1. Spirit Fanfics >
  2. O filho das lágrimas. >
  3. Sei que do outro lado da tristeza, encontrarei você!

História O filho das lágrimas. - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


"A felicidade na vida é feita de momentos individuais, dos pequenos prazeres - um beijo, um sorriso, um olhar amável, um elogio sincero, e inúmeros pensamentos gentis e pequenos, mas dotados de sinceros sentimentos."
Alexandra Feodorovna


"O casal deve viver uma vida comum, e não duas vidas separadas. Cada um deve certificar-se de pensar no outro sempre. Eles não devem ter segredos um com o outro. Eles devem ter apenas amigos em comum.
Desta maneira, duas vidas se unirão em uma única vida, partilhando os pensamentos, desejos, sentimentos, alegrias, tristezas, prazeres e dores, tudo será compartilhado. O amor requer uma iguaria especial. Cada um pode e deve ser totalmente sincero e leal, e ainda assim, tal postura nunca vai fazer necessário o uso de palavras e ações que podem não tenham ternura."
Alexandra Feodorovna


"As lutas da vida são demasiado fortes para que seja conveniente ou desejável enfrentar a vida sem companhia."
Haroldo Shryock
A felicidade conjugal

*Baseado numa história real
*Uma feliz Páscoa a todos,


Boa leitura ^^, um grande abraço as minhas queridas acompanhando <3
E agradeço a presença e comentários, vocês estão no coração...

Capítulo 9 - Sei que do outro lado da tristeza, encontrarei você!


Fanfic / Fanfiction O filho das lágrimas. - Capítulo 9 - Sei que do outro lado da tristeza, encontrarei você!

           Ainda no final daquela semana quando entraria no quarto mês e na décima quarta semana, um exame de ultrassonagrafia estava marcado para analisar melhor o desenvolvimento e bem estar do bebê, mas havia várias expectativas positivas de toda família, e especialmente  as de Catherine em descobrir também o sexo do bebê.

            E nessa emoção de sentimentos, recebeu com alegria um convite irrecusável, que se deu desse modo: Afrodite viera à sua procura em sua casa, naquele mesmo dia que ela chegara da consulta, dona Suly expressou seu mais alegre sorriso mais uma vez ao vê-lo, e com contentamento pô-lo a par das novidades, e logo informou que a filha estava na casa da tia Amélia, o cavaleiro gentilmente despediu-se dirigindo-se para lá.

           Foi muito grande a alegria e a intensa admiração de Catherine, quando recebeu dele um convite tão amável para acompanhá-lo em um evento. No final da semana, haveria um jantar importante, Afrodite tinha a obrigação de ir por todas as conexões de negócios e a relevância de sua família na região. Além disso, o local era um clube elegantíssimo e muito bem avaliado por toda a província, e depois do jantar haveria no evento uma tradicional apresentação musical e um baile. Tia Amélia ficou especialmente animada com toda a situação, e de antemão já sabia que toda região estaria presente. Catherine iria em uma posição de destaque, com um dos convidados de honra, e isso conferia uma atenção especial a ela.

               A jovem, no entanto preocupava-se com um fato em particular, sua barriga já bastante visível ainda que com o vestido conveniente. Tinha pavor de atrair olhares sobre si a respeito de todo esse caso, realmente considerou-se inadequada como companhia, e quase desistiu de ir. Se Afrodite não tivesse sido o mais adorável convincente, ou se ele fosse menos amável e sensível em sua presença, poderia ter sido fácil recusar, contudo, não foi esse o caso. Ele também possuía um argumento irrefutável para a situação, tia Amélia, soube ser ainda mais convincente.

              E assim quando o dia chegou, ele pacientemente foi buscá-la. De imediato assim que a viu, admirou-se profundamente com sua beleza, e isso ficou perceptível para Tia Amélia e Dona Suly; ambas se entreolharam e sorriram observando o jovem casal tão belo, cuja interação do ponto em que estavam, parecia a mais perfeita e em sintonia. Catherine estava realmente belíssima, quem a via não podia considerar o quanto havia sido difícil a escolha do vestido adequado para o tamanho de sua barriga. Mas de fato, mal dava para notá-la com a modelagem conveniente. Era de um leve tom azul que se destacava perfeitamente com seus cabelos escuros, a maquiagem clara dava o toque suave à sua feição e realçava sua beleza.

