1. Spirit Fanfics >
  2. O legado >
  3. Capítulo XXXVII - Me desculpa

História O legado - Capítulo 37


Escrita por:


Capítulo 37 - Capítulo XXXVII - Me desculpa


Fanfic / Fanfiction O legado - Capítulo 37 - Capítulo XXXVII - Me desculpa

Acordei com meu pai me chamando.

Clark: "Filho por favor, acorda". Abri lentamente meus olhos vendo meu pai, tio Barry e Don. "Graças a Deus, sua mãe me mataria se você não acordasse". Dou uma risada ainda sentindo muita dor.

Eu: "O que aconteceu?"

Don: "Cara, você desceu a porrada no Matt, estourou seu chip e fugiu da gente, além de causar uma tempestade de raios. Massa né". Seu pai lhe dá um tapa na cabeça negando as palavras do filho. "Aí, o Matt mereceu cada soco, eu mesmo o faria, mas já viu né?"

Eu: "Pai, me desculpe. Eu tenho quase certeza que não usei meus poderes nele".

Clark: "Não usou. Se tivesse feito isso, com o tanto que bateu nele. Provavelmente ele estaria morto. Mas por sorte ele está vivo e tudo isso não passou de uma briga de adolescentes". Ele me ajuda a levantar e levanta a manga da minha blusa. "Cisco vai ficar muito irritado com isso". Olha para onde meu pai olhava e vi uma mancha de queimadura. "Como isso aconteceu?"

Eu: "Trovões. Eles me acertaram quando cheguei aqui".

Clark: "Filho, esse chip estourou muito antes de você chegar aqui, como acha que soubemos que estava com problemas?". Mas que merda.

Eu: "Eu não sei pai". Falei meio perdido.

Dom: "Olha, o papo tá ótimo, mas se a gente não aparecer com você logo. Sua mãe vai nos caçar, Ally vai nos bater e Lucy vai nos trucidar". Lucy.

Eu: "Não quero ir para casa".

Narrador

 Enquanto isso na casa dos Kent. Desde que chegaram, Lucy está andando de um lado para o outro.

Kevin: "Lucy se acalma, vai fazer um buraco no chão".

Lucy: "Só vou me acalmar quando o Andy chegar. No mais, me aturem".

Na cozinha.

Iris: "Diana, acha que pode ser seu poder, digo. Muitos trovões, podem ter fritado o chip".

Diana: "Eu não sei. Só sei que tenho três adolescentes morrendo de preocupação e eu estou aqui sem poder procurar o meu bebê".

Kevin: "Tia, desculpa atrapalhar, mas acho que você precisa falar com a Lucy. Ela vai ter um colapso nervoso se não se acalmar". Ela apenas acenou e quando chegou na sala viu a menina andando de um lado para o outro.

Diana: "Lucy, se acalma". Foi até ela e a abraçou. Então a menina começou a chorar. "Ele logo vai chegar e vai ficar bravo comigo por você estar chorando".

Lucy: "Vai nada, ele te ama e não vai. Provavelmente vai pedir um milhão de desculpas e vai chorar. A culpa é toda minha tia. Ele disse que o Matt não era bom para mim, mas estava tão brava com ele que mesmo assim fui contra o que ele disse. Então o Matt me machucou e eu fugi do Andy, porque fiquei com vergonha. Andy é meu porto seguro, ele sempre me defende e me protege. Meu cavalheiro da armadura reluzente. Tia, não quero perder ele".

Diana: "Você não vai perder ele. Konnor nunca vai abandonar vocês. Ele é assim, como você disse. Sempre agindo antes de pensar e sempre protegendo quem ele ama".

Konnor P.o.v

Dom: "Ouviu a parte delas quererem nossas cabeças?". Acenei. "Então pronto, vamos".

Eu: "Não posso". Dom me olha sem paciência. "Como vou encarar ela. Viu o que eu fiz com ele".

Clark: "Sua mãe entenderá a situação"

Don: "Não é dela que ele tá falando tio".

Andy: "Eu olhei nos olhos dela, tudo que eu vi foi medo. Não posso ver ela". Me ajoelhei porque ainda estava cansado e não tinha intenção de ir embora. Tio Barry e papai ficaram apenas observando.

Don: "Você é retardado".

Barry: "Don. Isso é jeito de falar".

Dom: "É sim. Você tá chapado? Esses raios fritaram seu cabeção? O idiota, mesmo com todos aqueles raios, ela ainda estava disposta a correr ate aqui por você. Você é muito tapado mesmo. O que você me disse quando eu falei do Brian? Em?"

Eu: "Que poderia ter achado alguém melhor?". Nossos pais apenas observavam a situação.

Dom: "Não lesado. Somos família e não importa o que aconteça, sempre vamos nos apoiar. Eu, a Lucy e até a Ally, te amamos muito e não importa o quão tudo possa ser maluco nas nossas vidas, aquelas doidinhas vão nos apoiar e nos amar. Assim como eu vou fazer isso por você. Agora levanta essa bunda branca e vamos lá abraçar aquelas doidas que queriam entrar em uma chuva de raios por você. Porque se eu passar pela porta da sua casa sem você, acho que vou apanhar mais que o Matt". Dou risada da forma como ele me faz eu me sentir bem zoando as coisas que eu acho ruim. Apenas acenei e Don me ajudou a levantar.

Clark: " Barry veio de carro para disfarçar. Então eu levo o carro e vocês o Konnor". Apenas concordaram. 

Barry: "Filho, vou manter a sua velocidade". Cada um passou um braço meu pelo ombro. E quando percebi então em frente a minha casa e senti tudo revirar em meu estômago, me curvei jogando todas as besteiras que comi à tarde para fora.

Clark: "Aí meu Deus. Tá bem, filho?".

Eu: "Nunca mais façam isso". Meu pai pediu um tempinho e Don e Barry foram em direção a porta.

Clark: "Olha filho, sei que está com medo". O olhei sem entender. "Seu coração, mas saiba que eu e sua mãe iremos estar aqui. Não vamos brigar ou coisa do tipo. O que você fez não foi certo, mas Don me disse o motivo da sua ira, então entendo sua revolta. Saiba que estaremos aqui para te ajudar a controlar seus poderes e te apoiar. Te amamos muito filho". O abraço quase chorando.

Eu: "Obrigado, pai. Obrigado por entender".

Clark: "É claro, filho. Agora vamos entrar porque tem alguém muito ansioso para lhe ver". Acenei, tio Barry e Don já estavam na porta e entraram quando nos viram indo para casa. Ao chegar na porta pude ouvir a voz da Lucy. 

Lucy: "Cadê o Andy?". Falou com um tom de desapontamento?!.

Eu: "Tô aqui Lu". Disse e a vi correndo ate mim, pulou em meu colo e seguro suas pernas enquanto ela me abraça forte. Eu estava morrendo de dor, mas não iria desfazer o contato. Coloquei meu rosto na curva de seu pescoço sentindo aquele cheiro que tanto amo. Não sei quanto tempo ficamos assim, mas fomos interrompidos por Kevin.

Kevin: "A gente vai conseguir um abraço também ou teremos que voltar amanhã". Lucy desceu do meu colo e me olhou meio sem graça.

Lucy: "Desculpa". Disse envergonhada.

Meus amigos vieram me abraçar e me falaram como ficaram assustados, mas felizes por eu ter dado um jeito no Matt. Meus pais e pais do Don ficaram indignados com os papos mas não nos interromperam. Ficou decidido que meus amigos passariam a noite ali em casa comigo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...