História O idiota do meu melhor amigo - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amigos De Infancia, Amizade, Amor, Colegial, Família, Melhores Amigos, Mudanças, Nerd, Popular, Segredo
Visualizações 289
Palavras 1.788
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura meus amores ;-)
Quem gostou da capa nova?
Ps: Se vocês ja estavam com raiva do Ross acho que vão ficar ainda mais, ou talvez não. 😂😒

Capítulo 27 - Capítulo 26


Fanfic / Fanfiction O idiota do meu melhor amigo - Capítulo 27 - Capítulo 26

Pov Emily

Batemos na porta e depois de uma eternidade a Leah abriu com uma cara arrasada. Ela nos deixou entrar e nós a abraçamos.

- Meninas, eu estou melhor. Percebi que é burrice chorar por um imbecil.

- Você tinha que ter visto o tapa que a Nath deu no Ross, os meninos ficaram até impressionados.

- Obrigada amiga. - Ela disse rindo um pouco.

Ligamos para os nossos pais e decidimos ficar com ela e fazer uma "noite das garotas" mesmo com os protestos da Leah de que estava tudo bem.

Fizemos pipoca, brigadeiro, vimos os filmes preferidos de cada uma e tentamos ao máximo fazer a Leah esquecer o dia de hoje. Até que umas 23:00 ela nos chamou no quarto dela e se sentou com a gente na cama.

- Meninas, vocês não sabem como eu agradeço tudo o que fizeram por mim hoje. Sei que eu preciso esquecer e é o que eu mais quero só que antes... Preciso contar algo a vocês. - Ela estava bem vermelha o que fez eu e a Nath nos entreolharmos. - Eu já ia contar antes de... Tudo o que aconteceu, mas...

Ela estava tão nervosa que demos a ela todo o tempo que precisasse para falar.

- Eu... Eu fiquei com o Ross na festa.

- Mas, vocês já não tinham ficado antes? - Leah parecia muito envergonhada.

- Não Nath, eu... Eu dormi com ele ontem. - Ela nos olhou sugestivamente e entendemos que não foi só "dormir".

- O QUE?

- É... Foi a minha primeira vez. - Ela olhou para baixo e começou a brincar com uma pulseira que ela usava. - Ross me fez sentir tão... Especial, senti que era verdadeiro. Bom, pelo menos pareceu verdadeiro naquele momento, ainda mais quando... Quando ele...

- Quando o que amiga? Pode falar o que for para gente. - Incentivei.

- Quando ele disse que me amava.

- ELE DISSE ISSO? - Nath gritou prontinha para voltar lá e continuar batendo no irmão.

- Nath se acalma, o que aconteceu Leah? - Perguntei confusa. - Achei que todo mundo tinha ido embora quando o Evan falou da polícia.

- Então...

Leah flashback

- Leah você quer alguma bebida? - Ross perguntou perto do meu ouvido. Já dançávamos juntos a horas, vários amigos dele vieram o chamar mas ele dispensou todos e só ficou comigo.

- Hum, traz qualquer coisa gelada. - Ele piscou para mim e sumiu na multidão.

Continuei dançando até perceber que o Ross tinha sumido mesmo, já se passaram três músicas e nada dele. Resolvi ir procurá-lo e o achei no bar, ele parecia agitado e discutia com a Carly. Não consegui ouvir o que eles diziam mas quando a Carly me viu ela acenou e o abraçou, ele a abraçou de volta mas quando ela disse algo no ouvido dele ele rapidamente se virou para mim. Revirei os olhos e sai andando na direção oposta, ouvindo ele me chamar.

- Me deixa em paz Ross! - Passei pelo Zack e a Emily que dançavam agarrados, subi as escadas entrando no primeiro quarto vazio e fui até a varanda.

Eu não senti ciúmes, só foi uma raivinha momentânea por ele ter me deixado esperando para ficar com aquela piranha. Como eu disse, nada de ciúmes.

- Olha eu posso explicar. - Ross disse parando ao meu lado.

