História O Filho de Nyx - A Maldição do Anoitecer - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 23
Palavras 3.129
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 5 - Primeira Estrada - Decisão: Final


Fanfic / Fanfiction O Filho de Nyx - A Maldição do Anoitecer - Capítulo 5 - Primeira Estrada - Decisão: Final

Estava com minha melhor amiga morta nos meus braços. Como eu tinha chegado nesse ponto? Lágrimas não paravam de sair de meus olhos... O choque de perder duas pessoas no mesmo dia era insuportável.

Controlei meus sentimentos parando de chorar imediatamente e vendo a espada no chão ensanguentada. Pensei em pegar a mesma, quando olhei para todos ao meu lado.

- Eu sinto muito. - Disse Icro se aproximando - Eu sei o quanto ela significa para você...

- Não! Não sabe! - Digo com um olhar de ódio olhando ele e logo me levanto do chão - Ainda não acabou... É só o começo!

- Do que se refere? - Disse Alexandre se aproximando de mim. Ele tentava disfarçar mas eu podia ver claramente que ele estava em modo de ataque pronto para me finalizar caso eu fizesse algo.

- Os ataques... Eles não acabaram. Algo pior está vindo... - Disse sério.

- E por que acha isso? - Disse ele cada vez achando mais que eu era uma ameaça.

- Eu simplesmente sei... Igual eu sei que horas é agora... 03:47hrs.

Houve rapidamente um reboliço e um campista olhou para seu relógio de pulso e exclamou em voz alta.

- Ele ta certo...

- Então se preparem... Não sabemos oque está por vir, quero que todos se arrumem e preparem para passar essa madrugada em claro! - Disse Alexandre liberando todos e saindo dalí. Com o tempo passando eu acabei por ficar alí sozinho...

Olhei para o corpo de Giulia e vi os outros filhos de Afrodite pegarem seu corpo e o levarem para o chalé. Eu não tinha percebido mas vários campistas tinham morrido inclusive um filho de Apolo. Isabelle mandou alguns de seus irmãos pegarem o corpo dele e levar para o chalé para depois dar um enterro digno. Olhei para o colar de Giulia e logo coloquei ele no meu pescoço.

Virei para o lado e logo vi novamente aquela espada suja de sangue. Fui em direção a ela mas não tive coragem de pegar ela...

- Pega essa espada... - Disse o garoto loiro que tinha feito aquela ventania mais cedo.

- E quem é você para mandar em mim? - Me virei para ele o desafiando fingindo não estar abalado com oque tinha acontecido com minha amiga.

- Eu sou Enzo. Líder do Acampamento ou como dizia na roma... - Ele disse essa parte meio enojado - Pretor. Filho de Zeus. E se quiser se preparar para oque está por vir pegue essa espada... Eu não vou admitir fracos nesse acampamento.

Além de seus cabelos loiros claro, ele tinha uma pele branca levemente bronzeada e olhos azuis como o céu. Tinha 1,75 e um físico de jogador. Realmente parecia um líder nato, mas, aquilo só me fez odiar ele de cara.

- Eu não ligo pra quem você é ou oque você é... - Disse desafiando mais uma vez ele.

- Pois não ligue mesmo. Eu só respondi sua pergunta. E se quiser se dar bem aqui filho de Hades, vai ter que saber lidar com as regras.

- Eu não sou filho de Hades... - Afirmei tentando mudar o rumo do assunto vendo que ele tinha me colocado contra a parede usando minha própria pergunta contra mim mesmo.

- À é? E como alguem que não era filho de Hades conseguiu exercer aquele tipo de ataque destruindo aqueles esqueletos?

- Eu não sei e eu não ligo. Meu pai era um mortal e ele me preparou para esse mundo, e só tenho certeza de uma coisa, meu parente divino é uma mulher... E quando eu ver ela... - Apertei de raiva meus punhos vendo que aquilo não convencia aquele cara.

- Ache oque quiser... Se quiser ficar aqui, pegue essa espada! - Ele disse aquilo e logo saiu dalí sem falar muito mais coisa.

Fiquei sozinho junto com aquela espada e ao longe vi uma enorme explosão de fogo. Mesmo sentindo meu corpo cheio de energia e forte o suficiente para derrotar um elefante com um soco, eu não conseguia mover meu corpo. Naquele momento eu não via muitos motivos para sequer me mover. Vi vários campistas saindo dos chalés e correndo em direção a explosão. Abaixei a cabeça desmotivado e depois de algum tempo pude ouvir o barulho de longe, como se realmente ouvesse uma guerra.

