História O Garoto Dos Meus Sonhos - Jeon Jungkook - Capítulo 3


Escrita por: , SkyBoo e sovereignty

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Hetero, Imagine, Jungkook, Namjin, O Garoto Dos Meus Sonhos, Sope, Visões, Yaoi
Visualizações 70
Palavras 1.689
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O capítulo está menor gente, eu sei. Mas foi oq consegui escrever pq eu tô dodoi :( e n consigo raciocinar muito bem qnd tô com sinusite, enfim. Espero que gostem dessa bela merda q ficou o cap.

Capítulo 3 - Eu gosto de você.


Acordei com uma dor imensa sobre o meu corpo enquanto alguém me sacudia sem parar. Juro que eu queria mandar aquela pessoa tomar no olho do cu, mas eu não estava com saco nem para isso.

A claridade me fez enxergar tudo embaçado, mas logo minhas vistas voltaram a ter uma visão clara de quem estava ali, de joelhos e me observando.

Levantei em um pulo, mas já era tarde demais. Ele viu tudo! Tô fodida!

— Eu posso explicar... — tentei argumentar enquanto sentia seu olhar queimando sobre o meu corpo. Não era olhar de desejo, mas sim de fúria.

— Explicar o quê? Que você é uma louca que escreve o nosso "futuro" em vários papéis? Ou é uma stalker psicopata? O que realmente significa tudo isso, Lizzy? — Jungkook levantou, ficando de frente a frente comigo. Respirei fundo.

— Quer mesmo saber da verdade? — perguntei, ainda hesitante.

— É claro que sim. Eu tenho direito! — afirmou cruzando os braços.

— Tem exatamente 11 anos que eu sonho com você, Jungkook. E todos os meus sonhos são visões futuras que se realizam, sejam eles bons ou ruins. Jeon Jungkook, eu sonhei tudo o que estava escrito nesses papéis em meu mural. Sonhei com o seu futuro, o nosso futuro e também com os nossos filhos. Eu pareço louca? Sim, mas é tudo verdade. Eu sei que você tem somente sua mãe viva, pois havia sonhado com a morte de seu pai. Também sei que essa cicatriz em seu rosto foi quando você caiu de cara no asfalto andando de bicicleta, eu sei de tudo... — minha voz falhou assim que ele me fuzilou com o olhar.

— Mas que porra é você? Uma aberração? Futuro? Que futuro eu e você teremos? Me desculpe te decepcionar, mas acho que os seus sonhos não irão se realizar, não na parte que ficamos juntos, pois eu não quero uma aberração como você na minha vida! Fique bem longe de mim, ouviu? Eu vou pagar o aluguel, agradeço que tenha arrumado o apartamento para mim, mas não irá passar disso, vamos continuar sendo estranhos um para o outro. Então, Adeus. — soltou todas aquelas palavras que me penetraram dolorosamente.

Minha voz falhou quando tentei dizer algo, mas ele já havia saído pela porta do quarto, me deixando ali aos prantos.

Agora eu estava determinada a esquecer esse homem custe o que custar. Se não haverá um futuro para nós, eu iria seguir em frente. Como ele mesmo disse, eu realmente sou uma aberração. 

[...]

E depois daquele dia, eu simplesmente taquei o foda-se e fui viver a minha vida intensamente. E fazia questão de esfregar na cara daquele ser desprezível que me humilhou.

Taehyung e eu nos aproximamos cada dia mais, apesar dele saber de tudo, éramos apenas amigos coloridos. Uma foda casual e sem compromisso, pois eu queria passar longe disso.

Jungkook sempre me observava de longe, ele fazia questão de não atender todos os dias a mesa que eu e Tae sentávamos. Eu tinha feito questão de sorrir e curtir todos aqueles momentos que meu amigo me ajudava. 

Oh, doce vingança.

[...] 

Eu havia chegado tão cansada que me joguei no sofá de minha sala e ficar um pouco de pernas para o ar. Hoje eu tive outros sócios cabeças duras presentes, mas conseguimos fechar outro contrato. Hope e Yoongi eram minhas âncoras, e eu confiava naqueles homens de olhos fechados. 

Dispensei todos os empregados hoje, pois eu queria privacidade, paz, respirar um pouco e ser eu mesma ali. Andar pelada pelo apartamento e tudo o que eu tinha direito. 

Levantei do sofá e coloquei várias guloseimas, cervejas, doces, salgadinhos. Hoje queria curtir sozinha o meu momento. Arrumei o karaokê e coloquei aquela música que me fazia lembrar dele, sim, eu sei que sou uma idiota, mas eu não mando no meu coração.

A música começou a tocar alta me fazendo despertar e colocar o microfone perto da boca. Aquele toque da música me fazia prender algumas lágrimas que insistiam em sair.

 

Posso ver cada lágrima que você chorou
Como um oceano em seus olhos
Toda dor e as cicatrizes te deixaram frio

Posso ver todos os medos que você enfrenta
Em meio a esta tempestade que nunca vai embora
Não acredite em todas as mentiras que lhe disseram

Estarei bem aqui, para te segurar quando o céu cair
Serei sempre aquele que se porá em teu lugar
Quando a chuva cair, eu não te deixarei
Estarei bem aqui

Te mostrarei o caminho de volta para casa
Nunca te deixarei sozinho
Permanecerei até amanhecer

Te mostrarei como viver de novo
E curarei tudo que esta quebrado por dentro
Deixe me te amar, quando você vier despedaçado

Estarei bem aqui, para te segurar quando o céu cair
Serei sempre aquele que se porá em teu lugar
Quando a chuva cair, eu não te deixarei
Estarei bem aqui

Quando o amanhecer parecer longe de mais
Venha até minha mão
Quando esperança e paz começarem a desaparecer

Imóvel eu estarei
Bem aqui, para te segurar quando o céu cair
Serei sempre aquele que se porá em teu lugar

Quando a chuva cair, eu não te deixarei
Quando a chuva cair, eu não te deixarei

Estarei bem aqui.

