1. Spirit Fanfics >
  2. O intercâmbio. >
  3. Capítulo XVI.

História O intercâmbio. - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Demorei...mas voltei!!

Capítulo 16 - Capítulo XVI.


Fanfic / Fanfiction O intercâmbio. - Capítulo 16 - Capítulo XVI.

-Vem, vamos deixar os dois terem privacidade. -Diana puxa Nygard pela manga do casaco dele.

-Vamos para a sala, provavelmente só será nos dois. -Mathias pega uma vasilha com pipoca e entrega uma com salgadinhos para Diana. -Que tipo de filme você gosta? -Pergunta enquanto anda em direção a sala.

-Ação, aventura. -Responde Diana seguindo o vocalista. -Principalmente aqueles filmes de ação dos anos 80, Sylvester Stallone, Van Damme, deste tipo.

-Acho que tem alguns filmes do Jackie Chan, não tenho certeza. -Warlord deposita sua vasilha de pipoca em cima da mesinha de centro e se abaixa em frente a estante e procura pelos DVDs.

-Mas em qual idioma está estes filmes? -Diana pega um pouco de pipoca e começa a comer.

-Finlandês. -Responde Nygard, ele demora um pouco para se dar conta e vira sorrindo para ela. -Acho melhor procurarmos algum filme na Netflix. -Mathias levanta e pega o controle da televisão.

                Mathias e Diana sentam lado a lado no sofá e começam a procurar por filmes que agradem os dois no streaming, dividindo por categorias, os dois olham primeiro a categoria ação e decidem por assistir A Hora do Rush.

-Não vão começar sem a gente né? -Vreth entra na sala segurando uma garrafa de refrigerante.

-Talvez tenhamos pensado nisto. -Responde Nygard.

-Espero que tenham escolhido um bom filme. -Sarah vem logo atrás trazendo quatro copos. -Ah, Jackie sempre é uma boa escolha. -Diz ao ver a tela da televisão.

              O quarteto acaba se separando pela sala, Sarah senta ao chão encostada no sofá, enquanto Diana está sentada sobre o sofá próxima amiga, Vreth está sentado em outro sofá e Nygard que uma poltrona com os pés em cima da mesa de centro. Todos haviam se servido de refrigerante e dividido os lanchinhos, como pipoca, salgadinho e queijos variados cortados em cubo.

                 Devido a diversidade de idioma envolvida com o quarteto, decidiram colocar o filme em inglês e a legenda português a pedido de Sarah que não consegue acompanhar quando os personagens falam muito rápido.

              Durante todo o filme o quarteto ria com as atrapalhadas de Chris Turker e do Jackie Chan e alguém sempre comentava sobre as lutas elaboradas que Jackie inventa.

             Já era bem tarde quando o filme acabou, todos ajudaram Warlord a organizar a bagunça e lavaram a louça. Como Vreth, Diana e Sarah estavam a pé, Nygard ofereceu carona a todas e eles decidiram aceitar.

          Lillmans foi o primeiro a ser deixado em casa e em seguida Nygard dirigiu até a universidade das garotas.

-Obrigada pela carona, Mathias. -Diz Sarah acenando para o vocalista do lado de fora do carro.

-Eu que agradeço vocês por me fazerem relembrar como é Helsinki. -Nygard abre um enorme sorriso para as garotas; -Eu precisava de um dia de turista.

-Quando quiser mais passeios assim, só chamar a Diana, ela é uma enciclopédia de pontos turísticos. -Sarah dar uma cotovelada amigável na amiga. -Eu preciso voltar ao me quarto correndo, esqueci que tenho um exercício para entregar amanhã. -Sarah dar uma piscada disfarçada para Diana e se retira.

-Não liga para ela, Sarah é meia doida. -Brinca Diana sorrindo envergonhada.

-Então ela estava brincando sobre você ser uma boa guia? -Warlord faz uma cara decepcionada. -Uma pena, eu realmente fiquei interessado em ser turista novamente.

-Talvez você possa ser o meu guia numa próxima vez. -Diana cruza os braços.

-Podemos ver isto quando eu voltar a cidade. -Warlord sai de seu carro e vai até Diana. -Eu irei fazer alguns shows com Turisas e ficarei alguns dias fora. Mas podemos ir conversando enquanto isto, se você não se importar. -O vocalista retira seu celular do bolso do casaco e entrega para Diana.

