1. Spirit Fanfics >
  2. O inferno de Taehyung >
  3. Capítulo 32

História O inferno de Taehyung - Capítulo 32


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, tudo bem com vocês? Espero que sim.

Boa Leitura!

Capítulo 32 - Capítulo 32


Jungkook acordou na manhã seguinte ao som do chuveiro. Elee estava tentando descobrir como outra pessoa, que não fosse ele,poderia estar em seu banheiro, quando o som parou e um homem alto, de cabelo castanho, enrolado em uma toalha pequena e roxa entrou pela porta. Seus olhos se arregalaram de surpresa, e ele ofegou, batendo a mão sobre a boca aberta.

— Bom dia! — Taehyung disse, segurando a toalha que estava pendurada em seus quadris, com uma mão, enquanto agarrava suas roupas com a outra.

Jungkook olhou. E ele não estava olhando para seu rosto.

Independentemente do que ele estava olhando, seu cabelo estavam molhados e rebeldes. Gotas de água presas a seus ombros e peito, reluziam na superfície de sua tatuagem. Os contornos dos seus músculos, tendões e veias, simetria e equilíbrio, tudo proporcionalmente idealizado.

As linhas clássicas eram de tirar o fôlego até mesmo de um observador casual. Porém Jungkook era tudo, menos um observador casual, pois ele havia passado a noite inteira com este mesmo corpo em sua cama, dormindo de conchinha e brincando com seus pelos. E este corpo esta ligado a uma mente malditamente perfeita e uma alma muito profunda, apaixonada.

No entanto, Jungkook estava olhando para sua forma física, e assim o termo semideus do mar passou por seus pensamentos.

Taehyung sorriu.

— Eu disse bom dia, Jungkook!

Ele fechou a boca.

— Hum, bom dia!

Ele se aproximou e inclinou-se, pressionando um beijo de boca aberta firme, mas doce contra os seus lábios e algumas gotas de água se espalharam em torno dele nos lençóis.

— Você dormiu bem?

Ele assentiu lentamente, sentindo-se muito, muito quente.

— Você não está falando muito. — Ele endireitou-se e sorriu para ele.

— Você está seminu.

— Certo. Você prefere-me totalmente nu? — Ele mudou a toalha provocativamente em seus quadris e sorriu.

Jungkook ficou praticamente em choque.

— Estou apenas brincando, querido. — Ele o beijou novamente, com o cenho franzido.

Um pensamento incômodo lhe ocorreu. Ele retirou-se para trás com uma expressão muito séria no rosto.

— Eu esqueci o que lhe aconteceu em St. Louis. Quando você era pequeno — Ele esclareceu. — Eu sinto muito em entrar assim. Eu não estava pensando.

Jungkook olhou para ele com apreço mudo. Ele sorriu timidamente.

— Está tudo bem! Você apenas está distraído. Você parece feliz esta manhã.

Ele sorriu.

— Partilhar a cama com você me faz bem. Posso fazer o café da manhã?

— Hum, com certeza. Mas você sabe que eu não tenho uma cozinha.

— Eu sou um homem engenhoso. — Taehyung sorriu.

Genuinamente, sua simpatia era suficiente para ele superar seu constrangimento sobre seus equipamentos de cozinha.

Pouco antes de fechar a porta do banheiro atrás dele, Jungkook foi presenteado com um simples vislumbre dos mais belos glúteos, quando Taehyung deixou cair a toalha roxa.

Jungkook ficou boquiaberto como um bacalhau.

Na noite seguinte, Rachel voltou à Filadélfia vindo do seu feriado romântico com Aaron e prontamente verificou seu correio de voz. Depois de um telefonema desesperado de seu pai, ela imediatamente telefonou para Taehyung e deixou uma mensagem.

