1. Spirit Fanfics >
  2. O Lado Escuro da Lua >
  3. Mundo Interior

História O Lado Escuro da Lua - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite pessoal, enfim consegui arrumar tempo para terminar o capitulo, espero que gostem

PS - Aviso importante nas notas finais

Capítulo 6 - Mundo Interior


Fanfic / Fanfiction O Lado Escuro da Lua - Capítulo 6 - Mundo Interior

 

                                           No Capitulo Anterior...

 

O fardo de assumir um clã inteiro parecia pesado demais para uma garotinha, Ichigo pensou.

- Mas ele está certo, eu não posso simplesmente fugir das minhas responsabilidades. – Ela suspirou pesadamente. – Então eu vou voltar para a mansão agora, já negligenciei muito de meus afazeres de hoje.

- Mas você não queria conhecer a Academia?

- Eu vou ter outras oportunidades.

- Entendo. – Ichigo falou antes de dar as costas para ela. - Então até mais.

- Espere. – O ruivo se virou no momento em que Rurichiyo o chamou. - Eu ainda não sei o seu nome.

- Kurosaki Ichigo.

- Eu me lembrarei desse nome. – Ela fez uma pequena reverência. – Até mais.

Ela realmente age como uma Ojou-sama, Ichigo pensou antes de retomar o caminho até seu dormitório, amanhã começaria suas aulas e ele queria ter uma boa noite de sono para começar com força total.

- Porque ficou tão frio de repente? – Ele franziu o cenho ao se aproximar do seu quarto. - Espere um pouco, eu já senti isso antes, não me diga que... – As suspeitas de Ichigo se confirmaram quando ele abriu a porta e viu que Hitsugaya estava deitado na cama ao lado da sua.

- Yo. – Hitsugaya acenou levemente com a cabeça. - Parece que iremos ser colegas de quarto de agora em diante, espero que não se incomode com o frio.

.

.

.

                             Capitulo 6 – Mundo Interior

 

Enquanto caminhava para a sua turma, Ichigo tinham grandes expectativas de como seriam seus primeiros dias na Academia, como avisaram que ele precisaria estar sempre com sua Asauchi, Ichigo imaginava que as aulas seriam emocionantes e divertidas, repletas de lições e atividades praticas que seriam tão desafiantes quanto o treinamento que teve com Kaien, especialmente porque a responsável professora por sua classe era Yuubel, que era bastante famosa por ter sido uma Capitã décadas atrás, então os métodos de ensino dela deveriam ser bem diretos.

 

Como ele estava errado.

 

- Continuando... - Yuubel falou enquanto apontava para um enorme e complexo diagrama desenhado no quadro. - O Gotei 13 é a principal organização militar de Soul Society, e é composta por 13 Esquadrões, cada Esquadrão é responsável por determinada área e função dentro da Soul Society, mantendo a ordem, não apenas na Soul Society, mas também no Mundo Real, essa organização foi fundada por nosso Comandante Yamamoto Genryuusai Shigekuni, mas é importante ressaltar que, embora o Gotei 13 seja a principal organização escolhida por aqueles que se formam na Academia, também é possível ir entrar para o Kidou Corps e a Omitsukidou, que são ramos secundários, mas igualmente importantes.

 

Que tédio, Ichigo pensou enquanto continha um bocejo, ele esperava começar o básico do combate Shinigami imediatamente. Em vez disso, a maioria das lições estavam se concentrando em ensinar a estrutura básica de organização da Soul Society, os deveres de um Shinigami, bem como o código de ética e moralidade que eles deveriam seguir, destacando como seguir as regras era importante, e essas aulas, embora fossem úteis, se tornavam enfadonhas ao longo das horas, e Ichigo precisou de muita força de vontade para não seguir o exemplo do estudante que estava dormindo ao seu lado, como seu conhecimento ainda era muito limitado, ele precisaria do máximo de informações que ele poderia ter acesso, e após quase quatro horas falando apenas sobre os caminhos possíveis para aqueles que se tornam Shinigamis, chegou a hora do intervalo, que durava uma hora, e quando as aulas retornaram, Yuubel começou um assunto que chamou a atenção do ruivo.

