História O Jogador - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Seokjin (Jin), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jikook, Jimin!bottom, Jimin!gravidinho, Jungkook!top, Kookmin, Mpreg
Visualizações 341
Palavras 2.330
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 28 - Capítulo 28


Fanfic / Fanfiction O Jogador - Capítulo 28 - Capítulo 28

Park Chaeyoung P.O.V's

As salas de emergência que você vê na televisão são um monte de merda. Médicos e enfermeiras correndo pelo corredor com macas, um ajoelhado e executando uma massagem cardíaca em um paciente, enquanto outros manobram em direção a alguma grande porta dupla que se abre por conta própria. Até parece. 

Olhei ao redor da sala cinza deprimente, com quase todos os assentos ocupados enquanto as pessoas esperavam. E esperavam. Três mulheres vestidas em uniformes azuis estavam sentadas atrás de grossas janelas de vidro, conversando e bebendo café. Dois seguranças ficavam na porta de entrada. Parecia mais uma prisão do que uma sala de espera de hospital.

Duas horas se passaram sem notícias. Fui até a janela da recepção e esperei, torcendo meu colar nervosamente. As mulheres continuaram a me ignorar até que, eventualmente, uma olhou para mim, irritada.

— Posso ajudá-la ?

— Minha avó foi trazida algumas horas atrás.

— Nós chamamos o seu nome ?

— Não.

— Vamos chamar quando o médico tiver terminado de examiná-la e nos atualizar sobre a situação.

Os olhos da mulher focaram por cima de mim, em um não verbal próximo. Voltei para o meu lugar e terminei de tirar o esmalte das unhas, depois fui para o banheiro. Passei um tempo segurando por não querer perder se fosse chamada, mas a força da mãe natureza estava impossível de segurar.

Quando voltei, Jungkook estava no balcão da recepção falando com a enfermeira. Eu não fiquei surpresa por ele ter aparecido. O lar de idosos tinha me dito que deixou uma mensagem para ele. No entanto, ao vê-lo de pé, parei por um segundo. Mesmo que ele deixasse claro que não queria ter nada comigo, andei até a janela e me juntei a ele. Ele acenou para mim em reconhecimento e continuou sua conversa com a mesma enfermeira de cara fechada que tinha acabado de me virar as costas. Só que agora a Sra. Cara Fechada estava sorrindo. E ela aparentemente conseguia se levantar da cadeira.

— Deixe-me ir verificar para você. O sistema ainda mostra que ela está na triagem, mas faz algumas horas. Tenho certeza de que eles podem me dar uma atualização. Apenas me dê um minuto.

Jungkook se virou para mim enquanto esperávamos.

— Você acabou de chegar aqui ?

— Não. Eu estava no banheiro. Vim na ambulância com ela há cerca de duas horas.

Ele assentiu.

— Eu tentei te ligar. O que eles descobriram até agora ?

— Não faço ideia. Levaram-na e não me deram nenhuma notícia ainda.

A enfermeira voltou para o vidro, alguns minutos depois. Ela apontou para a direita.

— Eu vou acompanhar você, por que não dá a volta ?

Segui Jungkook, mesmo que não tivesse sido convidada. A enfermeira nos levou a uma sala de exames vazia e nos disse para sentar. Poucos minutos depois, um médico entrou. Ele tirou uma luva e estendeu a mão para Jungkook primeiro.

— Eu sou o Dr. Mon. Você é neto da Sra. Sohyun ?

— Eu sou seu guardião legal. Chaeyoung é sua neta.

O médico apertou minha mão. Até aquele momento, eu não tinha ideia de que Jungkook era seu tutor legal.

— Por que não vamos nos sentar ?

Eu não estava gostando disso. Nós nos sentamos, minhas mãos se apertando quando o médico falou.

— A Sra. Sohyun sofreu um acidente vascular cerebral. Existem muitas causas diferentes do AVC. Acreditamos que o dela foi uma hemorragia cerebral produzida pelo rompimento de uma artéria do cérebro.

— Ah, meu Deus. — Minhas mãos voaram para minha boca.

— Ela está bem ? Pode ser tratado ? Curado ? — perguntou Jungkook. 

— Ela está fazendo uma tomografia agora, que vai nos dizer o local do sangramento e o nível de inchaço. Saberemos mais depois de identificar a extensão dos danos e o tamanho do hematoma que eu suspeito que se formou. Neste momento, ainda estamos trabalhando em estabilizar sua pressão arterial e respiração. Nós tivemos que colocá-la em um respirador para ajudar a respirar, e estamos tratando-a com medicação intravenosa, tentando regular a pressão.

— E depois o quê ? Você faz a cirurgia ?

O médico olhou para Jungkook, então para mim, depois de volta para Jungkook.

