História The Ghost And The Bride (Imagine Jeon Jungkook) (Hiatus) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook
Tags Hetero, Imagine, Jeongguk, Jungkook, Romance, Sobrenatural, Violência Doméstica, Você
Visualizações 1.258
Palavras 1.349
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom, não vou ficar deitada na cama só esperando a dor voltar, vou aproveitar e escrever mais um pouco. :)
Espero que gostem ❤

Capítulo 7 - Angústia


Fanfic / Fanfiction The Ghost And The Bride (Imagine Jeon Jungkook) (Hiatus) - Capítulo 7 - Angústia

O Fantasma da Minha Casa

Capítulo 07

______ (seu nome)

Eu estava me sentindo desconfortável. Abro os olhos e me sento na cama. Coço os olhos e olho para o relógio. Estava de madrugada ainda. Me levanto e vou para o banheiro. Quando eu ia me olhar no espelho, o mesmo estava rachado bem no meio. Bufei e joguei um pouco de água no meu rosto. Saio de lá e me sento na ponta da cama. Eu estava me sentindo mal. Mas não por causa de algo que comi ou coisa do tipo. Me sentia mal por dentro, angústia. Olho em volta e vejo um vulto.

— K-Kookie? -pergunto com medo.

— Oi... -ele aparece sentado no canto do quarto.

— Não fique nesse chão duro, vem cá. -me levanto e tento pegar nas suas mãos para levantá-lo, porém elas passam direto.

Por que eu sempre me esqueço que ele é um fantasma?

— Seus poderes não falharam dessa vez... -falo fazendo um biquinho. — Eu não posso te tocar, então... se levanta e senta na cama. -ele me encara sem expressão. — Por favor...

— Tudo bem... -ele se levanta e faz o que eu disse.

— Posso me abrir pra você? -pergunto me sentado ao seu lado.

— Uhum...

— Eu estou me sentindo mal...

— Como assim? -me olha preocupado.

— Uma dor... aqui no peito. Não sei bem o por quê, mas está me incomodando... -encaro o chão triste.

— Não fica assim, vai passar. -sorri pra mim e eu sorrio fraco. — Vamos lá, me mostre um sorriso melhor!

— Não estou bem, Jungkook...

— Quer alguma coisa?

— Quero... -falo tristonha.

— O quê?

— Um abraço... mas você não pod... -ele me abraça.

Fiquei sem me mexer.

— Acho que os meus poderes falharam de novo. -ele fala rindo e eu também rio.

— Obrigada, Kookie. -retribuo o abraço.

— Está melhor? -se afasta um pouco e me olha.

— Um pouquinho...

— Já sei. -diz sorridente e num movimento rápido se deita no meu lugar da cama.

— O que está fazendo? -pergunto rindo, enquanto o mais velho já se encontrava debaixo das cobertas com um sorriso sapeca no rosto.

— Eu vou dormir com você.

Arregalo os olhos.

— O quê? N-não precisa fazer isso, Kook! -digo ficando vermelha.

— Precisa sim! Eu vou te deixar mais tranquila. -sorri e eu continuo encarando-o.

— ...t-tá bom. -subo na cama e ele vai um pouco para o lado. Me deito lentamente e me cubro. Fico virada de costas pra ele e fecho os olhos. Eu ainda estava me sentindo mal. Queria que aquilo parasse.

— Ainda está se sentindo mal? -sussurra me assustando um pouco.

— Sim...

Sinto ele me abraçar por trás e me arrepio.

— O-o que está fazendo?

— Tentando te proteger.

Fico com o rosto todo vermelho e sinto novamente algo estranho na barriga.

Nunca pensei que fosse me deitar com alguém além do Yong. É estranho, mas... ele é quentinho... e não foi por maldade.

[...]

Acordo sentindo alguém me observando. Abro os olhos e olho para o meu lado vendo Jungkook me encarando com um enorme sorriso.

— Bom dia, ______!

Me sento na cama e me despreguiço.

— Bom... -bocejo. — ...dia, Kookie. -coço os olhos. — Já acordou faz muito tempo?

— Não.

— Ata... -bocejo de novo. — Está mais calmo?

— Estou. -sorriu.

Sorrio também e me levanto indo ao banheiro ainda sonolenta.

Quando volto, o quarto estava vazio. Troquei de roupa e desci as escadas. Chego na sala e me jogo no sofá. Pego o controle e fico procurando por algo legal na televisão, porém não encontro nada. Bufo irritada e fecho os olhos tentando relaxar.

*ding dong*

Abro os olhos e me levanto com muita, muita, mas muita preguiça e vou atender a porta.

— Olá, maninha! -diz estericamente.

— Olá, Min-Jung... -digo tentando não fechar os olhos pelo sono.

Eu ainda estava cansada.

