História O garoto novo...-Bughead - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Elizabeth "Betty" Cooper, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Kevin Keller, Veronica "Ronnie" Lodge
Tags Bughead
Visualizações 368
Palavras 2.164
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Terá parte dois, mas eu ainda não finalizei essa fanfic pq tenho que resolver algumas coisa, mas a parte mais forte dela já passou.

Capítulo 34 - Bughead-34


Fanfic / Fanfiction O garoto novo...-Bughead - Capítulo 34 - Bughead-34

ELIZABETH (BETTY)

Julgamento parte III

As últimas palavras de Jughead me chocaram completamente, não sabia que ele tinha me dado um banho e muito menos colocado o dedo na minha garganta para eu vomitar algo, acho que foi isso que me salvou, eu ter colocado alguma substancia para fora do meu organismo. Sentir uma lágrima quente atingir meu rosto, nesse momento eu soube que o Jughead realmente se importava comigo, ele não fez o que tinha que fazer, ele fez além, me salvou mesmo sabendo que tinha a possibilidade de eu não o perdoar.

Jughead se levantou ele olhou para mim e percebeu que estava chorando um pouco e sussurrou.

Jughead:

_Ta amo.

Não conseguir dizer nada, ele sabia que se tentasse eu desabaria em choro, então apenas olhei para ele e sorrir, limpei as lágrimas antes que pudesse fazer mais estragos. Agora seria a vez de Sarah, falar um pouco de Taylor. O juiz a chamou, ela chegou e se sentou.

Sarah:

_Eu conheci Taylor na escola, eu nunca fui uma pessoa muito popular ou algo do tipo, mas nesse ano parece que as coisas mudaram um pouco, pessoas que eu nunca imaginei conversar, se tornaram meus amigos, por exemplo, a Taylor, foi dela quem eu mais me aproximei, quando eu precisei chorar ela foi meu ombro amigo, quando eu precisei contar algo que achei que levaria para meu túmulo, confiei em Taylor, ela podia ser meio maldosa às vezes, mas acho que era para mostrar que não precisava de ninguém, ela se sentia muito sozinha, sempre reclamava comigo sobre a mãe nunca estar em casa, confesso que uma vez deixei escapar algo sobre a minha vida pessoal e fiquei com medo dela contar para escola inteira sobre um garoto que estava ficando, mas não aconteceu, depois disso confiei nela, acho sinceramente que Taylor sempre quis ser vilã, mas ela não é assim, esse jeito meio frio dela é apenas um modo de lidar com a solidão, acho que o que aconteceu foi um sinal, para mostrá-la que ela não essa pessoa má que julga ser.

O depoimento de Sarah chocou todo mundo, mas eu fiquei com um pouco de dó da Sarah, pois me lembro de que Taylor queria colocar no jornal da escola sobre o garoto que ela estava transando e que também gostando, porém concordei com que Taylor era realmente sozinha, principalmente depois do depoimento da mãe e que fazia tudo aquilo para mostrar que não precisava de ninguém, por outro lado , lembro-me que ela brincou com a minha vida e com meus sentimento, mas estava determinada a fazer o que tinha que fazer.

Nós também iríamos depor então o Juiz chamou o Bruno e ordenou que ele contasse um pouco de sua vida até chegar aqui.

Bruno:

_Bom... eu sou brasileiro, do interior de Minas Gerais, nasci e moro lá, não sei como irá ficar resolvido minha vida depois daqui, mas continua afirmando quem moro em Minas, enfim... Quando eu conheci a Eliza nos tornamos amigos, mas depois eu comecei gostar dela e ela de mim, era o que achava pelo menos, namoramos por quase um ano, a gente era bem novo, mas ela pediu um tempo eu aceitei e depois ela terminou, fiquei arrasado, mas o Pedro me deu força e por causa dela ele morreu, quando eu soube que ela tinha saído do Brasil para seguir em frente eu fiquei revoltado, como ela podia seguir em frente? Eu fiz o que fiz e não me arrependo. Elizabeth Cooper matou meu melhor amigo e merece pagar.

Puta que pariu! O Bruno é realmente doente ele precisa de ajuda médica e ser preso... Meu coração acelerou a ouvir o nome de Taylor ser chamado, ela falaria agora eu estava me sentindo tão mal por toda essa situação, sim que saísse desse tribunal eu iria falar com Pamela e depois FP.