Via minha sombra que a lua atrás de mim provocava e logo me lembrei do que aquele cara tinha feito com a sombra. Olhei para espada com o canto do olho e logo quis pega-la, mas meu corpo continuava sem se mover. Eu achava estar vendo coisas mas minha sombra se movia pegando a espada e logo movia ela em minha direção e parecia se descolar do chão levando a espada até minha mão que ao tocar ela senti novamente aquele sentimento assassino e sanguinário circular meu corpo. Peguei a espada e corri em direção ao lugar da explosão rapidamente.

- Essa luta é minha! - Disse com sede sangue. Meus olhos que eram lilas ou roxos estavam agora vermelhos e meu sentia minhas veias tentando atravessar minha pele.

Ao chegar lá vi aquela cena, uma criança sem alma estava possuída e invocando fogo não deixando ninguém se aproximar dela. Eu podia ver claramente sua falta de alma e algo a controlava, mas aquele fogo saia dela. Ela controlava tudo aquilo. Ri daquela cena de ninguém conseguindo chegar perto dela e logo senti meu corpo mais frio eu não sabia como, mas ele estava encoberto por uma névoa roxa e azul escuro muito densa e frio que ficava sobre meu corpo. A criança mesmo sem alma parecia com medo e deu uma leve recuada.

- Eu... Vou... Te... Matar! - Sorri psicótico vendo que eu tinha chamado muita atenção e todos recuaram vendo que aquela luta séria minha. Fiz meu corpo ficar cada vez mais gelado.

Quando vi que estava no máximo que consegui para deixar meu corpo frio sorri e corri em direção a ela. O fogo não me afetava nem tentando aproximar do meu corpo gelado e daquela névoa. Dei um soco na cara da garota que foi para trás e logo lançou labaredas de fogo até mim, criei mais daquela névoa fria que embatia contra o fogo e logo vi que ela estava fazendo uma arma. Sim, uma espada com feita do fogo mais quente que ela conseguia fazer. Era curta e de mãos, por isso achei estranho. Deveria ser grande mas lembrei que ele tinha cara de seis anos.

Levantei minha espada e tentei dar um ataque forte contra seu crânio quando ela impediu com aquela espada e se mostrou muito hábil dando um contra ataque me lançando para trás. Oque controlava ela era muito forte. Ela tentou jogar mais fogo contra mim mas era inútil. Me levantei do chão ao qual ela tinha me jogado e logo imaginei as sombras dando um soco nas suas costas e isso se realizou, ela tropeçou para frente mas como proteção fez uma explosão de fogo sair de seu corpo. Aquilo realmente me afetou me jogando para trás, mas não me queimou. Avancei contra aquele fogo e vi minhas roupas da cintura para cima pegar fogo e logo sumirem do meu corpo enquanto eu avançava naquele fogo segurando a espada e mirava a espada contra sua cabeça que estava no chão. Ela conseguiu rolar para o lado e logo se levantar mirando um golpe com sua espada nas minhas costelas. Faço uma defesa com na névoa que funciona segurando a espada dela e logo consegui dar um chute na sua cara a mandando para trás.

Imaginei as sombras segurando suas pernas e logo vi ela presa. Avancei contra ela novamente e com a espada tentei acertar sua cara, vendo que novamente não ia dar certo alterno o rumo do ataque e faço um corte no seu ombro fincando minha espada fundo nele. Dei um soco na cara dela recuperando minha espada e girando fazendo um corte com a espada na sua barriga. Aquela criança amaldiçoada gritou de dor e berrou fazendo mais chamas saírem e me lançou para trás em um poderoso ataque.

Nesse ataque eu soltei a espada perto dela e logo me senti normal. A temperatura do meu corpo voltou ao normal, a névoa se dissipou sumindo e meus olhos voltaram a ser lilas. Fiquei encarando aquele ser. Eu não sentia medo mas agora tive uma premonição e logo me levantei do chão e corri para a esquerda desviando de uma labareda de fogo que se formou e levantou do chão.

- Droga... - Disse enquando desviava de outro ataque de fogo. Eu precisava usar aqueles poderes de novo, mas como? Eu precisava pegar a espada.

Imaginei as sombras trazendo a espada até mim mas tinha tanto fogo perto dela que as sombras não conseguiam chegar perto da espada. Respirei fundo olhando para aquele monstro em forma de criança e logo fiquei em pé encarando ela. Mantive a concentração e consegui criar toda uma névoa que saia do meu corpo e consumia o campo atrapalhando a visão daquela garota. Tudo tinha ficado gelado e corri em direção a espada, e logo quando cheguei perto tive uma premonição que me fez dar um rolamento no chão fugindo de un ataque de fogo que via contra a minha cabeça. Consegui pegar a espada fazendo o rolamento, logo senti tudo aquilo voltar de novo. Aquele desejo assassino e aquela névoa rodiar meu corpo de novo enquanto meus olhos voltavam a ficar vermelhos e meu corpo extremamente frio.