- Muitos de vocês não devem saber, mas os Shinigamis também são conhecidos como Balanceadores, eles recebem esse nome porque são responsáveis pelo equilíbrio dos mundos, não apenas derrotando e purificando os Hollows, como também mandar os Plus, ou seja, as almas humanas para a Soul Society, antes que eles se tornem Hollow, alguma dúvida?

- Como exatamente as almas se tornam Hollows? – Um dos alunos perguntou.

- É uma ótima pergunta. - Yuubel elogiou. - Bem, esse é um assunto que ainda gera debate entre o alto escalão da Soul Society, mas a teoria mais aceita é que uma alma que passa muito tempo no Mundo Real, pouco a pouco elas são tomadas pelo desespero, solidão e o sofrimento, e com o tempo esses sentimentos negativos vão corroendo e alterando a estrutura dessa alma, ela quer parar de sentir essa dor de qualquer maneira, mesmo que seja a custo de seus próprios sentimentos, elas então se tornam Hollows, criaturas que não sentem nada, que não pensam em nada, que seguem apenas seus instintos, e o buraco que elas passam a ter no peito representa o momento que elas descartaram por completo sua humanidade, se tornando bestas sedentas por outras almas, sejam vivas ou mortas, e cuja fome é insaciável. – Ela fez uma pequena pausa antes de continuar. - O que vou dizer agora é somente meu pensamento pessoal após me deparar com incontáveis Hollows, mas creio que a fome de um Hollow nunca é saciada porque o vazio que eles sentem não pode ser preenchido devorando outras almas, sendo honesta, pra mim os Hollows são criaturas tristes que nunca irão alcançar a felicidade, porque não sabem como preencher o vazio que existe em seus corações.

Criaturas tristes? Imediatamente a imagem de Grand Fisher surgiu na mente de Ichigo, o seu sorriso, seu humor sórdido, o modo como ele se divertia em causar sofrimento aos outros, aquele era uma criatura que era podre até a alma, não havia nada de triste nele, apenas uma  grande massa de crueldade e terror.

- Claro que não são todos os Hollows que merecem nossa compaixão e empatia. – Yuubel prosseguiu, e por um momento pensou que a professora tinha olhado para ele. – Existem casos, como o infame Grand Fisher, que são cruéis e malignos por natureza, e não pelo fato de ter se tornado um Hollow, creio que em vida ele era tão cruel e sanguinário quanto é agora, e esses traços permaneceram mesmo após sua morte, uma maneira simples de identificar um Hollow maligno é pela máscara, geralmente a mascara de um Hollow é totalmente branca, mas para aqueles que cometeram vários crimes em vida, sua máscara fica coberta por manchas de cor roxa, ela são chamadas marcas do pecado.

- Marcas do pecado? – Ichigo repetiu baixinho, ele se lembrava muito bem que Grand Fisher tinha diversas marcas estranhas em sua máscara.

- Essas marcas significam que os Hollows não podem mais ir par a Soul Society, pois as Zanpakutous só podem purificar os crimes cometidos após a morte, então para esses Hollows após serem derrotados, só resta sofrer para sempre no inferno. – De repente, o barulho de sinos tocando pôde ser escutado, sinal que indicava o fim das aulas. - Bem, isso é tudo por hoje, amanhã falaremos um pouco sobre Rukongai, estão dispensados.

Então aquele maldito irá para o inferno quando eu o derrotar? Ichigo concluiu, sentindo uma pontada de satisfação, esse é mais um motivo para eu acabar com ele de uma vez por todas.

.

.

.

- Rukongai é a maior parte da Soul Society e também a mais populosa, ela está dividido em quatro quadrantes. – Yuubel explicou. – Norte, Sul, Leste, e Oeste, e em cada um dos quadrantes possuem 80 Distritos, totalizando 320.

 

Então existem 320 Distritos, na opinião de Ichigo, a aula de hoje foi mais interessante que a do dia anterior, Yuubel estava lhe explicando sobre Rukongai, no entanto, uma parte da explicação do professor incomodou o ruivo.

- Infelizmente ainda tem uma grande diferença entre os primeiros e os últimos Distritos, mas existe um grande esforço por parte da Seireitei para que essa diferença diminua cada vez mais.

