História O Homem Ideal - Imagine Suho - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Sehun, Suho, Xiumin
Visualizações 352
Palavras 1.920
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu espero que gostem dessa fic, pois está sendo meu xodó no momento.
Prestem atenção nas coisas citadas aqui, que notará que a fic se falará de dois tempos, o primeiro que é nos dias de hoje e, o outro da era que Suho veio misteriosamente.

Boa leitura, Cherries. <3

Capítulo 1 - Coração cibernético


Fanfic / Fanfiction O Homem Ideal - Imagine Suho - Capítulo 1 - Coração cibernético

Era de madrugada, quando acordei com meu celular tocando sem parar sobre o criado mudo, um tanto enfurecida por ter sido acordada na melhor parte do sonho, onde tudo dava certo na minha vida. Esticando meu braço tentei alcançar pelo o aparelho, sendo obrigada a abrir meus olhos por não ter conseguido sentir o mesmo, ao pegar, levei com moleza em direção ao meu ouvido, escutando aquela voz irritante que apenas meu irmão tem.

— Baek, quantas vezes já disse para que não me ligue nesse horário ? — Meu trimble de voz usada, foi arrogante.

— Culpa não é minha, e sim de Kyungsoo, que fez merda aqui no laboratório.

Ah, como eu senti vontade de matar esse baixinho só com a força do pensamento.

— Vocês deviam mais nem estarem aí. Avisei que apenas amanhã iremos finalizar esse coração cibernético. — Levantei-me furiosa, procurando por meus óculos.

— Como pensa em criar seu homem ideal, se ainda não passou nem dessa fase ainda ? Esqueceu que, ele é feito de pernas também, braços e um cérebro! — Gritava do outro lado, muito agoniado com isso.

— Baekhyun! O coração é a base de tudo! Espere até amanhã! — Usei seu mesmo tom de voz.

— Maninha, logo dará seis horas mesmo. — Se sua voz não soasse manhosa, não seria Byun Baekhyun querendo me amansar.

— Okay. Logo chego para terminamos com os ajustes finais.

Após encerrar a ligação, chequei as últimas mensagens que Jongin havia me enviado, terminando nosso namoro dessa forma cruel mesmo. Isso me faz pensar que eu devo ter nascido do avesso, por todos meus relacionamentos chegarem em um fim trágico, sendo todos mal sucedidos. Criar o homem ideal não se baseia apenas nisto, mas também, um grande avanço como cientista. 

Esse meu novo projeto não se baseia apenas em criar um robô, e sim, um coração cibernético, o qual poderá até ser usado naqueles que estão a beira da morte, caso tenha seu cérebro intacto. Mesmo que meu superior de laboratório não tenha aprovado, estou junto de Baekhyun e Kyungsoo nesse projeto.

Sentimentos eu até não posso conseguir colocar nessa nova tecnologia, porém, salvará muitas vidas, se tudo sair como eu planejo. Não serão movidos pelo emocional, e sim pela razão, suas cabeças vão ser seus guias, mas estarão respirando em uma segunda chance.

Único problema que faltará, após o robô ser lançado, é ser testado em alguém. Mas, em quem ?

No momento que coloquei meus pés fora do prédio o qual moro, uma multidão de repórteres caíram em cima de mim, todos eufóricos querendo saber sobre o projeto.

— Senhorita Byun. Verdade que o coração cibernético conterá falhas ? — Tentei passar por essa, que insistia mais ainda.

— Você testará em humanos ? E se haver falhas durante o processo, acabando por matar alguém ? — Foi a vez do outro, e mais vinham para cima.

Parando de uma vez com essa luta em tentar passar, encarei todos atentamente para que me ouçam bem.

— Será usado apenas em quem não conter mais chances de vida, caso o problema tenha sido o coração, e sim, não é algo baseado em sentimentos. Meu projeto de início será testado em um protótipo robótico, buscando por melhorias que possa ser usado futuramente em um humano. — Todos ficaram surpresos.

Finalmente consegui chegar até meu carro, suspirando aliviada por não dizer mais além do que devia, sabendo bem, que já foi idiota da minha parte dá informações.


(...)


Quando entrei no laboratório, avistei Baekhyun concentrado no joguinho que tem em seu celular, e Kyung limpando o chão aparentando ter derramado algo ali.

— O que aconteceu na minha ausência ? — Ambos pegaram um susto, pulando em uma recuada para trás.

