História O irmão Bartholy - Is It Love Drogo? - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Is It Love?
Tags Drogo, Magia, Misterios, Romance
Visualizações 138
Palavras 1.985
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem-vindos a mais um capítulo de nossa história sobrenatural, bote seus fones de ouvidos, vá na sua melhor playlist e viaje para New Orleans.

Boa viajem, leitor!

Capítulo 12 - Capítulo 11


Fanfic / Fanfiction O irmão Bartholy - Is It Love Drogo? - Capítulo 12 - Capítulo 11

Apesar de seu olhar em chamas Drogo não parou de acariciar minha mancha roxa com o polegar.

 - Não é nada! 

 - Eu vou perguntar de novo, se você não me der um nome, juro sair por esses corredores arrancando sangue da cara de cada um desses caras.

Pego sua mão e entrelaço meus dedos com os seus para tentar acalma-lo.

  - Eu vou ficar bem! - Lhe dou um sorriso.

Seus músculos relaxam mas sua determinação ainda está em seu olhar. 

Drogo encosta sua testa na minha.

 - Passei anos vendo você se machucar sem fazer nada, mas posso fazer quanto a isso. - Seus olhos passam sobre a mancha roxa em meu braço.

 - Não quero que você se machuque! - Olho para o chão.

Drogo coloca suas mãos em minha cintura e me puxa para mais perto.

 - Escute bem o que vou te dizer.

Meus olhos passam em seus lábios e depois fixo no seu olhar.

 - A única coisa no mundo que pode me machucar é você.

Sorrio fechando meus olhos e depois abrindo novamente.

 - Só me prometa que não vai fazer nenhuma besteira. - Coloco minha mão em sua bochecha.

 - Talvez eu não faça nenhuma besteira. - Ele sorri

 - Drogo? - Olho para ele severamente.

 - Eu prometo! 

Hesito em lhe contar que foi Loan mas ele não vai descansar até saber quem fez isso, a determinação e a raiva em seu olhar mesmo ele me olhando com amor, ainda são nítidas.

 - Loan! 

 - Fique aqui! - Ele beija minha testa.

 - O quê você vai fazer? - Boto minhas mãos sobre sua camisa e finco minhas unhas o segurando.

 - Só fique aqui.

Drogo me solta e sai pelo corredor, não sei o que ele vai fazer mas sem dúvida não é nada bom. 

 - Claire? 

Me viro para a dona da voz.

 - Ei, Sarah! 

 - Você nos trocou pelo Bartholy? - Ela faz um coração com a mão.

Reviro meus olhos.

 - Não tenho nada com ele. 

 - Claro! - Ela ergue suas sobrancelhas revirando os olhos.

Os olhos de Sarah passam sobre meu braço.

 - Quem fez isso? Foi o Drogo? - Ela me olha espantada.

Cubro meu braço puxando a manga de minha camisa.

 - Não, foi o Loan! 

 - O quê? Ele ficou louco? 

 - Talvez, mas o Drogo ficou pior quando viu. 

 - Espera! O Drogo sabe que foi o Loan? - Sarah parece preocupada.

 - Sabe! - Olho para ela sem entender.

 - Vamos! - Sarah me pega pelo braço.

Ela me carrega pelos corredores até que chegamos a cafeteria, uma roda de pessoas parece estar em volta de algumas outras, quando chego mais perto vejo Loan e seus amigos mas também Drogo e Peter. Atravesso a multidão até que acabo no meio da confusão, vou direção à Drogo irada.

 - O quê você pensa que está fazendo? - Lhe dou um empurrão mas ele não sai do lugar.

 - Saía daqui, Claire! Vou acabar com ele! - Ele tenta chegar até Loan mas eu fico em sua frente.

 - Você me prometeu! - Tento fazer com ele olhe em meus olhos.

 Loan solta um gargalhada irônica.

 - Você não quis dormir comigo mas dormiu com o Bartholy? 

 - Cala boca! - Ele tenta novamente chegar a Loan mas fico em sua frente.

Me viro para Loan sorrindo.

 - Pelo menos ele não precisou me dopar para me levar para cama.

Loan cerra seus punhos e vem em minha direção.

Sem esperar qualquer reação sua fecho meu punho e dou um soco em sua cara. No exato momento ouço meu osso estalar.

 - Merda! - Seguro meu punho.