Grande esforço? Ichigo pensou, de acordo com Kaien era justamente o contrario, eles não davam a mínima para a condição dos Distritos mais distantes, e no espaço de tempo que ele viveu no 80° Distrito, ele não viu sequer um Shinigami fazendo patrulhas ou mostrando algum interesse em ajudar as pessoas a terem uma vida melhor, se isso é uma piada, não tem a menor graça.

- Antes a Academia não aceitava moradores de Rukongai em suas fileiras. - Yuubel prosseguiu. – Mas com o tempo isso foi mudando, tanto que mesmo na classe avançada, creio que muitos aqui vieram de Rukongai.

- Yuubel-sensei. – Hijikata levantou a mão. - Se me permite dizer, isso foi um grande equivoco, a Academia de Artes Espirituais deveria ser composta apenas de almas puras como nós.

Almas puras? Ichigo repetiu mentalmente.

- Eu respeito sua opinião, mas creio não poder compartilhar do mesmo ponto de vista. – Yuubel falou. – Afinal muitos dos Shinigamis que eu mais respeito e admiro vieram de Rukongai, e derrubar essa barreira foi um importante passo para o crescimento de Seireitei.

- Tsh. – Hijikata simplesmente abaixou o braço, claramente não compartilhando do mesmo ponto de vista de Yuubel.

- A cada ano a taxa que alunos que vieram de Rukongai veem aumentando, por isso peço a todos que forem oriundos de Rukongai se apresentem, falem do Distrito que vieram e digam seus objetivos que os levaram a vir para a Academia e se tornar Shinigamis. – Durante vários segundos houve um grande silêncio, os estudantes apenas olharam uns para os outros, esperando que alguém se voluntariasse primeiro, até que alguém finalmente levantou a mão, Ichigo ficou surpreso ao ver que se tratava de Senna.

- Meu nome é Hasegawa Senna, vim do 2° Distrito, e quanto aos meus motivos para se tornar Shinigami... – Ela fez uma pequena pausa antes de prosseguir. – Eu quero cumprir a promessa que fiz a uma pessoa.

- Entendo. – Yuubel falou. – Quem é o próximo?

- Hitsugaya Toshiro. – O colega de quarto de Ichigo foi o segundo a levantar a mão. – Vim do 3° Distrito, decidi vir para a Academia para retribuir o favor de uma certa pessoa que me ajudou. – Após isso, os outros estudantes ficaram com menos receio e se apresentaram um a um, Ichigo ficou surpreso ao ver que dois deles vieram do 78° Distrito, que ficava próximo do dele, e por fim, quando viu que ninguém mais se manifestou, ele levantou a mão.

- Kurosaki Ichigo, vim do 80° Distrito. – Ao dizer isso, o ruivo notou que a atenção de todos, inclusive de Senna, passaram a observa-lo com evidente surpresa. – Vim para a Academia porque preciso ficar forte para conseguir ajudar alguém muito importante para mim.

- É uma excelente meta, e como eu imaginava, muitos daqui vieram dos mais diferentes Distritos, e cada um tem objetivos bem definidos, isso é muito bom, para enfrentar os desafios a qual serão submetidos nos próximos anos, vocês precisaram de uma determinação forte, por isso, sempre que acharem que estão em seu limite, sempre que pensarem em desistir, lembrem-se do motivo que os levou a vir para cá, tenho certeza que alguns devem ter passado por momentos difíceis.

Se lembrar do motivo que me levou a vir para cá, Ichigo ponderou, esse é um bom conselho, a aula seguiu por mais um tempo até finalmente chegar a hora do intervalo, e assim os alunos poderiam se dirigir ao salão onde ficava o refeitório, que era imenso, como sempre, a única interação que Ichigo tinha com os outros estudantes era uma simples saudação cotidiana, e as vezes nem isso, Ichigo tinha que admitir que tinha uma grande parcela de culpa por isso, pois ele não se esforçava muito para criar novas amizades, e a única pessoa com que ele conversava regularmente era com Senna, que ficou na mesma mesa durante o almoço, e ele estava bem com isso, Senna era uma companhia agradável, definitivamente melhor que os nobres que sempre o olhavam torto quando seus olhares se cruzavam.

