1. Spirit Fanfics >
  2. O lado negro do rosa - Yuri >
  3. Segundo encontro

História O lado negro do rosa - Yuri - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olha quem apareceu depois de séculos kskksks

Boa leitura meu amor!!! <3

Capítulo 2 - Segundo encontro


Fanfic / Fanfiction O lado negro do rosa - Yuri - Capítulo 2 - Segundo encontro

Me sinto uma idiota olhando pela janela da loja em que ela estava trabalhando. Eu respiro fundo e a localizo em menos de 30 minutos. Ela está no caixa, olhando para tela de um computador, concentrada no seu trabalho enquanto comia um bolinho. As vezes ela retira os restos do canto da boca com a língua ou com o indicador. De repente eu tenho o desejo de passar a minha língua no canto daquela boca e tirar os restos do bolinho de seus lábios. Ela parece tão adorável, ficou simplismente perfeita naquele jeans e camiseta. Muito, muito melhor...

Eu olha para cima e seu computador não bloqueia mais nossos olhares. Eu sorrio. Estou muito feliz, pois acho que consigo afetá-la de alguma forma. Isso significa que ela pode ser lésbica. Ela está surpresa, seu olhar parece mais amplo.

_ Srta. Carter. Que surpresa! _ Digo com um sorriso, tentando mostrar que esbarrei ali por acaso.

_ Srta. Stewart? _ Ela consegue respirar. Interroga.

_ Eu estava passando e vi a loja, tô precisando estorcar alguns itens. _ Digo explicando-me.

_ É claro Srta. Stewart. _ Ela gagueja e em seguida mostra seu sorriso de funcionária. _ Em que posso ajudar?

_ Eu preciso de braçadeiras de plástico. _ Sorrio.

Eu poderia fazer muitas coisas com você usando elas. Meu olhar se escurece e ela cora. Ela me mostra o caminho e em seguida me ajuda com fitas adesivas e cordas. Ela pergunta se eu estou redecorando. Eu tenho pessoas que fazem isso por mim. Isso aqui são para projetos pessoais que você provavelmente nunca experimentou, mas eu adoraria ensinar.

Ela cora com meu olhar de novo, realmente parece que eu a afeto de alguma fôrma. Eu tenho que pergunta-lhe alguma coisa para mantê-la envolvida.

_ Você trabalha aqui a quanto tempo? _ Embora eu já saiba a resposta. Quatro anos é o tempo parcial. Ela responde afirmativamente, seus olhos ainda estão caídos e tímidos. Ela me mostra dois tipos diferentes de fita. Eu escolho a mais larga, claro.

_ Mais alguma coisa? _ Ela pergunta em uma voz sussurrada e rouca. Acho que não existe nada mas que mostre que eu a afeto, já está óbvio. Digo "Cordas" no mesmo tom.

Ela corta as cordas e da nós em sua ponta com tanta eficiência, pergunto se ela já foi escoteiro alguma vez. Ela olha para suas mãos e remexe seus dedos.

_ Não Srta. Stewart, só organizada, as atividades em grupo não são muito minha praia. _ Ela olha nos meus olhos. Graças a Deus, não aguentava mais ver o topo de sua cabeça.

_ E qual é a sua praia Srta. Carter? _ Ela engasga com minha pergunta, acho que já até sei a resposta. Aposto que é...

_ Livros. _ Ela diz, mas seu olhar dizem outra coisa fazendo-a corar. Atrevo-me a dizer Bronte é Jane Austen?

_ Quais tipos? _ Pergunto, me interessando mais em sua resposta.

_ Clássicos... Leitura britânica. _ Sussurra.

Vish acho que ela é toda corações e flores. Será que isso daria certo comigo? Não sou de buquês e chocolates. Respiro fundo contemplado sua resposta. Mas se funcionar ainda posso ter a diversão? Acho que poderia tentar. Ela muda de assunto retomado espírito de funcionária.

_ Mais alguma coisa?

Eu preciso deixá-la envolvida pra falar comigo. Ela me seduz bastante. Não consigo parar de olha-lá, tudo que ela faz, mordendo aquela boca, se contorcendo e retorcendo, apenas me faz a querer mais. 

