História O feio mais belo - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lay, Personagens Originais, Sehun, Xiumin
Tags Ceo, Chanbaek, Comedia, Exo, Lovexhate, Misakihime, Romance, Secretário
Visualizações 1.101
Palavras 6.567
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLÁ PESSOAS LINDAS DO MEU CORAÇÃO! <3
Tudo bem com vocês?
Eu sei que demorei para atualizar, mas é que esses tempos a minha vida deu uma mudada bem do nada, então eu ainda estou tentando me adaptar a rotina.
Ahhhhhh estamos com 968 favoritos e não sei nem como agradecer <3 VOCÊS SÃO DEMAIS!
Peço, por favor, que leiam as notas finais. Quero perguntar uma coisa lá hahaha.
Deixarei vocês lerem o capítulo =D.
Boa Leitura!

Capítulo 16 - 16. Depois do furacão Megan vem a bonança?


Fanfic / Fanfiction O feio mais belo - Capítulo 16 - 16. Depois do furacão Megan vem a bonança?

Baekhyun saía a correr pela praça com um largo sorriso em sua face. Suas bochechas já estavam coradas pelo curto percurso e tempo que estava correndo e da mesma forma desajeitada que tinha para dançar, tinha para correr.

Seu coração batia de forma acelerada enquanto sua mente imaginava um Chanyeol sorridente correndo atrás de si quase o alcançando. Mais um pouco o Byun se sentia praticamente em um dorama adolescente.

Chanyeol estava correndo atrás do ruivo, porém estava um pouco distante desse e o observava com uma expressão séria, ou talvez, até mesmo inexpressiva, já que sua mente pensava em várias coisas ao mesmo tempo.  No entanto, a inexpressão em sua face durou muito pouco e os pensamentos felizes na mente do secretário também, pois logo o segundo, muito desajeitado que é, tropeçou em seu próprio pé e caiu de cara no chão.

A primeira reação do presidente da K-Beauty foi gargalhar alto ao mesmo tempo em que observava o menor se levantar com uma expressão irritada e o nariz vermelho, parecendo uma pequena rena.

- Ei! Isso não é engraçado. – Baekhyun esbravejava batendo seu pé no chão.

Em resposta, o modelo colocou a mão sobre sua barriga, pois ele não estava se aguentando de tanto rir. Algumas lágrimas até escapavam, sem esse nem estar triste, por seus olhos.

- Você estava igualzinho a um bolinho de arroz grudento caindo no chão. – o maior dizia entre risadas. – Caiu e ficou.

- Ei! Park Chanyeol! – aproximava-se de seu chefe para estapear aquele ombro largo. – Quer morrer?

O presidente procurou parar de rir e aos poucos foi se acalmando até abrir os olhos para encarar um Baekhyun, com um nariz vermelho, a lhe fitar de forma irritada. Ver tal coisa só fez com que o moreno gargalhasse ainda mais. Aquilo definitivamente estava para um show de comédia.

O ruivo, por sua vez, estava irritado, porém ver Chanyeol gargalhar daquele modo fazia com que toda a sua raiva desaparecesse e sentisse vontade de rir com ele além de observar a expressão genuína em seu rosto.

- Já se acalmou agora? – perguntava para seu chefe depois de alguns minutos.

O presidente da K-Beauty ainda parecia estar imerso em seu próprio surto de risadas. Vendo que não conseguiria acabar com aquilo tão cedo, apenas decidiu se sentar em um banco que havia ali perto. Sua cabeça se erguia enquanto seu olhar também se levantava para fitar as flores de cerejeira bem acima de si.

***Música: Just Stay – Hyolyn (Thirty But Seventeen OST)

A brisa noturna era agradável, a lua brilhava no céu com toda a sua imensidão e poucas estrelas pintavam um pouco aquele vasto céu negro. Era uma noite agradável, o coração do secretário se sentia a vontade, aquecido e, principalmente, derretido com a imagem do maior sorrindo.

Em um rompante, Baekhyun sentiu algo pousar sobre sua perna assustando-o. Quando baixou o olhar para ver o que era, permitiu-se sentir suas bochechas corarem ao ver a cabeça de Chanyeol pousada ali, com aqueles olhos castanhos grandes a lhe fitar. O modelo estava deitado no banco de modo a fitar a única coisa que parecia ser importante naquele momento.

- Ei, por que saiu assim? – franzia as sobrancelhas ao mesmo tempo em que parecia fazer um biquinho com os lábios.

- Acha mesmo que eu iria ficar esperando, em pé, esse tempo todo você parar gargalhar igual a uma hiena? – foi a vez de o ruivo erguer uma de suas sobrancelhas.

- Baekhyun. – o castanho de seus olhos emitia um brilho intenso, hipnotizante até.

- O que foi?

- Não saia mais do meu lado.

O menor encarava aquela face, que não desviava aqueles olhos castanhos do seu rosto por um minuto sequer. Um breve silêncio foi criado entre ambos. Talvez, os seus olhares estivessem querendo dizer algo, coisas como que só o coração sente ou a mente pensa. Haviam tantas coisas no meio daquele abismo entre Chanyeol e Baekhyun.

Tantos ditos e não ditos, que o ruivo fazia questão de sentir o seu coração pulsar. Aquilo era o que falava mais alto naquele momento, o rapaz nem sequer ligava para as suas bochechas, que pegavam fogo, ou para seus olhos que estavam levemente arregalados. Tudo o que parecia sobressair em seus ouvidos era o tum tum do seu humilde coração que não aguentava aquelas palavras que pareciam nutrir tanto as suas esperanças ou as suas próprias expectativas.