-Ah claro, mas eu ainda não decorei o número, chip novo. -Comenta Diana pegando o seu celular. -Poderia anotar o seu? -Entrega o celular ao vocalista.

-Não esqueça de me mandar uma mensagem. -Mathias sorrir ao devolver o celular para Diana.

          Em seguida ele volta para os eu carro e acena antes de dar partida e sair. Diana observa o carro até ele sumir de seu alcance.

-Claro que não, seu gato. -Diz em português apenas para si mesmo.

            Enquanto caminha em direção ao seu bloco, Diana liga a internet de seu celular para que ele possa atualizar e ela ver qual foto o vocalista usa em seu aplicativo de mensagem rápida. Diana esperava por uma foto diferente, algo mais casual, mas Mathias usa a mesma foto que usa em seu Twitter e em seu facebook.

-Que falta de criatividade, Mathias. -Diz Diana para si mesmo enquanto sobe as escadas para o seu andar.

-E então? Beijou ele? -Pergunta Sarah em português assim que avista a amiga no corredor.

-Não, mas agora tenho o número dele. -Diana vira a tela do seu celular na direção da amiga.

-Finalmente os empurrões estão surtindo efeito. -Sarah abre um enorme sorriso, feliz com a situação.

-Você não devia está fazendo o seu exercício? -Pergunta Diana enquanto destranca o seu quarto.

-Ás vezes me magoa perceber o quanto você ainda não me conhece, eu sempre faço meus trabalhos com antecedência, antes mesmo do professor passar a tarefa. -Sarah cruza os braços e faz uma carranca de zangada.

-Você não cansa de suar a desculpa do trabalho para me deixar sozinha com o Mathias? -Diana olha incrédula para amiga.

-Pensarei em uma desculpa melhor, agora preciso dormir, amanha a vida volta ao normal. -Sarah manda um beijo para Diana, apenas por pirraça e entra em seu quarto.

Na manhã seguinte:

-Sarah, levanta.- Diana bate freneticamente na porta do quarto da amiga.- Vai se atrasar para a aula.- Insiste em bater. -Eu irei tomar café da manhã, estou com fome.

          Desistindo de esperar por Sarah, Diana vai até o refeitório principal para encontrar com sua amiga Eni. Assim que entra no refeitório avista Eni acompanhada de outra garota em frente a mesa de lanches. Diana pega um prato e se junta à elas.

-Bom dia.- Cumprimenta Eni. -Esta é a Andréa, ela também é aluna de intercâmbio. -Comenta Eni ao apresentar as garotas.

-Eu sou do Brasil e você? -Pergunta Diana para Andréa.

-Itália. -Responde Andréa com um forte sotaque italiano. -Está aqui há muito tempo?

-Acho que uns dois meses. -Responde Diana tentando fazer as contas mentalmente. -E você?

-Cheguei ontem, meu quarto fica ao lado do da Eni. -Responde Andréa.

-Estou me sentindo tão multicultural. -Eni bate palmas empolgadas. -Agora tenho uma amiga brasileira e uma italiana.

-Seu plano é montar um grupo multicultural? -Pergunta Diana achando graça da felicidade de Eni.

-Claro, quanto mais diversidade melhor. -Eni sorrir empolgada com a possibilidade e se afasta das duas para ir em direção a mesa de sucos.

-Eu sempre achei que os finlandeses eram pessoas reservadas. -Comenta Andréa apenas para Diana.

-Eu também achei, mas a Eni foge destes estereótipos. Comenta Diana enquanto se serve de alguns lanches.

-Isto é maravilhoso, me faz sentir melhor. -Andréa pega um pedaço de bolo. -Fiquei com medo de me sentir sozinha.

 -Não se preocupe com isto, você logo vai se enturmar. -Diana aponta para uma mesa vazia e as duas andam até ela. -Nenhuma amiga sua veio junto neste intercâmbio?

-Infelizmente nenhuma animou vir para cá, disseram que é frio demais, preferiam ir para países com climas para quentes. -Responde Andréa saboreando o pedaço de bolo. -Você veio sozinha?

-Não, uma amiga veio junto. -Responde Diana enquanto passa manteiga em seu pão. - Mas ela  não faz o mesmo curso que eu. Qual curso está fazendo?