Nós ouvimos seu nome ser chamado por um cara. 

_ Helena! _ Ele sorri para ela e a mesma retribui sorrindo também. Ela pede licença, vira de gosta para mim, e vai até ele.

Tá já não tô gostando. Quem é esse? Sera que é o namorado? Mas ela não estava respondendo aos meus encantos? Pode ser só coisa da minha cabeça, e ela pode ser hetero? Quem é esse filha da puta? Talvez ter vindo até aqui não foi uma boa ideia.

Ela abraça o desgraçado e ele a retribui colocando suas patinhas imundas em sua cintura. Ela olha para mim com um sorriso e arrasta o filho da puta até mim.

_ Srta. Stewart, este é Marco ele é filho do proprietário da loja. Eu o conheço a muito tempo, inclusive ele me arranjou esse emprego. Porém vejo muito pouco pois ele está fazendo faculdade de administração em Princeton.

O garoto olha para mim com um olhar de admiração. O que você tanto admira aqui meu querido, posso saber?

_ Muito prazer Srta. Stewart. _ Ele estende sua mão para mim com um sorriso. 

Eu o olho friamente, pego na sua mão e o comprimento. 

_O prazer e todo meu.

Enquanto eu tento marca meu território ali, Helena acrecenta...

_ Bom já não preciso apresentar né. Graice ele tem uma total admiração por você, e pelo seu trabalho. _ Ela diz sorrindo e animada.

_ Eu tenho praticamente todas as suas autorias dizendo como ser um ótimo empreendedor e um perfeito empresário. _ Ele olha para baixo e sorri novamente.

_ Sério? Que bacana!! _ Digo mostrando está impressionada, porém não estou nem um pouco, o livro é barato, e se acha em todas as bancas que existe no mundo. E outra, não foi escrito por mim, foi uma entrevista que eu dei, no qual eles se baseado nas minhas respostas e escreveram aquele livro dizendo que foi autoria minha. Que se dane, pelo menos ganhei sessenta por cento do reembolso.

_ A senhora poderia me dar um autógrafo?? _ Ele pede animadíssimo. Ok garoto vou te agradar.

_ Claro! Só trazer. _ No tanto que você volte para o buraco de onde veio e pare de atrapalhar o momento que eu estava criando aqui.

Helena me olha super feliz e com um sorriso no rosto. Dessa vez quem está olhando para baixo com vergonha sou eu, o que é assustador pois confiança é o que não me falta.

Fomos até o caixa para pagar minha compras.

_ Como está o artigo? _ Pergunto enquanto ela passa os produtos na registradora eletrônica.

_ Ohh, Veronica esta escrevendo. Ela está devastada por não ter conseguido entrevista-lá. Ela gostaria de ter algumas fotos.

Isso me surpreende e me dá esperanças de que talvez eu possa encontrar uma maneira de ver Helena novamente. Acho que ela consegue até enxergar o brilho em meus olhos.

_ Sério? _ Eu digo _ Talvez amanhã eu possa está disponível. Eu vou ficar aqui mais alguns dias. _ Pego meu cartão de visitas da minha carteira, e a entrego. Nossas mãos brevemente se tocam e a mesma pancada de eletricidade me faz suspirar. Tenho o mesmo efeito sobre ela. 

_ Me chama antes das dez da manhã.

Ela é agradavelmente surpreendida, e me dá seu maior sorriso, iluminando seus brilhantes olhos castanhos, para um novo brilho de tomar meu fôlego. Ela tem o sorriso mais bonito de todos que já vi.

_ Sim nos vamos! Veronica vai adorar! _ Diz ela animada.

Eu pago minhas compras e ela mantém seu olhar para baixo, entou quase morrendo para ela olhar para mim de novo. Por que estou parecendo um garoto de 15 anos, seu toque movendo minhas entranhas? Ela olha para mim de novo quando eu entrego meu Amex para ela. Quando eu estou indo com minhas compras sou chamada pelo garoto que pediu o autógrafo.

_ Srta. Stewart...

Me viro novamente e ele está lá com os três editais e uma caneta na mão. Pego a caneta e coloco minha assinatura neles. Satisfeito Palerma? Ele sorri para Helena e entra novamente para os fundos todo animado.