— Nossa, é assim que você recebe a sua irmã que veio lá de Gwangju só pra te ver?

— Ai, desculpa... é que eu estou um pouco cansada.

— Eu te acordei?

— Não, não. Eu acordei um pouco antes de você aparecer. É que eu estou... -ela me interrompe.

— Lerda? -assinto com a cabeça. — Percebi.

— Entra logo... -resmungo dando espaço pra ela passar. Fecho a porta e me sento no sofá. — O que veio fazer aqui?

— Já disse, vim te ver. Não posso mais não? -cruza os braços se sentado ao meu lado.

— Para de ser chata... eu tô com saudade. -dou um abraço apertado nela.

— Eu também estou. -retribui o abraço. — E foi por isso que eu resolvi te levar em dois lugares. -se afasta e eu logo vejo um sorriso travesso em seus lábios.

— O que está tramando? Eu sei muito bem quando você está aprontando alguma, Min. -cerro os olhos.

— Dessa vez você vai gostar, eu prometo!

[...]

— Um shopping? Um shopping, Min-Jung? É sério?

— Estou dizendo, você vai adorar!

A encaro séria.

— Acredite, ____*

— Sabe que eu odeio shoppings. Por quê insiste em me trazer nesses lugares? -bufo olhando em volta.

— ______, para de ser tão ranzinza! A minha ideia é fazer você gostar de moda e mudar um pouco o visual, o que você acha?

— Odiei.

— Mesmo assim eu vou fazer isso. -me puxa pelo braço para dentro do local.

Ela me arrastou para várias lojas de roupas. Ela queria mesmo mudar tudo. Confesso que algumas delas eram lindas, mas eu não queria mudar nada. Gostava do meu estilo simples. Depois de várias tentativas falhas de me fazer comprar uma roupa nova, ela me levou para a praça de alimentação para comermos hambúrgueres e refrigerantes. Isso sim era uma coisa que nós duas gostávamos bastante de fazer juntas. Quando acabamos, ela voltou a me levar para as lojas. Dessa vez era uma loja de roupas elegantes.

— Min, por quê eu usaria um vestido desses? Eu nem sequer saio! -reclamo assim que ela joga o sexto vestido em cima da pilha em meus braços.

— Você vai usar sim! Fui convidada para um baile na casa da minha amiga e ela deixou eu te levar junto.

— Baile? Desde quando fazem bailes hoje em dia?

— Sei lá, mas ela disse que era só para poder se vestir como uma princesa. -ela ri.

— Suas amigas são muito estranhas.

— Eu sei, elas fazem isso sempre! -fala voltando a procurar mais vestidos longos.

Resmungo alto.

— Aqui, toma. -diz quando volta, jogando mais um vestido na pilha.

— Acabou? -pergunto com voz manhosa.

Eu queria sair logo dali.

— Sim, acabei. -comemoro. — Agora eu quero que você experimente todos eles.

— O quê? Está louca?

— Não, só te ajudando. Agora vá logo! -vou ao provador com muita preguiça.

[...]

Chegamos em casa com um monte de sacolas na mão. Ela me fez comprar três vestidos longos, quatro sapatos, duas blusas e um short jeans. Tá, eu acabei gostando no final das contas. Eu estava animada para usá-los. É, acho que ela conseguiu o que queria.

— Hora do lanche! -ela grita da cozinha.

— Obaaa!!! -olho pra trás e vejo a mais velha vindo com uma bandeja cheia de sanduíches e sucos. — Sabe que eu te amo, não é?

— Só porque eu fiz isso? -faz cara feia.

— Claro! -pego um sanduíche e dou uma mordida.

Ela põe as mãos na cintura me encarando.

— Tem certeza?

— Tenho! -digo rindo.

— Okay, foi você quem pediu. -a olho sem entender.

Ela chega perto de mim e me pega no colo.

— Ah, não! Por favor não faz isso de novo! -grito tentando descer mas ela é mais forte do que eu.

Ela começa a fazer cosquinha em mim enquanto nós duas ríamos feito duas malucas. Ela e o meu irmão, Hoseok, me castigam desse jeito desde que eu era pequena. Isso que dá nascer por último!


Notas Finais


Amoras, desculpem por não ter feito nada quanto aos +100 favoritos. Eu estou sem ideia, de verdade! Então eu só tenho a agradecer a todos. Muito obrigada por tudo, nunca pensei que conseguiria chegar até aqui. Vocês não tem ideia de como eu fico feliz ao receber uma notificação dizendo que ganhamos um novo favorito. Sem contar dos comentários, que sempre me fazem rir. Com todos os problemas que estou tendo, ver que os leitores estão gostando e que querem continuação, fazem eu me esquecer deles por um minuto. Me abri um pouquinho porque eu amo e sei que posso contar com vocês. Obrigada a todos, até mais ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...