— Que inferno está acontecendo aí, Taehyung? O que você fez para Jungkook? Ele somente desapareceu uma vez em sua vida e foi quando esteve completamente humilhado por seu ex! Então, o que diabos você fez com ele? Juro por Deus que vou pular em um avião Me ligue... A propósito, papai disse “oi” e está feliz por você ter ligado. Será que te mataria ligar para ele uma vez por semana? Ele decidiu voltar a trabalhar porque não consegue suportar ficar em casa sozinho. E por falar nisso, ele colocou a casa à venda.

Então, mais do que um pouco preocupada com seu melhor amigo Rachel ligou para Jungkook e deixou uma mensagem em seu correio de voz, também.

— Jungkook, o que Taehyung fez? Ele estava delirando, como um louco, no meu correio de voz. Ele não está respondendo ao seu celular, então eu não posso saber o seu lado da história. Não que eu espero a verdade dele. Enfim, espero que você esteja bem, e realmente sinto muito. Qualquer coisa que ele tenha feito, por favor, não desapareça de mim novamente. Não quando esta é a nossa última Ação de Graças na casa. Meu pai a colocou à venda. Aaron ainda pretende te dar uma passagem, então me ligue ok? Amo você.

Depois disso, Rachel voltou para a sua vida normal, na Filadélfia, esperando ansiosamente por notícias de seu irmão e seu melhor amigo.E tranquilamente planejando um casamento.

Depois que Taehyung convenceu sua irmã de não voar para Toronto, a fim de chutar sua bunda, falou com Richard para tirar a casa do mercado imobiliário. Ele prontamente deixou uma mensagem no correio de voz de Jungkook, uma vez que ele ligou enquanto ele estava falando com o pai dele:

— Você parece nunca atender ao telefone. [Exalou levemente...] Você tem chamada em espera? Será que você pode solicitar esse serviço, por favor? Não me importo o quanto custa. Eu vou pagar por isso. Mas estou cansado de deixar mensagens.[Respiração profunda...] Estou supondo que você já soube de Rachel. Ela está furiosa comigo, mas acho que fui capaz de convencê-la de que você e eu tivemos um desentendimento acadêmico, então demos um beijo e ficou tudo bem. [Risada...] Bem, eu deixei de fora a parte do beijo. Talvez você possa ligar e tranquilizá-la antes que ela cumpra a sua ameaça de entrar num avião. [Suspiro... Suspiro profundo.] Jungkook, eu gostei de acordar ao seu lado ontem. Mais do que eu posso dizer através de uma secretária eletrônica. Diga-me que poderei acordar ao seu lado novamente, em breve. [Voz baixa, sussurrada...] Estou sentado em frente à lareira e desejando que você estivesse aqui,envolvido em meus braços. Ligue-me, principesco.

Enquanto isso, Jungkook estava conversando com seu pai.

— Estou feliz que você está voltando para casa, Kookie. Estarei de plantão, mas vamos ser capazes de passar algum tempo juntos... — A voz de Tom parou em uma tosse enquanto tentava limpar a garganta.

— Ótimo! Rachel quer que eu vá visitá-la também. Ela vai se casar e acho que precisa de alguma ajuda com os preparativos, agora que Grace se foi.

— Deb me convidou para jantar com ela e seus filhos. Tenho certeza que ela irá arrumar um lugar extra para você.

— De jeito nenhum! — Jungkook murmurou.

— O que é isso?

— Desculpe-me pai! Seria bom ver Deb, mas não há nenhuma maneira de eu ir lá. De jeito nenhum!

Tom fez uma pausa desconfortável.

— Eu não preciso, também. Eu, hum, vejo Deb o tempo todo.

Jungkook revirou os olhos.

— A que horas devo buscá-lo no aeroporto?

— Na verdade, Taehyung Emerson está morando em Toronto. Ele mencionou algo sobre ir para casa nesse fim de semana. Vou ver se consigo pegar uma carona com os Clarks, da Filadélfia, se quisermos voar ao mesmo tempo.

Tom ficou quieto por um minuto ou dois.