-O mesmo que o seu, estou na sua sala e da Eni. -Responde Andréa.

           Logo Eni se junta a mesa e as três toma café da manhã e enrolam sentadas na mesa até a hora de ir para a aula de Psicologia aplicada ao Direito. A professora é uma mulher incrível, com amplo conhecimento, mas a matéria é chata e desgastante e grande parte dos alunos pareciam não prestar atenção no que a professora dizia, por mais que ela tentassem fazer uma aula interessante e participativa, ela não conseguia êxito.

         Eni se rendeu ao tédio e começou a mexer em seu celular, já Andréa ainda empolgada com a ideia de um intercâmbio prestava atenção com os olhos vidrados e anotava tudo em seu caderno, com o auxílio do tradutor que ela recebeu igual à Diana e a Sarah. Por mais que Diana tivesse tido uma boa noite de sono, ela sentia vontade de bocejar, mas se manteve de olhos abertos durante toda a aula em respeito a professora.

-Ah, que adrenalina maravilhosa. -Comenta Andréa a sair da sala. -Poder ouvir o idioma finlandês me encanta de uma maneira incompressível, mesmo que ache que a professora estava brigando com a gente o tempo todo.

-Eu gosto do idioma italiano. -Comenta Eni.- Mama mia!-Diz Eni com um jeito teatral.

-Mas nada se compara a comida italiana, pizza, lasanha. -Diz Diana com água na boca.

-Você sabe cozinhar né? Você precisa preparar uma verdadeira pizza e deixar a gente provar. -Diz Eni praticamente grudando no braço de Andréa.

-Eu posso fazer isto, mas as duas terão que preparar de seus países também. -Diz Andréa sorrindo com o abraço de Eni.

-Eu topo. -Diz Diana.

-Vamos combinar tudo direitinho, depois. -Diz Eni soltando o braço de Andréa. -Quem sabe até lá não fiz mais amizades internacionais. -Brinca a finlandesa.

-Vamos acabar fazendo uma reunião gastronômica. -Brinca Diana com a possibilidade.

-Engordaremos pelo menos uns 5 kilos nesta brincadeira. -Diz Andréa.

-Nos exercitamos juntas depois. - Eni dar de ombros.

            As três garotas seguem até a próxima a aula, desta vez com empolgante que a anterior, Direito Processual, que abrangem princípios como imparcialidade, isonomia e etc, tudo relacionado como os casos devem ser julgados. Como Diana pretende ser juíza no futuro, esta é uma das aulas que mais lhe chama atenção, juntamente com o professor que ensina de uma maneira engraçada.

          Ao final da aula as garotas seguem em direção ao refeitório para a pausa do almoço, enquanto se serve Diana procura por Sarah no meio dos outros alunos, mas não consegue avistar a amiga. Já sentada a mesa ela pega seu celular para enviar uma mensagem a amiga.

               “Não te vi o dia inteiro, aonde você está?”

         Mesmo acostumada com a demora tradicional de Sarah responder mensagens rápidas, Diana se preocupa com a falta de resposta da amiga e por não vê-la o dia inteiro, então assim que ela termina de almoçar ela se dirige até o quarto de Sarah e volta a bater na porta, mas continua sem obter resposta. Ela então disca o número da amiga e liga para ela.

-Sarah, aonde você está? -Pergunta Diana assim que a amiga atende à ligação.

-Eu estava em reunião com o reitor. -Responde Sarah com uma voz baixa.

-E o que aconteceu? -Pergunta Diana se segurando para não roer as unhas, hábito que faz apenas quando muito nervosa.

-Eu volto para o Brasil hoje a noite. -Responde Sarah antes de cair em lágrimas.

-Aonde você está? -Pergunta Diana querendo ir até a amiga.

-No jardim atrás do nosso prédio. -Responde Sarah antes de desligar a ligação.

                Diana imediatamente trata a ir em direção a amiga e a encontra sentada em um banco de madeira de baixo de uma grande árvore.

-Ele não quis nem negociar. -Diz Sarah sem esperar que Diana dissesse algo. -Eu sou maior de idade, eu devia decidir por mim mesmo.

-Calma Sarah. -Diana senta ao lado da amiga.

-Eu lutei tanto para chegar até aqui, sempre estudei muito para tirar as melhores notas e agora de nada adiantou. -Diz Sarah sem se importar com as lágrimas escorrendo em seu rosto.