Pamela:

_Como minha disse... Eu sempre cresci muito sozinha, nunca achei que isso me afetava, mas afeta e muito, sempre quis ser o centro das atenções, sempre gostei do controle que exercia sobre as pessoas, sempre! Gosto até hoje disso, mas eu também sempre amei minha mãe e eu não faria nada para afetá-la, mas eu a machuquei de um jeito que nunca vou poder reverter. Desculpa mãe, por ser essa pessoa horrível, a senhora sempre batalhou tanto por mim e olha o desgosto que eu sou. Desculpa Betty, você não merecia ser envolvida de um jeito tão trágico pra minha doença de controle e de atenção. Eu sei o que fiz e me arrependo todos os dias por ter colaborado com tudo, tudo o que eu consigo pedir é desculpa pela pessoa que sou.

Meu coração se apertou ainda mais com depoimento da Taylor, sentir que o que iria fazer ao final do meu depoimento seria realmente certo.

Juiz_ Reinaldo Hastings:

_Elizabeth Cooper.

Levantei-me cruzei a sala e sentei-me na cadeira ao lado do juiz.

Betty:

_Eu me lembro... Lembro-me da chegada do Bruno na escola, eu percebi que ele era bem tímido, então me aproximei para ele se sentir mais a vontade e soubesse que ali teria uma amiga, mas ele começou a gostar de mim, eu nem imaginei, a gente foi a uma festa de escola e ficamos pela primeira vez, duas crianças dando beijinhos, chega até ser engraçado, depois a gente resolveu namorar, n-a-m-o-r-a-r, da pra acreditar? Com um tempo descobrir que não tinha esse sentimento todo pelo Bruno, resolvi pedir um tempo, antes de terminar tudo, mas eu vi que ele não era o cara, então terminei de vez, depois de alguns meses aconteceu a tragédia com o Pedro, perdi o chão, me sentir tão culpada, comecei a tomar remédios, mas não funcionou, vim para o EUA para recomeçar e funcionar, mas depois de uns anos o Bruno reapareceu e aconteceu o que aconteceu e agora eu estou nesse julgamento.

Juiz_ Reinaldo Hastings:

_Obrigado pela presença de todos, mas agora precisamos de alguns instantes para a decisão do júri.

Adriana Furtado:

_Meritíssimo, minha cliente tem um ultimo esclarecimento a fazer.

Juiz_ Reinaldo Hastings:

_Aceito.

A cara da minha mãe de choque e brava por não saber o que estava acontecendo me deixou com o pouco de medo, mas agora era a hora de falar sobre Taylor.

Betty:

_Bom... Eu nunca fui próxima da Taylor, nunca, mas quando eu conheci o Jughead, percebi que os dois tinham algo, mais tarde descobrir sobre o romance e tudo mais, ela fazia questão de estar em nossas vidas sim, mas nada tão trágico. Quando Bruno reapareceu eu vi que os dois tinha se tornado amigos, torci para que fossem muito felizes longe de mim, mas aii aconteceu toda a confusão e quando eu finalmente ganhei alta para ir para casa no outro dia Taylor apareceu na minha porta dizendo tudo que aconteceu, eu quando eu percebi se ela não tivesse avisado ninguém sobre o plano do Bruno eu não estaria aqui esse julgamento não estaria acontecendo e eu seria uma garota fraca que se matou, se ela não tivesse contado tudo o que o Bruno planejou para mim talvez isso nem chegaria ao julgamento e eu viveria por aii correndo do Bruno e com medo dele, eu só acho que de alguma forma, por mais que ela tenha colorado com todo esse plano maluco de  vingança do Bruno, no final foi ela quem salvou minha vida e ajudou nos fatos para que esse julgamento. Isso é tudo meritíssimo

Juiz_ Reinaldo Hastings:

_Agradeço a todos a presença, mas agora o júri tomará sua decisão.

Todos nós nos levantamos e antes que eu pudesse pensar minha mãe já vinha em minha direção com a cara furiosa.

Alice:

_Que história Elizabeth de piedade com a Taylor?

Betty:

_Mãe, se eu não fizesse isso iria enfiar a cara nos remédios de novo, eu queria da um ponto final nessa história de modo que ficasse mais leve e me sentiria culpada se deixasse Taylor só como vilã, então fiz até onde pude fazer, agora é com o tribunal.

Acho que minha mãe me entendeu, mas não concordou comigo, ela apenas me deu um abraço e nos retiramos da sala, cheguei até a recepção onde meus amigos estavam eles vieram todos me abraçar de uma só vez, me sentir tão amada e protegida, aqui é o meu lugar, não importa o que aconteça terei pessoas para confiar e me ajudar a ser forte.

Depois disso Jughead me abraçou mais uma vez só que dessa vez sozinha sussurrou em meu ouvido que estava orgulhoso de mim e que era forte para aguentar o tranco sem calmantes, retribuir com um eu te amo em seu ouvido. Me afastei um pouco e olhei para ele.

