História O herdeiro do tráfico - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Caitlin Beadles, Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Karol Sevilla, Ryan Butler
Personagens Justin Bieber, Karol Sevilla, Personagens Originais
Tags Amor, Brigas, Justin Bieber, Karol Sevilla, Lizza Palmes, Segredos, Victor Flaiter
Visualizações 85
Palavras 1.638
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


LEIAM AQUI POR FAVOR
👇👇
👇👇
Desculpas por está postando hoje e que tive problemas pessoais.
Ai eu tive uma ideia que é o seguinte: estou querendo postar em um dia (no caso só a noite) é no outro não, pois assim tera mais palavras na fanfic e terá mais tempo para pensar em escrever algo bom nela.
O que vocês acham!

Capítulo 27 - Capítulo- XXVII


Fanfic / Fanfiction O herdeiro do tráfico - Capítulo 27 - Capítulo- XXVII

Justin é simplesmente um idiota. Como ele pode chegar assim brigando com a caitlin! 

-Você vem comigo!   -disse em um tom nervoso vindo em minha direção pegando em meu braço com certa força e me conduzindo para a saída. 

-Justin me solte está me machucando!   -digo fazendo ele para de andar e me olhando com raiva. 

-Você tem direito de ficar calada!  -ele apertou mais ainda meu braço fazendo eu dá um gemido de dor por conta do aperto. Já estava perdendo as forças no braço. 

-Bieber! Para está machado ela.  -ouvir caitlin dizendo e olhei para trás vendo ela vir em nossa direção. 

-Calada você também!  -disse justin nervoso com aquele bafo de álcool vindo no meu rosto. Mais logo percebi que ele afrouxou um pouco meu braço e puxei dando um passo à trás. 

-Soh, pode ir eu levo suas coisas mais tarde.  -ouvir caitlin dizendo e olhei para trás e dei um sorriso para ela que logo retribuiu. Saí de cabeça baixa em direção a porta sem olhar para o bieber.

-Vamos jantar fora hoje, só avisando.   -disse assim que saiu para fora indo em direção ao seu carro que era um Audi r5 branco.  Mais branco que meus dentes em diria. Segui entrando no carro e logo deu a partida.

Chegamos na mansão e saí do carro batendo a porta com certa força. Eu sei que ele odeia quando bate a porta dos seus carros mais tô nem aí. 

Subi direito para meu quarto, preciso de um banho. Após meu banho saí de toalha enrolada nos cabelos e no corpo,  fui ao closet optando uma roupa bem fresquinha para vestir, um short jeans justo  preto  e um cropped lilás de renda. Deixareis meu cabelo secar naturalmente mesmo. Saí do quarto tombando com algo e caí de cara no chão.  Ótimo meu dia já não podia ser melhor.  Ouvir  gargalhadas de uma pessoa mais já deduzir quem era. Justin Bieber.  Para falar a verdade nunca havia reparado que o sorriso dele é lindo encantador. Porra Sophia acorda.

-Quer dizer quê você fez isso de propósito!  -gritei virando de barriga para cima. Meu corpo ficará dolorido agora. Culpa dele.

-Espera, eu não fiz nada com você eu estava pegando minha corrente que caiu no chão,  não tenho culpa se você não enxerga por onde anda.  -disse em um tom de deboche para mim. Me levantei sentindo uma dor fazendo careta e percebi que ele estava segurando para não rir de mim.

-Vai pagar de inocente agora!  -digo olhando séria para ele-   me ajuda à levantar aqui.  -estendi minha mão para ele mais fez pouco caso.

-pede, mais com carinho.   -disse  olhando para mim com um sorriso irónico nos lábios. 

-Me ajuda.  - pedi bufando impaciente.

-Eu não ouvir,  repete.   -disse colocando a mão na orelha fingindo não ter ouvido.  Eu podia é dá um tapa em sua cara agora mesmo. 

-Porra justin ajuda aqui caralho!   -gritei para ele que o mesmo levantou-se ficando de pé na minha frente. O que ele pensa que está fazendo? 

-O que... -nem terminei de falar e ele seguiu seu caminho em direção a escada. Ele é um puto.

-Se virá  você sozinha.  -e assim ele sumiu da minha vista.  A eu mato ele.  Custei levantar e fui até a escada segurando no corrimão para não cair.  Eu estava dolorida parece que fui estrupada! 

E mais uma vez ele demonstrou que nunca sentiu e nunca vai sentir nada por mim, agora deu uma vontade enorme de chorar meus olhos logo encheram-se de lágrimas mais me mantive em minha postura e vejo justin entrando na cozinha e vir ele franzir a testa me olhando sem entender e logo desviei meu olhar do dele. 

-Você não está chorando por eu não ter ti ajuda, está?   -perguntou e senti uma lágrima descer pela minha bochecha mais limpei logo. 

-Não é isso, é quê...eu sinto saudades dos meus pais.   -falei com o tom de voz fraca. Eu não podia simplesmente dizer que estava chorando por que ele não me ama. Saber que ele nunca sentiu e demonstrou algo por mim dói muito. 

-Oh, foi mal quer ficar um pouco sozinha?  -perguntou e olhei para ele. Que olhos perfeitos.

-Pôde ficar,  não tem problema.  -digo vendo-o sentar na mesa na minha frente. 

-Me conte um pouco do seus pais.   -pediu. Olhei para ele respirando fundo.  

P.o v Justin 

E mais uma vez o orgulho falando maia alto. Eu estava sendo frio e rude,  pior é que eu sei mentir muito bem mais não sei se vou segurar por muito tempo. 