— Taehyung está ai?

— Ele ensina na universidade. Tenho aula com ele.

— Você nunca me disse isso. Kookie, você precisa ficar longe dele.

— Por quê?

— Porque ele é problema.

— Por que você diz isso?

Tom pigarreou novamente.

— Ele nunca voltou para casa para ver sua mãe quando ela estava morrendo. Nunca passa um tempo com sua família. Não confio nele, e com certeza não iria confiar nele com meu filho.

— Pai, ele é irmão de Rachel. Ela sabe que estou voltando para casa no dia de Ação de Graças. De qualquer maneira, ela provavelmente vai nos pegar no aeroporto,.

— Faça o que fizer, não carregue nada para ele no avião e não aceite nada dele que pareça suspeito. Você irá passar pela alfândega.

— O que é que isso quer dizer?

— Quer dizer que me preocupo com você. Não posso fazer isso por meu único filho?

Jungkook reprimiu o impulso de dizer algo cruel ou rude em resposta.

— Vou comprar o meu bilhete de passagem e deixarei você saber o que está acontecendo.

— Ótimo. Falo com você depois.

E com isso, a conversa muito pouco informativa de Jungkook com Thomas Mitchell de Selinsgrove chegou ao fim.

Ele passou a hora seguinte tranquilizando Rachel que sim, ela estava bem e não, Taehyung (talvez surpreendentemente) não era mais um idiota. Ele também convenceu Aaron que tinha dinheiro suficiente da sua bolsa de estudos para comprar um vôo. Mencionou o conflito de agendamento de seu pai e prometeu que iria juntar-se aos Clarks para o jantar de Ação de Graças quinta à noite.

Mais do que um pouco exausto, ele levou uma hora para convencer Taehyung de que não era uma boa ideia eles partilharem a cama todas as noites, especialmente quando havia a possibilidade de que alguém ligado à universidade poder vê-los entrar ou sair um do apartamento do outro. Ele concordou, embora irritado, enquanto exigiu uma promessa de outra festa do pijama, antes de sete dias se passassem.

Jungkook não queria ser a causa de Taehyung perder o emprego, então estava determinado a limitar as possibilidades de que eles pudessem ser vistos juntos. Ele também estava determinado a não passar todas as noites em sua cama, pois sabia onde isso levaria. Ainda estava lutando para confiar nele. A sua reticência é mais do que razoável, dado o fato de que ele só tinha mudado a sua atitude em relação a ele recentemente. E Taehyung havia admitido que sua paixão por ele estava oscilando à beira de seu controle.

Jungkook não queria ser persuadido a fazer coisas que não estava pronto para fazer. Ele não queria lhe dar parte de si mesmo e retornar a seu apartamento sentindo-se usado e solitário, como tinha tantas vezes acontecido com ele. Não, Taehyung não era ele. Mas esse fato não o fez menos cauteloso, embora ele quisesse confiar nele.

Apesar de sua autoproteção, Jungkook dormia muito mais pacificamente com Taehyung que sem ele, e cada dia que não o via, o coração dele doía.

Segunda à tarde, Jungkook atendeu a campainha. Havia um entregador segurando uma caixa grande e branca. Ele assinou o recibo para ele, e quando voltou para seu estúdio, abriu um cartão que foi anexado à caixa.

O cartão tinha as iniciais T. O. E em relevo, na parte superior e foi escrito à mão:

Querido Jungkook,

Obrigado por passar comigo a noite de sexta-feira.

Você tem o coração de um leão.

Gostaria muito de domar você, lentamente,mas sem as lágrimas ou adeus.

Atenciosamente,

Taehyung.

