História O J da questão - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Imagine, Romance
Visualizações 10
Palavras 986
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Se estiver algum erro me desculpem eu escrevi na aula então não ficou muito bom nem muito grande

Capítulo 2 - Um estranho muito bonito


Sair da cama virou uma verdadeira missão impossível, o despertador ainda não tinha sido desligado me fazendo remexer na cama desconfortável com o barulho insuportável que se ecoava pelo apartamento. Eu morava no último andar de um prédio parcialmente antigo, os vizinhos eram muito reservados e eu não os conhecia, e também era difícil os ver já que a maioria trabalhava o dia todo ou ficava enfurnado no apartamento. Finalmente me sentando na cama e desligando o despertador faço o que a maioria da população faz assim que acorda, olhar as notificações do celular. Vi que tinha uma mensagem da Hyeri que dizia: Me ligue assim que puder. Decidi deixar para mais tarde pois eu precisava aproveitar o bom tempo para chegar na biblioteca sem me encharcar antes.

O frio toma conta do meu corpo assim que tiro as cobertas e coloco os pés no chão caminhando feito um zumbi, ou talvez um bêbado, até o guarda roupa em busca de camisetas de manga comprida e casacos ou talvez um suéter um pouco mais grosso, botas seriam a melhor opção para as ruas molhadas então pego o primeiro par, e único, que tenho.

Com a higiene matinal feita pego apenas uma maçã verde na fruteira, a bolsa com os livros e cadernos que pesavam mais que uma tonelada e um guarda-chuva retrátil, eu sei muito bem que essas coisas serves pra absolutamente merda nenhuma, porque no final sempre acabamos molhados, mas mesmo assim resolvi o levar junto.

Apesar de antigo o prédio possuia um velho elevador e por mais que eu não confie nessas caixas da morte eu estava com pressa, abrindo a porta da frente já sinto o ar gélido da manhã nublada de Seul, seria um sábado muito mal aproveitado mas com esse clima e com apenas uma amiga o que mais eu seria capaz de fazer?

Chegando lá haviam poucas pessoas, na verdade eu conseguia conta-las nos dedos, eram três, uma senhora que aparentava estar nos seus gloriosos 65 a 75 anos com um garoto de uns 8 anos, seu neto deduzi, e um homem que não aparentava ser muito mais velho que eu, e muito bonito por sinal, ele tinha cabelos castanhos escuros e aqueles óculos rodondos que eu imaginava que só ficavam bons no Harry Potter, mas eu estava completamente enganada.

Sentei um pouco mais afastada dos três e pude finalmente me jogar na cadeira para mergulhar de cabeça nos livros de literatura que apenas de amar estavam me dando dores de cabeça ultimamente.

Já eram umas 11h e estava chovendo bastante na fora, a fome estava me consumindo mas sair naquela chuva com um frágil guarda-chuva retrátil não me parecia algo muito atraente, eu não conseguia parar de pensar em um delicioso bibimbap ou um simples kimchi , apenas algo pra suprir minha necessidade de um alimento que preencha o vazio que aquela maçã não supriu no café da manhã.

Olho em volta e vejo que já não havia ninguém na biblioteca o que me faz pensar que realmente eu era a única pessoa que não possuía coragem o suficiente para sair dali, junto todas as minhas coisas, guardo as outras nas prateleiras, e saiu de lá ficando em baixo do parapeito olhando aquela cascata de chuva, olho para o lado e encontro o homem de mais cedo ali ao meu lado olhando a chuva também, ele nota que estou o encarando e me olha terno me lançando um sorriso fraco dizendo:

?: Parece que a chuva vai demorar pra passar. - me falou com um olhar de melancolia falsa muito fofa.

S/N: Não é como se eu tivesse algo a mais para fazer hoje. - falo simplista.

?: Meu nome é Seokjin mas pode me chamar de Jin, o que você fazia na biblioteca?

S/N: Muito prazer eu sou a S/N, estava fazendo alguns trabalhos da faculdade. - eu geralmente não dou assunto para estranhos, mas ele não parecia uma pessoa ruim.

Jin: Entendo, sabe eu sei que acabei de te conhecer - ele disse coçando a nuca - mas você gostaria de dar uma volta comigo? Sabe, você disse que não tinha nada melhor então pensei em pedir um táxi e irmos até sei lá um karaokê talvez?

Olhei em seus olhos e não vi maldade nenhuma neles, na verdade ele estava nervoso o que o deixou mais fofo do que antes.

S/N: Acho que não tem problema nenhum nisso - sorrio para tentar amenizar sua tensão o que parece que funciona - mas já logo aviso que sou péssima em karaokê e assisti Salve Jorge.

Jin: O que é Salve Jorge? E... sua voz é muito bonita eu duvido muito que cante mal.

Corei violentamente quando ele disse isso e com toda certeza ele notou pois soltou um risinho frouxo de canto o que me deixou muito constrangida já que eu nem o conhecia direito, não deveria estar ficando com vergonha de um simples elogio.

S/N: Esquece.

Jin: Esquecer o que? - Ele pergunta confuso.

S/N: Sobre o Salve Jorge. - Digo rindo.

Jin: Ah sim. - Ele ri junto.

Ele tira seu celular do bolso e liga para um táxi que depois de uns 5 minutos acaba chegando, eu tirei o guarda-chuva da bolsa e o abrindo perguntei se ele queria dividir para poder entrar no carro, ele me olhou um pouco então chegou mais próximo e entramos, Jin deu o endereço do karaokê e se reencostou no banco, ele tinha um cheiro muito bom e doce, suave, realmente algo que daria pra ficar o dia inteiro sentindo na leve brisa, e a sua beleza era algo que eu nem precisava falar, ele parecia ser aqueles garotos disputados de shoujo, e eu ainda não entendia como um sábado que era pra ser muito tedioso ia terminar comigo junto com um semi estranho em um karaokê ou talvez um lugar onde traficam corpos humanos, nunca se sabe.


Notas Finais


Eu prometo que faço o próximo mais longo
Obrigadinha de vdd por lerem ♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...