Ela respirou fundo olhando para mim. Os olhos dela é perfeito. Minha vontade agora era de agarrar ela e dizer que também amo ela. Dizer o quanto ela meche comigo, dormir todas as noites abraçado à ela fuder ela a hora que eu quiser, e já faz um bom tempo que não fodo nenhuma mulher mais não fiz isso ainda por que ela não sai da minha cabeça.  Pois até eu tive pena dela por não ter ajudado ela a se levantar. 

-Eu não sei muito sobre eles,  mais meu pai trabalhava em um restaurante um pouco longe de casa, já minha mãe era faxina em casa de ricos.  -disse sem olhar para mim. Doeu-me um pouco em saber que seus pais morreram. 

-Deve ser péssimo crescer sem os pais.  -digo cabisbaixo.

-Muito, é como se parte de você morre também como por exemplo,  um quebrar-cabeça sem a última peça.   -ao mesmo tempo olhei para ela. Podia ver a tristeza em seu olhar.

-Eu cresci sem meu pai, mais deveis em quando eu visitava ele ou ele me visitava, tanto faz.  -vi ela se acalmar um pouco-  posso te fazer uma pergunta?  -perguntei vendo à olhar para mim assentindo positivo-   como você e a sua amiga...como ela se chama mesmo?  

-Lizza, na verdade o nome dela e Elliza mais gostamos de chamar ela de lizza mesmo.   -disse dando-lhe um sorriso.  Que sorriso perfeito.  Ah Sophia você não sabe o quanto eu tô louco para beijar seus lábios. Sentir seu gosto. Eu te levando ao céu vendo você revira os olhos de prazer.  Ok, estou sendo um pouco gay com isso.

-Isso mesmo, lizza.  -digo nervoso eu estava suando frio já naquela cozinha.

-Bom foi assim,  minha tia a mãe dela tinha me contado isso quando eu tinha certa idade, foi em um dia de calor eu havia fugido de casa para procurar fadas...  -eu estava prestando mais atenção no seus lábios do que na conversa, o jeito que ela meche os lábios conversando dá uma puta vontade de beijá-la só com isso-  aí nossas mães viraram amigas e nos também, justin, está vivo!  -fui tirado do meus pensamentos com ela me chamando atenção. 

-Sim, nossa que história louca igual você.   -falei vendo-a me olhar sem entender. 

-Está dizendo que sou louca?   -disse e assentir segurando para não rir-  olha aqui eu não sou louca,  rum!   -bufo irritada fazendo bico como uma criança.  Não fode. 

-Estou brincando,  você gostaria de ver seus pais?  -falei vendo-a me olhar com a testa franzida não acreditando no que eu disse. Nem eu acreditei no que disse. 

-O que? Sério? Mesmo?   -disse em meios de sorriso com lágrimas. 

-Sim, por que não.   -rapidamente ela secou as lágrimas e veio correndo em minha direção me abraçado. Retribui o abraço sentido o cheiro do seus cabelos invadirem  minhas narinas, fundei minha cabeça para seu pescoço e cheirei sentindo o seu doce perfume. Apertei mais o abraço para que ela não saia fazendo-a colar seu corpo com o meu. Depositei um beijo em seu pescoço vendo-a se arrupia. Ela estava gostando. Alguém sentiu minha falta. 

Comecei a distribuir beijos em volta do seu pescoço, ouvir ela arfar tentando sair mais eu a prendir em meus braços. Chupei seu pescoço com vontade e pude jura que ouvir um gemido dela, vi o lugar onde havia chupado e o mesmo ficou roxo. Olhei para seu rosto com malícia pois ela estava sem entender absolutamente nada. Fui aproximando do seu rosto sentido sua respiração ficar pesada. Sentir meus lábios se encosta com os seus. Mais quando ia iniciar o beijo fomos interrompidos por alguém fingir está torcindo. Será que não posso mais beijar em paz!

Nós noos separamos rapidamente e quando olho para ver quem era. Tinha que ser o estraga prazer do chris.

-Estou atrapalhando?   -perguntou-se fingindo inocente. 

-Sim!  -eu e sophia dissemos ao mesmo tempo. Ela disse "sim"? 

-Quer dizer...não!  -ela se corrigiu com nervosismo. 

-Enfim,  a caitlin pediu para trazer suas coisas, é que ela esqueceu que tinha hora no salão.   -disse chris-  estão na sala.   -assim ela sorriu-lhe de agradecimento e saiu da cozinha-  então, o que tá pegando entre vocês.  -perguntou me olhando curioso esperando uma resposta. 

-Eu não sei cara, sei lá ela é diferente.   -falei pensando no sorriso dela. Que isso drew.

-Você está gostando dela?   -perguntou me olhando. 

-Acho que...talvez!   -falei respirando fundo. 

-Mano fala verdade!  -disse me olhando com cara de bunda. 

-Porra Chris!   -falei passando a mão pelo meus cabelos nervoso. 

-Justin, não minta para si mesmo, se você continuar com esse orgulho vai acabar perdendo ela para outros!  -olhei para ele que o mesmo me olhava como se tivesse vencido a batalha. 

-Olha chris se for... -antes fui interrompido por ele.

-Passe bem drew.  -disse e saiu sem nem ao menos eu protestar algo. 

Bufei de raiva saindo da cozinha indo para a sala vendo s Sophia deitada assistido Tv, ela sorria a cada coisa de engraçado que acontecia no programa que ela estava vendo.  Só de imaginar outro marginal beijando ela me sobe uma raiva. Ela é só minha. Eu quero ela, só ela. Não a quero perder para outro .

Mais que merda.

Até quando vou continuar com esse meu orgulho!



Notas Finais


Me perdoe mais uma vez.
Bjs amores.
Ate o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...