P.S. Eu tenho uma nova conta de e-mail particular à sua disposição: [email protected]

Jungkook abriu a caixa e foi imediatamente cativado por uma bela fragrância. Ele ficou chocado ao encontrar lá dentro um vaso de vidro grande cheio de água. Suspensas sobre a superfície da água estavam sete gardênias. Ele cuidadosamente removeu o vaso da embalagem e o colocou em sua mesa, inalando profundamente quando o perfume começou a permear o ambiente. Voltou a ler a nota de Taehyung e,ansiosamente, abriu seu laptop para que pudesse enviar-lhe um rápido e-mail para sua conta do Gmail:

Querido Taehyung,

Obrigado pelas gardênias, elas são adoráveis.

Obrigado pelo seu cartão.

Obrigado pela atenção.

Ansioso para vê-lo em breve,

Jungkook

XO

Na tarde de quarta-feira, Jungkook encontrou Paul nas caixas de correio, antes da aula do professor Taehyungn. Eles trocaram gentilezas e conversaram brevemente antes de serem rudemente interrompidos pelo celular de Jungkook. A chamada era (milagrosamente) de Dante Alighieri, de modo que ele respondeu.

— Tenho de atender. — Ele murmurou para Paul se desculpando antes de ele entrar no salão.

— Olá?

— Jungkook.

Ele sorriu largamente ao som de sua voz.

— Olá.

— Você vai se juntar a mim para jantar?

Olhou em volta, rapidamente, para garantir que estava sozinho.

— Hum, o que você tem em mente?

— Jantar em minha casa. Não te vejo desde sábado. Estou começando a achar que você só quer se corresponder por correio eletrônico agora que tem o meu novo endereço. — Taehyung riu.

Jungkook respirou fundo, contente de que ele não estava irritado com ele.

— Estive me preparando para minha próxima reunião com Katherine. Você tem trabalhado em sua palestra, então...

— Eu preciso te ver.

— Eu quero ver você também. Mas vamos ver um ao outro em poucos minutos.

— Preciso falar com você sobre isso. Vamos ter que fingir como se nada tivesse acontecido na minha última aula. Provavelmente irei ignorá-lo, apenas para o efeito. Queria dizer a você com antecedência para que não ficasse chateado. — Ele parou por um momento. — Claro, que tudo o que quero fazer é tocar você, mas é preciso manter as aparências.

— Eu entendo.

— Jungkook... — Ele começou, baixando a voz. — Não gosto disto mais do que você. Mas gostaria de tê-lo comigo para o jantar hoje à noite, para que possa fazer as pazes com você. Depois, podemos passar uma noite tranquila perto do fogo desfrutando a companhia um do outro. Antes de ir para a cama.

O rosto de Jungkook imediatamente inflamado com a cor.

— Eu gostaria, mas estava pensando em trabalhar a noite toda. Não terminei as revisões que Katherine pediu, e vou me encontrar com ela amanhã à tarde. Ela é muito exigente.

Ele começou a resmungar baixinho.

— Sinto muito, Taehyung, mas quero fazê-la feliz.

— E me fazer feliz?

— Eu... — Jungkook ficou sem palavras.

Ele se irritou um pouco.

— Em vez disso, você promete me ver sexta à noite?

— Depois de sua palestra?

— Estarei indo jantar. Gostaria que você me encontrasse na minha casa depois disso.

— Isso não vai ser muito tarde?

— Não para o que eu tenho em mente. Você prometeu, você sabe.

Jungkook sorriu para o pensamento da nova, mas antiga festa do pijama que ele havia só recentemente descoberto.

— Então vou te ver sexta à noite? — Ele baixou a voz para um sussurro sedutor.

— Sim. Terei que inventar uma desculpa para dar a Paul. Nós iremos juntos a palestra.

Silêncio ondulado na outra extremidade da linha de telefone.

— Olá? — Jungkook mudou-se para um local diferente no corredor, esperando que o seu movimento fosse melhorar a sua recepção.

— Você ainda está aí?

— Estou aqui. — Tom de Taehyung de repente estava glacial.

“Merda!” Ele pensou.

Ele ficou em silêncio por um momento antes que continuasse a falar.

— Será que temos ou não temos um acordo que excluiu o compartilhamento?