Encarei aquela criança e logo a névoa pelo campo voltou até mim, o corpo daquela garotinha parecia tentar se regenerar mas não conseguia, então o fogo começou a rodiar ao seu redor e ficar resistente igual ela tinha feito com aquela espada. Ela assumiu a forma de um monstro realmente grande em forma de fogo. Fiquei olhando aquilo e corri na direção da criatura que agora tinha feito um machado de fogo enorme e tentou dae um golpe em mim quando desviei para esquerda e com a espada que eu segurava dei um golpe forte contra onde deveria ficar suas costelas e ouvi a criatura urrar me dando um chute me mandando para trás.

Me levantei rapidamente e vi que aquele corte que eu tinha feito não se regenerava, e logo vi algumas flechas de luz atingirem a cabeça da criatura e explodir. Primeiro achei que a criatura ia morrer mas logo ela se regenerou e quando olhei para o lado era Isabelle a única que conseguia fazer alguma coisa. Eu senti como se algo estranho prendesse os campistas e não deixassem eles participarem da luta. Respirei fundo ignorando aquilo e estava pronto para dar um golpe para finalizar aquele monstro. Concentrei minha energia na espada que teve a névoa envolta do seu seu fio. Encarei o monstro e corri na direção dele e pulei um segundo antes de seu ataque novamente. Parei no seu peito cravando a espada nele e rasgando mais ainda seu peito. O monstro ficou parado por um segundo até que eu senti. Ele estava morto. O fogo que formava ele sumiu mostrando a garota com um rasgo no seu peito, não demorou muito para que ela explodisse em chamas me lançando para longe e fazendo eu soltar a espada.

Quando me levantei eu estava normal de novo, aquela névoa tinha sumido, minha pele estava com a temperatura normal e meus olhos voltaram a ser lilas. Os campistas correram até mim até verem que eu estava bem e logo vi alguns felizes e comemorando enquanto outros sentiam medo e estavam apavorados, Alexandre veio até mim quando me levantei do chão e olhei para ele.

- Você foi incrível... E bem... Desculpa! A gente não conseguiu te ajudar... Alguma coisa prendia a gente...

Estranhei oque ele disse mas minha hipótese estava confirmada. Alguma coisa prendia eles impedindo que me ajudassem, só não funcionou com a Isabelle. Antes que eu pudesse falar alguma coisa senti meu corpo fraco e sem energia, eu sentia como se fosse desmaiar a qualquer momento até que vi o fogo da arena onde eu tive a luta ficar branco e começar a voar em minha direção. Aquilo foi estranho mas, mais estranho ainda foi ver o fogo se juntando ao meu corpo.

Me senti como uma enorme lâmpada até que vi nas lentes do óculos de um campista que aquele fogo estava envolta do meu corpo como se eu fosse uma galáxia. O fogo formava estrelas, cometas, estrelas cadentes e constelações, e acima da minha cabeça tinha um nome estranho que não consegui identificar. Todos ficaram chocados me olhando quando começaram a se ajoelhar na minha frente. O tal Enzo começou a falar.

- O filho da noite. Patrona das bruxas. Dona dos segredos e misterios. Ex-rainha do submundo. Saúdem, Nathanael Drake Oliver, filho de Nyx, Deusa Primordial da Noite.

Naquele momento eu entendi por que grande parte da minha vida era vivida por mim a noite, eu entendi por que tanta desgraça acontecia, por que meu pai e eu éramos apaixonados pelas estrelas e a noite. Entendi tudo. Aquele fogo continuava rodiando meu corpo quando parece que se juntou a ele e começou a criar uma moletom tão escuro quanto a noite. O moletom era normal, de poliéster e algodão, tinha bolso canguru e capuz normal.

Mas não tinha acabado o resto do fogo foi para minha frente e começou a assumir a forma de uma espada. Espada grande que parecia um sabre mas também parecia leve que dava para usar com uma ou duas mãos. Parecia feita do mesmo material da espada que eu tinha usado.

Era muito linda aquela espada e logo fiquei apaixonado por ela. Quando eu fui na sua direção e peguei ela ela parecia fumaça... Ou melhor, Névoa... Quando se juntou a minha mão e formou um anel preto do mesmo material da espada no meu dedo anelar. O fogo continou e logo se formou em uma foice enorme e mortal que era extremamente linda e me encantou por ela. A peguei e ela se juntou a minha mão também e no anel se formaram detalhes cinzas.

Respirei fundo vendo o fogo acabar e sem resistir mais acabei desmaiando e quando cai criei uma pequena explosão de frio que congelou o chão em forma de círculo de cinco metros onde eu cai. Minha pele ficou pálida e o círculo era extremamente frio e obscuro. Ninguém poderia tocar em mim, mas eu estava bem. Estava recuperando energia. Eu estava hibernando.