Betty:

_Preciso conversar com a Pamela.

Virei e fui em direção a Pamela, eu não sabia onde estava Taylor.

Betty:

_Senhora Feelds...

Pamela:

_Oi, Betty.

Betty:

_Essa situação toda é uma bagunça eu sei, mas eu agradeço muito a Taylor por ter colaborado com a investigação e por, de algum modo ter salvo minha vida, e pedir desculpa pelo seu casamento.

Pamela:

_Meu casamento ter acabado não foi sua culpa, onde estamos hoje não é culpa do que aconteceu há pouco tempo, isso são escolhas erradas que fazemos no passado que acarretam no presente, eu amo a Taylor, mas se tivesse usado preservativo, se eu tivesse sido uma mãe mais presente, se eu não tivesse bebido tanto naquela festa, tem inúmeras desculpas, mas nenhuma delas culpa o agora. Ainda amo a Taylor por ter desistido de tudo, mesmo em cima da hora, mas ela me mostrou o seu verdadeiro valor.

Dei um abraço em Pamela para mostra-la que poderia contar comigo se precisasse.

@@@

O júri tinha tomado sua decisão todos os que comparecerão ao tribunal podiam assistir a decisão do júri.

Juiz_ Reinaldo Hastings:

_Bruno Cavalcante, levamos em considerarão que você realmente precisa de ajuda, mas também que não é tão doente quanto julga a ser, o senhor sabe diferençar o certo do errado, mas culpou Betty pela trágica morte de seu amigo, devido a isso, senhor Bruno Cavalcante, será deportado e em seu país ficará preso por cinco com direito a condicional ao  completar 2/3 de sua pena, se sua advogada conseguir isso para você no Brasil. Bruno Cavalcante condenado a cinco anos de prisão e será deportado ao seu país de origem, sua condenação devido a tentativa de assassinado de 2° grau, por mensagens ilícitas e por fuga.

O juiz bateu o martelo e levou Bruno algemado para fora da sala, sua mãe chorava incontrolavelmente e seu pai a confortava.

Juiz_ Reinaldo Hastings:

_Taylor Feelds, talvez essa sua paixão por controle e atenção fosse algo inofensivo, mas você deveria saber que algum dia iria crescer dentro de você e então a situação iria sair do controle,  a senhorita realmente ajudou muito nas investigações e salvou a vida da jovem Elizabeth, entretanto também planejou e colaborou para que sua vida fosse tirada, deveria sabe que há um preço por tudo que faz, seja bom ou ruim, mais cedo ou mais tarde. Senhorita Taylor Feelds está condenada a cinco meses de prisão sem direito a condicional, após cumprir sua pena terá que fazer um ano de serviço social na cidade em que reside.

Sinceramente foi triste do destino de Taylor, porém aliviante pensei que fosse pegar um ano de cadeia quando o juiz disse que ela seria condenada, mas cinco meses já reduziu bastante, olhei para Pamela  que tinha derramado algumas lágrimas, mas não igual a mãe de Bruno, Taylor ao contrario estava satisfeita, acho que ela também se culpava pelo o que fez. Acho que o que reduziu a pena de Taylor foi o fato de ter ajudado e não ter fugido.

@@@

Cheguei em casa depois do longo dia queria apenas deitar e dormir, meus amigos ainda estavam lá em casa, decidir que amanhã iria falar com FP sobre Pamela. Estava no meu quarto vestindo roupa depois de um longo banho, sentir umas batitas na porta, vestir a blusa rápido e disse poderia entrar era Jughead.

Jughead:

_Você parece tensa. Quer uma massagem?

Disse se aproximando, começou a massagear meus braços e logo depois levou uma das mãos para debaixo da minha perna.

Betty:

_Jug... Hoje não é um bom dia...Estou bem sentimental...

Jughead:

_Ótimo, a gente pode ir bem devagarzinho.

Betty:

_Meus amigos e minha família estão lá em baixo.

Jughead:

_Na verdade seus amigos já foram, você demorou tanto no banho que achamos que você tinha pegado no sono.

Betty:

_Minha família está lá embaixo.

Jughead:

_Hoje não vai rolar mesmo né?

Betty:

_Estou bem cansada. A gente pode sair no fim de semana.

Jughead:

_Combinado, esse fim de semana.

Depois dessa conversa descemos e jantamos com a minha família Jason e Chuck também vieram a Cheryl ainda estava em minha casa, passamos a noite conversando sobre o julgamento e como eu me sentia, depois que o pessoal todo foi embora deitei na cama e apaguei.


Notas Finais


Comentem por favor?? Deu um trabalhinho fazer esse julgamento, desculpem qualquer erro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...