               Afrodite do mesmo modo encantou-a assim que o recebeu, ela poderia sentir que naquele momento era a pessoa mais feliz de todo o mundo, apenas em tê-lo como sua companhia. Ansiava por vê-lo desde que ele lhe convidara para o evento, e só de pensar em passar aquele tempo ao lado dele tornava-se mais impaciente esperando o momento chegar, quando o encontrou, sentiu que era o homem mais bonito que vira em sua vida, pareceu-lhe ainda mais elegantemente vestido, e seus longos cabelos muito bem alinhados combinavam perfeitamente de modo imponente e belo. Seus olhos brilharam ao se encontrarem com os dele; nessa emoção de sentimentos todos reunidos, eles se dirigiram juntos para o evento.

***

          Catherine e Afrodite chamavam a atenção onde quer que estivessem, os olhares admiravam-nos e qualquer um poderia perceber a boa sintonia entre eles. O cavaleiro deu-lhe toda atenção durante o jantar, ela entendera o quanto a posição dele era importante e conhecida ali, e por tanto suas influências e a honra de que era alvo pelas personalidades marcantes no lugar, era maior.

           Muito pouco tempo havia se passado após o jantar, e antes da apresentação musical, Catherine retirou-se por um momento para o toalete a fim de retocar o batom. Encontrou-se com muitos conhecidos da região que a cumprimentaram de maneira fria e irreverente, algumas senhoras e senhoritas, antes mesmo de olharem sua face, fitavam sua barriga, com uma aparente curiosidade, mais leviana e insolente do que civilizada. Adentrou ela ao ambiente e retocava a maquiagem em profundo silêncio, sentia-se mais desanimada que o normal, e percebeu-se alvo de mais olhares antipáticos e frívolos. Bem sabia que isso aconteceria agora muito mais do que de costume, mas isso não garantia sua força de superação a esse respeito. A situação caiu sobre si, com uma força demasiadamente grande, causava-lhe enorme tristeza, confusão mental e de sentimentos.

     E quando pretendia retornar, uma senhora distinta, com olhar ainda mais antipático do que o normal aproximou-se dela:

_ Você é a senhorita que está aqui acompanhando meu sobrinho Afrodite, não é mesmo?

_ A senhora é – exclamou Catherine espantada – a tia do Afrodite? Desculpe-me eu não a conhecia. – respondeu em um respeitoso cumprimento.

_ De fato, como poderíamos nos conhecer? – replicou a distinta senhora, de modo ainda mais irreverente que antes a olhando com atenção de cima abaixo –  com toda certeza, nunca nos vimos antes e nem estivemos nos mesmos ambientes, por tanto, me apresento desde já, sou a Dona Nathalia, basicamente a parente mais próxima que Afrodite tem por aqui, enquanto seus pais não estão. Está gostando da recepção nesta noite?

       Catherine respondeu timidamente que sim, em seu coração sentia um incomodo cada vez mais crescente.

_Este ambiente está um pouco ruidoso no momento, gostaria de terminar nossa conversa em um local mais apropriado, creio ter visto uma sala mais tranquila do outro lado, gostaria que me acompanhasse, por gentileza.

      Catherine ainda mais nervosa que de costume, obedeceu, assentiu com a cabeça e seguiu com ela. A senhora abria as portas elegantemente com aspecto mais desagradável do que antes. Assim que chegaram à sala indicada por ela, não hesitou mais:

_ Bem Catherine, fui informada sobre você e sua situação, por isso a procurei nesse momento.

_ Receio não ter entendido. – respondeu Catherine visivelmente surpresa.

_ Veja bem senhorita, eu não sou de brincadeiras, e nem costumo perder tempo com jogos, vou direto ao assunto. Chegou ao meu conhecimento uma história certamente alarmante! Disseram-me, que meu sobrinho, que há tão pouco tempo retornou, está saindo com uma jovem grávida que acabou de conhecer! Recuso-me a acreditar que isso seja verdade, céus! É uma situação espantosa. Mas em todo o caso, resolvi falar com você assim que a vi.

_ Então é por esse motivo que a senhora se aproximou de mim? – disse Catherine corando com certo desprezo.

_ Sim! Quis expressar meus sentimentos e também saber se é verdade tal história.

_ Mas a senhora mesmo disse não acreditar que isso seja verdade...

_ De fato, deveria não ser,  mas... A senhorita está aqui essa noite com ele, e pela barriga saliente, vejo que sejam verdadeiros os boatos da gravidez. Responda-me francamente Catherine! Eu sou uma pessoa franca e exijo franqueza comigo! O que pretende com meu sobrinho?

