1. Spirit Fanfics >
  2. O frio é somente no corpo. >
  3. Porque meu coração,você já esquentou.

História O frio é somente no corpo. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


QUARENTENA SERVE PRA ISSO NÉ,ESCREVER E LER.
Se você é da galerinha de (Posso entrar?) não se preocupe que tô escrevendo um capitulo já,se acalma. Tem muitos dias de confinamento social ainda.
Boa leitura,espero que goste.

Capítulo 1 - Porque meu coração,você já esquentou.


 

A neve espessa cobria os telhados de Paris,deixando as ruas  brancas e geladas como nunca antes,já fazia tempo que a cidade não tinha um inverno tão intenso.

Marinette não se lembrava da última vez que tinha visto tanta neve.As aulas do dia seguinte tinham sido suspensas,o que estenderia o recesso para o fim de semana,dando um dia livre para os estudantes e comerciantes de Paris,já que deixar as lojas abertas naquelas circunstâncias era inviável e perigoso.

Olhando pela janela de seu quarto,conseguia ver as ruas pouco iluminadas pelos postes,sem carros passando,ciclistas ou pedestres. Estranhamente,aquela nem parecia mais a cidade luz.

Escura.Fria. Solitária.

Porém,apesar do infortúnio,aquele tempo lhe agradava justamente por tudo estar mais calmo e preguiçoso. Tinha passado o dia inteiro em seu quarto,tomando xícaras e xícaras de chocolate quente,assistindo Station 19 em baixo das cobertas,comemorando seu gracioso momento de descanso e relaxamento.

Que Rock Mof não ousasse mandar um Akuma logo naqueles dias em que Lady Bug e Cat Noir tirariam suas férias merecidas. Ela apostaria dinheiro que o gato,a essa hora da noite,estaria amarrotado embaixo das cobertas como em um casulo,em um sono pesado,babando no travesseiro.

Ele andava muito cansado,o que não tinha passado despercebido por ela em meio as batalhas,aonde ele estava sempre com sono ou com o corpo doendo. Ela esperava realmente que ele estivesse tirando para si um descanso merecido,e não que estivesse tremendo de frio sobre os telhados de Paris,sem rumo e com os dentes rangendo.

Irônico,mas verdadeiro.

Devido a essas circunstâncias,aquele era o pior dia de todos para brigar com seu pai. As discussões sempre deixavam os dois enfurecidos e com a cabeça quente,não medindo palavras ou gestos. As brigas eram quase sempre pelos mesmos motivos,superproteção,ausência,descaso,desgaste ou promessas não compridas.

Adrien tinha se atrasado dez minutos para sua seção de fotos,já que com aquela neve o transito de Paris tinha virado um caos. A discussão em si ,daquela vez tinha sido algo com poucas palavras,mas suficientes para fazer o loiro subir as escadas com raiva e a passos largos,batendo com força a porta de seu quarto quando o adentrou.

-Eu me pergunto por que ainda coloco tanta expectativa em você. Depois que cresceu,se tornou um irresponsável,que não da a mínima para seus compromissos.Eu te criei para...-Tentou dizer o mais velho,mas logo foi interrompido.

-VOCÊ NÃO ME CRIOU.-Berrou,fazendo um eco escoar pela casa.-Você foi um fantasma na minha vida por todos esses anos,me evitando e nunca estando presente. Eu fui criado pela Nathalie.

-EU SEMPRE TE DEI TUDO.-Anunciou se levantando,vendo o filho erguer a voz.-Nunca te faltou nada.

Adrien riu. Riu com ódio.

-Será? Será mesmo que nunca me faltou nada?-Perguntou,se levantando da mesa de jantar,mas diferente do pai,com o intuito de se retirar.-Você é um hipócrita.

O loiro encaminhou-se até as escadas,pronto para dirigir-se até seu quarto,mas antes disso,precisando ouvir o último comentário de seu pai.

