História O Filho de Gaia - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O, Lay, Xiumin
Tags Chanyeol, Exo, Fanbase Do Brasil, Fantasia, Kyungsoo, Lay, Lumuslua, Magia, Mundo Magico, Profecia, Wegotthepowerkyungsoo, Xiumin
Visualizações 7
Palavras 2.551
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Magia, Mistério, Misticismo, Universo Alternativo

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O.S. feita para o projeto da Fanbase D.O. Brasil pro 1° Festival Cultural para o mês de aniversário do KyungSoo ♡

Acho que ficou meio desconexo o final meio blé, mas fazer o que? Eu tinha limites de palavras, resolvi fazer na última hora pq tive coragem, nem sei pq to fazendo, não tenho muito talento... Eh isto.

Serasi posso chamar isso de fantasia?


#WeGotThePowerKyungsoo

Capítulo 1 - Capítulo Único



Capítulo Único

O Descendente Nascido da Terra



Por vários longos milênios Gaia amou, cuidou e protegeu cada um de seus filhos, os crious, lhes deu comida, acolhimento, companhia… Ela os amava tanto, cada um deles. Cada folha de árvores, cada descendentes de cada uma das espécies, ela sentia o coração encher-se ao soprar em seus rostos, lhes dando o vento e a brisa. Colorindo seu corpo com flores e cores para suas criações se divertirem, e com as suas lágrimas fez-se rios e marés e seus corpos seriam revitalizados. Gaia era feliz.


Mas uma de suas criações acabou por se perder em desejos e pensamentos tão negros e obscuros quanto o submundo. Eles tinham fome. Fome de poder, de desejos impuros, de máquinas, de maldade. Eram insaciáveis, eles destruíram tudo, todos seus outros filhos sofreram as consequências por culpa do Homem. Suas lágrimas estavam sujas, seus longos cabelos verdes foram cortados, seu coração despedaçado. Então Gaia se enfureceu. Destruiu o que restava e amaldiçoou seus filhos impuros, os tirou de si e prometeu jamais criar algo como aquilo novamente. Gaia se sentiu suja e com raiva, e decidiu por adormecer por milênios para tentar se recuperar e jurou que de si só teria o melhor, nada mais de Homens. Nada mais.


Contudo, mesmo adormecida, Gaia gerou. Deu a luz a tudo que era bom, novamente. Seu longo cabelo verde cresceu, sua pele se coloriu e os pequenos animais nasceram de novo. Durante seu sono Gaia chorava, e marés e rios não mais estavam calmos, seus olhos azuis porém estavam fechados deixando tudo no escuro da noite, já não havia dias claros. Mesmo dormindo o coração de Gaia continuava machucado. A mais bela e imponente árvore, seu coração, continuava sem folhas, quebrada e cortada. Doze folhas restavam, mas três acabaram por se desprender e cair de Gaia, se perdendo no universo. Mas ainda tinham nove e essas foram de encontro ao chão, e justamente com a dor da Mãe Terra e o desespero por amar novamente, formou-se os nove reinos de Gaia, que despertou, mas não completamente.


Um dos reinos era o reino de Eartheling. O primeiro rei nasceu da semente da Primeira Folha e foi cuidado pelos animais que viviam na Terra. Muito semelhante aos humanos, porém diferente em seu interior, e aspectos físicos, com orelhas pontudas, olhos brancos e cabelos desprovidos de cor, tinha finas raízes por seu membros e laterais do rosto, e curiosamente com poderes. Doh SeungSoo descobriu que tinha o poder de criar vida. Encheu aquele reino de seres mágicos e belos, e até mesmo outros como seus semelhantes. Construiu moradia com o que Gaia lhe dava, com que lhe permitia. A terra era sua fonte. Mas SeungSoo sabia que teria um fim e sentia-se só, por isso trabalhou e pensou em uma das sua melhores criações. Ele criou seu descendente, Doh KyungSoo.


O pequeno bebê nasceu do sereno das plantas, do pólen das flores e da maciez da terra, e enquanto todos dormiam, ele chorava, com raízes finas tatuadas em suas costas formando o desenho da Árvore da Vida, o coração de Gaia. Com os olhos negros e profundos como o fundo do mar e os cabelos castanhos como o entardecer, mesmo ao chorar poderíamos ver os lábios formarem um coração. SeungSoo o cuidou e criou conforme seu coração e vivência, o ensinou a amar todos e ser respeitoso com as diferenças, sempre lhe dizendo que devemos ser bons e justos. KyungSoo era muito mais do que mais uma de suas criações, o Rei SeungSoo sabia disso, ele via em KyungSoo a força e delicadeza que Gaia precisava para amar novamente.