_ Desculpe? – Catherine sentiu-se constrangida, por fim continuou -  A senhora não tem o direito de me falar desse modo e esperar uma resposta franca. Eu é que pergunto... O que pretende com isso?

_ Vou ser bem clara – respondeu a antipática senhora – você não faz ideia de com quem está falando! Não estou acostumada com esse palavreado, e nem a lidar com pessoas de situação tão baixa. Mas não posso me calar ante a tal situação. Você não é companhia adequada para um jovem rapaz com tantas virtudes e qualidades, que agora que finalmente retorna à família, será portador de um futuro tão promissor. É um absurdo da sua parte aspirar por um relacionamento com ele! Diga-me de uma vez, qual é o nível do seu envolvimento com o Afrodite?

_ Nós não temos nenhum relacionamento, a não ser apenas a amizade. E sobre minha situação ou os assuntos que venho passando, eles não são da sua conta! – exclamou Catherine com voz determinada, corando e sentindo-se profundamente irritada.

_ E você pode prometer que não pretende se envolver com ele?

_ Como eu poderia fazer uma promessa que não diz respeito só a mim? A senhora não me conhece, apenas ouviu boatos a meu respeito e realmente acredita que pode se intrometer nos meus sentimentos e nas minhas escolhas?

_Ora, ora, minha jovem, parece que sua língua é bem afiada para a pouca idade que possui. Mas eu não sou de desistir fácil do que julgo ser correto, pare e pense! O que acha que vai conseguir tentando seduzir um jovem de condição tão diferente da sua? Você não tem lugar no mundo dele. E com toda certeza seria infeliz lá. Suas famílias são completamente diferentes, sem contar que carrega um filho que nem o próprio pai quis assumir. O que você está pensando?

_ Já chega! A senhora com toda certeza falou o que queria, mas não tem o direito de se envolver na minha vida... Não quero mais falar sobre esse assunto. E, agora eu realmente preciso ir. Boa noite – disse Catherine chegando a seu limite, profundamente irritada, preparando-se para sair

_ Faça o que achar melhor! Mas eu lhe garanto, não imagine que terá algum beneficio dessas ações, e ainda que não pretenda me ouvir, eu com certeza conseguirei o que quero. Passe bem. – replicou a senhora um pouco antes da jovem retirar-se.

***

           A dor e constrangimento, causadas pela conversa da senhora insolente foram difíceis de superar. Catherine estava alterada, e, embora tenha reagido razoavelmente bem diante daquela situação totalmente inesperada, o tormento causado em si mesmo por tudo aquilo, era muito difícil de esquecer. Parecia-lhe não haver um só momento de paz. E quando parou diante da entrada do salão de jantar, tomou um pouco de ar e tentou restabelecer-se do melhor modo, mas a verdade é que ainda estava muito agitada, e começava inclusive a sentir falta de ar pelo nervosismo que ainda mais a afetava na gravidez, suas mãos soavam frio, e parecia-lhe que não iria aguentar de pé.

        Foi nesse momento que sentiu uma mão apoiá-la por trás:

_ Catherine! – exclamou ele gentilmente – que bom que a encontrei, por que demorou tanto? Está se sentindo bem?

Catherine suspirou ainda muito sentida com toda a situação. E como acontece não raras vezes, em momentos de fragilidade quando alguém pergunta como se está, seus olhos encheram-se de lágrimas ao fitá-lo e corou mais, sentiu a face aquecer. Afrodite tomou-a pela mão e disse em um sussurro:

_ Venha por aqui.

        A jovem assentiu, e seguiu com ele para outra direção. Logo chegaram à grande varanda superior do salão em que ocorria o evento. Pela sacada ao ar livre, era possível observar o céu estrelado e algumas pessoas que ali conversavam no amplo espaço disponível. Catherine parou e observou um pouco o lugar e o céu estrelado. Algumas lágrimas desceram pelos seus olhos, e Afrodite sem dizer nenhuma palavra entregou-lhe um lenço que estava em seu bolso. Após algum tempo, ele aproximou-se dela em tom de carinho e compreensão, e perguntou mais uma vez o que estava acontecendo. Catherine suspirou, e contou-lhe os últimos acontecimentos, e os aborrecimentos de Dona Nathalia, bem como suas indagações e as intromissões que tivera.