Quando acordei mais tarde pude ver que era 10:00hrs da manhã. Aquele Sol queimava meus olhos e eu odiava ele. Respirei fundo e mesmo que senti-se meu corpo melhor e cheio de energia, não me sentia tão bem quanto de noite. Respirei fundo ainda deitado e vi que uns quatro campistas estavam fazendo guarda envolta de mim. Como se me protegessem. Um deles me viu acordado e mandou outro ir rapidamente chamarem o diretor do acampamento. Fiquei um pouco mais deitado quando vi o campista voltando com um homem adulto na minha direção.

[...]

Tinha se passado um tempo e eu estava na casa grande com aquele cara agora. Eu estava bebendo um pouco de Néctar que tinha gosto de leite com toddy quente, enquanto via aquele cara sentado na minha frente em uma poltrona enquanto me olhava como se quisesse me perguntar alguma coisa mas não sabia como começar.

- Bom... É... Eu sou Asclépio. - Ele começou a conversar comigo do nada.

- Deus da medicina? Pensei que Zeus tinha te matado com um raio.

- Deuses não morrem... É só uma história que ficou conhecida por ai. Não ligue.

- Ah ta... - Sorri forçado me arrumando na cadeira enquanto o olhava.

- Bom... Você é filho de Nyx... - Disse ele como se estivesse triste por mim.

- Exatamente. É o que parece... - Comfirmei tentando fazer ele chegar no assunto o mais rápido possível.

- Vou direto ao ponto. Você não deveria ter nascido. Sua existência só trás desgraça a humanidade e você deveria morrer... - Disse ele naturalmente.

Olhei para os lados como se esperasse alguma coisa acontecer. Como esse cara era capaz de me dizer isso?

- Ah... Obrigado? - Perguntei se era aquela a resposta que ele queria ouvir.

- Bom... Continuando. Você não é um semi-deus... Você é um semi-primordial um ser de puro poder. Seu nascimento é proibido, entendeu?

- Não.

- Resumindo, quando um primordial tem um filho ele deveria ser mandado para o olimpo para ser criado como filho, mas você foi deixado com seu pai. Isso não devia ter acontecido, mesmo seu Pai treinando você para esse momento... Enfim. Nyx é um ser tão poderoso que até o próprio Zeus a teme... - De fora ouvi um raio estridente e poderoso - Ele me ouviu, eu acho. Então continuando, você tem algumas opções quanto a que rumo quer seguir na sua vida... Primeiro; você pode ficar aqui no acampamento sendo temido e talvez odiado por grande parte do deuses que tentará te matar sempre que ouver chance. Segundo; você pode assumir sua verdadeira forma e ser uma força da natureza causadora de desgraças e infelicidade pelo mundo. Terceiro; você poderia morrer. E aí... Qual sua escolha?

- Difícil essa pergunta em... - Fui irônico olhando para ele - Mas acho que vou escolher a primeira.

- Entendo. Você escolheu logo a mais difícil. Bom, acho que eu devo dizer então... - Ele estendeu o braço para mim - Bem-vindo ao Acampamento Divino.

- Ah... Obrigado... - Estendi o braço e apertei a mão dele.

- Bom... Enquanto você esteve hibernando... - Estranhei quando ele disse aquilo. Quando eu tive aquele apagão sentia como se realmente estivesse hibernando - Sua mãe preparou uma coisa para você. Me siga...

Bebi todo o néctar do copo e fui atrás dele que começou a andar em direção a área dos chalés. Chegando lá estava tudo normal novamente e mas ao fundo, distante dos chalés eu vi algo que não tinha visto de madrugada. Era um chalé lindo. Todo preto e sempre estava nas sombras das enormes árvores que tinham encima do chalé. Parecia que tinha estrelas no teto daquele chalé e rodeando ele. Chegamos mais perto dele e eu sabia que aquele era o lugar onde eu ia ficar.

- Bom... Aproveite sua nova casa!

Ele sorriu saindo de perto de mim e indo embora. Ao entrar naquele chalé me sentindo automaticamente bem. Tinha somente uma cama no meio do chalé, uma cozinha e um banheiro atrás de uma porta negra. Não tinha janelas ou iluminação lá dentro, apenas pequenas estrelas cintilantes que passeavam pelo teto. Era muito escuro mas eu podia ver tudo dentro dele claramente. Era lindo e com pouca decoração. Logo me senti em casa e naquele momento eu tinha tomado uma decisão, eu ia morar alí e ia acabar com todos aqueles que entrassem no meu caminho!


Notas Finais


Desculpem os erros de português.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...