- Não preciso da sua explicação. Não sou nada sua. - Dei de ombros.

- Por que você não quer. - O olhei arqueando as sobrancelhas e ele sorriu malicioso. - Por mim a gente casava hoje mesmo.

- Olha que eu posso aceitar em. - Acho que eu já tinha passado dos limites, estava falando muita besteira.

- Você não sabe como me deixaria feliz se aceitasse. - Ele ajoelhou segurando minha mão. - Casa comigo marrentinha?

- Levanta daí, odeio quem se ajoelha, acho isso tão clichê. - Resolvi ignorar aquele "pedido de casamento".

- Assim você acaba com as minhas esperanças. - Ross me abraçou pelas costas, dali não dava para ouvir a música mas ele me fez rodar segurando minha mão. - Quer dançar minha noiva?

- Claro meu noivo. - Abracei o pescoço dele e dançamos lentamente. - A gente parece ridículo fazendo isso.

- Sorte que não tem ninguém aqui para ver né? - Eu ri e ele encostou a testa na minha. - Posso beijar minha noiva?

Nem respondi, eu mesma o puxei para um beijo enquanto ainda dançavamos. Porém quando íamos começar a nos beijar de verdade ouvimos as sirenes.

- Droga, vamos. - Ele pegou minha mão e saímos da casa do Evan, que já estava vazia, pela porta dos fundos correndo e rindo.

- Ross! Espera, não dá para correr com esses saltos. - O parei e rapidamente tirei as botas voltando a correr. - Agora, eu aposto que chego na minha casa antes de você!

- Não vale! Você saiu na frente!

A casa da minha mãe era algumas quadras da do Evan por isso chegamos rápido, só que quase na porta ele me segurou pela cintura me fazendo gritar. Ross me jogou para o lado e correu até minha porta.

- Ganhei! - Ele gritou pulando, sorte que minha mãe estava viajando.

- Seu trapaceiro!

- Olha só quem fala. - Dois crianções meu Deus.

- Quer saber? Não ligo mesmo. Boa noite. - Abri a porta e entrei.

- Ei, e meu prêmio?

- Que tal isso. - O puxei para perto e dei um beijo demorado em sua bochecha. - Até amanhã. - Ia fechar a porta quando ele pôs o pé me impedindo.

- Marrentinha, você não vai me convidar para entrar?

- Acho que não...

- Vamos, eu nunca entrei na casa da sua mãe. - Ele disse já entrando. Folgado esse garoto viu.

- Pronto, já entrou, agora pode sair.

- Nossa que grossa. É assim que trata seu futuro marido?

- Tudo bem meu amor. - Disse com total sarcasmo. - Você deseja alguma coisa?

- Você quer mesmo saber? - Ele me lançou um olhar intenso e admito que corei desviando o olhar.

- An, eu vou pegar u-um suco na cozinha, quer? - Me xinguei mentalmente por ter gaguejado.

- Eu adoraria.

Achei que ele me seguiria até a cozinha mas ele me deixou e quando percebi que estava mesmo sozinha eu respirei fundo e tentei me acalmar. É só o Ross, na minha casa, que mal poderia haver nisso?

Quando voltei para a sala e não o encontrei, achei que ele tinha ido embora, mas um barulho no andar de cima me indicou o contrário. Deixei o suco na mesinha de centro e subi atrás dele.

Ross estava no meu quarto, ele estava olhando um mural de fotos que eu tinha na parede, mais especificamente ele olhava uma foto que tiramos no dia dos namorados quando tínhamos 9 anos. Elliot tinha dado um ursinho de pelúcia para Nath e ela estava agarrada no pescoço dele e no do urso. Zack deu uma caixa de bombons para a Emily, e ela deu outra de volta para ele e na hora da foto os dois estavam trocando os que não gostavam. E nós? Bom, a mãe do Ross havia dado um cupcake para ele dar para mim que estava escrito "Me deixe entrar no seu coração" e quando eu aceitei meio envergonhada ele começou a me zoar e dizer que eu gostava dele. Ai eu fiquei estressada e amassei o cupcake na cara dele, no momento da foto eu estava emburrada de braços cruzados e ele comendo o cupcake do rosto.