-Não há chances ainda de tentar reverter a situação? -Pergunta Diana triste pela situação da amiga.

-Meus pais não querem dialogar, eles só tinham quem assinar um documento, qual a dificuldade disto? -Questiona Sarah com os olhos vermelhos.

-Tem algo que possa fazer para te ajudar? -Pergunta Diana.

-Só me ajudar a arrumar as malas. -Sarah passa as costas da mão sobre o rosto para secar as lágrimas.

-Eu sinto tanto por você. -Diz Diana tentando se decidir se abraça ou não a amiga, já que ela não gosta deste tipo de afeto.

-Tudo bem. -Sarah levanta. -Eu fico feliz que possa continuar aqui.

-Queria que pudesse ficar, sentirei a sua falta, aqui não será o mesmo sem você. -Diana abre os braços para abraçar a amiga.

-Manteremos contato, okay? -Sarah pega as mãos de Diana, mas nega com a cabeça o abraço.

           As duas voltam para o prédio e seguem em direção ao quarto de Sarah. Sarah deixa todas as comidas do frigobar para Diana, além das roupas de inverno que ela comprou na Finlândia, já que ela nunca usaria este tipo de roupa no Brasil.

              Tristes, mas sem saber o que dizer uma para a outra, Sarah pede para que Diana não perca as aulas da tarde por causa dela, que ela aproveitaria este tempo para finalizar o que faltava para voltar para o Brasil.

           Já a noite, Diana e Sarah estão em pé no portão de embargue par ao vôo ao Brasil. Como Diana não vai embarcar, ela não pode entrar na parte mais interna do aeroporto, então as amigas terão que se despedir ali mesmo.

-Vou sentir sua falta. -Diz Sarah.

-Daqui poucos meses eu volto. -Diz Diana tentando não chorar. -Poderemos voltar a morar juntas.

-Claro, estarei te esperando. -Sarah estende a mão para a amiga. -Aproveita tudo em dobro aqui, por mim e por você. -Diz quando as duas apertam as mãos. -Tchau Diana.

-Tchau Sarah. -Diana observa até o momento em que Sarah cruza a porta de vidro.

   Sem motivos para continuar no aeroporto ela caminha em direção a saída do mesmo. Ela já está quase saindo quando sente uma mão sobre o seu ombro esquerdo.

-Mathias, o que faz aqui? -Pergunta olhando para Warlord.

-A banda teve alguns problemas e eu vim trocar as datas dos nossos vôos. -Responde Nygard com as passagens em mãos. -E você?

-Sarah volta ao Brasil. -Responde apontando para o portão de embargue.

-Aconteceu alguma coisa? -Pergunta Mathias olhando para trás. -Ela vai voltar?

-Eu não sei. -Responde Diana tentando não chorar. -Espero que ela consiga um meio de voltar.

-Você está bem? -Pergunta Mathias ao perceber o jeito estranho da brasileira agir.

-Só estou triste pela Sarah, ela sempre quis tanto vir a Finlândia. -Diana mostra um sorriso tímido. -Desculpa, mas eu preciso ir, perecer a mente um pouco.

-Quer que eu vá com você?- Pergunta Nygard levemente preocupado.

-Não, tá tudo bem. E desculpa não ter lhe enviado uma mensagem ainda, tive um dia bem corrido hoje.

-Tá tudo bem. -Mathias sorrir de forma amigável.

                  Diana assente e dar as costas ao vocalista e sai do aeroporto, mas Mathias estava fazendo o mesmo, e eles acabam andando em silêncio um do lado do outro. Eles já estavam há 10 minutos andando em silêncio um ao lado do outro, tanto Mathias quanto Diana seguravam o riso com a cena.

-Eu dou minha palavra que não estou lhe seguindo. -Comenta Warlord. -Isto indo a casa do Olli.

-E eu voltando para a Universidade. Olli mora perto de lá? -Pergunta Diana.

-Não, eu vou virar na próxima esquina a esquerda. -Mathias aponta para a rua a frente na qual vai virar.

           Os dois terminam o restante do percurso em silêncio e se despedem com apenas um aceno de cabeço e Diana segue sozinha para a Universidade.

     


Notas Finais


Próximo capítulo terá uma surpresinha... não digo nada além disto!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...