que posso contar.

O Jeon crispou os lábios, sorrindo em seguida e soltando uma risada baixa quando Taehyung piscou algumas vezes, como se tivesse tentando associar as coisas.

 — Tudo bem, eu acho que já te contei tudo o que você precisa saber por enquanto, agora é sua vez. Vai, me conta —  insistiu.

 — Certo. Eu tenho 19 anos e bom, tenho um sonho meio alto — brincou.

 — Minha família é bem unida, eu não moro com eles, mas os visito sempre que posso. Meus amigos se resumem em você e no Jimin, digo, eu conheço outras pessoas, mas por enquanto, eu só tenho essas duas pessoas na minha vida.

 — Você parece ter uma vida interessante, hyung —  respondeu simples, sorrindo quando a garçonete deixou sobre a mesa duas xícaras de café e dois bolinhos de calda quente.

Jeongguk estranhou quando a mesma colocou também sobre a mesa, uma porção de marshmallows, junto da porção extra de chocolate. Olhou para seu hyung, que lhe lançou uma piscadela e ambos riram, em conjunto.

  — Qual é a sua com essas gominhas coloridas? São ruins — o mais velho fez a maior expressão de “argh”.

 — Não fala assim do meu doce, pessoas de 18 anos precisam de açúcar. Isso é pura açúcar! — respondeu, dando de ombros e mergulhando o doce no chocolate de Taehyung, comendo em seguida.  

 — Você parece uma criança falando assim, sabia? —  era uma pergunta retórica, mas ainda assim queria ouvir a resposta saindo dos lábios fininhos de Jeongguk.

 — Sei, claro que sei — riu, colocando algumas das gominhas sobre o café e comendo um pedaço do bolo.

 — Ah, Jeon, eu queria te levar em um lugar depois que a gente sair daqui, pode ser? — esperou uma tréplica positiva.

  — Promete que vai ser um lugar quentinho? Está tão frio lá fora, eu poderia ficar aqui dentro pra sempre.

 — Sim, é um lugar quente.  

 — Então tudo bem, eu só preciso terminar de comer isso e a gente pode ir, se você quiser — a colher cheia de bolo foi parar na boca do moreno assim que o mesmo terminou de falar.

 — Coma devagar Jeon, não precisa ter pressa — ditou calmo, terminado de tomar seu café e seu bolo, derramando um pouco do chocolate no pedaço de bolo do amigo.

Conversaram um pouco sobre o dia a dia um do outro até que Jeongguk terminasse de comer, pagaram a conta e não demorou muito para estarem dentro do carro outra vez. Dessa vez não apostaram nada, mais o trajeto também fora curto.

Era uma espécie de garagem ou oficina, Jeongguk não sabia como descrever, mas ainda sim parecia ser um lugar legal.

 — Vem, vamos subir.

Jeongguk apenas seguiu o amigo, segurando na capa do mesmo para não ter risco de se perder. O moreno olhava tudo com paixão, era tão colorido e tão… uau, tão artístico. As pichações entravam em um contraste bonito junto com as lampadas neons que iluminavam o pequeno corredor.

 — Vem, Jeongguk, é nessa sala aqui — Taehyung falou apontando para a porta fechada, abrindo a mesma e deixando o moreno entrar.

 — Eu não estou vendo nada, hyung.

 — Espera — falou e procurou pelo pequeno interruptor.

A sala começou a se iluminar, principalmente o teto. Jeongguk sorriu, andando meio que sem rumo pela sala ainda escura, olhando para aquilo que parecia um céu estrelado. Levantou os braços, conseguindo triscar nos fios dourados e iluminados. Pelos deuses, sentia como se estivesse tocando o céu.

 — Bem vindo ao seu céu particular, Jeongguk.


Notas Finais


Então, é isso minhas estrelinhas e sim, esse vai ser o nome dos meus leitores. Eu amo vocês demais, sério, muito obrigada por serem tão pacientes e carinhosos comigo. Esse capítulo é especial para mim, comentem e me digam a opinião de vocês, por favorzinho, eu ia adorar saber o que vocês estão achando da história.

Juro que revisei/betei esse capítulo, se tiver algum erro, vocês podem deixar passar, uh? E ah, eu amo yoonkook!friends e agora vocês vão ter que me aguentar hehe


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...