- Então você veio do 80° Distrito? – Ela falou. - Isso é surpreendente.

- Sério?

- Mas é claro, você é apenas a segundo que veio de lá, existem muitas histórias terríveis a respeito do 80° Distrito, alguns dizem que é um lugar que você precisa lutar diariamente se quiser sobreviver, que os fracos são mortos rapidamente, e que nem as crianças são poupadas.

- Bem... – Ichigo ficou com uma expressão sombria durante um momento, lembranças nada agradáveis inundaram sua mente. - Não posso dizer que elas estão erradas.

- Desculpe. – Senna falou ao ver a expressão do ruivo. - Não quis trazer a tona memórias dolorosas.

- Não se preocupe com isso. Você disse que eu sou o segundo que veio do 80° Distrito, certo? – Ela assentiu. - E quem foi o primeiro?

- Ele é um dos Capitães mais famosos, dizem que ele matou um Shinigami ainda em Rukongai e roubou sua Zanpakutou, e que nem ao menos passou pela Academia, ele apareceu em Seireitei e imediatamente desafiou o antigo Capitão, e parece que ele o derrotou com apenas um golpe. Seu nome dele é Zaraki Kenpachi, o atual Capitão da 11° Divisão, todos falam que ele é um lunático por batalhas, por isso imaginei que todos que viesse do 80° Distrito fossem bárbaros sedentos por sangue, mas você... – Ela se interrompeu rapidamente ao ver que ia dizer algo desnecessário.

- Eu o que?

- Não é nada. – Ela desviou o olhar por um momento. - Deixa pra lá.

- Sei... – Ichigo resolveu não insistir nisso, e perguntou algo que não saia de sua cabeça há algum tempo. – Você sabe o que o Hijikata quis dizer com alma pura?

- É um termo antigo que não é muito usado nos dias de hoje, almas puras são aquelas que nunca passaram pelo ciclo de reencarnação e desde o início vivem em Seireitei. – Senna explicou. – Como a Yuubel-sensei falou, a Academia foi idealizada para ser frequentada apenas por nobres, ou almas puras, só depois de um tempo que foi permitia a entrada dos moradores da Soul Society.

- Entendo, então é por isso que aquele idiota se acha melhor que aqueles que veem de Rukongai. – O olhar dele foi até a mesa onde Hijikata estava, que era afastada dos demais, como esperado somente nobres estavam ali.

– Se não estou enganada o seu colega de quarto é aquele que ficou em primeiro lugar, certo? – Senna falou ao olhar para mesa onde Hitsugaya estava.

- Isso mesmo.

- E como ele é?

- Ele é bem frio. Tanto literalmente quanto figurativamente, eu pensei que era pouco sociável, mas aquele cara está em outro nível, acho que nunca trocamos mais de cinco palavras.

- Parece complicado.

- E é, mas falando nisso, como é a sua colega de quarto?

- Ela é uma garota estranha. Fiquei surpresa ao saber que ela veio do 78 Distrito, então imagino que ela é uma garota bem durona, eu a vi desenhando uns rabiscos estranhos, e para puxar conversa eu perguntei que tipo de monstro estava desenhando, mas ela me encarou como se eu tivesse dito uma coisa terrível. – Senna deu de ombros, como se não soubesse o que tinha feito de errado. - Acho que essa foi a maior interação que tivemos.

- Parece que nós dois temos colegas de quarto complicados. – O ruivo comentou.

- É verdade, mas estou mais preocupada com as próximas aulas, gostaria que fôssemos para a parte pratica o mais rápido possível.

- Sim. – Ichigo concordou. – Eu também.

.

.

.

- Vocês sabem o que é isso? – Essa foi a primeira coisa que Yuubel disse ao entrar na sala, ela tinha erguido sua espada enquanto fazia a pergunta, e os alunos ficaram em silêncio, isso era normal, quando uma resposta parecia muito obvia, era comum os estudantes ficarem um pouco hesitantes responder, procurando algo a mais nessa pergunta, mas por fim, um aluno decidiu falar o obvio.

- Uma Asauchi?

- Quase. – Ela sorriu, como se estivesse esperando por essa resposta. – Estaria correto se eu me referisse as suas espadas, mas isso que eu estou segurando é uma Zanpakutou, alguém aqui sabe me dizer a diferença?

