1. Spirit Fanfics >
  2. O Garoto da Vila >
  3. "Bem Vindo Ao Meu Mundo"

História O Garoto da Vila - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem!! 😙❤️

Capítulo 6 - "Bem Vindo Ao Meu Mundo"


Fanfic / Fanfiction O Garoto da Vila - Capítulo 6 - "Bem Vindo Ao Meu Mundo"

Senti uma leve pontada no coração naquele instante, aquele homem de aparência agora angelical me fitava com um olhar profundo que era de deixar qualquer um hipnotizado. Retribui o seu aperto de mão sem me perder por um só segundo do seu olhar tão penetrante.

Pov Santiago

Eu me sentia completamente perdido naquele momento... o que estava acontecendo comigo? Eu poderia passar a noite inteira daquele jeito, admirando cada detalhe único do rosto do Berilo. 

- Posso... te deixar na sua casa? - Perguntei, foi quando nos demos conta de que ainda estávamos de mãos dadas - Opa, mal ai! - Falei meio sem graça. 

- Tá tudo bem - Ele sorriu tímido, o que me deixou ainda mais fascinado - Eu, eu moro meio longe cara, certeza que quer de fato dar essa viagem? 

- Certeza absoluta! - Sorrimos e então seguimos até o meu carro. 

- Eu ainda não sei o teu nome, pra mim é apenas riquinho, playboy, grosseiro... 

- Nossa, tenho até medo de que você continue a pronunciar essas nomenclaturas... sério mesmo que você pensa tudo isso de mim? 

- Beleza, fiquei puto contigo no nosso primeiro encontro, jurei que nunca mais fosse te ver na vida... E olha só, agora você tá aqui me dando uma carona para casa - Nós rimos bastante, na verdade, a tempos que eu não me sentia tão bem em conversar com uma outra pessoa. 

- Como eu já te disse eu tava uma pilha naquele dia. A inauguração do hotel, a pressão da minha família e até minha mesmo para que tudo saísse perfeito, enfim, eu tava muito saturado. Mas eu me chamo Santiago, Santiago Castanhol! 

- É um nome muito bonito! 

- Não tanto quanto o seu... Berilo!

- Eu particularmente sou suspeito para falar, eu amo muito esse nome. Uma vez minha mãe me contou que esse nome foi escolhido pelo meu pai, que segundo ela era um senhor muito rico. 

- E vocês nunca tiveram contato? 

- Infelizmente não. Inclusive eu acredito que ele já deve estar morto. 

Narrador 

Naquela noite fria, em seu casarão... Alberto admirava as árvores de seu enorme jardim pela janela de seu quarto. Sentando em sua cadeira de rodas, ele tinha uma única preocupação... por onde andaria o seu único filho? Alguns minutos se passaram e logo o mordomo da casa adentrou no quarto trazendo os remédios daquele senhor. 

- Seus remédios senhor Alberto! - O mordomo disse e logo Alberto se virou em sua direção. 

- Não sei até quando irei suportar Pedro... esta doença está me corroendo por dentro, tenho poucos meses de vida e até hoje nem sinal do meu filho perdido - Ele se lamentou. 

- Os detetives que o senhor contratou estão trabalhando dia e noite em busca do seu filho. O Berilo irá aparecer antes do que você imagina doutor Alberto. Agora, tome os seus remédios e vamos descansar! 

Paula 

Na sala de casa, eu chorava de forma profunda toda vez que lembrava que o meu irmão estava passando a noite trancando em uma cadeia. O sono não vinha de forma alguma e a sensação de invulnerabilidade era horrível. De repente, a porta da sala se abriu... era o Léo. 

- Paula? O que tá pegando? - Léo questionou ao ver o meu estado. 

- O Berilo... o Berilo foi preso! - Respondi entre lágrimas. 

- Berilo preso? O que o santo Berilo pôde ter feito para ter ido em cana? - Naquele momento o Leandro praticamente pulou no sofá, sentando ao meu lado. 

- Ele é inocente, eu sei! Alguém armou para que o anel de uma senhora rica fosse parar no bolso da calça dele, e agora eu não posso fazer nada até amanhecer e eu poder ir atrás de um defensor público. 

- Que doideira, por essa eu não esperava! Bom maninha, preciso descansar a cabeça para uma prova amanhã. Fui! - Léo deu um beijo em minha bochecha e então seguiu para o seu quarto... como ele podia ser tão frio assim? 

Berilo 

Após alguns minutos de percusso, finalmente havíamos chegado até a entrada da vila onde eu morava. Durante o caminho, eu pude perceber que de fato o Santiago não era tão ruim assim... na verdade, era um cara legal. 

- Bem vindo ao meu mundo... é aqui que eu moro com os meus irmãos - Proferi, admirando a entrada daquele lugar. 

