História O Jogador - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Candice Swanepoel, Justin Bieber, Philippe Coutinho
Personagens Candice Swanepoel, Justin Bieber, Philippe Coutinho
Visualizações 151
Palavras 1.382
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capítulo novinho. Espero que gostem ❤️

Capítulo 7 - Flores e Varas


Fanfic / Fanfiction O Jogador - Capítulo 7 - Flores e Varas

Savannah Evan's Point Of View

— Acho que alguém deve estar esgotada da noite passada. — Kitty girou em volta de si mesma na minha cadeira ergonômica giratória. 

Eu derrubei minha bolsa no chão e olhei para o belo arranjo de flores colocado no meio da minha mesa. 

— De onde é que veio isso? 

Ela levantou o cartão pequeno da floricultura em sua mão. 

— Cityscape Florists. Chegou um pouco antes de você entrar. 

— Preciso ir ao banheiro. Por que você não fica e se sente em casa? Ah, espere. Você já fez tudo isso. — Guardei a bolsa em uma gaveta, joguei meu celular sobre a mesa e olhei para o saco de papel marrom onde eu presumia que estivesse o café da manhã que Kitty nos trouxe. 

— Espero que seja algo gorduroso... Preciso disso hoje. 

Quando voltei para o escritório, Indie estava falando no meu celular. 

— Ela está vindo agora. Flores bonitas, a propósito. — Ela estendeu o meu celular com um sorriso insolente. 

— Alô. 

— Bom dia. — A voz de Justin estava marcada por rouquidão da manhã. — Que tipo de flores foram entregues?—Olhei para o arranjo. 

— Rosas. Elas são lindas. Obrigada. 

— Nada original. 

— Perdão? 

— Que imbecil envia a uma mulher como você rosas comuns.

— Você quer dizer... elas não são suas? 

— Não. E o cara que as enviou mandou a secretária enviar essa porcaria. Provavelmente tem uma conta no florista e um pedido padrão. É um idiota. 

— Você nem sabe de quem são. Nem eu sei. Mesmo assim, você acha que o cara é um idiota? 

— Sim.

— Só porque as flores são rosas? 

— Sim. Idiota. Estou certo disso. 

Eu ri. 

— Sua presunção me diverte. Eu vou me lembrar disso quando ler o cartão e descobrir quem é o responsável por este gesto doce. 

— Gesto doce. — Ele deu uma gargalhada. — Isso não é o que você quer e você sabe disso. 

Após oito horas de virar e revirar na cama na noite passada, eu estava começando a pensar que ele estava certo. Tanto quanto eu odiava admitir, eu tinha pensado muito sobre Justin depois que ele me deixou. Repetindo mentalmente a nossa conversa sobre por que eu não poderia transar sem estar um relacionamento, eu tinha começado a duvidar de mim mesma. Talvez não houvesse nada de errado em transar com o homem por quem eu estava atraída. Por que preciso me prender em algum tipo de compromisso para desfrutar dos benefícios físicos de um relacionamento sexual? Eu tinha vinte e seis anos, não havia nada de errado com o sexo ser apenas sexo se isso fosse o que eu queria. 

— Você ligou por algum outro motivo que não seja o de me dizer o que eu quero, Sr. Bieber? — Ele gemeu. 

— O quê? 

— Eu gosto da maneira como você pronuncia “Sr. Bieber"

Ele gemeu novamente. 

— O que foi? 

— Agora eu estou pensando na sua boca. 

Eu ri. 

— Você não é muito bom nessa coisa de amigo, não é? 

— Eu lhe disse que você seria a primeira. É mais duro do que eu pensava.

 — Aposto que é. 

— Você está flertando de volta comigo, amiga? 

— Você me deixa confusa. Não faço ideia do que estou fazendo. Eu ainda nem tenho certeza do que você pediu. 

— Merda. Ok. Sim. Certo. Eu quero que a entrevista seja feita na minha suíte de hotel. 

— Sua suíte de hotel? 

— Não fique tão preocupada. Você vai ter uma equipe com você. Eu não posso atacá-la na frente deles. 

— Isso é verdade. 

— Eu vou ter que esperar até que eles saiam. 

Eu ainda estava de pé ao lado da minha mesa, então sinalizei o polegar para Kitty para dizer que ela saísse da minha cadeira. 

— Que dia? 

— Sábado. À tardinha. Nosso jogo é em casa no domingo, por isso temos treino até às duas. 

— Que tal por volta das cinco? 