- Ouvi dizer que a Asauchi é o primeiro estagio de uma Zanpakutou. – Hitsugaya falou.

- Isso mesmo, todas as Zanpakutous que nós Shinigamis usamos em combate um dia já foram Asauchis, ou seja, foram espadas vazias, sem nenhuma alma para preenchê-la. – Ao notar que a turma não parecia estar entendendo bem o que ela queria dizer, Yuubel decidiu mudar sua explicação. – Muito bem, o que essas Asauchis são para vocês?

- Elas são armas, certo? – Hijikata falou.

- Se continuar pensando assim, nunca poderá ser um Shinigami. - Yuubel falou. - Vocês precisam afastar o pensamento que essas Asauchis são meras ferramentas de combate, porque vocês acham que todos os alunos ganham uma Asauchi logo no primeiro dia, mesmo que os treinamentos de Zanjutsu não sejam imediatos? É para que vocês criem laços com suas Asauchis desde o primeiro dia, com o tempo a energia espiritual de vocês é transferida ao receptáculo vazio que é uma Asauchi, e esse receptáculo vai ganhando vida, ele se desenvolve na mesma medida que o aluno vai aprimorando suas habilidades, e então ela finalmente se torna uma Zanpakutou, um ser vivo, com vontade e personalidade própria, e que acima de tudo, faz parte de você.

Vontade e personalidade própria? Ichigo se recordou de como Kaien falava de sua própria Zanpakutou, de fato, parecia que ele estava se referindo a um companheiro precioso, e não uma simples arma.

- Todos que possuem uma Asauchi, devem criar conexões com elas. – Ela prosseguiu com a explicação. - O primeiro passo para saber que você está conseguindo se conectar a sua Asauchi que conseguirem ter acesso ao seu Mundo Interior.

- Mundo Interior? – Alguns alunos se entreolharam, claramente confusos.

- Todo Shinigami tem em sua mente um Mundo Interior. – Ela explicou. - Nesse lugar reside o espírito de sua Zanpakutou, e é onde geralmente ocorre o treinamento entre o espírito de uma Zanpakutou e seu portador, o Mundo Interior pode ter qualquer aparência, e ela também pode variar dependendo do estado mental de seu portador.

- Sobre o espirito da Zanpakutou... – Senna perguntou. – Ele é parecido com o seu portador?

- Isso é algo que varia bastante. – Yuubel explicou. - As vezes o espirito tem uma personalidade semelhante a de seu portador, em outras elas podem agir de modo totalmente diferente, como é o meu caso, mas ainda sim, ele representa uma parte de você, por isso não adianta tentar mentir quando se depararem com o espirito de suas Zanpakutous, até porque isso é o mesmo que mentir para si mesmos. – Ela fez uma pequena pausa antes de prosseguir. – Bem, eu disse que o primeiro passo para saber o progresso é entrar em seu Mundo Interior, mas o próximo passo é o que irá definir se você poderá se tornar um Shinigami ou não. – Outra pausa, Ichigo suspeitava que ela gostava de fazer essas pausas dramáticas. – Que é se eles irão revelar seu nome ou não, caso não saibam o nome de sua Zanpakutou, ela nunca irá liberar seu verdadeiro poder.

- Revelar o nome? – Ichigo repetiu sem entender muito bem o que Yuubel queria dizer, e ele não parecia ser o único.

- Em vez de explicar com palavras, creio que um demonstração seja mais apropriada. – Yuubel falou. – Embora eu não devesse fazer isso, pois liberar uma Zanpakutou só é permitida em casos urgentes, mas por motivos didáticos vou abrir uma exceção. Vejam. – Uma onda de poder espiritual começou a fluir do corpo de Yuubel, mesmo estando consideravelmente distante, Ichigo sentiu um arrepio ao ver aquele incrível poder diante dele, o ar ficou mais pesado, e parecia estar carregado de eletricidade estática.

- Liberte-se... Kaminari (Espirito do Trovão). – Yuubel falou, e o que se seguiu depois disso foi sua Zanpakutou ser coberta por inúmeros relâmpagos, um clarão irrompeu pela sala, obrigando todos a fecharem os olhos por alguns segundos.