 - Claire! - Drogo vem até mim.

Loan passa a mão em seu queixo rindo e se vira para nós.

 - Isso não fez nem cócegas, gatinha! 

Tomada pelo ódio me solto de Drogo e me viro para Loan.

 - Jura? - Chego bem perto dele.

 - Sem dúvida! - Ele sorri

Sem responder lhe dou uma joelhada no saco que o faz cair de joelhos, assim que ele cai chuto sua barriga, os amigos vem para defendê-lo mas Peter e Drogo entram em minha frente.

Me abaixo perto de Loan segurando meu punho ainda.

 - E agora babaca? Doeu? - Dou um largo sorriso.

Quando me levanto todos me olham espantados mas sinceramente eu não ligo, apesar do punho quebrado ou fora do lugar, valeu muito a pena. 

Saio sorrindo da cafeteira e Peter, Drogo e Sarah me acompanham.

 - Claire! - Sarah coloca uma mão em meu ombro.

Paro e me viro para ela.

 - O que foi aquilo? - Ela sorri.

 - Ele precisava de uma lição. - Não posso evitar de rir.

 - Você tem um bom gancho de direita. - Peter da uma batidinha em meu ombro e sai rindo.

Drogo está parado me observando, Sarah se vira para ele.

  - Acho que nosso querido Bartholy vai cuidar de você. - Ela da uma piscadinha para mim e sai de cena.

Drogo cruza os braços e fica por um momento me olhando.

Chego perto dele sorrindo.

 - Você vai me levar na enfermaria ou não? 

Ele faz um sinal com o queixo em direção a enfermaria sem dizer nada.

O enfermeiro bota uma tala em meu pulso pois segundo ele foi um ferimento leve. Quando saio Drogo está sentado me esperando, ele fixa seus olhos em mim e depois na tala sem falar nada.

Paro em sua frente.

 - Você está bravo comigo? 

Ele inclina sua cabeça um pouco para o lado sem dizer nada.

 - Drogo? - Boto minha mão em seu ombro e sacudo ele.

 Ele começa a rir.

 - Idiota!

Reviro meus olhos e saio andando.

Ele continua rindo e vem atrás de mim, Drogo me pega pelo braço e me imprensa na parede.

 - Você pode? - Olho para seus braços que estão de cada lado de meu quadril.

 - Não estou com raiva. - Ele sorri.

 - Então por que todo esse silêncio? - Ergo minhas sobrancelhas.

 - Não sabia que você era tão brava. 

Não posso evitar de sorrir.

 - Estou muito orgulhoso da minha garota. - Ele beija a ponta de meu nariz.

Tiro sua mãos de meu quadril e saio de minha prisão.

 - Eu não sou sua garota.

 - Ainda não! - Ele sai andando.

 - Você sabia que isso é bem machista? Achar que tem posse de uma pessoa como um objeto? - Ando ao seu lado.

 - A pequena guerreira também é feminista? - Seu olhar é de falsa supresa.

Ergo minha mão com o punho fechado e saio falando pelo corredor:

 - Eu sou a mulher maravilha.

Drogo apenas ri e me companha.

Depois das aulas marquei com Sam e Sarah de tomarmos um café, Drogo insistente disse que vai me esperar e assim que eu sair ele me levará para casa. Estou sentada na mesa mexendo em meu café enquanto Sam e Sarah não chegam.

 - Ei gancho de direita.

Levanto meus olhos e vejo Peter se sentando em minha frente, um largo sorriso gozador se estica em seu rosto.

 - Pelo visto vou ficar sem ele por uns dias. - Balanço meu braço com a tala na frente de seu nariz.

 - Loan vai agradecer por isso. - Ele pisca para mim.

Tinha totalmente me esquecido de Loan, ele vai tentar alguma coisa, a preocupação de Drogo comigo está mais intensa provavelmente por causa disso.

 - Você acha que ele vai tentar alguma coisa? - Olho preocupada para Peter.

 - Provavelmente, mas Drogo vai estar com você e se precisar de mim é só gritar. - Ele sorri.

Me lembro que Peter é um vampiro e ele deve ter conhecido os amores de Drogo ou melhor me conhecido nas vidas passadas, definitivamente não me acostumei com isso.

 - Peter, você me conheceu nas vidas passadas? 

Peter me olha surpreso.