_ Eu sinto muito! Sinto muitíssimo que tenha passado por algo assim. Minha tia, realmente comporta-se muitas vezes de maneira arrogante e desagradável. Como eu queria preservá-la de tudo isso. E se eu soubesse que aconteceria, faria tudo para evitar. -  disse ele sinceramente aborrecido ao mesmo tempo que se compadecia.

_ Eu sei – respondeu ela visivelmente mais tranquila – você não tem culpa alguma por qualquer ação de alguém da sua família. E não tinha como imaginar qualquer coisa assim...

Ele tomou a mão dela mais uma vez e beijou com delicadeza, Catherine comoveu-se interiormente com o gesto amável. E após um tempo em silêncio continuou:

_ Sua tia falou a respeito dos vários boatos, e realmente notei muitos olhares maldosos e frios para mim, especialmente para minha barriga. Mesmo sabendo que coisas assim aconteceriam, às vezes sinto que não vou conseguir suportar. Tenho horror ao que as pessoas dizem, e ao modo como me julgam.

_ Minha tia não tem nenhum bom senso ou coerência no que diz e pensa, é lamentável. E nunca levo a sério quaisquer de suas recomendações ou os julgamentos dela. Muito pelo contrário, acho-os intoleráveis. Não me importa nada do que me diga. Sempre fiz questão de ser independente por esse motivo, e de seguir meu próprio coração e a razão, eu tenho meu próprio caminho. E quanto às pessoas e os boatos que dizem, penso que realmente você não deveria se preocupar com isso. Não importa o que elas digam, não muda em nada a pessoa maravilhosa que você é, e as escolhas sensatas que faz.

_ Você me conhece tão bem, a ponto de dizer-me exatamente o que preciso ouvir... – disse ela sentindo verdadeiramente consolada.

_ Eu entendo perfeitamente os seus sentimentos. E sempre me admira sua fortaleza e as ações que tem diante de situações tão difíceis. Vai se tornar uma mãe maravilhosa, eu não tenho dúvidas disso. – continuou ele olhando sorrindo sinceramente, os olhos azuis pareciam vibrar. Catherine sorriu agradecida e depois de um breve momento tornou-se novamente seria. Afrodite olhou-a com atenção:

_ Eu... Me pergunto e estou com um pouco de medo de falar sobre isso,  mas... As considerações e as vontades das pessoas da sua família realmente, cada vez mais podem ser bem contrárias ao nosso contato e amizade e...

_ Catherine – interrompeu ele colocando-se diante dela, olhando em seus olhos - eu quero mais uma vez afirmar o que eu disse antes. Não me importo com os pensamentos ou considerações levianas e os julgamentos temerários da minha família, ou de qualquer outra pessoa. Eu sempre seguirei aquilo que considero ser certo. Sua amizade é preciosa para mim... E ninguém me afastaria de você.

Catherine não poderia deixar de sorrir ao ouvir e consolar-se com aquelas palavras tão sinceras e amáveis.

_ Obrigada... Eu não sei o que faria... Se perdesse sua consideração e a sua amizade. Sua presença e a sua amizade são muito importantes para mim. Um consolo e inspiração em todos esses momentos difíceis. Eu não sei o que eu faria se você não estivesse aqui...

Afrodite segurou uma de suas mãos próxima ao coração, e aquele gesto simples parecia aquecer sua alma, Catherine sentiu o coração palpitar quando ele aproximou-se um pouco mais, os olhos azuis passavam-lhe um consolo inexplicável:

_ Eu espero ser digno da sua amizade e afeição. Sei que as palavras não são nada sem ação. É por isso que estou aqui, e prometo, eu ficarei ao seu lado, em todos esses momentos difíceis.

Catherine olhou-o silenciosamente e comoveu-se interiormente com sua fortaleza, presença e palavras, uma lágrima solitária teimou em cair, ele abraçou-a com gentileza embora de um modo firme, ela suspirou  sentindo o grande consolo daquela presença única, Afrodite segurou-a bem próxima ao coração enquanto afagava seus longos cabelos negros. Catherine sentiu que não estava mais sozinha, ainda que sua realidade não fosse fácil, e na verdade a tentativa da tia de afastá-los surtira efeito contrário, confirmava ainda mais em amizade e amor que sentiam. 


Notas Finais


Gente, alguém se arrisca em palpites se é menino ou menina? Sugestões de nomes? hehehe parece fácil sonhar junto com a Catherine até as revelações <3

Até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...