Mas o que foi isso? Ichigo piscou algumas vezes antes de sua visão voltar ao normal, e quando voltou sua atenção para Yuubel, percebeu com evidente surpresa que a Zanpakutou dela havia mudado de forma, ela estava bem maior e agora a lâmina e o punho haviam se tornado douradas, e alguns símbolos estavam encrustados na lâmina, algumas faíscas de eletricidade pareciam sair da Zanpakutou, que agora parecia bem mais intimidadora e imponente que antes.

- Estão vendo? O nome da minha Zanpakutou é Kaminari, e ao proferi-lo, a verdadeira forma dela é exposta, mas não pensem que isso será revelado tão facilmente, muitos espíritos impõe testes a seus portadores para saber se eles estão aptos a usar seu poder, e isso irá depender dos laços que você formará com suas Asauchis, quero que todos pratiquem e na próxima semana verei se houve algum progresso, mas não esperem resultados imediatos, criar laços com sua Asauchi é algo que pode levar meses, ou até mesmo anos. Isso é tudo por hoje. Mantenham em mente o que eu falei.

.

.

.

- Criar laços, não é? – Após as aulas, Ichigo foi direto para o seu quarto, ele estava tentando se comunicar com sua Asauchi como lhe foi instruído, sua professora havia dito que a interação entre o estudante e sua Asauchi variava para cada pessoa, então não haviam um manual com informações precisas sobre como deveria ser criada essas conexões.

Estou me sentindo um idiota, Ichigo pensou ao fechar os olhos e passou a respirar lentamente, ele havia colocado sua Asauchi sobre o colo, como havia sido instruído, uma das dicas do professor era que no momento da meditação, era importante limpar sua mente, como se nada existisse além de sua Asauchi.

É inútil, Ichigo franziu o cenho e abriu os olhos, ele já estava a mais de duas horas tentando e ainda não sentiu nada diferente, ele estava prestes a se levantar, mas se forçou a permanecer onde estava, não, eu não posso desistir ainda, ele fechou os olhos novamente, esvazie a mente, esvazie a mente, esvazie a mente, esvazie a mente, Ichigo perdeu a noção do tempo enquanto tentava fazer contato com sua Asauchi, mas chegou um momento que ele finalmente sentiu alguma coisa diferente, após o som do que parecia ser uma porta abrindo e fechando, ele sentiu que não estava mais sozinho.

O que sensação? Sinto que alguém está diante de mim, me observando atentamente... Será que essa é a sensação de estar em sincronia com sua Asauchi?

- Ichigo. – O ruivo escutou uma voz o chamando. - Ei, Ichigo.

Eu posso ouvir sua voz, e ele sabe o meu nome.

- Ei, você está me ouvindo?

- É você, Asauchi? - Ele arriscou perguntar.

- Não, idiota, sou eu. – Ichigo abriu os olhos e só então percebeu que era Senna quem estava na sua frente o chamando. - O que você está fazendo?

- Me decepcionando. – O ruivo suspirou pesadamente, por um momento ele realmente pensou que estava se comunicando com sua Asauchi, mas ele deveria saber que isso não seria assim tão fácil. - Não entendo o que estou fazendo de errado, estou fazendo todo o possível para me conectar com minha Asauchi, eu tomei um banho com minha Asauchi, converso, e até contei uma piada para ela.

- Eu gostaria de ter visto isso. – Senna disse, imaginando a cena, e em seguida olhou ao redor. – Então esse é o quarto de um garoto? É mais organizado do que eu pensei, mas onde está o seu colega de quarto? O prodígio anão.

- Está falando do Hitsugaya? Ele costuma sair, e só aparece a noite, eu não faço ideia para onde ele vai.

- Entendi.

- E eu não o chamaria de anão. – Ichigo a avisou. – Ele costuma ignorar a maioria das provocações, mas parece que ele tem algum tipo de complexo em relação a sua altura. – O ruivo se lembrou da única vez que ouviu Hitsugaya ser chamado de anão, que tinha sido por um estudante grandalhão do terceiro ano que tinha esbarado nele, Ichigo ainda não soube o que Hitsugaya fez, mas na ultima vez que o viu, esse estudante ainda estava tremendo. – E não acabou para bem para o ultimo que o chamou disso.

