1. Spirit Fanfics >
  2. O início de tudo >
  3. Capítulo 7

História O início de tudo - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Olha só quem apareceu! 👏🏻👏🏻

A minha cara nem queima né? Kkkkk

Obrigada, obrigada e obrigada!

Espero que gostem!

Capítulo 7 - Capítulo 7




Depois daquele dia, onde Fátima se entregou, eles não se desgrudaram mais nas horas vagas. No trabalho não transpareciam nada, mas mesmo assim as pessoas começaram a perceber um entrosamento maior entre eles.

Já tinha uns 15 dias que estavam namorando quando saíram pra fazer uma caminhada na Lagoa.

— Você realmente adorou esse lugar né? — disse ela vendo como ele olhava encantado pro lugar.

— Sim, aqui é lindo! Você não gosta? Podemos ir pra outro lugar.

— Não dá pra ir pra outro lugar com essa roupa — disse ela se referindo às roupas de ginástica que os dois vestiam.

— Podemos ir almoçar em algum lugar hoje, troco minha roupa e te levo em casa.

— Hoje não dá, vou almoçar com meus pais.

— Ah, entendi...

— Quer ir? — ela ficou olhando a reação dele e percebeu que ele ficou visivelmente nervoso.

— E se eles não gostarem de mim? — Fátima sorriu e disse que não tinha como não gostarem dele.

Eles fizeram aquilo que foi planejado. Ele dirigiu até o apartamento dele e William convidou ela pra subir.

Fátima ficou um pouco tensa em ficar sozinha com ele dentro de um apartamento, aquilo ainda não tinha acontecido.

Subiram as escadas conversando e ele abriu a porta.

Ele foi logo para o quarto e ela avaliou a sala conjugada com a cozinha. Na mesa da sala tinha um cinzeiro cheio de moedas. Ela foi atrás dele no quarto e viu uma pilha de roupas. Pensou no ato: vou ter que botar esse cara na linha, para poder ficar com ele. Foi o seu lado de virginiana, falando mais alto.

Viu ele saindo do banheiro do quarto só com a calça de ginástica e prendeu a respiração. Não sabia se devia ter entrado ali.

Ele também ficou surpreso ao ver ela em seu quarto.

— Tudo bem se eu tomar um banho? Ou está com pressa?

— Fica à vontade. Eu espero.

— Tudo bem, fique à vontade — ele aproximou—se dela e lhe deu um beijo rápido.

Fátima sentou na cama e foleou o livro que ele lia. Parecia interessante.

Estava lendo o primeiro capítulo quando ele saiu do banheiro vestindo somente um jeans, os cabelos molhados que ele penteou bem rápido. Viu ele pegar uma camisa branca no armário e gostou de ver que pelo menos as roupas era organizadas.

— O que foi? — ele viu pelo espelho que ela o encarava e perguntou sorrindo.

— Só estou reparando que o armário está bem arrumado e tem essa pilha de fora — disse ela apontando pras roupas em cima da cômoda. Ele riu e se virou terminando de fechar a camisa e ela agradeceu por isso, não estava conseguindo parar de olhar pra ele.

— Dona Maria Luiza é um pouco brava. Ela exige que mantenho dentro arrumado...

— E ela não briga pelas roupas do lado de fora?

— Mas claro que sim. Essas peguei na lavanderia. Não tive tempo de guardar ainda. Apesar de não parecer eu tento ser organizado.

— Que bom, porque você sabe que se apaixonou por uma virginiana né? — Disse ela se levantando indo até ele.

Ele passou o perfume e puxou a cintura dela.

— Estou descobrindo isso. Minha menina organizada e certinha — ela riu e beijou ele. William e prendeu forte e o beijo se intensificou.

Se soltaram do beijo e ela viu algo que ainda não tinha visto. Tinha um brilho a mais no olhos dele. Tinha desejo.

William começou a beijar o pescoço dela e ela fugiu dele.

— Melhor a gente ir. Quero tomar um banho também.

Se soltou dele e o jornalista percebeu que extrapolou um pouco os limites.

No caminho ele perguntou se estava certa que era o momento certo para conhecer os pais dela, Fátima fez que sim.

No apartamento dela, ele subiu com ela e ficou impressionado. O lugar era bem arrumado e não tinha quase nada ou nada fora do lugar.

— Fica a vontade. Não demoro!

Ela foi tomar um banho e ele ficou na sala. Viu numa parte uma prateleira com alguns livros. Alguns ele já tinha lido, outros não.

Num cantinho percebeu um álbum, logo, ele foi tomado por uma súbita curiosidade e pegou o álbum nas mãos e começou a ver as fotos.

Tinha fotos dela criança, já mais velha e algumas que mostravam que ela já foi bailarina.

— Dizer que pode ficar a vontade não é o mesmo que dizer que pode mexer nas minhas coisas — disse ela.

Ele se levantou no susto por ter sido flagrado.

— Desculpa... É nossa, desculpa mesmo.

Ao ver o quanto ele ficou com vergonha ela começou a rir.

— Estou brincando Will, gostou?

— Amei! Você dança?

— Dançava.

— Eu quero ver isso — ele disse colocando o álbum de volta no lugar.

— Nem pensar! E eu também não danço a alguns anos. Os planos de carreira mudaram. Ser bailarina não dá mais.

— Então você pensou em seguir nessa área?

— Sim, já dei aulas, foi uma época incrível! Mas, precisamos saber a hora de parar.

— Você tem razão, mas parece que você gosta tanto. Adoraria te ver fazendo isso.

— Quem sabe um dia! Vamos?

Ele assentiu e se aproximou dela. Disse que ela estava linda. Eles foram até a casa dos pais dela e senhor Amâncio estava resistente. Não estava aceitando bem até que William se declarou.

— Senhor, eu realmente estou apaixonado por sua filha. Pode ficar tranquilo que minhas intenções são as melhores, ela é incrível e eu não me vejo mais sem ela na minha vida.

— Ainda é cedo pra você falar assim rapaz, não tem nem um mês de relacionamento.

— Mas a gente sente quando encontrou a pessoa certa. E eu sinto isso. E eu prometo que vou fazer ela feliz — ele disse bem convicto olhando o pai dela e Fátima ficou surpresa e ao mesmo tempo sem jeito diante a fala dele.

Na volta pra casa Fátima estava encarando ele enquanto o homem dirigia.

— O que foi?

— Não posso te olhar?

— Você quer me perguntar alguma coisa?

— Quero! — ri ao perceber que ela já conhecia um pouco mais de mim.

— Você foi tão direto com meu pai, ainda estamos juntos a pouco tempo. Como você está tão seguro do que quer comigo?

Ele estacionou na porta do prédio dela e a encarou.

— Eu estou apaixonado por você a muito tempo. Estar com você tem me feito muito bem e muito feliz. Não quero perder essa sensação. Então, a menos que você não queira, eu não vou desistir de fazer você se apaixonar por mim como estou apaixonado por você.

Ela sorriu e sentiu seu coração acelerado, mordeu o próprio lábio, estava nervosa. Tocou o rosto dele, se aproximou e disse:

— Eu já estou apaixonada por você William — ele sorriu. Ficou feliz com o que ouviu, o coração descompassou e os olhos brilharam. Sua reação foi a mais esperada naquele momento, puxar a mulher para si lhe beijando intensamente. 


Continua.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...