-Sua mãe tem sorte de não estar aqui.-Disse,voltando a se sentar calmamente em seu lugar a mesa.-Assim ela não precisa sentir também todo esse desgosto que você traz.

E era por esse motivo que Adrien tinha resolvido sair em meio aquela tempestade,que após cinco minutos sentindo na pele o frio de menos cinco graus Celsius,ponderou novamente se aquela tinha sido uma boa ideia. A julgar por seus dedos tremolos e paralisados com o frio,definitivamente,tinha sido uma péssima ideia.

Tentou correr para aquecer o corpo em uma tentativa de espantar o frio,mas falhando ao sentir os flocos de neve caírem em sua pele com força,deixando suas roupas encharcadas. O vento batia forte em seu rosto,machucando sua pele.

Estar com as roupas molhadas em meio a uma nevasca era o primeiro passo para entrar em hipotermia. Os primeiros sintomas já apareciam,o corpo reduz a circulação do sangue nas extremidades,fazendo com que Adrien não sentisse mais os dedos dos pés e das mãos.

Até poderia usar o traje de inverno de Cat Noir,mas além de considerar um desperdício do poder,já que poderia precisar em alguma batalha futura,tina esquecido-os em casa,impossibilitando que repensasse no uso.

Seus movimentos já tinham ficado mais lentos,fazendo suas vistas embaçarem,enxergando praticamente nada daquela cidade que já estava escura. O ar gelado entrava por suas narinas,dificultando sua respiração.

O que faria agora?

Olhou em volta tentando identificar aonde poderia estar,reconhecendo aquela rua e ficando mais aliviado. Marinette morava a um quarteirão dali e aquela sem dúvida era a melhor opção a se seguir.Não só por ela morar perto da onde estava,mas por saber que a zulada era sua amiga,talvez um pouco mais que aquilo,e que nunca lhe negaria abrigo em um momento como aquele.

Pulou sobre os telhados lentamente,fazendo força nos braços e se esforçando ao máximo para que não caísse de um deles. Levou dez minutos para chegar em frente a padaria dos Dupain Cheg,percurso que normalmente ele levava três minutos para concluir. Usou a última energia que tinha em seu corpo para pular na varanda da garota,caindo de joelhos no piso de concreto.

Ficou ali por mais uns segundos,tremendo e tentando se concentrar no que precisaria fazer. Mal conseguia pensar,quem dirá se mexer. Se arrastou em direção ao alçapão,torcendo para que não estivesse trancado,não tendo muita sorte.

Porque diabos logo naquele dia ela tinha resolvido trancar aquilo? SEMPRE  FICAVA ABERTO.

Usou o resto de força que havia lhe sobrado e bateu os punhos no alçapão,rezando para que ela escutasse e viesse rápido.

Se não ele estaria literalmente morto. 

Esperou alguns segundos,que para quem tinha sua temperatura dois graus a baixo do esperado pareciam horas,até ouvir o som da tranca ser destravado,revelando uma azulada confusa,mas que ao ver o loiro tremendo em sua frente,não tardou em segurar em seu braço e atender a seu sussurro,que implorava por ajuda.

-Entra,rápido.-Disse simples,não perdendo nem mesmo um segundo perguntando o que tinha acontecido ou o do porque dele estar ali.-Vem,te ajudo a descer as escadas.-Seguro-o pelos pulsos,sustentando seu corpo gélido,praticamente o carregando pelas escadas.-Você está congelando.

-E você,está quente como sempre.-Disse baixo,esboçando um pequeno sorriso,tentando fazer a garota sorrir,o que não aconteceu. Estava tão nervosa e preocupada que estava a ponto de chorar também.

Os lábios dele estavam roxos.

-Sem gracinhas agora Cat.-Disse ela,o deixando sentado sobre seu tapete,o embrulhando com seu cobertor. Olhou para ele,analisando seu rosto pálido.-Temos que tirar essas roupas molhadas.-Disse ela,não demorando em arrancar as botas pretas de seus pés,suas luvas e a parte de cima de seu uniforme.