— Derramei aquele químico sem querer. — Se pronunciou Kyung, explicando entediado.

— Fala daquilo que derreteu a sola do meu tênis ? — Vociferou meu irmão, com seus dramas como sempre.

Nem fiz questão de levar esse diálogo em diante, pois esses dois fazem merdas em cima de merdas, nem sei como conseguiram certificado de cientistas.

Mudando de roupa pondo o jaleco branco e luvas em mãos, tratei de conferir se aqueles dois não tinham feito besteira com meu coração cibernético, o primeiro desenvolvido e em teste.

—  Você pode ser tecnológico, mas, será meu sonho de cientista. — Comentei baixinho, sonhando que tudo dê certo.

Senti calor humano ao meu lado, se tratando de Baekhyun pondo cuidadosamente as luvas em suas mãos para poder pegar o coração, levando a máquina de força podendo depois reativar ele colocando em prática os últimos ajustes. Antes que ele pegasse o mesmo, segurei seu pulso fazendo com que me olhasse.

— Algum problema, maninha ? — Erguia uma das sobrancelhas, demonstrando preocupação.

— Diga novamente, por que irei criar esse robô ? — Minhas incertezas eram notáveis, preocupando Byun por isso.

— Porque pretende criar alguém sem falhas, mesmo que seja um robô, se tornando sim a melhor cientista entre todos. — Reforçou, sorrindo abertamente. — Você pretende salvar vidas, diferente desses médicos idiotas. Ah, e nos dará uma boa grana.

Suspirei chateada, por ele achar que isso renderá dinheiro, pensando que se trata apenas disso.

— Tenho medo que algo dê errado. Tipo não fazer com que se pareça humano, pois nem aparência para ele não temos ainda. 

— Bom.. Única coisa que poderá acontecer, será não conseguir realmente fazer com que o robô funcione, aparência veremos depois. — Se divertia rindo, por dentro temendo.

— Certo. Vamos logo ao ponto.


(...)


Seis meses depois, nós três estamos aqui, enchendo a cara no laboratório mesmo, por tudo ter dado errado no robô, não conseguindo realmente fazer com que ele funcionasse, muito menos lhe colocar uma aparência adequada para que se pareça com um humano. Por sorte, o coração cibernético foi um grande sucesso, tendo como falha apenas o lugar qualificado para que batesse, conforme uma bateria faz.

— Vocês estão um lixo! — Advertiu meu superior, perplexo com nossa aparência.

— Isso parece elogio para mim, diante do fracasso que sou. — Gargalhei alto, totalmente descontrolada, uma completa decepção para mim mesma.

— Tinha que ver Baekhyun vomitando, ao mesmo tempo que cantava. — Ria o baixinho ao meu lado, mais fora de si que a mim.

Meu superior esfregou a destra na bochecha, tentando não pirar com essa situação difícil. Indo em sua direção comecei a chorar feito um bebê, lamentando com a merda que foi meu projeto, não se passando de mais outro relacionamento mal sucedido.

— S/N! Se recomponha! — Alertou rudemente, fazendo-me engolir o choro. — Eu venho aqui lhe buscar para que me ajude em algo, e lhe encontro agindo como uma fracassada ?

— Mas é isso que sou. Meu projeto foi uma bosta, você mesmo alertou muitas vezes que seria. — Choraminguei.

— Sem me ajuda seria mesmo. Mas estou diante de um fato desconhecido por mim, não podendo contar dessa vez com a medicina.

Enxugando minhas lágrimas que teimavam rolar por minha face, ajeitei minha postura podendo prestar atenciosamente em suas palavras.

— Encontraram um homem dentro de um iceberg, congelado ao ponto de não ter sinais vitais. — Tirou seu celular do bolso, mostrando-me fotos do acontecimento.

Meu queixo faltou cair, vendo imagens do descongelamento que fizeram realmente daquele homem, seu rosto estava impossível de vê, porém, aparenta ser bem novo defino ao físico bem preparado e espessura da pele, mesmo que esteja um pouco arroxeada devido o local de localização.

Só que o foco principal eram suas roupas, tão antigas igualmente de um príncipe nobre, daquelas épocas antigas.

— Por que está com esse homem ? — Voltei a lhe encarar.

— Você sabe que toda vida é importante para mim, e você mesma me disse que continha um projeto que salvará a quem puder.

