História O Garoto Que Eu Costumava Gostar - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Girls' Generation
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Hyoyeon, Jessica, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Seohyun, Sooyoung, Suho, Sunny, Taeyeon, Tao, Tiffany, Xiumin, Yoona, Yuri
Tags Baekai, Kaibaek, Kaisoo, Lubaek, Sekai
Visualizações 69
Palavras 1.166
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - Corra, garoto, corra!




Semanas se passaram e eu ainda não me sentia cem por cento depois do acontecido no festival de música. Nos imensos corredores da escola, via Sehun passar por mim como uma folha cai de uma árvore: não me pertencia mais. Não era meu problema. Ele que se dane.


Decidi que não falaria mais com ele, o que de fato deixou um clima bastante estranho entre nossos colegas de classe quando nos reuníamos para jogar conversa fora. Nós dois nunca nos falávamos, nunca nos olhávamos e qualquer que dizia respeito a um de nós pareciam concordar em preferir não dizer mais nada. Estava bom assim, diminuía minha dor (e a vontade de jogar ele e o Kai pro espaço)


O dia estava seguindo normal até. Vi Baekhyun de mãos dadas com Chanyeol, entendendo o recado, eles estavam namorando. Depois de Luhan e Xiumin, só restava o Lay assumir com o Suho.


E eu como sempre sozinho.


Mas não preciso disso. O que? Eu? Depender de homem? Paft! Eu não preciso de uma companhia amorosa para ser feliz, mesmo que todo o meu corpo diga o contrário. Não. Não! Isso não está errado, está? O que eu posso fazer, afinal? Que controle eu tenho sobre mim mesmo, se sequer consigo esconder meus pesares quando esbarro com Jongin pelos corredores?


Eu precisava fugir disso. Evitar Sehun talvez fosse uma forma de fugir. Não fora preciso fugir de Jongin, ele mesmo já se dera o trabalho de sumir da escola por quase duas semanas. Talvez eu o tenha visto de relance andando em passos apressados até sua respectiva sala de aula, daquele jeito meio furtivo dele, mas eu também não havia prestado muita atenção.


O horário letivo já havia terminado e eu fui até a guarda vazia da escola. Ficava em um campo aberto e todas as arquibancadas foram recém pintadas de azul claro. Me sentei com os joelhos dobrados colocando meu caderno sobre eles para desenhar algo. Algumas linhas tortas se contrararm e logo estava lá o retrato de uma guadra vazia ao fim de uma tarde fria.


Suspirei profundamente, queria que o dia seguinte chegasse logo.


- Olha só, quem temos aqui! - Uma voz masculina e esganiçada soou da entrada da guadra. - Nosso querido amigo da boca grande, uh? - Era Minkyun. Pensei que ele tivesse sido transferido, mas ainda usava a farda da escola. - O que faz aqui sozinho, garoto?


- Não é da sua conta. - Respondi grosseiramente, guardando meu caderno de volta na mochila.


- Não sabe que é perigoso ficar sozinho numa hora dessas? - Kwiyang apareceu logo em seguida, mas esse usava a farda de educação física e tinha os fios sobre a testa molhados. - Onde estão os seus amigos? - Falava ironicamente.


Prontamente me levantei, fazendo menção de sair, mas fui impedido pelas mãos de Minkyun que me empurraram com certa força de volta para onde eu estava.


- Aonde pensa que vai? Não, tsc tsc tsc. - Esticou um dedo para cima em advertência. - Você vai ficar quietinho aí.


- Não acha que temos algo a resolver? - Disse o outro, já com os punhos fechados.


Tentei correr mais uma vez mas ambos me seguraram pelos braços. Jogaram minha mochila no chão e tão rapidamente fui acertado com um soco no rosto. Chutei a barriga de Minkyun com força, o que quase o fez cair no chão, mas logo em seguida ele voltou com mais força ainda e devolveu na mesma moeda o que eu havia feito. Era injusto, os dois eram bem mais altos e fortes do que eu. Eu até tinha certa força, poderia me defender se fosse apenas um, mas dois era injusto demais. Tentei fugir por várias vezes, mas sempre me puxavam pelo braço ou me empurravam. Eu sentia a fúria tomar conta de mim, vontade de quebrar cada centímetro e cada dente dos dois, mas infelizmente meu corpo não tinha porte para isso.


Meu nariz e o de Kwiyang já sangravam, mas Minkhyun parecia intacto e pronto para me socar mais uma vez a qualquer momento. Não sei quanto tempo tudo isso isso, mas fora bem rápido. Até que um estalo ecoou do final da guadra. Já era quase noite e eu senti minhas pernas fraquejarem. Eu não podia desistir.


- Seu viadinho de merda! - Disse um deles. - Não sabe ficar quieto quando merece?


- Vão se foder. - Soltei para os dois.


- O que você disse? - Disparou Minkyun indignado.


- Isso mesmo que você ouviu. - Teve uma reposta, mas não era minha. Uma voz grave, de longe, chegou a nós junto ao vento frio. Eu conhecia aquela voz.


- Você de novo. - Murmurou Minkyun entre dentes.


- Quem você pensa que é?  - Perguntou Kwiyang.


- E quem vocês pensam que são?


Como sempre, usava uma jaqueta de couro pesada, assim como a calça e o coturno punk. Seus cabelos estavam compridos sobre a testa, quase em uma franja, e seu olhar parecia mais insano do que eu já tivera visto em qualquer pessoa antes. Estava diferente, sim, mas era Jongin ali, e eu me senti em uma enrascada.


- Vai embora Jongin, o assunto aqui é só entre a gente.


- Vocês não receberam ordem para deixar quieto o que está quieto? - Em nossa direção andou quase que marchando, seus passos eram curtos e pesados.


- Vai se ferrar!


Foi o estopim. Jongin logo acertou Minkyun no rosto, que era o único que não havia derramado uma gota de sangue, começou a jorrar pelo nariz e pela boca.


Jongin esticou os braços como se aquele gesto fosse um pedido para que o outro tentasse algo contra si. E ele tentou.


Esticou o braço com força para acertar o rosto de Kai, mas ele fora mais rápido e desviou, logo o acertando na barriga e no joelho, o fazendo cair no chão.


- Esqueceu de quem é o especialista em luta aqui? - Vociferou para ambos no chão. - E vocês, no que são especializados, se mal conseguem fazer um treinamento sem errar?


- Não vai ficar por isso. - Disse Minhyun que tentava se levantar do chão. Jongin não respondeu. Apenas esperou que ambos se levantassem e saíssem dali, de vez por outra soltando um xingamento.


Eu assisti tudo de perto, sem saber o que fazer. Meu braço doía e sentia meu olho esquerdo inchar devido às agressões.


Jongin tinha um olhar felino que encarava a escuridão a minha frente.


- Você não precisavá ter feito isso, eu sei me defender! - Disse eu, me arrependendo logo em seguida. Eu não deveria trocar palavras com ele, muito menos qualquer outro tipo de contato. Deveria o ignorar e somente isso.


Aproximou de mim e, com dois dedos, levantou meu queixo que estava machucado. Dei um tapa em sua mão para que desencostasse de mim.  Ele não tinha o direito.


- Na próxima eu que vou quebrar a cara deles. - Disse por fim.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...