-Quando imaginei você retirando minha roupa,não imaginei que fosse ser assim,nessas circunstancias .-Falou entre espasmos,tendo seu corpo inteiro tremer.

Ela ignorou o que ele disse,não se deixando distrair naquele momento. Correu até seu guarda roupa,tirando de lá um moletom largo azul bebe e as maiores meias que tinha. O vestiu o mais rápido que podia,logo se aninhando a ele,abraçando seu corpo tremulo e gelado. 

Calor corporal era uma das formas mais fáceis de transmitir teperatura e aquece-lo.

-Como sua temperatura caiu muito,se te aquecermos muito rápido,seu sangue vai voltar a  bombear muito depressa,te colocando em risco de ter uma parada cardíaca.-Falou,tentando aquecer as pernas dele o mais rápido o possível,tirando de si própria seu gorro e colocando sobre os cabelos molhados do garoto.-Você vai ficar bem.-Afirmou a garota,querendo tranquiliza-lo.

Devagar começou a esfregar as mãos dele umas nas outras,tentando gerar calor e faze-lo senti-las novamente. Deu a ele seu chocolate quente,não só para que bebesse e pudesse se esquentar,mas que o ajudasse a esquentar as mãos.

Checou novamente o pulso dele,percebendo que mesmo ainda estando desestabilizado,estava melhor do que quando tinha chegado.

Apesar da posição em que estavam,completamente agarrados e entrelaçados sobre o tapete,não existia malícia alguma de nenhuma das partes,apenas a vontade dela de ajuda-lo e a dele de se aquecer.

Depois de alguns minutos naquela posição,ele relaxou mais o corpo,se sentindo melhor e com menos frio.Já não tremia mais com tanta força e tinha voltado a sentir os dedos dos pés e das mãos. Retribuiu o abraço dela com força,agora que tinha novamente força nos braços,sentindo ela apertar-se mais nele.

-Você quase me matou de tanta preocupação.-Disse,acariciando o cabelo loiro dele que agora,já estava mais seco.-O que você tinha na cabeça Cat? Quase se matou.-Disse nervosa,olhando para os olhos inchados e vermelhos do garoto.

-Me desculpa.-Pediu para a garota,voltando a puxa-la.-Tive uma briga com meu pai e fugi,mas não pensei que estaria tão frio. Não desse jeito.-Disse,a vendo assentir e abraça-lo mais forte,sabendo que quando ele brigava com o pai sempre ficava naquele estado. Marinette já estava acostumada a consolar o loiro por esse motivo,já que o pai do gatuno nunca pensava nas coisas que falava.

-Não precisa se desculpar com nada.-Alegou a azulada,se enrolando mais no cobertor junto a ele.-Só por ter feito eu perder quase o episódio 13 inteiro de Station 19. Obrigada Cat.

Ele riu,dando um selinhos nos lábios rosados da garota,a vendo sorrir.

-Posso assistir com você? Estou maratonando também.-Disse o loiro vendo a azulada assentir e se sentar ao seu lado.

Ficaram lado a lado,com a cabeça de Marinette apoiada no ombro dele com carinho,sentindo os braços do maior  em volta de sua cintura.

-Ainda está com frio?-Perguntou a garota,olhando para os olhos verdes profundos do rapaz.

-Um pouco.-Falou sorrindo,se aproximando mais da garota,colando seus lábios no ouvido dela.-Ouvi dizer que o melhor jeito de passar calor corporal,é sem rupa.-Sussurrou para ela a vendo dar um sorriso ladino.

-Quer tirar a prova?-Perguntou a menor,se virando para ele,pousando os dedos nos lábios do garoto a sua frente.

-Com certeza.-Afirmou,se aproximando se seus lábios,dizendo uma última coisa antes de beija-la.-O frio é só no corpo,porque meu coração você já esquentou.


Notas Finais


ENTÃO FOI ISSO MEUS PICHULEQUINHOS.
Espero que tenham gostado,amo vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...