1. Spirit Fanfics >
  2. O Idiota Do Meu Melhor Amigo >
  3. Tranquileba

História O Idiota Do Meu Melhor Amigo - Capítulo 9


Escrita por: e Sunshine-_


Notas do Autor


Finalmente! Atualização fresquinha para vocês, acabei de dar os toques finais. Me perdoem por qualquer erro ortográfico, não revisei, queria atualizar logo. Sinto muito por essa demora, passei por uma crise de ideias ruins, não conseguia escrever nada descente.

Agradeçam pela minha co-autora maravilhosa que me ajudou muito com esse cap!

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A
!

Capítulo 9 - Tranquileba


É estranho me sentir decepcionado por ter os meus sentimentos revelados por outra pessoa como se não fosse nada? Acho que não, mas não importa mais. Está feito e não há uma forma de desfazer.

 

Estou triste demais para pensar em algum assunto relevante ou completamente aleatório para começar esse diálogo. Quem poderia me julgar? 

 

No fundo, eu sabia que o Min sentia alguma coisa por mim e vice-versa. Eu só… queria ter tido a chance de contar.

 

Eu sei que você aí, do outro lado da página não deve estar entendendo mais nada. Você quer saber o porquê de eu não ter me declarado, correto? É bem simples, na verdade. 

 

Pelo menos uma vez na vida, eu queria que algum cara se importasse o suficiente para vir atrás de mim. Eu queria que Min Yoongi tivesse a porra da decência de dizer que está apaixonado e que, quer ter algo comigo. Entretanto, eu sou apenas o garoto que fodeu com metade da faculdade. As pessoas só me ligam para ter uma segunda rodada de sexo, nada além disso. “Eu sou fácil demais” e qualquer um consegue transar comigo, então por que ter um relacionamento comigo se você pode ter sexo sem compromisso?

 

Foi ilusão minha achar que eu poderia ser importante para alguém.

 

-- O que está fazendo aqui? -- Perguntei sem desviar a minha atenção.

 

-- Conheço você melhor do que pensa. -- Apesar de não ser o maior fã da política de sair distribuindo amor pelo mundo, você colocou o seu braço esquerdo sobre o meu ombro e ignorou completamente o clima estranho que paira entre nós.

 

Acho que é por isso que eu gosto de você, Min Yoongi, por conseguir ler tão naturalmente os meus sentimentos mais ocultos.

 

-- Suas aulas não acabaram, sequer deveria estar aqui. Quer perder a sua bolsa? -- Continuei sem encará-lo.

 

-- Isso soa irônico, não? Você também tem aula. -- Aposto que você revirou os olhos.

 

-- Vai embora, por favor. -- Quando finalmente te encarei, o seu olhar se tornou melancólico.

 

-- Somos dois covardes. -- Desviou o olhar.

 

-- Não queria que tivesse sido desse jeito. Por que teve que ser assim? -- Direcionei o olhar para o chão.

 

-- Sinceramente, não consigo entender o motivo de ter mantido segredo sobre esses sentimentos. -- Baguncei o meu cabelo, respirando fundo durante o ato. -- Sempre fui uma pessoa direta, mas a possibilidade de não ter os meus sentimentos retribuídos por você me apavorou. Não queria estragar nossa amizade…

 

-- Nós dois falhamos em manter nosso sentimentos ocultos e olha como estamos agora! -- Falo segurando o choro e abraçando os meus joelhos com mais intensidade.

 

-- Queria ter tido coragem para te chamar para sair... te levar para algum lugar bonito, dizer como você faz o meu coração bater mais rápido, ouvir alguma piada sua sobre um possível infarto, te pedir em namoro e beijar a sua boca. Depois poderíamos fazer piadas sobre nos tornarmos uma versão pirata de algum romance água com açúcar e eu me sentiria feliz, pois você desperta as minhas melhores emoções…

 

-- Queria ter tido coragem para te dizer o quanto meu coração bate rápido por você, te dizer o quanto queria te beijar e ter uma vida junto com você, não como amigos, mas como um casal. Fui um idiota por não ter feito isso antes…

 

-- Por que não faz agora? -- Deixei essa distância invisível de lado e estendi a minha mão para tocar a sua nuca e forçar você a finalmente me encarar, deixando a cada instante essa distância praticamente nula. -- Diga que está apaixonado por mim e eu juro que farei o impossível para pôr um sorriso alegre no seu rosto todos os dias, enquanto eu viver...

 

-- Eu te amo, Min Yoongi. Te amo muito. Agora me beije, por favor. Me ame o quanto eu te amo. -- fechei meus olhos ansiado pelo o que viria.

 

E sem mais delongas, eu fiz o que mais ansiei durante tanto tempo, beijei os lábios de Park Jimin e quase suspirei em deleite ao sentir maciez dos mesmos.

 

[...]

 

Jeon Jungkook

 

-- Porra Jungkook! -- Assim que o Yoongi saiu atrás do Jimin, todo mundo, em um coro perfeito, até mesmo pessoas aleatórias do refeitório, falaram essa frase.

 

-- Onde é o incêndio? -- Levantei as mãos em sinal de redenção. 

 

-- Caralho, você só faz merda. -- Resmunguei depois de levar um tapa na cabeça do Jin-hyung.

-- Se dependesse deles, nunca que esse relacionamento iria sair! -- Mesmo todos estando irritados comigo, aposto que silenciosamente eles concordam com o meu ponto de vista.

 

-- Isso não te dá o direito de meter-se na intimidade alheia. -- Por que o Namjoon só abre a boca para despejar a verdade na nossa cara.