— A Sra. Sohyun está muito fraca no momento. Eu não estou descartando nada. Faremos tudo o que pudermos para tratá-la. Mas agora, na condição que está, ela não iria resistir à cirurgia craniana. 

Se a gravidade das palavras do médico não tivesse me dito como era sério, eu sabia que as coisas estavam terríveis pelas ações de Jungkook. Ele estendeu a mão e cobriu as minhas com as dele.

— Ela deve estar de volta da tomografia em poucos minutos se quiserem vê-la. Os resultados devem sair rapidamente depois disso.

— Nós gostaríamos de vê-la. Obrigado.

O médico levantou.

— Desculpe não ter notícias melhores. Por que vocês não ficam aqui ?

Uma enfermeira virá buscá-los quando ela retornar do exame.

A pequena sala parecia menor, com menos uma pessoa. Jungkook passou as mãos pelo cabelo.

— Você está bem ?

— Eu acho que sim. — Minhas palavras não foram convincentes.

Era difícil soar crível quando você nem sequer acredita nas suas próprias palavras. Dois dedos deslizaram debaixo do meu queixo e ele inclinou minha cabeça para cima.

— Não vamos pensar o pior. Vamos pensar positivo. Isso é o que Sohyun faria.

[...]

Olhei pela janela do hospital, vendo o sol subir lentamente no horizonte. Tão simples. Tão magnífico. No entanto, passei anos nem mesmo notando ou dando qualquer atenção a isso. Mesmo em minhas horas mais sombrias, eu tive o sol nascendo na manhã seguinte. Assim como as duas pessoas dormindo na sala.

Depois de alguns minutos, parei de admirar a beleza lá de fora e olhei para o resto do meu mundo. As únicas pessoas que eu sabia que estariam lá para mim assim como o sol pela manhã. Agora nada estava certo, exceto o nascer do sol.

Vovó estava dormindo, uma dúzia de tubos ligados a ela, o som do respirador que suga o ar para fora de seus pulmões e sibila a nova vida em junção ao sinal sonoro rítmico do seu monitor. Ela fez isso durante a noite, o que era mais do que o médico inicialmente pensou que iria acontecer. Agora era uma questão de tempo até que pudessem repetir a tomografia computadorizada e ver se o sangramento havia parado.

Meus olhos lacrimejantes caíram sobre o homem dormindo ao lado da minha avó. Jungkook tinha finalmente cochilado uma hora e pouco atrás, sentado em uma cadeira acolchoada. Eu disse que ele poderia ir para casa e descansar um pouco, durante pelo menos algumas horas, e que eu gostaria de ficar, mas ele sequer considerou. Vovó sempre tinha sido família para ele. Depois que sua mãe morreu de câncer quando ele tinha apenas sete anos, vovó se tornou a figura materna em sua vida vazia. Ela estava sempre lá para ele. E ele, por sua vez, tinha sido a única pessoa confiável em sua vida após vovô morrer.

As mulheres sempre tinham amado Jungkook. Com sua inegável boa aparência, físico de atleta profissional e um dos quarterbacks mais admirados da Coréia, não havia muito o que não gostar. Adicione uma dose grande de confiança e a capacidade de fazer uma mulher se sentir como se ela fosse a única pessoa na sala e ela estaria perdida, literalmente correndo atrás dele.

Mas o que fez dele o homem que era e tornava-o impossível de ser superado era que ele era a pessoa mais devotada que eu já conheci. Quando ama, ele ama mesmo, nada fica em seu caminho.

Deus, eu teria dado qualquer coisa para ter minha antiga vida de volta. Para voltar no tempo, para que eu pudesse apreciar tudo o que tinha, em vez de jogar tudo fora. Eu merecia estar naquela cama, não vovó. Passei a próxima hora brincando com o meu colar sem perceber, observando as duas pessoas com quem mais me preocupava em todo o mundo e me apaixonando por eles mais uma vez.

Quando os olhos de Jungkook se abriram e me encontraram sentada do outro lado do quarto, nossos olhares se fixaram por um longo momento até que ele cedeu. Ele pode me odiar lá no fundo, mas estava deixando de lado sua raiva. Pelo menos por enquanto.

— Como ela está ? — perguntou.

— Na mesma.

— Por quanto tempo eu dormi ?

— Duas horas, talvez.

— Você dormiu um pouco ?

— Ainda não.

Ele se esticou na cadeira, estendendo os braços e o pescoço de um lado para o outro.

— Por que você não vai pra casa ? Durma um pouco. Eu ligo se alguma coisa mudar.

— Eu quero ficar.

Parecia que ele ia dizer algo, mas depois mudou de ideia. Em vez disso, apenas balançou a cabeça.

— Ainda bebe açúcar com um pouco de café ? — ele brincou.

— Bebo. Ainda bebe preto e nojento ?

Ele riu.

— Eu vou buscar um para nós.