—Não digas bobagens, garoto. Você se sairá bem. É apenas formalidades, eles já nos conhecem. —Andou em direção a estante cheia dos seus livros e cópias dos livros dos conselheiros e dos reinos vizinhos.


—Não, senhor. Eles apenas o conhecem. —Esbravejou. —Nunca me viram. E além do mais, estão lá três reinos. Três! —Mostrou três de seus dedos. —Não tenho coragem nem para convidar um.


O homem de três mil anos suspirou cansado. Se fosse um humano normal teria por volta dos trinta anos, enquanto KyungSoo, com seus duzentos e seis anos, teria por volta de vinte e cinco. O mais velho o olhou profundamente e sorriu. Largou seu livro sobre as fadas sobre a mesa e se aproximou de seu pequeno descendente.


—Meu filho, sei que é teu primeiro contato social com outros reinos. —Segurou os ombros do menor. —Mas você não poderá apenas brincar com os elfos por ai ou montar os Grifos quando quiser ir ao mar. Sei que o povo de Earthling é seu porto seguro, mas serás rei. Terás que conhecer os outros reinos.


—E seu eu não quiser ser rei? E se eu quiser ser apenas Doh KyungSoo? —Murmurou sentindo um formigamento em suas costas. A Árvore.


—Se for o desejo de teu coração não posso mudá-lo, mas venha comigo um pouco. —O chamou para ir até a enorme janela da biblioteca, dando a mais ampla visão de seu reino. —Esta vendo? Cada um deles tem seus momentos triste e felizes, suas dores e suas alegrias. Mas todos aqui vivem bem, vivem em harmonia.


—Não mudará se eu não for rei, não é mesmo? —Questionou preocupado enquanto observava as crianças brincando de corrida com os gatos e as lebres. As vendas, as casas, as pessoas… Seus olhos capturaram tudo.


—Temo que mudará. —Suspirou resignado. —Gaia ainda não nos aceita como filhos, e pode nos expulsar se quiser.


Sentiu-se pressionado e angustiado por pensar que sua família, seus amigos, seu povo poderiam deixar de existir. E KyungSoo sabia que de alguma forma dependeria dele mudar essa realidade quando necessário. Todos os descendentes dos outros reinos tinham esse peso, mas para o Doh mais novo era pior, ela carregava o coração de Gaia em suas costas, por ser filho direto da terra, por ter nascido das raízes, do solo de Gaia. Sentia seus olhos arderem por pensar que tudo que ama poderia ir embora.


—Eu os amo e me dói pensar que nossa felicidade pode deixar de existir. Nossas vidas. —Sussurrou encostando sua palma no cristal que formava a janela. —Mas não sei se consigo. —Virou-se para o rei.


SeungSoo lhe acariciou as bochechas fazendo que as finas raízes saíssem de seu braços para encostar no rosto do mais novo que sentiu cócegas e fechou os olhos esperando pelo presente que tanto gostava. Desde pequeno o rei fazia isso quando estava triste. Criava flores e as deixavam na cabeça de KyungSoo como uma coroa. Ao terminar sorriu para seu filho e o levou até o Canto dos Pássaros, fora do castelo.

Pediu para que um dos guardas, que entregava uma pequena espada de madeira para um garotinho chorão, separasse o Grifo para que KyungSoo fosse ao reino Snowflake.


—Faça o seguinte. Vá ao reino buscar o filho do Rei Kim que está recebendo em seu castelo o príncipe de Pyromaniac e o príncipe de Healer. Durante a viagem, pense no que desejas e terás meu apoio. —Abraçou seu bem filho apertado, sussurrando para que tome cuidado e que era muito amado.


KyungSoo aquiesceu e retribuiu o abraço prometendo voltar logo. Subiu em seu Grifo, já com sua pouca bagagem acoplada pronto para partir em uma viagem de praticamente dois dias. Disse a palavra de voo e se pôs a observar o povo embaixo de si sumindo ao poucos dando lugar ao vasto mar. KyungSoo seguiu viagem pensando na decisão que teria que tomar, nem se preocupando mais em ter que falar com líderes de outros reinos, sua única parada foi na Ilha das Sereias, onde pernoitou e seguiu viagem chegando ao entardecer no reino Snowflake, sendo recebido pessoalmente pelo Rei Kim JiYong de braços abertos. Que o cumprimentou polidamente e o levou até o castelo, deixando seu Grifo em um local aquecido, já que aquele reino era frio em praticamente todas as épocas.