O som estava tão alto para os ouvidos do secretário, que esse achava de fato que o seu chefe estava conseguindo ouvir e isso o deixou ainda mais nervoso.

- Isso...isso... - murmurava.

- Isso o que? – o moreno não entendeu nada.

- Não está ouvindo? – erguia o seu dedo indicador no ar.

- Ouvindo o que? – Chanyeol havia ficado curioso.

Vendo que aquilo era só coisa da sua cabeça, Baekhyun apenas respondeu:

- Ah, nada. Por que disse aquilo?

O presidente deixou escapar um pigarro por seus lábios.

- Você sumiu de repente. Só não quero que faça mais isso.

- Ué? Não estou no trabalho, sendo assim não sou obrigado a obedecer às suas ordens.

- Aish!

Como ele poderia explicar? O que ele poderia dizer? Ele não sabia se ficava irritado consigo mesmo ou com Baekhyun.

- O que eu quero dizer é que, só não me deixe sozinho assim de uma hora para outra.

Um pequeno surgiu na face do menor, porque, no fundo, estava adorando ver o seu chefe em uma pequena saia justa. Afinal, não era todo dia que via Park Chanyeol, o presidente sisudo da K-Beauty, tímido e envergonhado, não é mesmo?

- Digamos que eu gosto de um pique-esconde.

Chanyeol sorriu em resposta.

- Nesse caso, eu serei obrigado a prendê-lo com os meus braços.

- Por que faz isso? – o coração do Byun batia mais acelerado do que nunca.

- O que?

- Porque fala de um jeito que...Deixa para lá.

- Agora eu quero ouvir. – o modelo afirmou ao mesmo tempo em que se sentava no banco. Seus olhos estavam ainda mais intensos.

Um suspiro pesado escapou pelos lábios do ruivo.

- Somos de mundos diferentes, Chanyeol. E mesmo sendo do jeito que sou, sei muito bem que não quer ter alguém como um patinho feio ao seu lado. Enquanto você reluz, eu sou só a sua capa de invisibilidade.

- Por que diz essas coisas? – as sobrancelhas do maior ficavam franzidas.

- Porque eu sei que sou o personagem secundário da minha própria história. – mordiscava o lábio inferior ao mesmo tempo em que ficava cabisbaixo.

- Ei, olhe para mim. – Chanyeol erguia a face de Baekhyun com o seu dedo indicador. – Você é um funcionário da K-Beauty e funcionários da K-Beauty não se rebaixam, eles estão sempre acima, porque somos os melhores. Somos protagonistas das nossas próprias escolhas e da nossa história, então você também é. Além do mais, eu já disse que não preciso mais de você como a minha capa de invisibilidade.

- Que ótimo. Perdi a minha função então, fui despedido. – soltava uma risadinha nervosa.

- Ei, Byun Baekhyun! – o presidente parecia irritado.

- O que foi?

- Esqueceu-se de que você pega o meu café?

- Ahh. É, tem o seu café. Isso quer dizer que você não gosta de mim.

- Quem disse isso? – exaltava-se.

- Bem, quando eu comecei a trabalhar como o seu secretário, Heechul me disse que se você mandasse uma pessoa pegar café para você, era porque a odiava.

O presidente coçou a cabeça em resposta sem saber muito que dizer. Suas bochechas, inclusive, estavam coradas.

- É. Não é mentira... – não sabia muito bem que expressão dizer.

- Então você me odeia.

Baekhyun sentia o seu coração despedaçar. Ele sabia que não poderia ficar criando expectativas a longo prazo, pois no final ele sempre acabaria dando com a cara na porta.

- Não é isso.... – o modelo estava metendo os pés pelas mãos. – Vamos fazer o seguinte, de agora em diante só você poderá pegar chá para mim.

- Por que chá? – mantinha uma expressão curiosa em seu rosto.

- Porque é a bebida que eu mais amo. – Chanyeol sorria mostrando os seus dentes.

Baekhyun não pescou a indireta, então tudo o que ele fez foi sorrir em resposta.

°°°°°°°°°°°°°°°

- E então, o que achou do filme? – Hyuna se virava com um sorriso nos lábios para Sehun enquanto os créditos começavam a subir na tela da televisão.

Em resposta, o moreno apenas coçou a cabeça.

- Bem...é aquele filme de ação bem pastelão. O sangue nem mesmo parecia real, era mais como um ketchup aguado e eles nem para fazer um efeito especial decente.

- Não é? Chega a ser ridículo! – a mulher gargalhava. – É por isso que recomendo esse filme para as pessoas, para verem o quão escroto ele é e, claro, para ajudá-las a esquecerem de algumas coisas.

Sehun observava Hyuna gargalhar bem a sua frente. Via também o modo como as bochechas dela coravam e ficavam pouco rechonchudas no simples ato de curvar os cantos dos lábios em um sorriso, o quanto aqueles olhos castanhos – um pouco mais claros do que os de Baekhyun – brilhavam, como algumas mechas de seus cabelos castanhos arruivados caíam em sua face e aqueles lábios rosados que pareciam pequenos travesseiros.

Ela era linda.

E pela primeira vez ele a via por si só ali, como uma pessoa totalmente independente da imagem de Byun Baekhyun.

Seu coração acelerou em resposta enquanto sua mente pensava que queria saber mais da pessoa que era Byun Baekhyuna.

- Ei, por que está me encarando assim? – ela perguntava. – Aigoo, isso é desconcertante, sabia? – suas bochechas coravam ainda mais ao mesmo tempo em que cobria a sua face com a palma de suas mãos.