As coisas entre mim e Jungkook relaxaram muito mais depois disso. Nós não éramos melhores amigos novamente, mas eu também não me sentia como se ele estivesse apontando um arco e flecha imaginário para a minha testa.

— Há quanto tempo ela está em Broadhollow Manor ?

— Pouco mais de três anos.

Balancei a cabeça. Eu não tinha ideia de quanto tempo passou desde que eu vi os dois. Anos da minha vida tinham sido desperdiçados e perdidos. A merda era que agora que eu estava sóbria parecia que o mundo tinha parado para mim. Eu tinha envelhecido, mas a vida nunca tinha progredido. Era como se eu estivesse pagando depois de fazer uma pausa na minha vida por um longo tempo. A única coisa que fez uma pausa foi a minha vida. O mundo tinha continuado a girar ao meu redor.

Jungkook e eu ficamos de conversa fiada enquanto mantivemos a vigília. Foi melhor do que o tratamento do silêncio, embora houvesse tantas coisas significativas que eu precisava dizer e ainda não tinha coragem de falar. Quando a enfermeira entrou, poucas horas mais tarde, e nos pediu para sair um pouco para que ela pudesse lavar vovó e medir seus sinais vitais, Jungkook e eu fomos para o refeitório pegar algo para comer, mas acabamos indo a uma loja primeiro.

— Você precisa de alguma coisa ? — Ele tinha um boné de beisebol na mão.

— Uma escova de dentes seria bom.

A mulher no balcão reconheceu Jungkook quando ela nos atendeu. Saindo da loja, ele vestiu o boné, cobrindo seu rosto.

— Disfarce ?

— Mais ou menos.

— É tudo o que você pensou que seria ?

— O quê ?

— Ser famoso.

Quando éramos adolescentes, nós costumávamos passar horas sonhando sobre como seria ser um famoso jogador de futebol. Ele olhou para mim.

— Nada saiu do jeito que eu pensava que seria.

Pedimos dois sanduíches de ovo no refeitório e nos sentamos para comer. Jungkook terminou o dele no que pareceram ser três mordidas. Eu comi apenas metade do meu.

— Você não vai comer isso ?

Eu sorri. Jungkook sempre teve um apetite gigante. Onde quer que fôssemos, os nossos pratos ficavam limpos, mas era normalmente porque Jungkook devorava tudo do seu prato, em seguida, atacava o meu.

— Não. Fique à vontade.

Ele finalizou o meu café da manhã e bebeu seu café preto pequeno.

— Você se lembra de quando fomos para a Oktoberfest durante o último ano, e você comeu o prato cheio de comida daquele cara pensando que era o meu ?

— Sim. Quase levei um chute na bunda de Bunyan, aquele cara que usava roupas da Bavária. Foi a maior pessoa que já vi vestindo macacão na minha vida.

Nós rimos com a lembrança. Escapamos para um festival alemão, mas só tínhamos vinte dólares e estávamos morrendo de fome e sem vontade de renunciar à cerveja. Então, cada um pediu um aperitivo e a maior caneca de cerveja que pudemos pagar. Jungkook ficou fora conversando com alguns rapazes do time de futebol, e, quando voltou, eu disse que ele poderia terminar o meu aperitivo enquanto eu ia ao banheiro. Ele começou a comer toda a refeição de quinze won que estava sobre a mesa. Só que ela estava na mesa ao lado de onde a minha sobra estava. Tivemos que enfrentar um grande e chateado cara alemão quando ele percebeu que a sua refeição tinha desaparecido.

Quando voltamos para o quarto da vovó, a enfermeira tinha terminado, e um médico veio poucos minutos depois. Ele nos disse que, apesar de seu estado ter estabilizado por causa da medicação, ela não estava tentando respirar sozinha, e isso não era um bom sinal. Eles iriam repetir a tomografia no início da tarde para determinar a extensão dos danos. Cada médico que parou se sentiu obrigado a nos advertir de que as coisas não pareciam bem.

Foi como se eles estivessem tentando nos preparar para o resultado do teste da tarde.

Jungkook e eu ficamos em silêncio por um tempo depois que os médicos saíram.

— Ela tem uma procuração de assistência médica. Eu achei os papéis quando estava limpando suas coisas no apartamento. Ela e seu avô a elaboraram anos atrás. Eu nunca tentei refazer, porque meu advogado disse que sua capacidade mental seria um problema se elaborasse qualquer documento legal. Então, mesmo que eu seja seu guardião legal agora, sua procuração de assistência médica foi feita quando ela era capaz de tomar suas próprias decisões. E essas decisões eram o que ela desejava.

— O que isso significa ?

— Isso significa que suas decisões médicas são tomadas pela pessoa que ela queria que tomasse essas decisões, não eu.

— E quem é ?

A resposta era óbvia, mas eu esperava estar errada.

— Você.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...