 - Você já aceitou isso tão bem? 

 - Estou tentando. - Sorrio para ele.

 - Sim, em quase todas! - Ele recosta em sua cadeira.

 - E como é depois que... Você sabe! - Desvio meu olhar, é difícil perguntar sobre sua própria morte.

 - Bom, o Drogo entra em um estado de isolamento, ele não fala muito sobre como se sente, mas é óbvio. - O olhar de Peter para mim é tão triste.

 - Entendo, nós... - Não tenho oportunidade de continuar pois Sarah e Sam entram no café.

Peter olha para trás e logo se levanta.

 - Depois continuamos, até mais! - Ele sorri para mim e logo se afasta.

 - Você agora é a garota Bartholy? - Sam senta em minha frente.

 - Garota Bartholy? - A olho com um olhar gozador.

Sarah senta ao meu lado.

 - Pois é, não é normal eles serem tão sociáveis. - Sarah pega meu café e toma.

 - O quê vocês querem dizer? - Meus olhos alternam entre Sam e Sarah.

 - Eles são populares mas fazem o estilo misteriosos. 

Sarah se aproxima de meu ouvido e acrescenta.

 - Quase estranhos! 

Me viro e fico de frente para Sarah.

 - Ok! Onde você quer chegar? 

 Sarah olha para Sam e depois para mim.

 - Só tome cuidado! 

Olho para Sam que está totalmente em silêncio.

 - Vocês podem simplesmente falar? 

Sam segura minha mão.

 - Escute nosso conselho. 

Me levanto, pego minha bolsa e vou em direção à porta.

Sarah se levanta.

 - Claire, onde você vai? 

Me viro para elas e digo:

 - Quando estiverem dispostas a conversar sem códigos me avisem. - Olho seria para elas e saio do café.

Ando em passos rápidos pela calçada até trombo com alguém.

 - Merda! - Levanto meus olhos para descobrir o quem é e vejo Drogo.

 - Uau! Quem foi o alvo dessa vez? - Ele me da seu sorriso insolente.

 - Não é nada! - Retribuo seu sorriso mais um pouco seca.

 - Ei! - Ele entrelaça seus dedos nos meus.

 Levanto meus rosto para olhar em seus olhos.

 - O quê aconteceu? - Ele me olha com tanto carinho.

 - Você tem que parar de ser assim! - Começo a rir.

Ele ergue uma sobrancelha.

 - Assim como? 

 - Fofo! Você me assusta! - Apoio minha cabeça em seu ombro.

 - Se você me contar o quê está acontecendo talvez eu colabore. - Seu tom é totalmente gozador.

Suspiro.

 - É a Sarah e Sam, elas vieram com um papo estranho e me disseram para tomar cuidado com você. - Ergo um pouco meus olhos mas não vejo o rosto de Drogo.

 - Vem comigo! - Drogo me puxa pelo braço.

Nós atravessamos a rua é andamos até uma casa de dois andares perto da rua, ele continua me puxando pelas escadas.

 - Drogo! - Tento chamar sua atenção.

 Ele olha rapidamente para trás e diz:

 - Só venha! 

Nós chegamos até uma grande sala e em seguida a uma sacada que da uma visão paranóica de New Orleans.

 - Eu lhe apresento New Orleans! - Ele sorri para mim e depois se volta para cidade.

Meu olhar passa por toda essa visão panorâmica.

 - É incrível! 

Drogo se posiciona ao meu lado.

 - O quê você vê? 

Giro minha cabeça para olhar o rosto de Drogo, ele está completamente concentrado na cidade.

 - Como assim? 

 - Apenas olhe e me diga o quê você! 

Volto meus olhos para cidade mas dessa vez me concentro nós mínimos detalhes, a música que ecoa pelas ruas, as pessoas que entram nas lojas, os bares e cafeterias.

 - É como se magia corresse por cada canto dessa cidade. - Esboço um sorriso em meus lábios.

 - E ela corre! - Drogo se vira para mim.

Volto meus olhos para Drogo.

 - O quê você quer dizer? 

 - Claire, você é mais esperta que isso. - Drogo ergue uma sobrancelha insiste.

 

Continua? 

 


Notas Finais


E então, como foi? Espero que tenha gostado.
Deixe seu comentário dizendo o que achou desse capítulo e se devo continuar.
Até a próxima! Beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...