Pego minhas coisas de novo e digo para Helena:

_ Estou feliz que foi você que me entrevistou, e não sua companheira de quarto. _ Eu quero que ela saiba que eu estou interessada mesmo não tendo certeza se ela é hetero, bissexual, ou lésbica. Porém depois que eu digo isso a mesma da um suspiro e morde os lábios bem devagar de uma maneira discretas. Acho que ela gosta de mim. Saio da loja com um propósito renovado. Acho que pode dar certo.

Taylor esta me esperando no carro. Ele me leva de volta para o hotel. Eu vou para minha suíte coloco minhas compras na cadeira, e me ocupo com o trabalho esperando ela ligar.

Helena e aquela boca ainda está em minha mente. Se ela não ligar que outra chances eu tenho de me encontrar com ela? Minha mente elabora planos de backups. Não sou de perder quando estou em uma missão. Apenas se ela quiser isso. Ela é muito jovem para as perversidades que tenho em minha mente. Ela parece super inexperiente. Por que caralhos ela não liga? 

Eu decido responder alguns e-mails quando meu celular toca. Não reconheço o número. Quem que diabos estaria me ligando agora. 

_ Graice. _ Digo bem ríspida e seca e uma voz tímida e rouca responde.

_ Uhm... Srta. Stewart? É Helena Carter.

Meu coração engasga um pouco e em seguida pega o pico dos batimentos de volta. 

_ Srta. Carter. Como é bom ouvi sua voz. _ Pensei que ela não ia ligar. Estou aliviada. Ouço o engasga da respiração dela. Fico feliz por ter esse efeito nela ainda. Eu estou sorrindo como uma idiota. Eu digo a ela que vou ficar no hotel em Portland e decidimos fazer as filmagens as nove e meia da manhã. 

Quando ela diz _ "Ok vemos você lá" _ toda ofegante e animada, sinto meus olhos escurecerem, incapaz de esperar ela até amanhã.

Dia seguinte

Levanto-me e vou para a academia do prédio me exercitar um pouco. Depois dos meus treinos eu tomo um longo banho, coloco uma camisa branca social de gola aberta, e minha calça jeans cinza, e o blazer. Eu como meu café da manhã rapidamente, arrumo meus cabelos, deixando-o molhado. Ela me liga me avisando que eles estão ocupando outra suíte no hotel para o ensaio. Taylor espera na porta. 

O meu olhar a procura assim que entro na suíte. Lá, ela estava com um jeans alto que abraçava suas curvas firmemente, com uma camisa social preta. Sinto que ela respira com dificuldade quando seu olhar se encontra com o meu, e ela me olha discretamente mais uma vez.

_ Srta. Carter nos encontramos novamente _ Eu digo estendendo minha mão para receber a sua. Com o seu toque eu sinto aquela mesma onda magnética entre nós, e eu sei que ela sente também, pois agora seus olhos piscam mais vezes. Ela está corando, e sua respiração está irregular. Ela recolhe sua mão muito cedo, e apresenta sua colega de quarto, que é como eu esperava, segura de si, dominadora. Como eu.

_ Srta. Wodson. Como está? _ Eu digo, e agradeço minha estrelinha da sorte, em minha mente, pois foi Helena que veio, e não ela. Ela é maravilhosa, mas não faz o meu tipo. 

Helena então apresenta a fotógrafa dizendo:

_ Essa é Isabella Rodrigues, nossa fotógrafa _ Ela sorri para ela amorosamente, e a mesma retribui de um jeito possessivo. Eu sinto raiva crescer em mim. Então é essa a filha da puta, a namorada?

_ Srta. Stewart _ A filha da puta concorda.

_ Srta. Rodrigues _ Digo friamente.

Sento-me na poltrona e fico contemplando e olhando para Helena durante toda a seção. Eu tenho que descobrir se essa filha da puta e namorada dela. Ela estava tão possessiva. Cerca de uns 30 minutos depois terminamos. Veronica e eu trocamos algumas sutilezas. Eu me viro para Helena e pergunto:

_ Me acompanha Srta. Carter?? 