- Acha que eu preciso me esquecer de alguma coisa? – o moreno indagou enquanto abaixava, com a sua mão boa, as mãos da mulher.

Hyuna observava aqueles olhos castanhos bem próximos do seu e, pela primeira vez, sentiu o seu coração acelerar como nunca. A sua mente fazia questão de gravar aquela imensidão castanha em sua mente em meio aquele sorriso que sempre parecia ter um ar de deboche, mas nunca tinha.

Para a mulher, o tempo pareceu parar mesmo que por poucos segundos, fazendo com que tudo o que ela visse, respirasse e sentisse em cada célula de seu corpo fosse um invasor chamado Oh Sehun.

Não...não...isso não, Baekhyuna. Pensava consigo mesma.

- Er... – começava a dizer enquanto se afastava e colocava uma mecha de seus cabelos atrás de sua orelha. – Todos nós temos alguma coisa para esquecer. – tentava se recompor.

- Faz sentido. – desviava o seu olhar para o braço engessado. – Às vezes eu também acho engraçado o fato de que do nada passamos a notar coisas que estavam bem na nossa frente, mas que nunca havíamos dado a devida atenção.

- O que quer dizer? – Hyuna erguia uma sobrancelha.

- Você...

Sehun mal teve tempo de começar a dizer, pois a mulher já estava o interrompendo.

- Olha, sei muito bem que até algumas horas atrás você nutria sentimentos pelo meu irmão gêmeo. Sei que não somos idênticos, mas posso parecer com ele em alguns aspectos. Então, creio que talvez esteja vendo coisas onde não tem e eu não sou o Baekhyun. Sou Byun Baekhyuna.

- Por que diz isso?

- Porque eu não fico com caras que sentiram algo pelo meu irmão. O que é dele é dele e o que é meu é meu.

O moreno esboçou um sorriso que pareceu ser triste.

- Hyuna, o que acha de recomeçarmos do zero? – seus olhos pareciam sorrir.

- Como assim? – não havia entendido.

- Recomeçamos aqui do zero. Vamos fazer com que esse seja o nosso primeiro dia em que estamos nos conhecendo de fato. Sendo assim, muito prazer, o meu nome é Oh Sehun. E o seu?

A mulher arregalou ligeiramente os seus olhos. Ela não sabia muito que fazer naquele momento. Seus olhos apenas observavam a mão estendida do moreno que pairava no ar enquanto ouvia o som do seu coração bater.

- Er...meu nome é Byun Baekhyuna. – apertava a mão do rapaz em um cumprimento.

- Adorarei te conhecer melhor, Byun Baekhyuna. Declaro aqui o início de nossa amizade.

O sorriso de Oh Sehun causava sensações desconhecidas na mulher que mantinha suas bochechas coradas.

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

Heechul fazia uma expressão fingida de choro e até mesmo de desolação quando tombou a sua cabeça de lado e a segurou com uma de suas mãos.

- Sehun está em casa todo quebrado, Baekhyun até agora não apareceu. Para quem eu vou poder contar os meus babados? Ahhh, céus! Eu estou cercado pelas piranhas! – fingia chorar no final enquanto olhava para Yoo Ra e seu grupinho.

A K-Beauty estava extremamente chata para o moreno naquela manhã. O moreno se sentia o abandonado da festa, parecia que todo mundo tinha encontrado algo interessante para fazer enquanto ele tinha que lidar com o resto.

- Hello, darkness, my old friend... – cantarolava baixinho ao mesmo tempo em que olhava para o nada com os seus olhos arregalados como os de um peixe morto. – Eu não sei se vou aguentar....

Em resposta, o som das portas do elevador se abrindo despertou a sua curiosidade, fazendo com que olhasse para a direção dessas e ver Choi Siwon sair dali.

O modelo estava extremamente sexy com a sua camisa de abotoar quadriculada, que realçava os seus músculos e deixava uma pequena parte do seu tórax à mostra. Seus cabelos pretos estavam arrumados, os olhos castanhos exibiam um brilho feliz ao mesmo tempo em que aquela barba para fazer deixava Heechul cada vez mais excitado.

- AI MEU DEUS! JUSTAMENTE QUANDO EU NÃO ME ARRUMEI CHOI SIWON VEM AQUI! – já surtava com os seus pensamentos.

Ele começava a vasculhar a gaveta de sua escrivaninha a procura de alguma maquiagem.

- Preciso de BB Cream...ONDE ESTÁ O BB CREAM NESTA MERDA!

- Está procurando por isto? – a voz adocicada de Siwon ecoou em seus ouvidos.

- Ahhh...está aí. Oi, Siwon.  – suas bochechas coravam enquanto pegava o BB Cream das mãos do modelo.

- Oi, Heechul. – sorria em resposta.

“O QUE EU FAÇO? ESTA RODOVIA DE MAL CAMINHO ESTÁ SORRINDO PARA MIM E EU NÃO SEI SE CONSIGO NÃO FICAR MOLHADO”.

- Então... – jogava umas mechas de seus cabelos para o alto com as costas das suas mãos. – O que te faz dar o ar da graça aqui tão cedo?

- Vim falar com o Chanyeol.

- O senhor presidente ainda não chegou.

Foi então, em um repente, que Heechul teve uma iluminação. Chanyeol ainda não chegou, Baekhyun também não...Ah, seu safadinho, o que você está fazendo, hein?

O sorriso desapareceu da face do modelo para dar lugar a uma expressão frustrada.

- Tudo bem. Acho que posso voltar mais tarde. – já se virava.

- Ei, Siwon!

- O que?