- Vou manter isso em mente.

- E quanto a você? – Ele perguntou. – Fez algum progresso?

- Nada. – Senna deu de ombros, parecendo conformada. - Yuubel-sensei mesmo nos disse que isso é algo que pode levar meses ou anos, duvido que algum aluno tenha conseguido entrar em seu Mundo Interior em tão pouco tempo.

- Sim. – Ichigo falou enquanto se levantava. - Você deve estar certa.

.

.

.

Hitsugaya estava em seu Mundo Interior.

 

Ele havia executado com perfeição o estado de meditação em conjunto com sua Asauchi que sua professora havia instruído, mas mesmo assim demorou bastante para Hitsugaya conseguir se conectar com o seu subconsciente, ele abriu o olhos e não conseguiu esconder sua surpresa ao ver que estava no que parecia ser a entrada de uma caverna, do lado de fora a paisagem se assemelhava a uma tundra congelada, porém o ar frio que vinha da caverna era ainda mais forte, parecia que alguma força misteriosa o estava atraindo e ele seguiu para dentro da caverna.

- Esse lugar... – Hitsugaya murmurou enquanto olhava ao redor, sem dúvidas era uma visão impressionante, a caverna estava totalmente congelada, e haviam cristais de gelo de todos os tamanhos, tanto no chão quanto nas paredes. –... É incrível.

- Fico feliz que seja do seu agrado. - Uma voz poderosa ecoou das profundezas da caverna, Hitsugaya estreitou os olhos e conseguiu ver duas enormes esferas azuis ao longe, elas desapareciam por um instante antes de reaparecerem, e só então Hitsugaya percebeu que se tratava de um par de olhos.

- Quem é... – Hitsugaya se calou enquanto uma rajada de ar congelante foi em sua direção, ele sentiu todo o seu corpo enrijecer, era a primeira vez que o frio lhe causava algum incomodo.

- O que houve? – Essa voz impotente e pesada surgiu novamente. - Siga em frente, o gelo é sua especialidade, não é?

- Ghhh... – Com certa dificuldade, Hitsugaya foi seguindo em frente, a cada passo que dava, o ar frio ficava mais intenso e poderoso, tanto que até respirar se tornava uma tarefa difícil, parecia que seus pulmões entrariam em colapso a qualquer momento, e chegou num momento que ele não conseguia mais avançar.

É inútil, ele pensou, sinto que vou morrer congelado se avançar mais do que isso, Hitsugaya se limitou a encarar aquele par de olhos azuis que lhe encarava de volta fixamente.

- Eu lhe parabenizo por ter chegado até aqui, mas ainda é muito cedo para você passar desse ponto.

- Você... – Hitsugaya começou, apesar de não conseguir nada além daquele par de olhos azuis, ele sentia algo familiar sempre que olhava para essa estranha figura. – Você é o espirito da minha Asauchi, certo?

- Isso mesmo. – Ele confirmou. – Mas você já sabe disso, a pergunta que você fazer é outra, certo?

Ele realmente sabe o que eu estou pensando, Hitsugaya pensou.

- Qual o seu nome?

- Direto ao ponto, não é? Muito bem então, eu vou dizer. O meu nome é xxxxxxxxxxx.

- O que? – Hitsugaya piscou algumas vezes, a ultima palavra pareceu ser dita num idioma que ele desconhecia.

- Eu disse que meu nome é xxxxxxxxxx.

- Eu... Eu não consigo entender.

- Como eu pensei. Ainda é muito cedo para você saber.

- O que quer dizer com isso?

- Você saberá quando chegar a hora. – Depois disso Hitsugaya foi envolvido num turbilhão de neve, ele pensou ter visto a silhueta do que parecia ser um dragão antes de tudo ficar escuro. - Nos veremos em breve, Hitsugaya Toshiro.

.

.

.

Hitsugaya abriu os olhos lentamente, e ao dar uma rápida olhada ao redor, ele notou estava entre as árvores que ficavam logo atrás dos dormitórios, era um bom lugar para fazer o treino de meditação, pois era cheio de paz e silêncio.