- Lembra desse dia? - Perguntei sorrindo maldosa.

- Aquele cupcake estava uma delícia. Você perdeu. - Ele me olhou de lado sorrindo.

- Não me arrependo do que fiz. - Dei de ombros e continuei olhando aquela foto. Mas quando me virei ele ainda olhava para mim. - O que foi?

- Me deixa entrar no seu coração marrentinha? - Ele perguntou olhando nos meus olhos e não acreditei que ele ainda lembrava. - Deixa eu te amar.

Ross foi se aproximando devagar e me beijou como se eu fosse me desfazer nos seus braços, segurou meu rosto, beijou minha bochecha, seguindo um caminho até meu pescoço.

Eu não conseguia formular um único pensamento coerente até ele me pegar no colo estilo noiva.

- O que você pensa que está fazendo? - Perguntei mas por algum motivo desconhecido eu estava sorrindo.

- Levando minha noiva para a nossa noite de núpcias. - Ele me colocou deitada na cama.

- Há há vai sonh... - Ele tirou a camisa na minha frente e eu perdi a fala. Tá, até que ele é um pouco (muito) bonito.

- O que você dizia?

- Eu... Esqueci. - Ele riu e se ajoelhou na minha frente, puxando minha cintura para ficar cara a cara comigo.

Ele parou de sorrir quando olhou nos meus olhos e o que eu senti naquele momento foi mais forte do que qualquer outra vez em que estávamos juntos e fui me deixando levar por aquele sentimento, me deixei levar por cada toque profundo, cada beijo, cada peça de roupa tirada.

Ross não desgrudou os olhos dos meus em nenhum momento, e apesar do nervosismo ser grande, não chegou aos pés do tamanho do meu desejo (e de outro sentimento que eu prefiro nem comentar).

- Leah... - Ele chamou meu nome baixinho. - Como eu te amo marrentinha...

E quando eu percebi, aconteceu. Eu o deixei entrar, e ele destruiu tudo por onde passou.

Enquanto ele me abraçava e fazia carinho no meu cabelo, mais tarde naquela noite, eu finalmente percebi o que ele disse e só tive forças para sorrir a abraçá-lo mais forte antes de sucumbir ao cansaço.

Mas antes de apagar completamente eu consegui ouvi-lo sussurrar de novo.

- Droga, eu te amo mesmo...

Flashback off

-... E foi isso. Quando eu acordei ele não estava mais lá e o resto da história, vocês conhecem.

- EU VOU MATAR O ROSS! - Nath gritou brava e começou a procurar algo pelo quarto, talvez os sapatos. - COMO ELE FAZ ISSO COM UMA GAROTA? AINDA MAIS COM UMA DAS MINHAS MELHORES AMIGAS? NÃO! ELE VAI MORRER! MORRER! EU VOU MATAR ELE ENQUANTO ELE DORME!

- NATH! - Leah gritou a segurando e a fazendo parar. - Esquece, a culpa também foi minha!

- Como sua? Aquele...

- Eu me entreguei rápido e fácil demais Nath. Deveria ter tido a capacidade de seguir a razão em vez... Do coração.

- Você não tem culpa de ter se apaixonado Leah. - Disse segurando a mão dela. - Mesmo que ele seja um babaca e não mereça seu amor.

- Eu sei, vou seguir em frente meninas, juro. - Ela sorriu cansada. - Agora podemos por favor dormir e encerrar esse dia incrivelmente longo para mim?

- Claro amiga. - Nos deitamos esparramadas na cama e caímos no sono em pouco tempo.

Eu só queria entender por que o Ross disse que a amava, duas vezes, se ele iria magoá-la depois? Será que foram apenas palavras vazias?


Notas Finais


Vocês tem alguma ideia do por que o Ross fez aquilo?
Comentem ai please. 💜
Até semana que vem. 💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...