Heechul se aproximava do maior com um sorriso malicioso em seu rosto.

- Sabe, eu ouvi dizer que estava precisando de um massagista e...bem...sou um ótimo massagista. O que acha de eu ir até a sua casa para uma sessão de massagem?

Siwon soltou uma gargalhada em resposta.

- É. Estou precisando.

- Então, podemos unir o útil ao agradável.

- Heechul, Heechul. – deixava os seus olhos em fendas. – O que está aprontando?

- Eu? Nada. Só quero que veja as minhas habilidades como massagista.

O maior soltou outra gargalhada.

- Aham. Pode ir à minha casa hoje à noite?

- Claro.

- Então está marcado. – soltava uma piscadela para o menor, que só faltou desfalecer ali mesmo com aquele tiro inesperado. – Nos vemos mais tarde.

Heehul via Choi Siwon se afastar e tudo o que conseguiu segredar a si mesmo foi:

- É hoje que eu coloco o meu melhor BB Cream.

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

Baekhyun havia acabado de acordar, no entanto já estava arrumado para o trabalho com as suas roupas bem simples. Dessa vez ele havia optado por sua camisa de manga comprida e também de abotoar da cor amarela com bolinhas azuis, a sua calça social cinza bem larga, os seus suspensórios, sua gravata borboleta vermelha e o seu par de all star de cano longo preto surrado. Os cabelos ruivos, como sempre, estavam desarrumados.

Ele saía de casa para jogar o lixo na lixeira, quando foi recebido não só pelos raios solares que incidiam bem em seu rosto, mas pela voz de Chanyeol que ecoou em seus ouvidos.

- Por que cargas d’água está vestindo essa roupa?

Como o menor não tinha notado a presença do maior ali desde o começo, acabou por levar um susto.

- O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI? – cobria o seu rosto com o saco de lixo.

- Abaixe esse saco de lixo que vai conseguir entender. – só pelo tom de voz do maior, Baekhyun já sabia que seu chefe estava rolando os olhos.

Foi o que ele fez e logo em seguida viu um Park Chanyeol de terno e óculos escuros parado de braços cruzados apoiado em seu carro.

- Por que está aqui? Eu estou indo para o trabalho. – mantinha as sobrancelhas franzidas em curiosidade.

Chanyeol deixou escapar por seus lábios uma gargalhada bufada.

- Não precisa ir trabalhar hoje.

- O que? Está me dando uma folga assim tão de repente? É isso mesmo o que acabei de ouvir?

- É.

- Por quê?

- Porque hoje você vai sair comigo. – o canto direito de seus lábios se levantava em um micro sorriso.

Sair...com o Chanyeol...assim...do nada. Isto é um encontro? Porque se for...Pelo amor que tem por você, Baekhyun, isso não é um encontro. Acha mesmo que Park Chanyeol planejaria ter um encontro com você? Puft, é óbvio que não, mas seria legal que fosse, não é? É tipo: Deus me live, mas quem me dera. Pensava consigo mesmo.

- Por que quer sair comigo?

O presidente passou a mão por seus cabelos alinhados em um topete já visivelmente irritado.

- Dá para parar de fazer tantas perguntas? A única coisa que precisa saber é que, hoje, você é meu, Byun Baekhyun.

Ele já tinha ouvido isso antes. Aquela sensação de deja vú era muito forte em seu corpo e talvez fosse, porque tal fala tinha despertado a lembrança de que já tinha falado a mesma coisa, mas foi para o modelo. Agora, os papéis haviam se invertido.

- Posso fazer só mais uma pergunta? – seu coração batia acelerado.

- Se for a última, sim.

- Essa folga repentina é remunerada, não é?

Chanyeol bufou em resposta. Ele já estava era impaciente.

- Isso não será descontado de seu salário, Baekhyun.

- Ótimo. – esboçava um sorriso em resposta.

- Podemos ir?

- Claro. – o menor entrou no carro depois do presidente.

Depois de colocar o cinto de segurança, o secretário olhou para o Park com a expressão de um cachorro pidão e até mesmo um pouco desconfiado. O moreno, claro, não deixou de notar isso.

- O que foi? – mostrava os óculos de sol para o menor ao fitá-lo.

- Posso fazer só mais uma pergunta?

Baekhyun viu seu chefe respirar fundo.

- Juro que se você tiver mais uma pergunta depois dessa, eu amordaço você.

- Esta será a última, eu prometo.

- O que eu ganharei em troca com essa promessa?

- Quer algo em troca?

- Claro. Achou que eu não fosse querer?

O ruivo mordeu o lábio inferior em resposta. Por que você sempre tem que abrir essa sua boca para dizer coisas desnecessárias, Byun Baekhyun? Da próxima vez que fizer isso vou dar um tapa em você. Pensou.

- Irei pensar no que te dar.  Para qual lugar estamos indo?

- Para o shopping.

~X~

Como prometido, o secretário não fez mais perguntas. Porém, mais uma vez se mostrou estar nervoso por compartilhar com Chanyeol um lugar bem menor do que a revista, além do fato de estar sozinho com ele.

O percurso até o shopping não demorou mais do que alguns minutos e quando Baekhyun chegou lá era como se esse fosse uma criança. Já fazia um bom tempo que o menor não frequentava esse tipo de lugar até por conta das roupas que usava e onde as comprava, assim como também ia a outros lugares quando queria ir ao cinema, portanto ele ia para o shopping nas raríssimas ocasiões em que Hyuna praticamente o arrastava pelo pé até lá.

Chanyeol apenas observava seu secretário saindo por aí a olhar todas as vitrines e telões de propaganda com aquele brilho inocente em seus olhos. Era como se tivesse ganhado o melhor doce.