 

E a música havia finalmente terminado enquanto algumas lágrimas desciam que logo tratei de limpar. Caminhei até a tv colocando todas as musicais dos meus sonhos em uma sequência para eu poder curtir minha mágoa sozinha. 

Deixei o som rolar enquanto comia algumas guloseimas, mas quase me engasguei quando a campainha começou a tocar sem cessar. Respirei fundo e fui em direção a porta enquanto tinha um pedaço de minhoquinha em minha boca.

Paralisei assim que eu o vi bem na minha frente. Jungkook me olhava sereno, tão calmo que eu estranhei. Engoli seco tomando a coragem de falar algo, o expulsar dali.

— Se veio para que eu baixe o som, eu só lamento, mas não irei fazer isso agora. — fui direta. 

— Posso entrar? Preciso falar contigo. — Jungkook pediu educadamente. 

Deveria deixar? 

— Tudo bem. — dei passagem para o mesmo e ele entrou observando minha sala cheia de guloseimas e várias outras coisas em cima da mesinha de centro.

Fui até o controle baixando um pouco da música, o suficiente para que eu escute o que ele tinha a dizer.

Sentei em meu sofá enquanto pegava um pacote de Fini com outras minhocas. Nem me perguntem, eu amo esse doce. Enquanto Jeon sentou-se no sofá da frente sem quebrar o contato dos nossos olhares.

— Aceita? — ofereci o pacote em minha mão e ele apenas assentiu pegando um pouco em sua mão. — Então, o que o traz aqui? 

— Primeiramente eu queria me desculpar sobre aquele dia que te chamei daquelas coisas. Foi estranho para mim absorver todas aquelas informações, ainda mais quando você mencionou a morte de meus pais e até a minha infância. Eu sei, eu fui um idiota por causa disso. Eu só quero que me desculpe. — pediu sincero. 

— Jungkook, você tem noção de quanto me magoou? Cara, a pessoa que você ama te chamar daquelas coisas, te humilhar, te despedaçar, não, você não tem noção. Me desculpe, eu não posso te perdoar por agora, mas eu irei. Eu acho. — soltei o saquinho sobre a mesa enquanto passava minhas mãos sobre meus cabelos. 

— E se eu te falar que eu criei coragem para vir aqui depois de escutar você cantando a música que eu sonhei contigo? 

— Você sonhou? — perguntei surpresa.

— Depois que você entrou na minha vida, eu não parei de sonhar com o futuro que você disse que tínhamos. Eu não sei o que está acontecendo comigo, mas estou começando a nutrir sentimentos por você de um jeito que não consigo explicar. É forte, é muito forte, Lizzy. — ele falou me fazendo soltar um suspiro alto.

Aquelas estavam me afetando de uma forma inexplicável. Mas eu não irei me abalar.

— Eu sinto muito, Jungkook. Mas você mesmo disse que não era mais para te procurar, nem continuar com esses sentimentos. Eu estou seguindo em frente, isso é tudo o que posso dizer. Não terá futuro para nós, desculpe. — ele não fazia ideia de como aquelas palavras saíram tão dolorosamente de minha boca. Eu não queria dizer aquilo, mas era preciso. 

Jungkook levantou em pulo do sofá e se aproximou o suficiente para ficar de joelhos na minha frente. Eu tentei segurar as lágrimas, mas não consegui assim que o vi chorar também. 

— Por favor — sua voz trêmula pediu. 

— Não! Sai daqui! — tentei empurrá-lo, mas ele era bem forte e agarrou suas duas mãos em minhas pernas. 

E a música no fundo começou a tocar. Era a minha música que havia dedicado para ele. "Paper Hearts".

— Me deixe te beijar, pelo menos uma vez. Por favor...  — eu não consegui responder. Apenas fechei os olhos, me entregando.

Suas mãos saíram de minhas coxas fazendo o trajeto até meu rosto. Senti sua respiração descontrolada se aproximando, me fazendo morder meus lábios com força.

— Eu te quero, jagi. — susurrou quebrando nossa pequena distância. Seus lábios molhados entraram em contato com os meus me fazendo soltar um leve gemido. 

Agarrei-me em seu pescoço aproximando mais meu corpo do seu. Jungkook me empurrou no sofá sem quebrar o contato do nosso beijo, deitando por cima de mim. Uma de suas mãos foram até minha cintura, dando um leve aperto. Arfei com o contato.

Era o melhor beijo da minha vida.

Então eu me dei conta do que estava acontecendo e de como eu me deixei levar tão facilmente. Empurrei Jungkook de cima de mim fazendo-o ficar confuso com minha atitude.

— Eu quero que saia daqui! Vai embora, por favor! Eu não quero ter que olhar para sua cara, não agora. 

— Lizzy, não faz isso... — pediu tentando se aproximar de mim novamente, mas eu não deixei.

— Eu já pedi e não vou voltar a repetir. Vai embora, Jungkook! Sai! — arremesso uma almofada que estava do meu lado em sua direção.

— Eu vou, Lizzy. Mas saiba que eu não irei desistir de você. — seu olhar me fez engolir seco.

— Vaza! - não, não vai. 

Eu gosto de você... — susurrou suas últimas palavras antes de passar por aquela maldita porta, indo embora novamente. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...