_ Claro. _ Ela diz ansiosa enquanto sua amiga acha suspeito e a porra da fotógrafa faz uma careta. Anéis de namoro vem em minha cabeça. Eu tenho que descobrir. Eu não "compartilho". Ela tem que ser somente minha. 

Eu abro a porta e a deixo passar.

_ Será que você se junta a mim para um café da manhã? _ Eu mantenho a esperança do meu olhar, mas posso sentir os batimentos cardíacos dela aumentar, e seu rosto vai corando. Sim baby, é um encontro.

Ela me diz desapontada que tem que levar todos para casa. Ah meu amor não se preocupe, eu te dou cobertura. 

_ Taylor! Leve a Srta. Veronica, sua fotógrafa, assistente é equipamentos para onde devem ir por favor! _ Olho para ela em seguida _ Viu! Resolvido.

_ O Taylor não tem que fazer isso Srta. Stewart, eu posso trocar de carro com a Veronica _ Ela adentra a sala, segue -se uma pequena discussão, e volta. _ Ok vamos tomar café.

Conversamos no caminho para os elevadores. Eu pressionou o botão para chamar o elevador. Quando as portas se abre, um jovem casal em uns amassos apaixonantes, se separam, olhando em todas as direções menos na nossa. O que a com elevadores? Helena está corada de tanta vergonha. Eu mantenho meu olhar nela, observando a cor vermelha em seu rosto, enquanto tento manter meu sorriso longe... Tento. Quando o elevador chega ao primeiro andar, pego a mão de Helena e saio do elevador. Nós ouvimos o casal rir atrás de nós e eu digo: O que a de errado com os elevadores? 

Atravessamos a rua para o café, sua mão na minha com o choque de eletricidade constante entre nós. Eu a deixei escolher a mesa e perguntei o que escolheria.

_ Chá! _ Ela responde me surpreendendo. Então, sem café. Desculpado.

Quando eu vou pegar as bebidas e algo para comer, eu encontro-a olhando para mim dissimuladamente é ocasionalmente mordendo os lábios. Qua do eu volto para mesa ela olha para baixo, e cora. Queria saber o motivo pelo qual ela está corada. 

_ Um centavo pelo seus pensamentos? _ Digo sorrindo.Ela não me da nada.

_ Esse é meu tipo favorito de chá. Fraco. _ Diz ela me olhando no fundo dos olhos, passando o seu dedo indicador na porda da chácara. Ela está flertando, ou eu entendi errado?

_ Eu vejo. _ digo ainda sorrindo _ Ela é sua namorada? Ah fotógrafa?

_ Não. _ Ela dispara. _ Ela é apenas uma amiga. Mas como irmã. na verdade. 

_ Entendo. _ A corto. _ É o cara da loja?_ Digo dando uma leve mordida na torrada.

_ Eu sou lésbica. _ Ela me diz com um pequeno sorriso, batendo sua unha na mesa. _ Por que a pergunta?

_ Só puxando assunto. _ Mordo de novo minha torrada. 

Durante o café eu pergunto para ela sobre várias coisas, foi bom, até nisso com ela foi diferente, não foi igual as outras, eu não fiquei entediada ao ouvir ela falar, muito pelo contrário, a cada fato que ela me contava sobre ela, mais interessante pra mim ela ficava.

Ela olha para o relógio. Ela quer ir embora, precisa estudar para os exames finais. Eu me ofereço para levá-la no carro da Srta. Wadson. Ela agradece pelo chá.

_ O prazer foi todo meu. _ Digo sorrindo. Eu estendo minha mão para ela, que automaticamente entrega a sua. Mas uma vez a corrente flui entre nós. Nós andamos de volta em direção ao hotel, falando sobre coisas aleatórias. De repente me pego olhando para seu corpo. Seu quadril fica completamente naquele jeans, sem pensar duas vezes eu pergunto a ela...

_ Você sempre usa jeans? 

_ Geralmente. _ Ela responde confusa.

_ Combina com você. _ Sorrio. Ela olha para baixo e cora, e sem pensar ela deixa escapar:

_ Você tem namorada?

Dou um meio sorriso e respondo: _ Não Helena. Não sou do tipo que namora.