—Espero que esteja confortável e aquecido. —Sorriu recebendo um aceno positivo do mais novo. —Porque o príncipe Park chegou aqui batendo o queixo, achei que aquele garoto iria acabar morrendo congelado. —Gargalhou levemente sendo acompanhado por um tímido riso que fora interrompido por três rapazes entrando no salão. —Veja meu filho, príncipe Doh está aqui para lhe fazer um convite. A você e os dois príncipes.


—Fico honrado. —MinSeok, Príncipe de Snowflake, se curvou recebendo outro cumprimento em troca.


—A honra será minha se aceitarem meu pedido para irem até Earthling para o Festival das Fadas. —Se curvou novamente e apenas levantou-se quando ouviu uma resposta positiva.


—Lá não é tão frio, é? —Questionou Príncipe Park ChanYeol, que carregava quatro casacos —Sem ofensas Rei Kim.


—Pelos céus… —Príncipe Zhang Yixing suspirou.


O salão foi preenchido por gargalhadas e assim que se findou a conversa entre os príncipes e o rei, foram para se servirem do banquete preparado para KyungSoo. O mais novo sentia-se confiante perante os outros. Em momento algum se deixou vacilar, foi calmo, centrado e educado como fora ensinado em sua educação. O que lhe custou um pouco da paciência foi o falatório de ChanYeol e como parecia que ele adorava fazer novos amigos, já que juntou-se ao Doh de um jeito que ninguém os separava. Após o jantar foi caminhar com MinSeok pelos jardins do Castelo, já que Yixing foi dormir logo e ChanYeol se recusava a passar frio. Então, bem agasalhados, passaram a caminhar por entre a grama com sereno, quase cristalizado, sentindo o vento gélido no rosto e fumaça de ar sair de suas bocas.


—Muito frio? —Perguntou MinSeok o guiando em direção ao gazebo decorado com flocos de neve de cristal e luzes brancas, subindo o caminho de pedras do jardim


—Um pouco mais frio que os invernos de Earthling, mas estou bem.


—Fico feliz. —Apontou para o banco o convidando a sentar, sem se esquecer de suprir o sereno congelado que estava lá


Os dois ficaram em silêncio por alguns minutos, apenas apreciando a noite não tão estrelada e o vento balançando as plantas do jardim. KyungSoo pôde ver e se surpreender com as flores que se abriam em tempos frios. E eram tão lindas. Teve sua atenção tomada pela mão de MinSeok que tocou seu braço, apontando para algum lugar no ar.


—Olhe com atenção. —Sussurrou. E KyungSoo, que forçou suas vistas pôde ver, onde havia apenas escuridão no céu, pequenos pontos de luz brancos, dançando e se movendo. Ficou maravilhado que aos poucos os pontos se destacavam, transformando o céu.


—É lindo. —Soltou num suspiro.


—São fadas da neve. Costumam aparecer ao anoitecer e ficam a madrugada toda brincando no ar. —Explicou vendo uma das fadas se aproximar. —Olá. —Soprou um vento leve e gelado para o ser que riu e voou alto.


—Incrível. —Sorriu, vendo uma delas pousar sobre seu ombro lhe dando um singelo beijo e partindo rapidamente.


—Estou surpreso! —MinSeok arregalou seus olhos sorrindo. —Não são receptivas. Dificilmente beijam quem conhece e é impossível que queiram beijar um estranho, para elas.


—E isso é mal? —Questionou preocupado.


—Jamais. —Gargalhou. —O beijo delas significa que elas confiam em você. Algo bem raro. —Sorriu ao final de sua explicação.


KyungSoo sentiu o peso daquelas palavras e passou a olhar para o céu, perdido em pensamentos. Ideias essas que foram interrompidas por passos desengonçado e rápidos do Príncipe ChanYeol que puxava Yixing, que tinha rastros de sono em sua face. MinSeok e KyungSoo suspiraram ao mesmo tempo. Prevendo a bagunça que o Príncipe de Pyromaniac faria. O maior entre os quatro sentou-se ao lado de KyungSoo e o olhou profundamente, deixando o menor um pouco desconcertado por ser observado por tanto tempo.