 Baekhyun entrou em livrarias, estandes de perfumaria, de floricultura, observava tudo com bastante atenção, como se de fato quisesse aproveitar aquilo e claro, o presidente da K-Beauty decidiu levá-lo em um dos shoppings mais luxuosos de Seul. Lá tudo era praticamente caríssimo.

***Música: Silently – Z.TAO

O modelo esboçava um sorriso em seus lábios sentindo o seu coração bater um pouco mais rápido do que antes. Ele achava engraçado o fato de que sempre precisou ganhar algo material para fazer companhia a alguém ou para estar com uma pessoa de forma amorosa, no entanto, naquele momento, sentia que não precisava ganhar nada, bastava ver aquela expressão admirada na face de seu funcionário junto com o brilho de curiosidade naqueles olhos enormes, por conta das lentes de seus óculos, que Park Chanyeol estava completamente saciado e grato por estar ali.

É claro que quando as pessoas viam o visual diferente de Baekhyun, fitavam-no com um olhar torto ou simplesmente olhavam mais para ele do que para o modelo, que estava ao seu lado, e era uma celebridade.

Havia se tornado a sua capa da invisibilidade, exatamente como o ruivo havia dito. Mas para o presidente da K-Beauty, o seu secretário era muito mais do que aquilo.

- AH! Olha aquela loja ali! – o menor saiu correndo em direção à essa eufórico.

- Ei, Baekhyun, me espera! – o maior ia atrás.

A loja era de pelúcias e outros artigos de decoração, como de objetos que pode usar em seu dia a dia. Chanyeol era bombardeado pela visão de vários ursos de pelúcia enormes. Isso o deixava um pouco zonzo, tinha de confessar a si mesmo, já que não estava acostumado com esses bichinhos.

- Chanyeol, olha! – o ruivo o chamava.

O maior foi puxado para um corredor ao mesmo tempo em que dava de cara com um Baekhyun a sorrir enquanto segurava um pingente para celular, o qual era um leãozinho de pelúcia.

- E então, o que acha? – Baekhyun perguntava colocando a pelúcia ao lado de seu rosto mais uma vez e sorria.

Chanyeol soltou uma gargalhada em resposta.

- O que foi? – fazia um biquinho.

- É que o seu cabelo se parece com a juba dele, até mesmo na cor. E vocês também se parecem.

As bochechas do secretário ficaram coradas.

- Vai levar?

- Não. É bem caro e eu não tenho dinheiro o suficiente. – já ia colocando o pingente na prateleira.

- Pode pegar. Eu pago.

- Não precisa. – as bochechas de Baekhyun ficaram ainda mais coradas.

- Pode levar.

- Não...

- Se negar mais uma vez, eu desconto do seu salário.

- Não está mais aqui quem falou. – pegava o pingente de volta.

~X~

- Olha, Chanyeol, uma cabine para tirar fotos! – o ruivo dava pulinhos em animação. – Vamos? Hein, vamos?

- Vá você sozinho. – o presidente não gostava muito delas.

- Não tem graça ir sozinho. – fazia um biquinho com seus lábios outra vez.

- Então não vai.

- Eu quero ir com você. – fazia uma voz manhosa como uma criança que fazia birra.

- Por que sempre que saímos você quer tirar fotos comigo?

- Porque eu quero guardar todos os momentos. E...se eu não tiver alguma foto, sempre acho que foi apenas um sonho ou coisa da minha cabeça.

A última parte foi dita em um tom de voz mais baixo, quase como sendo sussurrada, contudo o presidente da K-Beauty ouviu mesmo assim e isso fez com que ficasse com as bochechas coradas, como também um pouco desconcertado.

- Bom...Vamos lá então. – dizia enquanto coçava a sua cabeça.

Um enorme sorriso iluminou a face do Byun, dava até mesmo para ver o seu aparelho ortodôntico.

Em um ato impulsivo, o ruivo pegou o moreno pela mão e foi levando-o até a cabine. Quando lá entraram, Chanyeol não sabia muito que fazer, assim como também não conseguia fazer o seu coração bater mais devagar.

Já o secretário se parecia com aquelas bolinhas saltitantes que não conseguiam parar nunca em um lugar só.

- Senhor presidente, prepare-se para as fotos! – gargalhava.

Os flashes logo começaram e ambos começaram a fazer algumas poses para as fotos. Até que em um determinado momento, Chanyeol parou de fazer poses e passou a encarar Baekhyun. O castanho de seus olhos ficavam derretidos ao mesmo tempo que o mundo para si havia emudecido e seus ouvidos captassem somente o som das batidas de seu coração.

Tum...Tum...

Os cabelos ruivos bagunçados como a juba de um leão.

Tum...Tum...

Os óculos de armação gigante e lentes fundo de garrafa.

Tum...Tum...

As sardas em suas bochechas.

Tum...Tum...

Os olhos castanhos gigantescos, que mais se pareciam com os olhos do gato de botas do Shrek.

Tum...Tum...

Os lábios pequenos e rosados.

Tum...Tum...

As roupas completamente cafonas e bregas.

Tum...Tum...

O sorriso gigantesco naquele rosto.

Tum...Tum...

Byun Baekhyun.

Tudo havia parado de se mover. Era como se aquele momento houvesse virado uma fotografia para o presidente. Seus olhos se mantinham fixos na figura de seu secretário ao mesmo tempo em que os dedos de suas mãos, indecisos, hora abriam, hora fechavam.