Ela me olha confusa. Um lampejo de pensamentos passa sobre seu rosto sem palavras. Ela solta minha mão e caminha na minha frente, sem olhar por onde ia. Ao atravessar a rua, um ciclista vem em sua direção, eu aperto meus passos e a puxo em direção ao meu corpo, tão apertada quanto possível, e a seguro firmemente em meu peito.

_ Merda Helena. Você está bem? _ Ela não me responde, apenas me olha. Sinto que ela inala profundamente o meu cheiro e eu percebo o cheiro suave de seus cabelos e da sua pele. Não consigo tirar os meus olhos dos olhos dela.

Eu escovo seus lábios inferiores com o meu polegar e um arrepio percorre meu corpo. Sua respiração e ofegante. Estamos olhando fixamente uma para outra é todo seu corpo e seu olhar dizem "me beije" .

Ela é adorável, e eu estou lutando contra mim mesma para não beijá-la nesse exato momento. Eu brevemente fecho meus olhos, e quando eu os abro estou determinada. Ela é muito jovem, muito inocente, muito linda. Ela não é para meu mundo. 

_ Você tem que ficar longe de mim. Eu não sou boa para você. _ Eu sussurro. Seu rosto cai como se eu tivesse batido nela... bem forte. É melhor ela achar que eu a rejeito agora, do que ter que magoá-la mais tarde. 

_ Respire Helena, por favor... Eu vou ficar ao seu lado, irei te soltar agora ok?! _ Ela está desapontada e há dor no seu rosto. Ela abre seus olhos castanhos, tão amplos quanto possível, para não deixa as lágrimas rolar. 

_ Estou bem _ Ela diz. _ Obrigada Srta. Stewart.

_ Pelo que?

_ Por me salvar. _ Ela diz quase em lágrimas.

Eu estou furiosa com aquele filha da puta que quase a atropelou.

_ Foi culpa daquele idiota, não sua! Você quer que eu te leve para o lobby é sentar-se um pouco?

_ Estou bem. _ Ela diz com voz embargada _ Obrigada por fazer a sessão de fotos. _ Diz ela com um último esforço para não chora. 

Eu estou lutando contra as minhas próprias emoções nesse momento. Estou quase indo até ela é dizendo que sou uma merda de mulher, que não conseguiria fazer ela feliz como merece, e que qualquer coisa que ela conseguisse tirar de mim, só iria deixa infeliz. Ela é do tipo de garota que curte flores e corações, e eu sou um tipo de rosa negra que não tem nada a oferecer além da minha escuridão.

_ Helena... Eu... _ Eu paro. Com uma batalha interna dentro de mim querendo ela, mas não querendo a machucá-la. Estou dividida. 

_ O que Graice? _ Meu nome uma oração em sua boca. Não, eu não posso fazer isso com ela. Eu respiro fundo e digo: _ Boa sorte com seus exames. _ Confundindo-a.

_ Obrigada! _ Diz ela quase em lágrimas e se afasta de mim. A última coisa que eu a vejo, é enxugando suas lagrimas perdidas de seu rosto enquanto eu me desfaço por dentro.

Merda! Merda! Merda!

Eu volto para o hotel. Eu tenho que socar algo, alguém, alguma coisa... Eu estou cheia de emoções com as quais eu não estou familiarizado. Seu rosto não sai da minha cabeça. O olhar... A mágoa... Porra! É tudo minha culpa... Eu não sou do tipo que namora e ela não é do tipo de garota que faria o que eu espero!

Eu estou na porta de um dilema. Eu tenho esse desejo desconhecido, alguma atração em direção a ela, e eu não quero a magoá-la. Ela vai se machuca. Ela é muito inocente. Não vai funcionar! A batalha em minha cabeça se enfurece. Como eu sei qué não vai funcionar, se eu ao menos nem tentei? 

Porra! Eu vou dar -me outro dia. Ver se consigo resolver isso em minha cabeça. 

Amanhã. Vou esperar até amanhã.


Notas Finais


Ahhh que ódio da Graice Velho,i magino que vocês também estão. Mas o que será qua vai acontecer no próximo capítulo?? Vamos esperar!!

Obrigada por ter lido meu amor, espero que tenha gostado!!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...