- Então no final eu não consegui descobrir o nome dele. – Hitsugaya murmurou, parecendo um pouco decepcionado. – Será que eu tento de novo? Se bem que tenho a impressão que não poderei avançar além daquele ponto, então acho melhor deixar pra lá por enquanto. – Ele se levantou e guardou sua Asauchi de volta a bainha.

- Mas acho que não foi nada mal para uma primeira tentativa.

.

.

.

Ichigo decidiu ir para a biblioteca, que naquele momento estava praticamente vazia, e pegou um livro que continha informações sobre a Seireitei, como as famílias nobres, e informações sobre os 13 Esquadrões em geral.

- Então o Primeiro Esquadrão é liderado pelo próprio Comandante Yamamoto. – Ichigo murmurou enquanto folheava o livro. – E a Omitsukidou que a Yuubel-sensei mencionou é uma organização comandada pela Capitã do 2 Esquadrão. – O ruivo continuou lendo o livro, procurando absorver as informações mais importantes contidos nele.

- Ora, vejo que está dando duro em seus estudos. - Ichigo sentiu o ar ficando mais pesado ao olhar na direção dessa voz e notou Yuubel o observando com um olhar curioso. - Isso é bom.

- Obrigado. – Ichigo falou, ele encarou Yuubel por alguns segundos antes de desviar o olhar.

- Sabe, eu sou muito boa em analisar expressões. – Yuubel falou – E sinto que você quer me perguntar uma coisa.

-... – Ichigo hesitou por alguns segundos, mas por fim decidiu falar algo que vinha passando em sua cabeça. – É que eu sinto que desde o primeiro dia estou sendo observado por você. – O ruivo se lembrava muito bem de como Yuubel apareceu diante dele após a cerimônia de abertura, e mesmo durante as aulas, Ichigo sentia que Yuubel olhava para ele em diversos momentos, sempre com um olhar curioso e analítico.

- É verdade. – Yuubel admitiu. – Desde o momento que coloquei os olhos em você, soube que precisaria observa-lo de perto.

- E porque isso?

- Há muito tempo eu conheci alguém que possuía um olhar muito parecido com o seu. – Ela falou. - Um olhar cheio de vontade e determinação, e saber que você veio 80° Distrito assim como ele, só me deixou com uma impressão mais forte disso.

- Ele? – Ichigo repetiu. - Está falando de Zaraki Kenpachi?

- Não, claro que não estou me referindo aquele brutamontes.

- Mas eu soube que foi apenas ele quem veio do 80° Distrito.

- Devido algumas circunstâncias o nome dessa pessoa acabou caindo no esquecimento. – O olhar de Yuubel ficou mais sombrio. – Ou melhor, fizeram com que seu nome caísse no esquecimento.

- Como é o nome dele? – Ao fazer essa pergunta, Ichigo observou a expressão dúbia de Yuubel, como se as lembranças sobre essa pessoa fossem alegres, mas também dolorosas, e por fim ela falou.

 

- Seu nome é Azashiro.

 

                                                                   Continua...

 

                                              No Próximo Capítulo – Prodígio


Notas Finais


Espero que tenham curtido esse capitulo de retorno, não foi muito movimentado, mas em breve entrarei num arco com bastante ação, podem esperar. Como dever ter notado estou colocando alguns conceitos que não existem no original, como almas puras, marcas do pecado, creio que isso irá enriquecer a história e dar mais coerências a eventos futuros.

No original sempre é dito que o Toshiro é um prodígio, um super gênio, mas eu nunca vi ele fazendo algo realmente digno disso, então pretendo explorar mais esse lado dele nessa fic, nessa história ele realmente terá motivos para ser chamado de gênio.

Agora um assunto a parte, um dos (vários) motivos desse longo hiato no spirit também foi porque eu estava escrevendo uma história original, fiquei bastante tempo criando todo um universo e uma mitologia relativamente original e só agora irei começar a escrever os capitulos, ela será no estilo shounem, então esperem por todos os elementos característicos de uma história assim, sempre quis escrever uma fic nesse estilo, mas ainda deve demorar um pouco para eu posta-la

Enfim, peço a todos que deixem seus comentários, pois isso realmente me motiva a não desistir das minhas fics

Até a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...