Tudo o que via, o que lhe consumia e o que fazia querer ter vontade de abraçar, de tê-lo só para si, era o pequeno ruivo ao seu lado. Nada mais importava ao seu redor, o seu campo gravitacional estava todo voltado para o Byun.

- As fotos já saíram! Vamos ver!

Baekhyun saiu da cabine como um furacão. Chanyeol foi logo atrás com uma expressão de pavor em sua face ao pensar que seu funcionário poderia ver a foto em que saiu olhando para ele com uma expressão apaixonada.

Antes que o ruivo pegasse as fotos, essas já estavam nas mãos do modelo, que as guardou no bolso de seu terno.

- Ei, eu quero ver como ficaram! – cruzava os braços rente ao peito.

- Vai ficar na curiosidade. Agora elas são minhas.

- Isso não é justo!

- A vida não é justa. – Chanyeol gargalhava.

- Vamos outra vez.

- O que? – o moreno não conseguia acreditar no que ouvia.

- É isso o que acabou de ouvir.

         Mais uma vez foi puxado pelo braço para dentro da cabine. Logo em seguida se sentaram no banco e esperaram cinco segundos até o flash ser jogado em seus olhos.

         Ambos faziam poses, porém dessa vez quem encarou o outro foi Baekhyun. Seus olhos colaram em Chanyeol como um ímã e a mesma sensação que o presidente sentiu, o secretário sentia também com uma proporção um pouco maior.

         O ruivo ficava espantado até com o quanto de certeza tinha do futuro quando observava Chanyeol. Baekhyun poderia não saber o que comeria no dia seguinte, mas tinha a plena certeza de que o seu querido presidente estaria em sua vida por um longo tempo. Era quase como se ambos tivessem sido destinados.

         Tum...Tum...

         Os cabelos pretos arrumados em um topete.

         Tum...Tum...

         Aqueles olhos castanhos arredondados.

         Tum...Tum...

         Os lábios grossos, cheios como almofadas e rosados.

         Tum...Tum...

         A característica expressão sisuda em seu rosto.

         Tum...Tum...

         O terno preto de grife.

         Tum...Tum...

         Aquele abraço que mais parecia o seu porto seguro.

         Tum...Tum...

         Park Chanyeol.

         Seus lábios se entreabriam e se fechavam. O coração batia cada vez mais rápido e enquanto sua boca não conseguia dizer nada, seus pensamentos diziam as exatas palavras que há muito queria dizer:

         Eu te amo.

         Sem nem mesmo perceber que as fotos haviam parado, a voz do seu chefe o trouxe de volta para a realidade.

         - Elas ficaram prontas. Vamos vê-las.

         Antes mesmo que Chanyeol pudesse sequer pensar em tocá-las, Baekhyun saiu correndo, pegou-as e as guardou no bolso de sua calça.

         - Ei, eu queria vê-las. – agora era o maior que reclamava.

         - Agora elas são minhas. – exibia um sorriso triunfante.

         Tudo que o moreno fez foi rolar os olhos em resposta.

         Antes que pudesse dizer algo, seu celular tocou avisando que havia recebido uma mensagem. Era de sua mãe e quando leu o conteúdo dessa exibiu um pequenino sorriso, nem mesmo Baekhyun havia percebido tal coisa.

         - Chega de shopping por hoje.

         - Por quê? – Baekhyun sustentou um brilho curioso em seu olhar.

         - Porque vamos para a minha casa. Minha mãe quer ter ver.

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

         Por mais que já tivesse ido à mansão dos Parks uma vez, o secretário nunca se acostumaria com o tamanho e a elegância daquela mansão. Sempre precisava se lembrar de fechar a boca por estar boquiaberto.

         A matriarca da família já os esperava na sala sentada no enorme sofá branco. Ao vê-los, ela esboçou um sorriso caloroso em seu rosto.

         - Baekhyun! Quanto tempo. – abraçava-o.

         As bochechas do secretário ficavam vermelhas como dois pimentões, porque ele nunca sabia como reagir à mãe do seu chefe, ou melhor, a sua sogra em suas mais altas expectativas e sonhos.

         - Oi, senhora Park. – era nítida a timidez em seu tom de voz. – Verdade. Já faz algum tempo desde a última vez que nos vimos.

         - Ela estava me perturbando há dias para lhe convidar para jogar badduk. – Chanyeol rolava os olhos.

         - Ah é? – o secretário ficava com ainda mais vergonha.

         - Sim, preciso saber se é bom mesmo. – tentava manter uma postura desafiadora. – Então, vamos jogar.

         - Claro, minha sogra. – esboçava um sorriso nervoso.

         A mulher prendeu um riso em resposta e Chanyeol apenas arregalou os olhos ao ouvir tal coisa.

         - O que disse? – a senhora Park perguntou.

         - Hã? – o rapaz se deu conta da besteira que cometeu. – Eu disse que já estava na hora.

         Minha sogra?! Você quer apanhar Baekhyun? Onde estava com a cabeça para dizer tal coisa? O próprio secretário pensava isso de si mesmo.

         - Vamos? – ela gesticulava com sua mão chamando o ruivo.

         - Vou tomar um banho. Detesto partidas de badduk. São extremamente demoradas. – o presidente da K-Beauty dizia já subindo as escadas.

         O silêncio no pequeno escritório ao lado da sala se fazia presente. Baekhyun não sabia muito bem o que dizer, nem muito bem o que fazer. Ele apenas se concentrava em não chamar a mulher a sua frente de sogra mais uma vez.

         - Pode se sentar, Baekhyun.

         - Claro...

         - Pode me chamar de Hyo Rin. – seus olhos sorriam.