- Hum... é muito bonito aqui apesar da simplicidade. Mas me fala, será que o garoto da vila toparia um jantar com o riquinho playboy aqui, amanhã? - Santiago questionou enquanto me fitava com aquele olhar sereno. 

- Jan-jantar? - Sim, eu fiquei meio desconcertado com aquele convite e acho que acabei deixando isso transparecer. 

- É mas... tranquilidade total, apenas um jantar de amigos - Ele pareceu ter ficado nervoso também. 

- Tudo bem, eu topo sair contigo riquinho playboy! 

Após aquela conversa, ficamos nos encarando por alguns segundos. Estávamos claramente sem saber o que dizer um outro, mas ao mesmo tempo havia uma necessidade enorme de continuarmos conversando. Porém, simplesmente nos despedimos com a promessa de nos reencontramos no dia seguinte. Antes de eu descer do carro, tentamos dar um beijo amigável de despedida, mas como ambos havíamos tomado a atitude... por muito pouco os nossos lábios não se tocaram. Sorrimos envergonhados com a situação e finalmente o Santiago depositou um beijo em minha bochecha, então, eu sai dali. O que tinha sido aquilo? Eu soltava sorrisos involuntários sempre que me lembrava do rosto do Santiago. Era como se o meu sangue estivesse borbulhando por dentro. 

- Então é por isso que você não quer nada comigo, não é? Para ter você, um dos requisitos é ter um carrão do ano - Guilherme disse, se posicionando diante de mim de forma que eu ficasse impossibilitado de continuar caminhando. 

- Para de bobeira Gui, do que você tá falando? - Questionei. 

- Não tenta me fazer de trouxa, eu vi você saindo daquele carro após passar vários minutos de conversinha com um cara... Vai ver até estavam voltando de um motel! 

- Cala essa boca Guilherme! - Falei em tom firme, o empurrando para longe de mim - Eu não te devo satisfação de minha vida... E acho melhor você ir pra casa esfriar essa tua cabeça dura - Completei e então voltei a caminhar em direção a minha casa. 

- Você ainda vai ser meu Berilo... Só meu! - Guilherme esbravejou. 

Como se já não bastasse todos os últimos acontecimentos, ainda tinha o Guilherme pra vim completar de me atazanar. Entrei em casa e fui logo tirando a camiseta, tudo que eu mais queria era banho demorado e em seguida a minha cama. Acendi a luz da sala e então percebi que a Paula dormia sentada no sofá. Me aproximei dela e vi que seus olhos pareciam estar inchados... provavelmente de tanto chorar. 

- Maninha - Sussurrei enquanto fazia cafuné em seus cabelos, não demorou muito e ela despertou.

- Berilo?! Graças a Deus meu irmão... me diz que isso não é um sonho - Ela me abraçou com bastante força, eu retribui. 

- Não é um sonho, eu estou aqui... de carne, osso e belezura - Ela sorriu, apesar das lágrimas ainda estarem escorrendo pelo seu rosto - O dono do hotel retirou a queixa contra mim, ele acreditou na minha inocência. 

- Tava na cara que tudo aquilo foi um mal entendido. Eu já tava pirando sem saber o que fazer, acabei pegando no sono sem nem ao menos perceber. Não me dá mais um susto desses Berilo, você é a pessoa mais importante da minha vida!

- Relaxa tá, eu nunca mais irei sair do teu lado. Agora vai descansar pois amanhã você tem um longo dia de trabalho, e eu também irei fazer o mesmo. 

:.. China..:

Juan 

Assim que amanheceu, deixei o hotel onde eu estava hospedado e segui para a 'ETC', uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Eu estava bastante ansioso e entusiasmado, não conseguiria esperar nem mais um minuto se quer. 

- Bom dia, tenho um encontro marcado com o doutor Chang - Proferi na recepção. 

- Você é o Juan Barros? - A atendente questionou e eu fiz sinal positivo com a cabeça - Pode entrar, primeiro andar, sala treze... O doutor está a sua espera! 

Segui em passos ligeiros até o elevador e logo adentrei no mesmo. Ao sair, procurei pela sala informada pela recepcionista e finalmente me encontrei com o Chang. 

- Bem vindo a fábrica Juan... A sua encomenda está quase pronta, exceto pelo que eu te pedi... trouxe o HD? 

- Sim, foi a primeira coisa que eu joguei na mala. Nesse HD está salvo absolutamente tudo que eu registrei durante o meu relacionamento com o Berilo... fotos, vídeos, conversas... tudo! 

- Perfeito, em poucos minutos o seu robô finalmente estará pronto. E já te adianto... ele ficou idêntico ao garoto original! 

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...