— Está ótimo para mim. 

— Obrigada. Nem posso dizer o quanto agradeço por estar fazendo isso. Meu chefe ficará feliz. E ele é muito difícil de lidar o tempo inteiro, então é um alívio. 

— Fico feliz que posso ajudar. 

— Eu te envio uma mensagem com as perguntas amanhã à noite. 

— Na verdade, por que você não as traz, e nós podemos fazer um ensaio.

 — No seu hotel? 

— Medo de que não possa se controlar? 

— Claro que não. — Talvez. 

— Às sete. Eu vou pedir o jantar no quarto. 

— Ok. 

— Ah, e Savannah? 

— Sim? 

— Você pode deixar as roupas da sua avó em casa. Elas não vão me impedir de querer transar com você contra a parede.

 O telefone desligou enquanto eu estava boquiaberta. Quando finalmente recuperei meu juízo, estendi a mão para Kitty, a palma para cima. Ela colocou o cartão pequeno do florista nela.

Savannah.

Essas flores cheiram tão bem quanto você.

Alex Smith.

— De quem são? 

— Eu não deveria mesmo te dizer depois que você fez isso no telefone. 

— O quê? Eu achei que eram de Justin. Você saiu com ele ontem à noite, e ele estava te ligando logo cedo de manhã.

 — Bem, você pensou errado. 

— Aposto que Justin estava com ciúmes. 

— Eu acho que não.— Kitty arrancou o cartão da minha mão. Ela leu e franziu o nariz. — Alex Smith.

— O quê? Ele é um cara legal. Nós conversamos na arrecadação de fundos e temos muito em comum. 

— Você sabe o que está faltando? 

— O quê? 

— Ele não é Justin Bieber. 

— Eu acho que você deveria sair com o Justin. 

— Eu deveria, mas eu sigo o código das garotas. 

— Código das garotas? 

— Você não dorme com o homem que a sua melhor amiga quer pegar. 

— Eu não quero pegar ninguém. 

— Você quer. 

Não fazia sentindo discutir com ela. 

— Você, pelo menos, me trouxe algo de bom para o café da manhã? 

— Dois ovos simples, bacon e queijo. 

— Graças a Deus. 

— Se você tivesse dormido com Justin, não precisaria de comida ruim está manhã. Você estaria comendo iogurte ou algum outro alimento saudável idiota. 

— Certo, dormir com Justin é realmente saudável, então? É isso que você está tentando me dizer? 

— Absolutamente. 

[...]

No final da tarde, procurei o telefone do Alex Smith na lista da empresa. Sua secretária atendeu no segundo toque. 

— Escritório de Alex Smith. 

— Oi. É Savannah Evans. Alex está disponível? 

— Ah, oi, Savannah. Não. Na verdade, ele está fora em uma reunião esta tarde.Posso anotar o recado?

 — Certo. Você pode... — O comentário de Justin ficou repetindo na minha cabeça. — Na verdade, eu estava ligando para agradecer por enviar as flores. Mas provavelmente deveria agradecer a você, na verdade. Tenho certeza de que foi você quem enviou o belo arranjo que veio hoje. 

— Eu não posso levar todo o crédito. Ele me disse o que colocar no cartão. — Ela riu, inocentemente reconhecendo algo que não deveria ter importância. No entanto, teve. 

— Bem, obrigada e, por favor, deixe-o saber que liguei para agradecê-lo também. 

— Eu vou avisar que você ligou. 

Sentei-me no meu escritório, olhando para o nada por um tempo depois que desliguei. Uma batida na porta me assustou. 

— Savannah Evans.

— Sim?—O entregador segurava uma grande caixa branca envolvida com um laço azul e amarelo gigante. Rosas de haste longa agora? 

— É para você. 

Ele colocou a caixa na minha mesa e saiu. Tirei o laço, percebendo que as cores eram as mesmas do Green Bay Packers. Desembrulhei o papel de seda branco por dentro, esperando encontrar uma dúzia de rosas de haste longa. Em vez disso, na caixa, estavam longas varas , uma dúzia mais ou menos, amarradas com um laço que combinava com o do lado de fora. O cartão que acompanhava a entrega tinha a caligrafia de Justin. Eu reconheci por causa da mensagem que ele tinha deixado nas bolas de futebol.

Para o caso de você querer assar marshmallows. Estou pensando em você. 

Justin Bieber. 

(P.S: são pensamentos safados)




Notas Finais


Vamos ver até onde vai a amizade desses dois.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...