         - Hyo Rin. – já começava a se sentir mais a vontade.

         A senhora Park começava a arrumar as peças no tabuleiro e o Byun apenas via a destreza, como também a rapidez da mulher em colocar cada peça no seu devido lugar.

         - O que acha do Chanyeol? –erguia os seus olhos castanhos tão parecidos com os do modelo para o ruivo.

         - Hã? Dizer como o meu chefe é no trabalho?

         - Digamos que sim.

         - Bem...por onde posso começar? – esboçava uma expressão pensativa. – Chanyeol é um ótimo presidente. Sempre muito dedicado ao trabalho, sabe cuidar muito bem de seus funcionários e...

         - E? – Hyo Rin parecia ansiosa por algo. Como se com o seu sexto sentido pudesse perceber claramente o que estava acontecendo ali.

         - Er...acho que não tem mais nada.

         - Tem certeza? Porque eu acho que vocês mantém uma relação bem próxima.

         Onde tinha um buraco mais próximo? Baekhyun queria enfiar a sua cara lá e nunca mais tirar.

         - Claro. Somos apenas chefe e funcionário.

         - Se é assim, proponho então uma aposta.

         - Aposta?

         - É. – o sorriso da mulher ficava cada vez maior em sua face. – Se ganhar essa partida, acreditarei que são apenas chefe e funcionário, mas se perder...

         - Se eu perder...

         - Terei a certeza de que são mais do que isso. Apostado?

         - Claro. – Baekhyun soltou uma risada nervosa em resposta. – Eu sou o melhor jogador de badduk de Seul.

         Essa foi a primeira vez que Byun Baekhyun perdeu uma partida de badduk.

°°°°°°°°°°°°°°°°°

         A fumaça do cigarro era expelida pelos lábios de Megan devagar e etérea. Ela dançava no ar em espirais da mesma forma que desaparecia lentamente. Seus olhos castanhos mantinham um brilho afiado, perigoso e os lábios vermelhos, por conta do batom, eram retorcidos em um sorriso.

         - Então, você pode fazer isso para mim? – perguntava para a pessoa do outro lado da ligação. – Ótimo. Preciso disso o mais rápido o possível. Pago até o triplo para que isso aconteça. Ótimo. Estamos acordados, então? Claro. Até em breve. – encerrava depois de alguns minutos.

         - Com quem estava falando? – Yoo Ra perguntava com o queixo apoiado em suas mãos e com uma expressão de tédio em sua face.

         Uma risada cética escapou dos lábios da atriz.

         - Com ninguém que te interesse. – dava um gole em seu Martini.

         - Nossa. Para quê tanta ignorância?

         - Se você tivesse feito o nosso plano da última vez dar certo, eu não precisaria fazer isso. – olhava para a mulher de canto de olho.

         - Você não desiste mesmo, não é?

         Um sorriso obscuro surgiu em sua face.

         - Quando se trata de ter Park Chanyeol para mim e destruir Byun, merda, Baekhyun eu irei até o inferno se precisar.

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

         Hyuna desenhava no ar, com seu dedo indicador, aqueles olhos, lábios, cabelos, aquela face que parecia não sair por um minuto sequer de seus pensamentos. Um sorriso distraído iluminava o canto de seus lábios.

         A mulher viajava em seu próprio mundinho. Ali, ela não queria pensar em mais nada, nem mesmo na pessoa que parecia estar se tornando o seu maior problema.

         Mesmo sabendo que não poderia prosseguir com tais sentimentos que pareciam criar raízes e crescer em seu coração, ela só queria deixar aquela imagem flutuar pelos seus pensamentos por uma última vez.

         - Muito prazer. O meu nome é Oh Sehun. E o seu? – dizia aquelas palavras projetadas em sua mente em voz alta.

         Sem perceber, deixou uma risadinha lenta escapar por seus lábios.

         - O que está fazendo aí, Baekhyuna? – Baekhyun estava parado na porta do quarto da mulher ao mesmo tempo em que sustentava uma expressão curiosa em seu rosto.

         Ao se dar conta da presença de seu irmão ali, sentiu suas bochechas corarem e logo tratou de encontrar alguma coisa para dizer.

         - Er...nada. Eu estava pensando em um filme.

         - Em um filme? – o rapaz sorria de forma maliciosa. – Eu acabei de ouvir você dizer o nome do Sehun. – completava se sentando na cama da garota.

         - Baekhyun!

         - Está gostando dele, Hyuna?

         - A propósito. – ela mudava de assunto – Você beijou o Chanyeol e nem me contou, não é?

         - Heechul! – foi a vez de o ruivo ficar irritado. – Eu iria contar, mas não espera que ele tivesse sido tão rápido.

         Ela sorriu em resposta.

         - Já devia saber que nada para na boca de Kim Heechul, não é mesmo?

         - É. – soltava um suspiro pesado. – Já devia ter aprendido isso.

         - Então quer dizer que...você e Chanyeol estão próximos.

         - Eu não sei. Ele só me beijou uma vez e parece que isso morreu.

         - Como assim?

         - Ele me levou ao shopping hoje e depois fomos até a casa dele para eu jogar baduk com a senhora Park, mas em nenhum momento tocamos nesse assunto...Acho que ele já esqueceu e viu que foi só uma loucura que ele fez.

         Hyuna meneava a cabeça em resposta. Você é tão lento, meu irmão. Como não conseguiu perceber todos esses sinais?

         - Às vezes eu acho que não sou sua irmã.

         - Por quê?

         - Como pode ser tão lesado?

         - Ei, Hyuna! O que quer dizer?

         - Nada. Descubra por si mesmo.