—Qual o problema, ChanYeol? —Murmurou Yixing, sentando-se ao lado de MinSeok que olhava a tudo curioso.


—É você, não é?! —Perguntou para KyungSoo que o olhou confuso. —Eu demorei, mas liguei os fatos. —Levantou-se andando de um lado para o outro. Com dificuldade por causa dos enormes casacos com grossos tecidos.


—Do que está falando, Príncipe Park? —KyungSoo perguntou, hesitante e confuso.


—Você é o descendente direto de Gaia. —Apontou. —Mas estava óbvio. Vindo de Earthling, o povo da terra, filho do primeiro rei. —Parou de repente o olhando assustado. —Tens mesmo o coração de Gaia em ti? Deixe-me ver? —Aproximou suas mãos do casaco de KyungSoo que estapeou a mão do maior pela aproximação repentina, e ouvindo as baixas risadas ao lado.


—Não vou me despir aqui só para sanar sua curiosidade sem limites. —Esbravejou.


—Perdão. —Contorceu sua face e sentou-se novamente. —Mas então a profecia é verdadeira? Gaia despertará totalmente ainda em fúria? —Murmurou fazendo todos ficarem preocupado.


—Não sei. —Soltou após alguns segundos. —Gaia continua não confiando em nós, por sermos parecidos com os Homens. Não sabemos quando ela pode nos rejeitar como seus filhos. —Suspirou olhando para suas mãos.


—O que faremos? Ela irá nos expulsar de si de repente? —Questionou Yixing, sério, observando as expressões do jovem Doh.


—Ela não fará isso. Destruiria ainda mais seu equilíbrio. —Negou levemente com a cabeça. —Haverá sinais. Mudanças no mundo em que vivemos.


—Só você poderá convencê-la de que somos diferente dos Homens? —Dessa vez, MinSeok perguntou, um tanto aflito.


—Eu não posso fazer nada sozinho. —Olhou diretamente para os olhos felinos. —Cada reino tem seu descendente, cada um com um dom desde o nascimento. Será preciso a ajuda de todos para mostrar à Mãe que temos o coração puro.


—Mas você é diferente. —ChanYeol frisou.


—Sou. —Murmurou. —Talvez eu seja a decisão final de Gaia, ou tenha que enfrentá-la e vencer. Mas ela vê nossos corações assim que nos olha. Meu medo é que eu não seja bom o suficiente. —Apertou os punhos, sentindo raízes descer pelo seu braço na intenção de acalmá-lo. —Talvez ao me olhar ela veja como sou fraco. —Abriu sua mão observando a flor que criara, mas que estava despedaçada em sua palma.


—Não duvide da sua força. —Yixing esbravejou. Estava mais sério do que havia visto no pouco tempo que olhou para a face relaxada dele.


KyungSoo sentiu o ar pesar e suas costas formigarem novamente. Não sabia o que aquilo significava. Apenas que sempre que se preocupava o desenho em suas costas parecia saber e pinicar levemente. Pensou em seu pai e seu povo, e ao olhar para os três ali, pensou nos povos deles e nos dos outros cincos reinos. O coração do Príncipe Doh acelerou e ele suspirou sabendo no fim, que caminho deveria tomar.

Tinha uma força descomunal, que demorou anos para aprender a controlar, era descendente de Doh SeungSoo, nascido direto de Gaia. Sabia que sua força física era apenas uma parte do seu ser. Ele podia sentir a força que recebia de seu povo, e agora dos futuros reis ali presentes. Sorriu ladino, orgulhoso de tudo o que viveu, do que aprendeu e do que era. Sabia que tinha uma longa jornada pela frente e dificuldades inimaginável, mas assumiria a responsabilidade que carregava em suas costas com fé de que passariam por isso juntos e que mesmo que fosse sua Mãe, não deixaria Gaia apagar sua história. Ele era Doh KyungSoo, o futuro rei de Earthling.


—Partiremos amanhã ao amanhecer. —Ditou. —Assim que acabar o Festival das Fadas, iremos nos reunir com os outros príncipes. —Olhou para o céu vendo as fadas brincarem com os pequenos flocos de neve que caía.


—Vamos nos preparar para enfrentar Gaia? —ChanYeol questionou assustado. —Estás louco?


—Não. Estou convicto do meu destino como rei de Earthling e de devolver o amor ao coração de Gaia.


KyungSoo lutaria até seu último suspiro para todos os reinos que nasceram e cresceram de Gaia, ficarem bem.




Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...