— E tenho, mas ainda não foi testado, isso ia ser feito no robô que explodiu. Como saber que funcionará em um humano ? — Bufei, lembrando do acontecimento.

— Esse homem não contém identificação, não tem qualquer sinal dele no mundo. Sua perna direita não funciona, os ossos do braço esquerdo foram esmagados durante o processo em tirarem do fundo do oceano. Ele foi descartado, e apenas veio parar em minhas mãos, porque lembrei de suas palavras. — Estava curiosa, mas com medo de errar outra vez.

— Ele pode sobreviver sem um braço e perna, então, lhe basta um coração. Arrume um no banco de dados!— Tentei lhe dá as costas, porém segurou meu ombro firmemente.

Por cima dos mesmos encarei meu superior, sentindo que meu porre havia passado tão rapidamente, que em sã noção pude perceber que não se tratava de paranóias criadas por meu consciente.

— Acontece, S/N, que ele foi levado a óbito e apenas nossa tecnologia trará ele de volta à vida. — Insistia.

— Neste caso, podemos testar o coração cibernético diretamente nele, o braço esquerdo podemos trocar os ossos por ferro, e a perna a mesma coisa. A pele de cima cobrirá tudo, seus músculos mexaram tão perfeitamente, que as olhos de todos nada parecerá com partes de uma máquina. — Sorri eufórica, notando que nem tudo está perdido.

— Vocês estão falando de recriar um robôque será metade humano ? — Meu irmão estava boquiaberto, achando tudo uma loucura como eu.

— Somente um problema. — Interviu Kyungsoo, se aproximando do superior. — Pode afirmar que o cérebro dele não morreu completamente ? Pois o coração cibernético tem sua capacidade apenas de funcionar, naqueles que a causa da morte tenha sido devido ao coração mesmo.

— Após os batimentos finais do coração, fizemos o máximo para que o cérebro permaneça funcionando. É como se ele estivesse em estado de coma. — Explicava nosso superior, se achando o gênio dos últimos tempos.

— S/N, você não vai criar o homem ideal, vai recriar ele. Boa parte do mesmo ainda será humana. — Tentava me animar, após notar minha expressão tristonha.

Não é o que eu tinha em mente, mas é a metade de um sonho andado. Esse desconhecido é humano, além de ser reconstruído em metade máquina, ainda estará sendo o tipo ideal que tanto eu queria construir, em meio termo, caso dê certo, será o primeiro humano carregando um coração robótico, um grande avanço na tecnologia.

S/N — Pode me levar até a sala que ele esteja ? — Queria muito poder lhe ver com meus próprios olhos, para ter a confirmação se isso será possível.


(...)


— Não é assustador ? — Ele estava impressionante ainda, mesmo que tenha visto primeiro.

— As aparências de um exato príncipe medieval.

Meus olhos percorriam cada centímetro dele, analisando tudo com bastante calma, aquelas vestes nobres e bem bonitas realçavam seu tom de pele, assim como sua beleza invejável. Seu corpo apenas estava quente devido a máquina que o colocaram, aquecendo enquanto transmitiam frequências do seu cérebro, que parece em perfeito estado.

Tenho tudo que é certo para lhe dá a vida de volta, mesmo que seja metade máquina. Não agirá emocionalmente, e sim racionalmente de acordo com seu cérebro humano o qual ainda funciona, digamos que apesar de tudo, ele ainda será o homem ideal recriado por mim, se for baseado por essa face perfeita que encantara todas mulheres e, por ser o único homem ideal no momento a se testar esse coração primeiro.

Um grande passo, o projeto mais empenhoso que cientista nenhum jamais tentou fazer. 

— Ele parece apenas um príncipe dormindo tranquilamente. — Murmurei, tocando levemente seus lábios pálidos.

— Qual sua resposta final diante disso ? — Posicionei minha atenção nele, que estava do outro lado da máquina agoniado com minha confirmação.

Voltando a observar o desconhecido, cientificamente morto, sorri sonhadora encantada com sua beleza.

— Vou recriar o homem ideal. Pode contar comigo!



Continua...


Notas Finais


Espero que tenha dado para entender, se não deu, apenas no próximo capítulo vão compreender melhor.
Suho não é dessa época, isso deu de perceber, e o primeiro robô que levou S/N a criar, não continha aparências ainda, logo sendo apenas máquina.
Se gostarem, irei prosseguir com a fic. Até mais, bbs <3


Capa por: @Stitchedxz

Meu perfil @MeiYeol


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...