         Em um repente, Goong Bae surgiu na soleira da porta do quarto da mulher com um sorriso no rosto.

         - Do que estão falando?

         Ambos olharam para a figura paterna ao mesmo tempo.

         - Ah, estamos conversando sobre coisas da vida. – Baekhyun coçava a cabeça.

         - Pai, o senhor sabia que Baekhyun está apaixonado por Park Chanyeol, o chefe dele?

         - HYUNA! – gritou com sua irmã mais uma vez.

         - Ué? Como assim? – Goong Bae coçava a cabeça sem entender nada. – Eu achei que ele estava gostando daquele amigo dele, do Sehun.

         - Do Sehun? – o ruivo teve uma crise de risadas. – Eu acho que tem outra pessoa gostando do Sehun.

         - BAEKHYUN! – Hyuna gritou ao mesmo tempo em que bateu com o travesseiro, com força, na cabeça de seu irmão.

°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°

         Enquanto Baekhyun estava chegando a K-Beauty, Chanyeol estava saindo e no meio do caminho ambos se cruzaram. O ruivo deu de cara com a expressão preocupada no rosto de seu chefe.

         - Chanyeol, aconteceu alguma coisa? – parava o maior segurando em seu braço.

         O maior em resposta mordeu o seu lábio inferior.

         - Eu não sei direito. Meu pai me ligou e disse alguma coisa sobre hospital, mas como a ligação estava ruim não consegui entender muito bem.

         - Você conseguiu saber qual hospital era?

         - Consegui...

         - Quer que eu vá com você?

         - Seria bom...

         - Então vamos logo.

~X~

         O trajeto até o hospital mais próximo não foi longo. Dentro do carro um silêncio se estendeu por intermináveis minutos. Chanyeol apenas pensava no que poderia ter acontecido, enquanto Baekhyun apenas ficava preocupado por ver o seu chefe também preocupado.

         Quando lá chegaram, encontraram o pai de Chanyeol parado no corredor a espera de seu filho.

         - Pai! O que aconteceu? Foi alguma coisa com a minha mãe?

         - Não. A sua mãe está bem.

         Um suspiro de alívio escapou pelos lábios do moreno.

         - Então o que foi que aconteceu?

         O mais velho percebeu a presença do secretário ali e disse:

         - Acompanham-me.

         Ao entrarem no quarto, a primeira coisa que viram foi Megan deitada, quase como que estivesse sentada, na cama hospitalar. A mãe de Chanyeol estava ao lado de sua ex-noiva, que estava apenas com alguns arranhões em seus braços.

         - Foi para isso que eu vim? – o presidente da K-Beauty se irritava. – Se soubesse o que era nem teria saído da revista.

         - Como pode falar uma coisa dessas, Chanyeol?! – seu pai o repreendia. – Megan é a sua noiva.

         É, ele tinha se esquecido de contar o pequeno detalhe de que havia rompido o noivado com ela.

         Megan deixou derramar uma lágrima fingida por sua bochecha.

         - Nossa, Chanyeol, eu quase fui atropelada e você age assim?

         Tinha que ter sido atropelada de jeito mesmo. Baekhyun pensou em um átimo.

         - E o que me interessa se você foi atropelada ou não?

         - CHANYEOL! – repreendeu seu filho mais uma vez.

         Mais uma lágrima de crocodilo foi derramada no rosto da mulher.

         - Meu amor, você não sabe o que aconteceu.

         - Diga. – o modelo já estava sem muita paciência.

         - O motivo de eu quase ter sido atropelada foi porque tenho tido desmaios constantes, como também muito enjôo. Já faz uma semana que vim ao médico para saber o que era e hoje recebi o resultado.

         - E o que você tem?

         Um sorriso falso surgiu em seus lábios.

         - Eu estou esperando um filho seu, Chanyeol.

         - O QUÊ?!


Notas Finais


MEU TWITTER: @Misakihime97
LINK DO GRUPO DE LEITORES DAS MINHAS FANFICS NO WHATSAPP: https://chat.whatsapp.com/CMbtCBkiYUJF3miwQIH8kW
MÚSICA 1: https://www.youtube.com/watch?v=u-FMkvqAHzI
MÚSICA 2: https://www.youtube.com/watch?v=DcRCz56Dv7c

Então, em um dos vídeos que eu fiz respondendo os comentários dos dois últimos caps da fanfic, uma leitora me disse que eu poderia fazer um vídeo respondendo a perguntas que fizessem sobre mim. Eu não sei se saber mais sobre mim seria tão interessante quanto O feio mais belo, mas vim aqui saber se além dessa leitora, vocês também quereriam. Se vocês quiserem, deixem a suas respostas no comentário e as perguntas que quiserem fazer para mim, podem me perguntar sobre a fanfic também, mas sem perguntas que sejam sobre spoiler, podem me perguntar sobre as músicas que eu uso ou sobre como eu pensei nos personagens, enfim hahaha. Se a resposta for não, podem deixar nos comentários também e o que tiver em maior quantidade de respostas ganha rsrsrsrs.

Sobre esse capítulo:
MEU DEUS EU NÃO SEI O QUE FOI ISSO!
Primeiro que eu não estou sabendo lidar com esse chanbaek.
Segundo que ri horrores com o Heechul nesse capítulo.
E terceiro que a Megan apareceu para atrapalhar outra vez!
Qual será dessa gravidez repentina, hein?
Como o nosso Byun vai ficar?
Deixem as suas apostas sobre os próximos acontecimentos nos comentários =3
Vejo todos no próximo capítulo =3.
Kisses
Misakihime.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...