 

-- Aquilo já estava mais do que na cara! Só aqueles dois idiotas que não notavam que existia mais do que amizade ali...

 

-- Pouco me importa o que você pensa. -- E de forma rápida, o hyung mais velho agarrou a minha orelha e a puxou com força. -- Você vai pedir desculpas para o Jimin e o Yoongi, por ser intrometido e se me em assuntos que não lhe convém!

 

-- Aí, aí, aí! Hyung, para, tá bom, eu vou pedir. Eu vou pedir! -- Então ele finalmente largou a minha orelha, que aderiu a coloração vermelha.

 

-- Acho bom, mesmo. -- O outro empinou o nariz e voltou a conversar com o pessoal como se nada tivesse acontecido.

 

[...]

 

Min Yoongi

 

Dificilmente fazemos o caminho de casa juntos, por causa dos nossos horários completamente diferentes. Na realidade, não nos vemos muito durante a semana. Ou estamos na faculdade ou no trabalho, o que não nos sobra muito tempo.

 

Resolvemos voltar mais cedo para casa, perder um dia de aula não mata ninguém, posso repor a matéria mais tarde. Até mesmo pedi para um colega do curso me enviar foto das anotações dele mais tarde. 

 

É estranho andar de mãos dadas com Jimin na rua, não me refiro a um estranho ruim, mas daquele que faz o seu estômago dar voltas e te encher de ansiedade. Porém, ainda vivemos no mundo real, e mesmo estando entorpecido por bons sentimentos, notei vários olhares nada gentis em nossa direção, fora alguns corajosos que resolveram tecer algum comentário desagradável.

 

Em pleno século XXI, e as pessoas ainda se incomodam com a sexualidade alheia.

 

 Tive vontade de quebrar meia dúzia de dentes, mas ao olhar para o sorriso do meu pequeno mochi, logo deixei de lado essa ideia. Ele pouco se importou com tudo isso, talvez sequer tenha notado. Por que deveria me importar? Minha felicidade está acima de qualquer preconceito arcaico enraizado na cabeça das pessoas.

Ao chegarmos no nosso apartamento, fomos recebidos pelo pequeno Yoonnie, com lambidas e latidos. Somente neste momento que o Jimin soltou a minha mão e pegou o filhote no colo, paparicando com alguns beijinhos e muito carinho em seu pelo sedoso.

 

-- O bebê do papai está com fome? -- Fiz uma careta, rindo silenciosamente da voz fina e boba que Jimin fez para falar com o filhote, que ficou o encarando enquanto abanava o rabo.

 

O mais novo foi até a cozinha com o animal no colo e eu me sentei no sofá, para espera-lo retornar, pois ainda precisamos conversar sobre tudo o que aconteceu e como vamos levar as coisas adiante.

 

Logo o mais novo retornou, notando minha presença no sofá, logo ele se sentou de frente para mim, com as pernas em posição de lótus.

 

-- Ainda precisamos conversar… -- O outro suspirou após constatar o óbvio.

 

-- Sim, então vamos começar… -- Suspirei. -- Está mesmo apaixonado por mim?

 

-- Você ainda tem dúvidas? -- Neguei com a cabeça. -- E você? Está apaixonado por mim?

 

-- Faço das suas palavras as minhas. -- O mais novo concordou. -- Quer rotular o que temos?

 

-- Depende, você quer? -- Seus olhos brilharam em expectativa, fazendo o meu coração errar uma batida.

 

-- Só se você quiser… -- Não quero pressioná-lo a se sentir obrigado a namorar comigo.

 

-- Isso daqui é algum episódio de chaves? -- Eu ri levemente quando o mochi revirou os olhos. -- Eu sou um homem difícil, se quiser namorar comigo vai ter que me pedir com todas as palavras.

 

Em um rompante eu me levantei, ajoelhando-me de frente para o outro, que começou a rir compulsivamente do meu ato.

 

-- Para de rir igual a uma hiena! -- Já comecei de forma muito romântica. -- Park Jimin, o homem mais difícil de se conquistar do universo, eu te dou a honra de namorar comigo.

 

-- Me dá a honra de namorar com você? -- Arqueou a sobrancelha.

 

-- Claro, acha mesmo que eu não vejo você secando a minha bunda quando eu ando de cueca pela casa? -- Fiz piada.

-- Eu bati ótimas punhetas olhando para essa bunda! -- Não consegui controlar, acabei arregalando os olhos diante da safadeza do outro. -- Mas isso não é justo, a honra de namorar comigo deve ser sua, já que a minha bunda é maior -- Retrucou contráriado.

 

-- Se o pedido muda-se de acordo com o tamanho da bunda, eu teria que te pedir em casamento!

 

-- Eu aceito casar com você. -- Declarou.

 

-- Está bem. -- Concordei.

 

-- Ok.

 

-- Tranquileba. -- Ficamos nos encarando e depois começamos a rir.

 

-- Estamos noivos ou namorando? -- Perguntou o mochi em dúvida.

 

-- Moramos há alguns bons anos juntos, nos conhecemos melhor de que muitas pessoas casadas. Que diferença faz? Portanto que eu esteja com você tudo ficará bem!

 

O sorriso que Jimin abriu, aqueceu o meu coração de uma forma inexplicável, que fez com que um sorriso surgisse no meu rosto de maneira instantânea. Então ele veio para os meus braços, me permitindo sentir o seu calor. E somente nesse momento eu me senti completo e o homem mais feliz desse mundo.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Obrigada, à todos que comentaram e favoritaram a fic!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...