“Duas vezes merda!”

— Hum, é claro!

— Eu mantive o meu termo desse acordo.

— Taehyung, por favor...

Ele o cortou.

— Diga-me que eu entendi errado o que você acabou de me dizer.

— Nós somos amigos! Ele me pediu para ir com ele para sua palestra. Não acho que foi errado.

— Você quer me ver com outros homens como bons amigos? Ir a eventos públicos com eles?

— Não... — Ele sussurrou.

— Então me estenda a mesma cortesia.

— Por favor, não fique zangado comigo!

Seu pedido foi recebido com silêncio.

— Ele é o único amigo que eu tenho. Ser um estudante de pós-graduação em uma cidade estranha... É muito solitário.

— Eu achei que eu era seu amigo.

— Claro que é! Mas preciso de alguém para conversar sobre a universidade e tudo.

— Qualquer coisa a ver com a universidade deve ser discutido comigo.

— Por favor, não me faça desistir do único amigo que tenho, além de você! Se não, eu realmente ficarei isolado, já que não posso estar com você o tempo todo!

Taehyung vacilou.

— Você disse a ele que você está vendo alguém?

Jungkook engoliu em seco.

— Não. Eu pensei que era um segredo.

— Vamos lá, Jungkook. Você é mais esperto do que isso. — Ele suspirou alto. — Ótimo. Vou admitir que você precisa de um amigo,mas ele precisa compreender que você não está disponível. Se ele estiver demasiado interessado como parece estar, poderá criar um problema para nós.

— Vou dizer-lhe que tenho um novo namorado. Nós devemos ir para o museu em duas semanas para ver...

Taehyung resmungou ao telefone.

— Não, você não vai! Eu irei levá-lo.

— Em público? De que forma?

— Deixa eu me preocupar com isso. Então, suponho que ele estará carregando seus livros para a aula em alguns minutos? — Seu tom tornou-se sarcástico.

— Por favor, Taehyung!

Ele exalou profundamente ao telefone.

— Tudo bem! Vamos esquecer isso. Mas eu vou ficar de olho nele.Quanto à sexta-feira, vou te dar uma chave ou eu vou falar para o porteiro para te deixar entrar.

— Ok.

— Vejo você em alguns minutos.

Quando Jungkook e Paul chegaram à sala do seminário, o professor já estava lá. Ele olhou para eles, fez uma careta para Paul e voltou sua atenção para suas notas de aula. No entanto, notou com satisfação que Jungkook estava usando sua bolsa a tiracolo. O pensamento lhe agradou muito.

O restante dos alunos de pós graduação, incluindo Christa, olhou de Jungkook ao professor e vice versa cerca de três ou quatro vezes. Era quase como assistir a um torneio de Tênis.

Jungkook estava sentado em sua cadeira habitual ao lado de Paul e imediatamente adotou uma postura respeitosa.

— Não fique nervoso. Ele está de bom humor a semana toda. Eu não acho que vai incomodá-lo hoje. — Paul inclinou-se perto, muito perto, para sussurrar em seu ouvido. — Ele deve ter se descontraído no último fim de semana... por mais de uma vez.

O Professor Taehyung tossiu ruidosamente na frente da sala até que Paul se afastou de Jungkook.

Por sua vez, Jungkook ficou perturbado com a observação de Paul. Ele manteve a cabeça baixa, escrevendo anotações em seu caderno. Era uma boa distração, pois parou de pensar na manhã de sábado e como Taehyung parecia sob suas roupas, molhado do chuveiro, deixando cair uma toalha pequena, roxa...

O professor mal olhou para ele e não o chamou para comentar ou responder a uma questão. Em suma, a palestra foi uma decepção colossal de uma perspectiva de entretenimento e deixou mais de um estudante de pós graduação decepcionado. Christa, no entanto, ficou

muito contente que o curso do universo finalmente corrigiu-se e tudo estava (quase) como deveria ser.

— Vocês estão todos convidados para a conferência em que será apresentado a luxuria no Inferno de Dante, no Victoria College, na tarde de sexta-feira às três horas. Vejo vocês na próxima semana. Classe dispensada. — O professor juntou suas coisas e saiu da sala de seminários sem sequer olhar para trás.

Paul inclinou-se para Jungkook.

— Posso levá-lo para casa? Poderíamos pegar um pouco de comida tailandesa no caminho.

— Seria agradável você andar comigo até em casa. Mas provavelmente vou trabalhar direito durante o jantar. E há algo que eu preciso lhe dizer...

Na manhã de sexta-feira, Jungkook estava na entrada de seu closet muito pequeno se perguntando o que devia usar. Sabia que Taehyung não ficaria contente quando visse ele sentado com Paul. Ele sabia que iria se encontrar com Taehyung em seu apartamento mais tarde naquela noite e dormir lá. Já tinha embalado sua bolsa a tiracolo, preparado para a visita.

Queria fazer uma boa impressão. Queria que Taehyung o visse dentre todas as outras pessoas e pensasse que ele estava lindo. Assim, pela primeira vez durante o semestre, Jungkook decidiu vestir-se para a universidade. Vestiu-se de preto com meias pretas opacas até o joelho, sapatos de couro preto, que Rachel o tinha convencido a comprar há alguns anos atrás.

Jungkook e Paul foram praticamente os primeiro a chegar ao anfiteatro. Rapidamente escolheram os lugares no fundo da sala, no corredor, de modo a não ser demasiado destacado. Membros do corpo docente geralmente tinham os melhores lugares da frente, e os estudantes de pós graduação não se atreveriam a se meter com essa convenção.

Assim que Jungkook entrou na sala, ele sentiu sua presença. Uma tensão estranha zumbia entre eles, mesmo a uma distância. Taehyung sentiu seus olhos sobre ele também, e soube que ele olhava fixamente. Sabia que seu olhar rapidamente se transformaria em uma carranca. Um exame dissimulado para frente da sala confirmou suas suspeitas. Ele estava olhando para Paul quando ele colocou a mão na parte inferior das costas o guiando aos seus lugares.

Taehyung deu a Jungkook um rápido meio sorriso enquanto seus olhos examinavam ao longo da sua forma, demorando muito tempo nos sapatos de couro. Afastando sua atenção, ele continuou a conversa com um dos outros professores.

Jungkook levou alguns instantes para admirar a aparência de Taehyung.Taehyung.Ele era de tirar o fôlego, como sempre, vestido em um terno Armani muito bonito preto com uma camisa francesa branca e uma gravata de seda preta. Ele estava usando seus óculos e um par de sapatos pretos que, felizmente, não eram pontudos. Surpreendentemente, porém, ele usava um colete sob o terno, e como sua jaqueta estava desabotoada, Jungkook viu o chaveiro de um relógio de ouro pendurado em um dos botões de seu colete, com uma corrente conduzindo a um bolso.

— Olhe para ele. Um colete e um relógio de bolso? — Murmurou Paul, balançando a cabeça.— Quantos anos tem esse cara? Aposto que ele tem um retrato pessoal em seu sótão que está envelhecendo muito rapidamente.

Jungkook sufocou um sorriso, mas não disse nada.

— Sabe o que tive que fazer para ele ontem?

Ele balançou a cabeça.

— Tive que arrumar algumas de suas preciosas canetas em uma caixa, segurá-las e enviá-las para um hospital de caneta tinteiro! Você pode acreditar nisso?

— O que é um hospital de caneta tinteiro?

— Alguma loja de reparação de canetas doentes que atende a filhos da puta ainda mais doentes que possuem muito dinheiro. E muito tempo em suas mãos. Ou em seus bolsos.

Jungkook riu e desligou seu telefone celular.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, me desculpem pelos erros e até sexta. ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...